Terceira Guerra Sacra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde julho de 2012). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2012).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A Terceira Guerra Sacra (356 a.C. - 346 a.C.), de um ponto de vista meramente politico, nasce como expressão da tentativa da cidade-estado de Tebas de continuar sua política hegemônica, afetada consideravelmente pela Batalha de Mantineia (362 a.C.).

Início[editar | editar código-fonte]

O prefácio da guerra é resultado de um desejo de revance pelos beócios contra os foceus e espartanos, seus dois tradicionais rivais: multas altas que seriam em nome e direcionadas ao santuário de Delfos são determinadas a ambos, aos espartanos pela ocupação da Cadméia no ano 382 a.C. e aos foceus pelo cultivo da terra sagrada de Cirra.

Pelo fato de a multa ser de um valor muito elevado em comparação com a dimensão pequena da terra, como afirmavam os foceus, Filomelo comanda os exércitos da Fócida e ocupa Delfos, se limitando a recolher as contribuiçãoes dos citadinos da cidade e abstendo-se das riquezas do santuário.

Após uma batalha contra os lócrios perto de Delfos, os próprios foceus realizam uma incursão em direção à Lócrida enquanto Tebas move apenas protestos formais. Filomelo também, em um primeiro momento, persegue a política de legitimação enviando embaixadores a Atenas, Esparta e até mesmo a Tebas. No entando, os beócios não deixaram que lhes subtraíssem a função de tutores do santuário, que os classificava como integrantes oficiais da Liga Anfictiônica: enviam, por sua vez, embaixadores à Tessália e à Anfictiônia convidando-os a juntar os exércitos contra os foceus. Os dois lados opostos condensam-se: de um lado beócios, lócrios, tessálios e seus periecos; do outro foceus, atenienses, espartanos e alguns outros peloponésios.

A Guerra[editar | editar código-fonte]

Em 354 a.C. os tessálios irrompem na Lócrida e são derrotados pelos foceus na colina de Argola. Sucessivamente a ação de tropas beócias endireita a situação vencendo Filomelo na batalha de Neon. Como consequencia, o comando é assumido por Onomarco, que passa a utilizar os recursos do santuário tanto por motivos militares quanto em missões diplomáticas. Com isso, Onomarco consegue corromper os tessálios fazendo com que se retirem da luta e conquista posições na Lócrida (Troino) e na Beócia (Orcomenos).

No mesmo ano, os tessálicos pedem a intervenção de Filipe II da Macedônia contra a ameaça do tirano Licofrones de Fere, ao qual se ligam posteriormente os foceus. Já no ano 353 a.C. Filipe II, acompanhado de tropas tessálicas, é derrotado duas vezes pelas tropas de Onomarco. Porém, em 352 a.C., O rei da Macedônia mais uma vez investe contra Licofrones com a ajuda dos tessálicos, formando um exército de mais de 20000 infantes e 3000 cavaleiros que lutaria contra 20000 infantes e 500 cavaleiros foceus. Na batalha dos Campos de Açafrão (Pagase), no Golfo de Volos, Filipe II conqusita uma vitória extraordinária sobre Onomarco: morrem mais de 6000 foceus e mercenários, dentre eles o general, e são aprisionados outros 3000 homens.

Fontes modernas[editar | editar código-fonte]

  • Buckler, John (1989). Philip II and the Sacred War. [S.l.]: Brill Archive. ISBN 90-04-09095-9 
  • Buckley, Terry (1996). Aspects of Greek history, 750-323 BC: a source-based approach. [S.l.]: Routledge. ISBN 0-415-09957-9 
  • Cawkwell, George (1978). Philip II of Macedon. [S.l.]: Faber & Faber. ISBN 0-571-10958-6 
  • Green, Peter (2008). Alexander the Great and the Hellenistic Age. [S.l.]: Phoenix. ISBN 978-0-7538-2413-9 
  • Green, Peter (2006). Diodorus Siculus – Greek history 480–431 BC: the alternative version (translated by Peter Green). [S.l.]: University of Texas Press. ISBN 0-292-71277-4 
  • Hornblower, Simon (2002). The Greek world, 479-323 BC. [S.l.]: Routledge. ISBN 0-415-16326-9 
  • Sealey, Raphael (1976). A history of the Greek city states, ca. 700-338 B.C. [S.l.]: University of California Press. ISBN 0-520-03177-6 
  • Worthington, Ian (2008). Philip II of Macedonia. [S.l.]: Yale University Press. ISBN 978-0-300-12079-0