Terceira lei da termodinâmica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde outubro de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Leis da termodinâmica
0. Lei zero da termodinâmica
1. Primeira lei da termodinâmica
2. Segunda lei da termodinâmica
3. Terceira lei da termodinâmica

Breve Introdução[editar | editar código-fonte]

A terceira lei da termodinâmica foi desenvolvida por Walther Nernst entre 1906 e 1912, e diz que, quando um sistema se aproxima da temperatura do zero absoluto, todos os processos cessam, e a entropia tem como um valor mínimo. A lei, portanto, fornece um ponto de referência para a determinação do valor da entropia. A equação proposta por Nernst é \lim_{T \to 0}\Delta S=0 onde \Delta S é a variação de entropia e  T é a temperatura.

*Um ímã levitando sobre um material supercondutor refrigerado a nitrogênio líquido, cuja temperatura é de aproximadamente -200 °C ou 77 K.

História[editar | editar código-fonte]

A terceira lei foi desenvolvida pelo químico Walther Nernst durante os anos 1906-1912, e por isso é muitas vezes referida como o teorema de Nernst ou postulado de Nernst. A terceira lei da termodinâmica afirma que a entropia de um sistema no zero absoluto é uma constante bem definida. Isto é porque o sistema à temperatura de zero existe no seu estado fundamental, para que a entropia é determinada apenas pela degenerescência do estado fundamental. Em 1912 Nernst declarou a lei assim:. "É impossível para qualquer procedimento, levar a temperatura à T = 0 em um número finito de operação". Uma versão alternativa da terceira lei da termodinâmica como afirma Gilbert N. Lewis e Merle Randall em 1923: Se a entropia de cada elemento em algum estado cristalino (perfeito ) ser tomado como zero no zero absoluto de temperatura, cada substância tem uma entropia finita positiva, mas, ao zero absoluto de temperatura a entropia pode se tornar zero, no caso de substâncias cristalinas perfeitas. Esta versão prevê não só que ΔS irá chegar a zero a 0 K, mas S em si também chegara a zero, desde que o cristal tem um estado fundamental com apenas uma configuração. Alguns cristais formam defeitos que provocam uma entropia residual. Esta entropia residual desaparece quando as barreiras cinéticas para a transição para um estado fundamental são superadas. Com o desenvolvimento da mecânica estatística, a terceira lei da termodinâmica (como as outras leis) passou de uma lei fundamental (justificado por experiências) a uma lei derivada (derivado de leis mais básicas). A lei básica da qual é derivada principalmente é a definição estatístico-mecânica de entropia de um sistema de grande porte:  S - S_0 = k_B \ln \, \Omega \ em que S é a entropia, kB é a constante de Boltzmann, e \Omega é o número de microestados consistentes com a configuração macroscópica. A contagem de estados é a partir do estado de referência do zero absoluto, o que corresponde a entropia de S0.

Explicação[editar | editar código-fonte]

De forma simples, a terceira lei afirma que a entropia de um cristal perfeito se aproxima de zero conforme a temperatura (em escala absoluta) também se aproxima de zero. Essa lei providencia um ponto de referência absoluto para a determinação de entropia. A entropia, a partir deste ponto, é entropia absoluta. Matematicamente, a entropia absoluta de um sistema qualquer em seu zero absoluto é o logaritmo natural do numero de estados fundamentais vezes a constante de boltzmann kB.

A entropia de uma rede perfeita de cristais, como definido pelo teorema de Nernst, é zero se, e somente se, o seu estado fundamental é único, porque ln(1)=0.

Consequência da terceira lei[editar | editar código-fonte]

A terceira lei é equivalente à declaração:

"É impossível através de qualquer procedimento, não importa o quão idealizado, reduzir a temperatura de qualquer sistema à temperatura zero em um finito número de finitas operações"

1

O motivo pelo qual T=0 não pode ser alcançado de acordo com a terceira lei é explicado pelo que segue: Suponha que a temperatura de uma substância pode ser reduzida em um processo isentrópico mudando-se o parâmetro X de X2 para X1. Pode-se pensar numa configuração de desmagnetização nuclear de múltiplos estágios aonde o campo magnético é ligado e desligado de forma controlada. Se houvesse uma diferença na entropia no zero absoluto T=0 poderia ser alcançado em um número finito de operações. Contudo, durante T=0 não há diferença na entropia, então um número infinito de operações seria necessário.


Energia de Helmholtz, A, energia de Gibbs, G[editar | editar código-fonte]

Energia de helmholtz[editar | editar código-fonte]

Aquecimento a volume constante: onde trabalho de expansão é W=0 ficando a equação: dq_v =dU

Então dá-se por estas equações:

dS-\frac{dU}{T}\ge 0\Rightarrow TdS\ge dU

dS_{U,V} \ge 0 \qquad dU_{S,V}\le 0

\qquad A=U-TS

Numa variação a temperatura constante: dA=dU-TdS

Critério para uma transformação espontânea: dA_{T,V}\le 0

Energia de Gibbs[editar | editar código-fonte]

Aquecimento a pressão constante, e apenas existe trabalho de expansão: dq_p=dH

dS-\frac{dH}{T}\ge 0 \Rightarrow TdS \ge dH

dS_{H,p}\ge 0 \qquad dH_{S,p}\le 0

G=H-TS

Numa variação a temperatura constante: dG=dH-TdS

Critério para uma transformação espontânea: dG_{T,p}\le 0

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Guggenheim, E.A. (1967). Thermodynamics. An Advanced Treatment for Chemists and Physicists, fifth revised edition, North-Holland Publishing Company, Amsterdam, page 157.