Terceiro Período Intermediário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
   |- style="font-size: 85%;"
       |Erro::  valor não especificado para "nome_comum"
   |- style="font-size: 85%;"
       | Erro::  valor não especificado para "continente"


Terceiro Período Intermediário do Egito
Blank.png
c. 1 069 a.C. – ca. 664 a.C. Blank.png
Localização de {{{nome_comum}}}
Facções políticas fracionaram o antigo Egito durante o Terceiro Período Intermediário. Os limites acima mostram a situação política em meados do século VIII a.C.
Capital Não especificada
Língua oficial Egípcio Antigo
Religião Religião do Antigo Egito
Governo Monarquia
História
 • c. 1 069 a.C. Fundação
 • ca. 664 a.C. Dissolução
Atualmente parte de  Egito
Antigo Egito
Faraós e dinastias
Período pré-dinástico
Período protodinástico
Época Tinita: I - II
Império Antigo: III IV V VI
1º Período Intermediário:

VII VIII IX X XI

Império Médio: XI XII
2º Período Intermediário:

XIII XIV XV XVI XVII

Império Novo: XVIII XIX XX
3º Período Intermediário:

XXI XXII XXIII XXIV XXV

Época Baixa: XXVI XXVII
XXVIII XXIX XXX XXXI
Período Greco-romano:
Dinastia macedónica
Dinastia ptolomaica
Período Romano

O Terceiro Período Intermediário do Antigo Egito começou com a morte do Faraó Ramsés XI em 1070 AC, terminando o Novo Reino, e foi eventualmente seguido pela Época Baixa. Vários pontos são oferecidos como o início para a segunda era, embora seja mais frequentemente considerado como datando da fundação da Vigésima Sexta Dinastia por Psamético I em 664 AC, após a expulsão dos governantes Núbios da Vigésima Quinta Dinastia pelos Assírios sob o Rei Assurbanípal.

O período foi de declínio e instabilidade política, coincidindo com o colapso final da Idade do Bronze das civilizações no Oriente Médio e no Mediterrâneo Oriental (incluindo a Idade das Trevas Grega). Foi marcado pela divisão do estado durante grande parte do período e conquista e domínio por estrangeiros. Mas muitos aspectos da vida dos egípcios comuns mudaram relativamente muito pouco.

História[editar | editar código-fonte]

Vigésima Primeira Dinastia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: XXI dinastia egípcia

O período da Vigésima Primeira Dinastia é caracterizado pela realeza do país em fratura. Mesmo nos dias de Ramsés XI, a Vigésima dinastia do Egito estava perdendo o controle do poder na cidade de Tebas, cujos sacerdotes estavam a tornar-se cada vez mais poderosos. Após a sua morte, seu sucessor Esmendes I governou a partir da cidade de Tânis, mas era principalmente ativo apenas no Baixo Egito que eles controlavam. Enquanto isso, os Sumos Sacerdotes de Ámon em Tebas efetivamente governavam o Médio e o Alto Egito em tudo menos no nome.[1] No entanto, esta divisão foi menos significativa do que parece, uma vez que ambos os sacerdotes e faraós vinham da mesma família.

Vigésima Segunda e Vigésima Terceira Dinastia[editar | editar código-fonte]

O país foi firmemente reunido pela Vigésima Segunda Dinastia fundada por Sisaque I em 945 AC (ou 943 AC), que descendiam de imigrantes Meshwesh, originalmente da antiga Líbia. Isso trouxe estabilidade ao país por mais de um século, mas depois do reinado de Osorkon II, particularmente, o país efetivamente despedaçou-se em dois estados com Shoshenq III da Vigésima Segunda Dinastia controlando o Baixo Egito em 818 AC enquanto Takelot II e o seu filho Osorkon (o futuro Osorkon III) governou o Médio e Alto Egito. Em Tebas, uma guerra civil envolveu a cidade entre as forças de Pedubast I, que se proclamou Faraó contra a linha existente de Takelot II / Osorkon B. Essas duas facções brigaram consistentemente e o conflito só foi resolvido no ano 39 de Sisaque III quando Osorkon B derrotou os seus inimigos. Ele procedeu a fundar a Vigésima Terceira Dinastia do Alto Egito Líbio de Osorkon III - Takelot III - Rudamun, mas este reino rapidamente fragmentou depois da morte de Rudamun com a ascensão de cidades estados sob reis como Peftjaubast de Heracleópolis, Nimlot de Hermopolis e Ini em Tebas.

Vigésima Quarta Dinastia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: XXIV dinastia egípcia

O reino Núbio ao sul tirou o máximo proveito dessa divisão e instabilidade política. Antes da campanha de 20 anos de Piye no Egito, o governante Núbio anterior - Kashta - já havia estendido a influência de seu reino a Tebas quando ele forçou Shepenupet, a Sacerdotisa principal da divindade egípcia antiga Ámon e irmã de Takelot III, a adotar a sua própria filha Amenirdis. como sua sucessora. Então, 20 anos mais tarde, por volta de 732 AC, o seu sucessor, Piye, marchou para o Norte e derrotou o poder combinado de vários governantes nativos Egípcios: Peftjaubast, Osorkon IV de Tânis, Iuput II de Leontópolis e Tefnacte de Sais.

Vigésima Quinta Dinastia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: XXV dinastia egípcia
25ª Dinastia
Taharka realiza oferendas ao deus Hemen
Pirâmides de Nuri

Piye estabeleceu a Vigésima Quinta Dinastia e nomeou os governantes derrotados como seus governadores provinciais. Ele foi sucedido primeiro por seu irmão, Shabaka, e depois por seus dois filhos, Shabataka e Taharka, respectivamente. O império reunido do vale do Nilo, da 25ª dinastia, era tão grande quanto tinha sido desde o Império Novo. Faraós, como Taharka, construíram ou restauraram templos e monumentos em todo o vale do Nilo, incluindo em Mênfis, Karnak, Kawa, Jebel Barkal, etc.[2][3] A 25ª dinastia terminou com seus governantes recuando para sua pátria espiritual em Napata. Foi lá (em El-Kurru e Nuri) que todos os faraós da 25ª dinastia foram enterrados sob as primeiras pirâmides a serem construídas no vale do Nilo em milénios. [4][5][6][7] A dinastia Napatana levou ao Reino de Cuxe, que floresceu em Napata e Meroé até pelo menos ao século 2 DC.[4]

O prestígio internacional do Egito havia diminuído consideravelmente a essa altura. Os aliados internacionais do país haviam caído firmemente na esfera de influência da Assíria e a partir de 700 AC, a questão tornou-se quando, e não se, haveria guerra entre os dois estados. Apesar do tamanho e riqueza do Egito, a Assíria tinha uma maior oferta de madeira, enquanto o Egito tinha uma escassez crónica, permitindo que a Assíria produzisse mais carvão necessário para a fundição de ferro e desse modo dando à Assíria uma maior oferta de armamento de ferro. Essa disparidade se tornou crítica durante a invasão Assíria do Egito em 670 AC.[8] Consequentemente, o reinado do Faraó Taharka, e do seu sucessor e primo Tantamani, estiveram cheios de conflitos constantes com os Assírios. Em 664 AC os Assírios deram um golpe mortal, saqueando Tebas e Mênfis.

Fim do Terceiro Período Intermediário[editar | editar código-fonte]

O Alto Egito permaneceu por um tempo sob o domínio de Tantamani, enquanto o Baixo Egito foi governado a partir de 664 a.C. pela Vigésima Sexta Dinastia, reis clientes estabelecidos pelos Assírios que conseguiram com sucesso a independência política do Egito durante o tempo dos problemas enfrentados com o Império assírio. Em 656 AC, Psamético I ocupou Tebas e tornou-se Faraó, o Rei do Alto e do Baixo Egito, trazendo maior estabilidade ao país em um reinado de 54 anos a partir da cidade de Saís. Quatro Reis Saite sucessivos continuaram a guiar o Egito para outro período de paz e prosperidade de 610 a 525 AC. Infelizmente para esta dinastia, um novo poder estava crescendo no Oriente Próximo - a Pérsia. O Faraó Psamético III havia sucedido a seu pai Amósis II por apenas 6 meses antes de ter que enfrentar o Império Aquemênida em Pelúsio. Os persas já tinham tomado a Babilônia e o Egito não era páreo. Psamético III foi derrotado e brevemente escapou para Mênfis, antes de ser aprisionado e, posteriormente, executado em Susa, a capital do rei Persa Cambises, que agora assumia o título formal de Faraó.

Historiografia[editar | editar código-fonte]

A historiografia desse período é disputada por vários motivos. Em primeiro lugar, há uma disputa sobre a utilidade de um termo muito artificial que abrange um período extremamente longo e complicado da história Egípcia. O Terceiro Período Intermediário inclui longos períodos de estabilidade, bem como instabilidade cronica e conflito civil: o seu próprio nome obscurece esse fato. Em segundo lugar, há problemas significativos de cronologia decorrentes de várias áreas: primeiro, há dificuldades na datação comum a toda a cronologia Egípcia, mas estas são agravadas devido a sincronismos com a Arqueologia Bíblica, que também contêm datas muito disputadas. Peter James argumentou contra Kitchen que o período durou menos de 200 anos - começando depois de 850 AC, mas terminando na data convencional - já que as cinco dinastias tiveram muitos anos de sobreposição.[9] Finalmente, alguns Egiptólogos e estudiosos da Bíblia, como Kenneth Kitchen ou David Rohl, têm teorias novas ou controversas sobre as relações familiares das dinastias que compõem o período.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Kenneth A. Kitchen, The Third Intermediate Period in Egypt (1100–650 BC), 3rd edition, 1986, Warminster: Aris & Phillips Ltd, p.531
  2. Bonnet, Charles (2006). The Nubian Pharaohs. Nova Iorque: The American University in Cairo Press. pp. 142–154. ISBN 978-977-416-010-3 
  3. Diop, Cheikh Anta (1974). The African Origin of Civilization. Chicago, Illinois: Lawrence Hill Books. pp. 219–221. ISBN 1-55652-072-7 
  4. a b Emberling, Geoff (2011). Nubia: Ancient Kingdoms of Africa. Nova Iorque: Institute for the Study of the Ancient World. 10 páginas. ISBN 978-0-615-48102-9 
  5. Mokhtar, G. (1990). General History of Africa. California, EUA: University of California Press. pp. 161–163. ISBN 0-520-06697-9 
  6. Emberling, Geoff (2011). Nubia: Ancient Kingdoms of Africa. Nova Iorque: Institute for the Study of the Ancient World. pp. 9–11. ISBN 978-0-615-48102-9 
  7. Silverman, David (1997). Ancient Egypt. Nova Iorque: Oxford University Press. pp. 36–37. ISBN 0-19-521270-3 
  8. Shillington, Kevin (2005). History of Africa. Oxford: Macmillan Education. p. 40. ISBN 0-333-59957-8 
  9. «Centuries of Darkness: Context, Methodology and Implications [Review Feature]» (PDF). Cambridge Archaeological Journal (em inglês). 1 (2): 228ff. 1991. ISSN 1474-0540. doi:10.1017/S0959774300000378 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dodson, Aidan Mark. 2001. “Third Intermediate Period.” In The Oxford Encyclopedia of Ancient Egypt, editado por Donald Bruce Redford. Vol. 3 de 3 volumes. Oxford, Nova Iorque, e Cairo: Oxford University Press and The American University in Cairo Press. 388–394.
  • Kitchen, Kenneth Anderson. [1996]. The Third Intermediate Period in Egypt (1100–650 BC). 3rd ed. Warminster: Aris & Phillips Limited.
  • Myśliwiec, Karol. 2000. The Twighlight of Ancient Egypt: First Millennium B.C.E. Traduzido por David Lorton. Ithaca and London: Cornell University Press.
  • Porter, Robert M., A Network of 22nd-26th Dynasty Genealogies, JARCE 44 (2008), 153-157.
  • Taylor, John H. 2000. “The Third Intermediate Period (1069–664 BC).” In The Oxford History of Ancient Egypt, editado por Ian Shaw. Oxford e Nova Iorque: Oxford University Press. 330–368.

Links externos[editar | editar código-fonte]

Images
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre
Egyptian third intermediate period