Teresa Amélia de Saxe-Altemburgo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Teresa
Princesa de Saxe-Altemburgo
Princesa da Suécia e Noruega
Duquesa de Dalarna
Marido Augusto, Duque de Dalarna
Casa Saxe-Altemburgo (nascimento)
Bernadotte (casamento)
Nome completo Teresa Amélia Carolina
Josefina Antônia
Nascimento 21 de dezembro de 1836
  Ansbach, Baviera
Morte 9 de novembro de 1914 (77 anos)
  Palácio de Haga, Solna, Suécia
Enterro Igreja de Riddarholmen, Estocolmo, Suécia
Pai Eduardo de Saxe-Altemburgo
Mãe Amélia de Hohenzollern-Sigmaringen
Religião Luteranismo

Teresa Amélia Carolina Josefina Antónia de Saxe-Altemburgo (em alemão: Therese Amalie Karoline Josephine Antoinette ; Ansbach, 21 de dezembro de 1836Palácio de Haga, 9 de novembro de 1914) foi a esposa do príncipe sueco, Augusto, Duque de Dalarna.[1]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Filha do príncipe Eduardo de Saxe-Altemburgo e da princesa Amélia de Hohenzollern-Sigmaringen, Teresa passou a infância na Baviera. A sua mãe morreu quando ela tinha cinco anos e o seu pai quando tinha dezasseis anos, por isso Teresa passou a viver, a partir dessa idade, com a sua prima, a rainha Maria de Hanôver e um tio materno.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em 1864, o príncipe Augusto da Suécia e Noruega visitou-se em Düsseldorf, e passado uma semana foi anunciado o noivado. Casaram-se em Altemburgo, dia 16 de abril desse ano e, a partir de então, passou a ser princesa da Suécia e Noruega e duquesa de Dalarna.[1]

Teresa em 1890

Na Suécia, o seu nome era "Teresia" e era descrita como tendo uma aparência pequena e frágil. Teresa e Augusto nunca estiveram apaixonados, mas eram bons amigos, vivendo juntos sem problemas. Teresa tinha problemas mentais e uma tendência para desmaios. Uma vez Augusto disse: "As pessoas chamam-me estúpido, mas deviam ouvir a minha Teresa!" Teresa era amiga da sua cunhada Eugénia e passava os verões com ela em Gotlândia. Interessava-se por música e estava muitas vezes presente no seu lugar reservado na Academia Real de Música da Suécia.[2]

Depois de ficar viúva em 1873, Teresa passou a ter Louis De Geer como guardião. Nessa época, manteve correspondência com Ohan Demirgin, um conhecido artista cómico arménio que ela tinha conhecido em 1868 quando a sua presença na corte sueca provocou um escândalo. Em 1875, Fritz von Dardel escreveu: "A duquesa de Dalarna está agora a ser declarada louca pelos seus parentes na Alemanha e, a seu pedido, vai passar o inverno na Suíça para ser tratada por um médico."

Regressou à Suécia em 1890, onde passou a viver na Palácio de Haga, o que fez com que passasse a ser conhecida como duquesa de Haga. Tornou-se conhecida pelos seus cozinhados e comia tanto que acabou por ficar obesa nos seus últimos anos de vida. Morreu em 1914.[2]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b http://www.thepeerage.com/p11096.htm#i110958
  2. a b Lars Elgklou (1978). Bernadotte. Historien - eller historier - om en familj
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Teresa Amélia de Saxe-Altemburgo