Teriantropia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Teriantropia, segundo a Encyclopedia of Religion, é um termo utilizado para "denotar uma divindade ou criatura combinando a forma ou atributos de um humano com os de um animal". Não é um termo academicamente consistente, pois sua descrição pode abranger contextos de antropomorfismo, imagens de divindades animais, personificações ritualísticas, identificação totêmica de caçador e presa e liminaridade da natureza humana e animal, mas é comum também para o conceito sobrenatural de transmutação de forma de seres humanos em animais, a exemplo da licantropia.[1] Refere-se também ainda a uma cultura desenvolvida no meio digital como novo movimento religioso.[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo "teriantropia" vem do grego theríon [θηρίον], que traduz-se como "animal selvagem", "fera" ou "besta" (implicitamente mamíferos); e anthrōpos [ἄνθρωπος], que traduz-se por "ser humano". Era um termo usado para se referir sobre folclores de transformação animal na Europa, datando do começo de 1901.[3] As vezes, o termo "zoantropia" é usado no lugar.[4]

Theriantropia foi usado para descrever crenças espirituais em transformação animal de uma publicação japonesa de 1915, "História do Povo Japonês do Início ao Fim da Era Meiji".[5] Uma fonte, "O Humano Predador", aumenta a possibilidade do termo ter sido usado a partir do século XVI em julgamentos criminais de supostos lobisomens.[6]

História da teriantropia e teriocefalia[editar | editar código-fonte]

Assim como licantropia, por vezes teriantropia se refere a refere a habilidade fantástica ou mitológica de alguns humanos se tornarem animais.[7] Nesse contexto, teriantropos são ditos capazes de mudar sua forma. A teriantropia existiu por muito tempo na mitologia, e é demonstrada em desenhos ancestrais de cavernas[8] como por exemplo O Feiticeiro, um pictograma feito em uma caverna paleolítica encontrada em um sítio arqueológico em Pyrénées, localizado em Les Trois Frères, França.

"Teriocefalia" ("encabeçamento animal") se refere a seres que possuem uma cabeça animal acoplada a um corpo humano ou antropomórfico; por exemplo, as formas dos antigos deuses egípcios (como Ra, Sobek e Anúbis).

Mitologia da troca de forma humana[editar | editar código-fonte]

Um sapo se transforma em uma princesa na pintura Tsarevna Frog ("A Princesa Sapo") por Viktor Vasnetsov.

Mudar de forma no folclore, mitologia e antropologia geralmente se refere a alteração da aparência física humana para a de uma outra espécie. Licantropia, normalmente descrita como a transformação de um humano em um lobo (ou lobisomem), é provavelmente a forma mais conhecida de teriantropia, seguida pela cinantropia (transformação em um cachorro) e ailuranthropy (transformação em um gato).[9] Werehyenas são presentes em histórias de diversas culturas africanas e euroasiáticas. Lendas turcas ancestrais falam sobre xamãs capazes de alterar sua forma conhecidos como kurtadams, que se traduz como "homem lobo".[carece de fontes?] Os gregos antigos descreveram a cinantropia, de κύων kyōn[10] (ou "cão"), que se aplicava a seres mitológicos capazes de alternar entre a forma humana e a forma de cão, ou que possuíam características combinadas de tanto cães quanto humanos.[carece de fontes?]

O termo existe desde pelo menos 1901, quando era aplicado a histórias chinesas sobre humano transformando-se em cachorros, cachorros se tornando pessoas e relações sexuais entre humanos e caninos.[11] O antropólogo David Gordon White disse que a Asia Central é o "vórtice da cinantropia" pois as raças dos homens-cães eram normalmente postas lá por escritores antigos. Os cinantropos são também conhecidos em Timor. Eram descritos como humanos-caninos capazes de transformar outras pessoas em animais, mesmo contra sua vontade.[carece de fontes?]

O folclore europeu também menciona werecats, que podem se transformar em panteras ou animais domésticos de tamanho alargado.[12] Lendas africanas descrevem pessoas que se transformam em leões ou leopardos, enquanto os werecats asiáticos são tipicamente são tipicamente retratados como se tornando tigres.[carece de fontes?]

Aspectos psiquiátricos[editar | editar código-fonte]

Dentre um conjunto de pacientes psiquiátricos, a crença de ser parte animal, ou licantropia clínica, é geralmente associada com psicose severa, mas nem sempre se relaciona com algum diagnóstico psiquiátrico específico ou descobertas neurológicas.[13] Outros reconhecem a licantropia clínica como uma desilusão no sentido de auto-desordem encontrada nas desordens afetiva e esquizofrênicas, ou como um sintoma de outras desordens psiquiátricas.[14]

Terians (ou therians) são indivíduos que acreditam ou sentem que eles são animais não-humanos em sentido espiritual.[15][16] Também há outros que afirmam ter uma conexão psicológica ou neuro-biológica — ao invés de espiritual — com a espécie animal específica. Ambos os casos constantemente usam o termo "disforia de espécie" para descrever seus sentimentos de desconexão de seus corpos humanos seu desejo subjacente de viver como sua criatura auto-declarada.[17]

As subculturas de terians e vampiros são relacionadas a comunidade otherkin, e são consideradas como parte da mesma por muitos otherkin, mas tem cultura e historicamente movimentos distintos, apesar da sobreposição de alguns de seus membros.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Walens, Stanley (1987). "Therianthropism". In Jones, Lindsay (ed.) (2005). Encyclopedia of religion (em inglês). [S.l.]: Macmillan Reference USA
  2. Cusack, Carole M.; Kosnáč, Pavol (18 de novembro de 2016). Fiction, Invention and Hyper-reality: From popular culture to religion (em inglês). [S.l.]: Taylor & Francis 
  3. De Groot, J.J.M. (1901). The Religious System of China: Volume IV. Leiden: Brill. p. 171 
  4. Guiley, R.E. (2005). The Encyclopedia of Vampires, Werewolves & Other Monsters. New York: Facts on File. p. 192. ISBN 0-8160-4685-9 
  5. Brinkley, Frank; Dairoku Kikuchi (1915). A History of the Japanese People from the Earliest Times to the End of the Meiji Era. [S.l.]: The Encyclopædia Britannica Co 
  6. Ramsland, Katherine (2005). The Human Predator: A Historical Chronicle of Serial Murder and Forensic Investigation. [S.l.]: Berkley Hardcover. ISBN 0-425-20765-X 
  7. Edward Podolsky (1953). Encyclopedia of Aberrations: A Psychiatric Handbook. [S.l.]: Philosophical Library 
  8. «Trois Freres». Encyclopædia Britannica. Consultado em 6 de dezembro de 2006 
  9. Greene, R. (2000). The Magic of Shapeshifting. York Beach, ME: Weiser. p. 229. ISBN 1-57863-171-8 
  10. kynanthropy; Woodhouse's English-Greek Dictionary; (1910)
  11. De Groot, J.J.M. (1901). The Religious System of China: Volume IV. Leiden: Brill. p. 184 
  12. Greene, Rosalyn (2000). The Magic of Shapeshifting. [S.l.]: Weiser. p. 9 
  13. Keck PE, Pope HG, Hudson JI, McElroy SL, Kulick AR (fevereiro de 1988). «Lycanthropy: alive and well in the twentieth century». Psychol Med. 18 (1): 113–20. PMID 3363031. doi:10.1017/S003329170000194X 
  14. Garlipp, P; Godecke-Koch T; Dietrich DE; Haltenhof H. (janeiro de 2004). «Lycanthropy—psychopathological and psychodynamical aspects». Acta Psychiatrica Scandinavica. 109 (1): 19–22. PMID 14674954. doi:10.1046/j.1600-0447.2003.00243.x 
  15. «We Are Spirits of Another Sort». Nova Religio: The Journal of Alternative and Emergent Religions. 15 (3). 65 páginas. 2012. doi:10.1525/nr.2012.15.3.65 
  16. Cohen, D. (1996). Werewolves. New York: Penguin. p. 104. ISBN 0-525-65207-8 
  17. a b Lupa (2007). A Field Guide to Otherkin. [S.l.]: Megalithic Books. ISBN 190571307X 
Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.