Termas de Monfortinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Termas de Monfortinho
Termas de Monfortinho.JPG
Geografia
País
Sub-região
Distrito
Município
Localidade
Coordenadas
Funcionamento
Estatuto
Termas de Monfortinho, no concelho de Idanha-a-Nova.

As Termas de Monfortinho situam-se na província da Beira Baixa, região do Centro (Região das Beiras) e sub-região da Beira Interior Sul, numa planície banhada pelo rio Erges, situado na orla da serra de Penha Garcia. O lugar das Termas conta com 307 habitantes (2011) e dista cerca de 3 km da sede de freguesia, Monfortinho.

História[editar | editar código-fonte]

Local rico em águas termais, a tradição admite a exploração do manancial da Fonte Santa de Monfortinho, como é designado, desde o período romano. Contudo não existe qualquer prova que sustente esta teoria.

Ribeiro Sanches, célebre físico natural de Penamacor, parece ter sido o primeiro a fazer referência às qualidades terapêuticas destas águas. Francisco da Fonseca Henriques, médico de D. João V, no seu Aquilégio Medicinal, fala-nos destas caldas e dos seus efeitos milagrosos na cura de males articulares, da pele, do sistema digestivo e hepático, do sistema reprodutor feminino e do foro psiquiátrico.

Durante séculos, este manancial de água num local desértico foi livremente utilizado por gentes de ambos os lados da fronteira para a cura de diversos males, embora as infra-estruturas existentes fossem muito deficitárias. Para os banhos era utilizada uma pequena casa erigida em granito, intitulada de Casa do Banho Público, de muito débeis e arcaicas condições. Esta seria demolida já durante o inicio do século XX, aquando das obras de remodelação levadas a cabo pela Companhia das Águas da Fonte Santa de Monfortinho, que obteria a exploração destas termas.

A Companhia das Águas da Fonte Santa de Monfortinho seria fundada em 1907 por 32 sócios, sendo seu grande impulsionador José Gardete Martins, médico e director clínico vitalício daquele estabelecimento termal. Com esta fundação, terminava o livre acesso da população a este manancial, ocorrido durante séculos, iniciando-se a empresarialização da sua exploração. Durante o período da I Guerra Mundial, as Caldas de Monfortinho conheceram um período de grave crise compensado,contudo, durante os anos da Guerra Civil Espanhola e da II Guerra Mundial, período durante o qual se observou um grande incremento do número de banhistas [1].

Em 1935, durante o período inicial do Estado Novo, seria constituída uma nova sociedade, formada por novos sócios, que manteria a mesma designação. Esta nova sociedade era encabeçada pelo Conde da Covilhã, Júlio Anahory de Quental Calheiros, e pelo Visconde de Guilhomil, Ruy Vieira Peixoto de Villas Boas.

Em 1940 seria construído um grande balneário, com todas as infra-estruturas, e um hotel, o Hotel da Fonte Santa. Em 1948 seria construído um novo hotel, por iniciativa de um grupo de industriais liderado pelo Padre Alfredo Marques dos Santos, o Hotel Astória.

O grande problema que, contudo, inviabilizou um maior desenvolvimento destas termas foi a sua interioridade e a falta de vias de comunicação de qualidade. Ainda em 1970 não havia sido construída a estrada de ligação entre Monfortinho e Penha Garcia, essencial para uma pretensão antiga da população: uma ligação rodoviária transfronteiriça. Tal ligação só seria uma realidade em 1993, com a construção da ponte internacional que liga as termas de Monfortinho à província espanhola de Cáceres.

Em 1989 são reconhecidas por despacho da direcção geral de saúde as propriedades terapêuticas das águas termais.[2]

Em 1991, a Companhia das Águas da Fonte Santa de Monfortinho foi vendida ao Grupo Espírito Santo, que encetou um conjunto de obras de requalificação, concluídas em 2001.

Em 2008 foram a empresa Espírito Santo Saúde vendeu as Termas de Monfortinho, as Águas do Vimeiro e a Herdade da Poupa à AA-Iberian Natural Resources & Tourism S.A., um grupo detido por investidores institucionais internacionais.[3] Também em 2008 (a 19 de Março) foram adicionadas ao despacho conjunto da direcção geral de saúde novas funções e terapias para as águas das termas: doenças metabólico-endocrinas, reumáticas e músculo-esqueléticas, aparelho circulatório, aparelho nefro-urinário e aparelho respiratório [4]

As águas da "Fonte Santa de Monfortinho" são hipomineralizadas, bicabornatadas, sódicas, cálcicas e magnésicas, possuindo um dos maiores teores de sílica entre as águas termais portuguesas. A temperatura na nascente é de 29° C. Apresentam um pH de 5,45 e têm um elevado potencial redox. O caudal da nascente atinge os 36.000 litros/hora. [5]

Indicações Terapêuticas[editar | editar código-fonte]

As "águas da Fonte Santa de Monfortinho" das Termas de Monfortinho ajudam a regeneração da pele e mucosas do aparelho digestivo e respiratório sendo aconselhadas para:[6] - Doenças crónicas de Pele (Psoríase, eczemas, acne, celulite, úlceras, sequelas de queimaduras e outras dermatoses) - Doenças Hepato-Vesiculares (Discinésias, litíases biliares e hepatites crónicas) - Doenças Gastro-Intestinais (Gastrites, úlceras pépticas, colites espásticas, diverticuloses e síndromes hemorroidários) - Doenças Reumáticas (Artrose, espondilose, tendinite e fibromialgia) - Doenças das vias respiratórias (Rinite, sinusite) - Litíase renal - Para o relaxamento, bem-estar e repouso

Alguns tratamentos disponíveis incluem as funções terapêuticas e de relaxamento em simultâneo indicados igualmente para desportistas e bodybuilders (duche vichi com massagem a 4 mãos, duche escocês, hidromassagem) [7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ALMEIDA, Andreia - «O Termalismo na Raia Portuguesa: As Caldas de Monfortinho». In Iberografias, 24, 2013.

Referências

  1. ALMEIDA, Andreia de - «O Termalismo na Raia Portuguesa: As Caldas de Monfortinho». In Iberografias, 24, 2013, p. 95.
  2. Direcção Geral de Saúde. «"Despachos"». Consultado em 27 de Setembro de 2015 
  3. Jornal de Negócios. «"Espírito Santo Vende Termas de Monfortinho e Águas do Vimeiro a Investidores Internacionais"». Consultado em 27 de Setembro de 2015 
  4. Direcção Geral de Saúde. «"Despachos"». Consultado em 27 de Setembro de 2015 
  5. Ô Hotels and Resorts. «"Termas de Monfortinho"». Consultado em 27 de Setembro de 2015 
  6. Ô Hotels and Resorts. «"Termas de Monfortinho"». Consultado em 27 de Setembro de 2015 
  7. Matetip.com. «"Fonte Santa Monfortinho Hotel and Spa"». Consultado em 27 de Setembro de 2015 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

  • [[1] «O Termalismo na Raia Portuguesa: as Caldas de Monfortinho»] Verifique valor |url= (ajuda) 
  • [[2] «Termas de Portugal - Termas de Monfortinho»] Verifique valor |url= (ajuda) 
  • [[3] «Termas de Monfortinho (site oficial)»] Verifique valor |url= (ajuda)