Théodore Alphonse Galot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Théodore Alphonse Galot ou Gallot (Chartres, 16 de abril de 1806 --- Rio de Janeiro,1866) foi um pintor e desenhista francês que se radicou no Brasil onde, além da pintura, exerceu o magistério.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um pintor miniaturista, fez sua formação artística na Escola Central de Chartres, onde o pai era professor. Expos no Salão de Paris de 1833 a 1842, com paisagens que representavam cenas dos arredores de sua cidade natal.

Após a última visita ao Salão, deve ter deixado a França e viajado para o Brasil. Escolheu a cidade do Rio de Janeiro para fixar residência. Não foi possível descobrir a razão dessa mudança mas é certo que aí permaneceu até seus últimos dias.

O pintor e professor[editar | editar código-fonte]

São poucas os obras conhecidas deste artista. Trabalhava em óleo, guache e aquarela. Foi um excelente marinhista tendo pintado a costa brasileira próxima à Baía de Guanabara. O Almanak Laemmert de 1849 relacionava Galot entre os pintores de retratos e paisagem com ateliê na rua d'El Rey, em Niterói. Já na edição do ano seguinte, o pintor aparece apenas como paisagista.

Exposições[editar | editar código-fonte]

Em 1845, participou da exposição da Academia Imperial de Belas Artes [1].

O francês Benezit, no seu famoso Dictionnaire, aponta Théodore Alphonse Galot como diretor do museu do Rio de Janeiro (sic). Certamente um dado biográfico sem fundamento, pois, se verdadeiro, outras fontes o confirmariam.

Magnum opus o quadro a óleo sobre tela intitulado Andarahy.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • PONTUAL, Roberto.Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • BENEZIT, E. Dictionnaire, etc. Paris: Gründ, 1999.
  • MELLO JÚNIOR, Donato. Facchinetti. São Paulo: Art Editora/Rio de Janeiro: Editora Record, 1982.
  • LEVY, Carlos Roberto Maciel. Exposições gerais da Academia Imperial e da Escola Nacional de Belas Artes. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 1990.

Referências

  1. Maciel Levy, ob.cit