The Book Thief

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura a adaptação cinematográfica, veja The Book Thief (filme).
The Book Thief
A rapariga que roubava livros[1] (PT)
A menina que roubava livros[2] (BR)
Markus Zusak - The Book Thief (livro).jpg
Primeira edição de The Book Thief.
Autor (es) Markus Zusak
Idioma Inglês, alemão
País Austrália Austrália
Género Ficção
Editora Picador/Pan Macmillan
Lançamento 1.º de setembro de 2005
Páginas 592
Edição portuguesa
Tradução Manuela Madureira
Editora Presença
Lançamento 19 de fevereiro de 2008
Páginas 468
ISBN 978-972-23-3907-0
Edição brasileira
Tradução Vera Ribeiro
Editora Editora Intrínseca
Lançamento 15 de fevereiro de 2007
Páginas 480
ISBN 978-85-98078-17-5

The Book Thief (A menina que roubava livros (título no Brasil) ou A menina que roubava livros (título em Portugal)) é um drama do escritor australiano Markus Zusak, publicado em 2005 pela editora Picador.[3] No Brasil e em Portugal, foi lançado pela Intrínseca e a Presença, respectivamente. O livro é sobre Liesel Meminger, uma garota que encontra a Morte três vezes durante 1939–43 na Alemanha nazista.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

The Book Thief tem, como narradora, a Morte, cuja função é recolher a alma de todos aqueles que morrem. Durante a sua passagem pela Alemanha, na Segunda Guerra Mundial, ela encontra a protagonista, Liesel Meminger, numa estação de comboio enquanto o seu irmão mais novo é enterrado próximo ao local. A menina, ao perceber que o coveiro deixou um livro, O manual do coveiro, cair na neve, rouba-o e é levada, então, até a cidade fictícia de Molching, onde a sua mãe pretende entregá-la a uma família para que a adotem. Na Rua Himmel, reside o casal de classe trabalhadora formado por Hans e Rosa Hubermann.

Lá, ela convive com os novos responsáveis e vai à escola, assim como faz amizade com o vizinho Rudy Steiner. Como ajudante de sua mãe, começa uma amizade com a mulher do prefeito, Ilsa Hermann, embora ela só perceba o tamanho dessa amizade no fim da história. Como o título sugere, ela realmente rouba livros. Com a amizade com Ilsa Hermann (também chamada de Frau Hermann), ela entrava em sua casa por uma janela, e roubava livros.

Ao longo dos quatro anos em que viveu com os Hubermann, roubou diversos livros e aprendeu lições com eles. Rudy e Liesel também roubavam comida (frutas e batatas, entre outros alimentos). Na Juventude Hitlerista, Rudy, como sempre, agiu como um idiota e, por pouco, não foi expulso. Hans, Rosa e Liesel esconderam um judeu, Max, para poder ajudá-lo, devido à uma antiga promessa feita por Hans Hubermann à sua mãe. Hans Hubermann tenta ajudar outro judeu durante uma caminhada e é advertido por um soldado alemão, que o agride. Max resolve ir embora para proteger a família que o acolheu.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Presença: A rapariga que roubava livros». Editorial Presença. Arquivado desde o original em 1.º de março de 2011. 
  2. «Intrínseca: A menina que roubava livros». Editora Intrínseca. Arquivado desde o original em 1.º de março de 2011. 
  3. «The Book Thief: Markus Zusak» (em inglês). The Book Depository. Consultado em 1.º de março de 2011. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.