The Book of Mormon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Book of Mormon
Cartaz de divulgação da Broadway
Música Trey Parker

Robert Lopez
Matt Stone

Letra Trey Parker
Robert Lopez
Matt Stone
Libreto Trey Parker
Robert Lopez
Matt Stone
Produção 2011 Broadway
2012 1º turnê americana
2012 Chicago
2013 West End
2013 2º turnê americana
Prêmios Tony Award de melhor musical
Grammy Award de melhor álbum de teatro musical

The Book of Mormon (O Livro de Mórmon em português) é um musical de sátira religiosa com o libreto, as letras e a música de Trey Parker, Robert Lopez, e Matt Stone.[1]Parker e Stone são mais conhecido pela criação da comédia animada South ParkEles escreveram as canções com Lopez, o co-compositor/co-letrista de Avenue Q, e, em seguida, de Frozen. The Book of Mormon segue dois missionários Mórmon, na tentativa de compartilhar suas escrituras com os habitantes de uma remota aldeia na Uganda. Os jovens sérios são mudados pelos moradores que não tem interesse na pregação, como estão ocupados com problemas graves, tais como a AIDS, a fome e a opressão vinda de um guerreiro.[2]

O desenvolvimento do musical começou em 2003, com o trio se reunindo esporadicamente para trabalhar no musical por vários anos depois de Parker e Stone assistiram Avenida Q. Parker e Stone cresceram no Colorado, e referências a A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias tinham sido comuns em seus trabalhos anteriores. Para investigação, o trio fez uma viagem para a Cidade de Salt Lake, onde conheceram os atuais e ex-missionários Mórmons. O desenvolvimento de oficinas para testes, começaram ser feitas em 2008. O produtor do show, Scott Rudin, optou por abrir o show diretamente na Broadway. A Igreja Mórmon emitiu uma educada resposta mediana para o musical, e comprou espaço publicitário em seu playbill em shows posteriores. 

Depois de quase sete anos de desenvolvimento, a abertura do espetáculo na Broadway ocorreu em março de 2011. The Book of Mormon foi aclamado pela crítica, e recebeu recordes de vendas de ingressos no Eugene O'Neill Theatre. O show foi premiado com nove Tony Awards, um dos quais era o de Melhor Musical, e um Prêmio Grammy para Melhor Álbum de Teatro Musical. A gravação do elenco original da Broadway, tornou-se o álbum da Broadway a chegar mais alto nas paradas musicais em mais de quatro décadas, atingindo o número três na Billboard charts. O musical estreou no West End em 2013, e recebeu duas turnês americanas. 

História[editar | editar código-fonte]

The Book of Mormon foi concebido por Trey Parker, Robert Lopez, e Matt Stone. Ambos Parker e Stone cresceu no Colorado, e estavam familiarizados com A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias (SUD) e seus membros.[3] Parker tinha uma extensa experiência em música, antes de conhecer Stone; no ensino médio, ele foi cantou no corus do teatro da comunidade, na produção de The Best Little Whorehouse in Texas, e tocou piano para o refrão e foi presidente do conselho do coral. Quando ele tinha 15 anos de idade, ele escreveu músicas e produziu uma fita cassete intitulada Immature que ele intitulou como "uma coleção de baladas de amor para os homens dos anos 80."[4] Ele também atuou em produções de Grease eFlower Drum Song, e ajudou a construir o cenário para a produção de sua comunidade do Little Shop of Horrors.[5][6] Os escritores se tornaram amigos na Universidade do Colorado em Boulder. Na faculdade, eles trabalharam juntos em um filme musical,  Cannibal! The Musical (1993), a sua primeira experiência com o filme musicais.[7] Em 1997, criou a série de TV South Park para o Comedy Central, e em 1999 realizou o filme musical South Park: Bigger, Longer & Uncut.[8] Os dois pensaram inicialmente em criar um ficcional Joseph Smith, líder religioso e fundador do movimento Mórmon, enquanto trabalhava em sua série anulada da Fox sobre personagens históricos.[3] Seu filme de 1998, Orgazmo e um episódio de South Park, "Tudo Sobre os Mórmons" de 2003, ambos deram tratamento cômico para o Mormonismo.[7]

Durante o verão de 2003, Parker e Stone voaram para Nova York para discutir o roteiro de seu novo filme, Team America: World Police, com o amigo e produtor Scott Rudin (que também produziu South Park: Bigger, Longer & Uncut).[3][9] Rudin, aconselhou o duo para ver o musical Avenida Q  na Broadway, porque achou o elenco de marionetes de Team America semelhante aos fantoches de Avenue Q.[9] Parker e Stone foi ver a produção durante o verão e os escritores-compositores de Avenue Q, Lopez e Jeff Marx, notou-los na platéia e foram cumprimenta-los. Lopez revelou que South Park: Bigger, Longer & Uncut foi altamente influente na criação de Avenue Q.[9] O quarteto foi beber depois, e logo descobriu que cada um queria escrever algo envolvendo Joseph Smith.[3] Os quatro começaram a trabalhar em ideias quase que imediatamente, e a ideia de criar uma moderna história foi formulada desde o começo.[3] Para fins de pesquisa, o quarteto fez uma viagem de campo para Salt Lake City, onde eles "entrevistaram um grupo de missionários—ou ex-missionários."[10] Eles tinham que contornar agenda de Parker e Stone em South Park.[7][11] Em 2006, Parker e Stone voou para Londres, onde passaram três semanas com Lopez, que estava trabalhando na produção de West End de  Avenue Q. Lá, os três escreveram "quatro ou cinco músicas" e veio com a ideia básica da história. Depois de um desacordo entre a Parker e Marx, que sentia que ele não estava recebendo controle criativo suficiente, Marx foi saiu do projeto. Para os próximos anos, o restante do trio reuniu-se com freqüência para desenvolver o que inicialmente seria chamado The Book of Mormon: The Musical of the Church of Jesus Christ of Latter-day Saints. "Havia um monte de salto para lá e pra cá entre L. A. e Nova York," lembrou Parker.[3]

Existem inúmeras alterações entre o enredo original para a produção final. Uma canção chamada Family Home Evening, que estava no início das oficinas do show, foi cortada. O senhor da guerra em Uganda foi chamado General Kony nas prévias porém mais tarde foi alterado para General Butt Fucking Naked. A canção The Bible Is A Trilogy, passou por uma grande reformulação e tornou-se  All-American Prophet. A versão anterior era em torno de como o terceiro filme das trilogias são sempre o melhor, o que levava a uma recorrente brincadeira com Matrix, onde um homem de Uganda diz: "eu pensei que o terceiro Matrix foi o pior", que mais tarde foi alterado para "eu tenho larvas no meu escroto", na versão reescrita.[12] A canção Spooky Mormon Hell Dream era originalmente chamado de H-E Double Hockey Sticks.

Lopez decidiu levar o projeto e mais um passo, as oficinais, que confundia  Parker e Stone sobre o que ele quis dizer.[3] As oficinas de desenvolvimento foram dirigidas  por Jason Moore, e estreladas por Cheyenne Jackson.[13] Outros atores das leituras incluí  Benjamin Walker e Daniel Reichard.[14] A equipe iniciou o primeiro de uma meia-dúzia de oficinas que vão ser realizadas nos próximos quatro anos, variando de 30 minutos a mini-apresentações para a família e amigos até apresentações de maior escola do desenvolvimento embrionário show. Eles gastaram centenas de milhares de dólares de seu próprio dinheiro, ainda estavam convencidos de levá-lo mais longe.[3] Em fevereiro de 2008, houve uma completa leitura encenada, estrelada por Walker e Josh Gad como Elders Price e Cunningham, respectivamente.[14] Moore foi originalmente escolhido para dirigir, mas deixou a produção em junho de 2010.[14] Outros diretores, incluindo James Lapine, foram escolhido para se juntar a equipe de criação, mas os produtores recrutaram Casey Nicholaw.[14] Um final de semana de cinco oficinas ocorreu em agosto de 2010, quando Nicholaw entrou para equipe, como coreógrafo e co-diretor com Parker.[3]

Rudin foi nomeado como o produtor do show.[15] Originalmente, Rudin planejou The Book of Mormon para inaugurar off-Broadway, em Nova York Theatre Workshop , no verão de 2010, mas optou por abri-lo diretamente na Broadway, "desde que os caras [Parker e Stone] funcionam melhor quando os riscos são mais altos."[14] Rudin reservou o Eugene O'Neill Theatre e contratou jogadores-chave, enquanto os conjuntos foram projetados e construídos.[3] Rudin esperou que a produção custasse US $11 milhões, mas o orçamento ficou abaixo de US $9 milhões.[14] Centenas de atores fez o teste e 28 foram lançados. Quando um espaço para os ensaios foi encontrado, o trabalho de produzir um full-blown musical ficou sob forma.[3] Parker e Stone, juntamente com suas famílias, mudaram-se de Los Angeles para Nova Iorque logo após a conclusão da décima quarta temporada de South Park, em novembro de 2010. O elenco e a equipe, em seguida, freneticamente mergulhou em revisões e ensaios. A equipe realizou quatro semanas de ensaio, com um adicional de duas semanas para ensaios técnicos, em seguida, foi diretamente para as prévias. Os produtores ouviu pela primeira vez o musical, seis dias antes do primeiro pagamento da audiência.[3]

Produções[editar | editar código-fonte]

Broadway (2011–)[editar | editar código-fonte]

O Eugene O'Neill Theatre , vários meses após o lançamento do musical.

The Book of Mormon estreou na Broadway no Eugene O'Neill Theatre em 24 de Março de 2011, após prévias desde o dia 24 de fevereiro.[16][17] A produção é coreografado por Casey Nicholaw e co-dirigida por Nicholaw e Parker. O design é de  Scott Pask, com figurinos de Ann Roth, iluminação por Brian MacDevitt, e o som de Brian Ronan. As orquestrações foram co-criadas por Larry Hochman e o diretor musical e arranjador vocal Stephen Oremus.[18] A produção foi originalmente estrelada por Josh Gad e Andrew Rannells nos dois papéis principais.[18]

Em 25 de abril de 2011, os produtores confirmaram que com a "contrafação dos ingressos para a Broadway, a produção tinha sido esgotada e apresentada por espectadores em pelo menos cinco ocasiões diferentes". Um artigo no The New York Times relatou que "Em cada caso, os bilhetes foram comprados no Craigslist, e enquanto um único vendedor é suspeito, a compra de bilhetes ocorreram em locais diferentes ... A produtora Jujamcyn Teatros, que gerencia a s produções no O'Neill, notificou o Departamento de Polícia de Nova York".[19]

A produção de Nova Iorque do The Book of Mormon empregou uma inovadora estratégia de preços, semelhantes aos usados na companhia aérea e na indústria de hotel. Os produtores cobraram US $477 para os melhores lugares do espetáculo com particularmente alta demanda.[20] A estratégia pagou generosamente. Durante seu primeiro ano, o show foi certamente um dos cinco melhores em venda na Broadway e teve 22 novas vendas semanais registradas no Eugene O'Neill Teatro. Na semana do dia de ação de Graças de 2011, a média paga foi de US $170, mesmo que o mais alto preço para assento regular foi listado em $155.[21] Devido ao público alto, juntamente com os preços agressivos permitiu a seus financiadores recuperar o investimento de US $11,4 milhões, depois de apenas nove meses de apresentações.[22]

Turnê nacional dos EUA (2012-2016)[editar | editar código-fonte]

A primeira turnê norte-americana começou as prévias em 14 de agosto de 2012 no Denver Center for the Performing Arts , em Denver, Colorado, antes de se mudar para o Teatro Pantages em Los Angeles no dia 5 de setembro, com a abertura oficial em 12 de setembro. Originalmente prevista para começar em dezembro de 2012, a produção foi adiantada em quatro meses.[23] Gavin Creel (Prince) e Jared Gertner (Cunningham) lideraram o elenco[24] até o final de dezembro, quando o artista de West End, Mark Evans e Christopher John O'Neill assumiram, dando tempo para que Creel e Gertner começassem os ensaios para a produção de West End. Depois que Evans deixou o show em 30 de junho de 2014, o Elder Price alternado da Broadway,  K. J. Hippensteel, cobriu o papel temporariamente. Hippensteel retornou à Broadway e Ryan Bondy assumiu o papel de Elder Price. Bondy continuou como o Elder Price até Creel retornar de Londres, mais tarde, no verão de 2014. Quando Creel e O'Neill deixou a turnê para se juntar a produção da Broadway, Bondy novamente assumiu o papel do Elder Price, enquanto Chad Burris assumiu o papel de  Elder Cunningham. Os dois só ficaram por seis semanas, como eles esperavam virem substitutos de West End. Billy Harrigan Tighe e A. J. Holmes se mudou depois a produção de West End para reprisar seus papéis como o Elder Price e Cunningham, respectivamente. Bondy e Burris, em seguida, voltou para a Segunda Turnê Nacional, como Elder Price e Elder Cunningham substitutos.

Como parte da turnê, o musical foi realizado em Salt Lake City , pela primeira vez, no final de julho e início de agosto de 2015.[25]

A turnê fechou em 1º de Maio de 2016, em Honolulu, Havaí.

Chicago (2012-2013)[editar | editar código-fonte]

A primeira réplica da produção, separado de uma turnê, começou as pré-visualizações em 11 de dezembro de 2012, e foi inaugurada oficialmente no dia 19 de dezembro do mesmo ano, no Bank of America Theatre em Chicago, omo parte do Broadway, em Chicago. O espetáculo limitado fechou em 6 de outubro de 2013 e tornou-se a segunda turnê nacional dos EUA.[26][27][28] O elenco incluía Nic Rouleau, no papel de Price, juntamente com Ben Platt como Cunningham.[29]

West End (2013-)[editar | editar código-fonte]

A produção do Reino Unido estreou no West End, em 25 de fevereiro de 2013, no Prince of Wales Theatre.[30] Gavin Creel e Jared Gertner reprisou seus papéis na turnê americana.[31] Os membros do elenco de Londres apresentaram uma atuação de gala do novo musical em 13 de março de 2013, arrecadando £  $200.000 no Red Nose Day da Comic Relief, instituição de caridade britânica.[32] Um típico desempenho em Londres é executado em duas horas e 30 minutos,[33] incluindo um intervalo de 15 minutos.[34] Em março de 2014, The Book of Mormon foi eleito o mais Divertido Show de West End como parte do West End Frame Prêmios 2014.[35] Em 28 de julho de 2014, tanto Creel e Gertner deixou a produção. Creel retornou para a 1ª  turnê nacional e foi substituído pelo seu reserva, Billy Harrigan Tighe. Gertner foi substituído por um de seus reservas, A. J. Holmes, que tinha interpretado Cunningham anteriormente na turnê nacional e na Broadway.

Depois de 2 de fevereiro de 2015, o ator Nic Rouleau da Broadway, foi escalado para o papel de Elder Kevin Price substituindo Billy Harrigan Tighe, e Brian Sears, que também estrelou na Broadway (como um membro do elenco de fundo), substituindo A. J. Holmes como o Elder Cunningham.[36] Tighe e Holmes, em seguida, se juntou ao elenco da turnê americana após a saída de Creel e O'Neill para interpretar os papéis na Broadway. Em 25 de janeiro de 2016,  Rouleau anunciou via Twitter que dia 30 de janeiro de em 2016 vai ser sua última performance como o Elder Price no West End. Em 1 de fevereiro de 2016, o substituto de longa data da Broadway, K. J. Hippensteel, oficialmente assumiu o papel de Price no elenco de West End.[37]

Segundo turnê americana (2013-)[editar | editar código-fonte]

Após a produção de Chegado fechar em 06 de outubro de 2013, a mesma começou uma turnê pelos EUA . Platt nunca saiu em turnê com a produção e Rouleau realizou em apenas algumas cidades da turnê, antes que eles se mudaram para Nova York e começou os ensaios para se juntar a produção da  Broadway. David Larsen sucedeu Nic Rouleau como o Elder Price. A. J. Holmes substituiu Ben Platt como Elder Cunningham. Cody Jamison Strand, em seguida, sucedeu  A. J. Holmes.[38] 

Produções futuras[editar | editar código-fonte]

Book of Mormon é programado para abrir em Melbourne, Austrália no Princess Theatre em 18 de janeiro de 2017. Foram realizadas audições em janeiro de 2016 em Sydney e Melbourne; os ensaios começam em novembro.[39] A primeira versão não inglesa do musical está programada para abrir no Chinateatern em Estocolmo, Suécia, em janeiro de 2017.[40] O musical está agendado para abrir na Dinamarca, em Copenhage, produzido pela Det Ny Teater durante a temporada 2017/18.[41] Também, uma produção norueguesa está atualmente prevista para 2017 em Folketeateret em Oslo.[citação necessários]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Ato I[editar | editar código-fonte]

No Centro de Treinamento Missionário, na Igreja SUD em Provo, Utah, um devoto, bonito, arrogante, aspirante a missionário, Elder Kevin Price, leva seus colegas em uma demonstração de porta-a-porta para tentar converter as pessoas para o Mormonismo (Hello). Um dos missionários, o Élder Arnold Cunningham, é um inseguro e nerd incorrigível, além de mentiroso compulsivo que é completamente incompetente para manter um diálogo. Price acredita que se ele orar o suficiente, ele será enviado para Orlando, Florida para a sua missão de dois anos, mas, para seu choque, ele e Cunningham são enviados paraUganda como um par (Two By Two). Depois de dizer adeus para as suas famílias, os elders pegam o avião no aeroporto de Salt Lake City. Price tem certeza de que ele está destinado a fazer algo incrível (por conta própria), enquanto Cunningham é feliz apenas por ter um melhor amigo que ele conheceu apenas no dia anterior, e que, devido à regra #72 da missão, literalmente, não pode deixá-lo sozinho, exceto para ir ao banheiro. (You and Me (But Mostly Me))

Imediatamente após a chegada no norte de Uganda, os dois são assaltados à mão armada por soldados de um senhor da guerra, o General Butt-Fucking Naked (uma alusão ao real General Butt Naked). Eles recebem as boas-vindas do chefe da aldeia, Mafala Hatimbi, e um grupo de moradores compartilha a sua realidade de viver em condições de miséria, de fome, a pobreza e a AIDS, enquanto o General Butt-Fucking Naked, é um despótico, assassino, e obcecado com a mutilação genital feminina. Para fazer sua vida parecer melhor, os moradores constantemente repetem uma frase depois de afirmar os vários infortúnios em sua vida. (Hasa Diga Eebowai) Price e Cunningham ficam felizes a se juntar a eles na música. No entanto, eles ficam horrorizados ao descobrir que "hasa diga eebowai" traduz-se literalmente como "Foda-se você, Deus". Price tenta explicar para os moradores que "as coisas não são tão más como parecem," sem sucesso.

Elder Price e Cunningham, se sentem derrotados e humilhados, e são levados a seus aposentos por Nabulungi, filha de Hatimbi, onde encontram os companheiros missionários estacionados na área, que têm sido incapazes de converter qualquer um ao Mormonismo. O Elder McKinley, líder do distrito, ensina Price e Cunningham o método de lidar com a negatividade e sentimentos perturbadores trazidos pelos desafios da vida de Mórmon (incluindo os sentimentos homossexuais reprimidos de McKinley), convidando-os a "desliga-los como um interruptor de luz" (Turn It Off). Os outros concordam que seus sentimentos devem ser escondidos a todo custo. Embora Price é cheio de ansiedade, Cunningham garante ele que vão ter sucesso em trazer os nativos ugandenses para a igreja, e que, como seu parceiro, Cunningham estará ao seu lado, não importa o que. (I Am Here for You).

Price é certo que ele pode ter sucesso onde os outros anciões mórmons falharam, ensinando os moradores a respeito de Joseph Smith, o fundador da Igreja SUD, através de uma canção que começa como uma homenagem para Smith, mas, eventualmente, torna-se um tributo de Price para si mesmo (All-American Prophet). Os moradores não mostram qualquer interesse, eles acham a religião inútil e Price arrogante e irritante. Logo após a tentativa de Price ofuscar os moradores, o General Butt-Fucking-Naked, chega e anuncia sua demanda para a mutilação genital de mulheres moradoras no final de semana (paranoico, ele acredita que todos os clitorises na aldeia tem "poder" de destruí-lo). Depois dos protestos dos aldeões, o General executa sem aviso prévio, jogando sangue em Price. Como segurança, escondendo-se de volta em casa, Nabulungi, movida pela promessa de Price de um paraíso terrestre, sonha de uma vida melhor em uma nova terra (Sal Tlay Ka Siti).

Na sede da missão, o Élder McKinley fica em pânico depois que ele recebe uma mensagem dizendo que o Presidente Missionário solicitou um relatório completo sobre seus êxitos na missão, e a sua ansiedade só piora depois que Price e Cunningham falham. Chocado com a execução e a realidade sombria da África, Price decide abandonar a sua missão e pede transferência para Orlando, enquanto Cunningham, sempre leal, garante a Price que ele vai segui-lo em qualquer lugar (I Am Here For You [Reprise]). No entanto, o Price sem a menor cerimônia despeja-lo como companheiro de missão. Cunningham fica arrasado e sozinho, mas quando Nabulungi vem a ele, querendo saber mais sobre o Livro de Mórmon e convence os moradores para ouvi-lo, Cunningham encontra a coragem para tomar o controle da situação pela primeira vez em sua vida (Man Up).

Ato II[editar | editar código-fonte]

Cunningham nunca tinha realmente lido o Livro de Mórmon, então, quando seu público-alvo começa a ficar frustrado e sai, ele rapidamente inventa histórias, combinando o que ele sabe das doutrinas Mórmon, com pedaços de ficção científica. As histórias criativas de Cunningham se relacionam com os problemas do que vive o povo em guerra da Uganda, o que chama atenções das pessoas. A consciência de Cunningham  (personificado por seu pai, Joseph Smith, hobbits, Tenente Uhura, Darth Vader e Yoda) o advertem, mas ele racionaliza que se é para ajudar as pessoas, ele certamente não pode estar errado (Making Things Up Again).

Price com alegria chega em Orlando, mas então percebe que ele não tem nenhuma memória de como chegou e que ele está sonhando. Price reflete sobre o delito que ele cometeu em sua infância, culpando o seu irmão Jack pelo roubo de um "donut". Ele lembra dos pesadelos que tinha quando criança e entra em pânico quando seu pesadelo começa mais uma vez (Spooky Mormon Hell Dream). Em seu sonho, Price está mergulhado no inferno, onde ele é torturado por demônios; deLúcifer; o espírito de Hitler, Jeffrey Dahmer, Genghis Khan e Johnnie Cochran; e danças de xícaras de café. De cima, Jesus aparece e, observando tanto o incidente do "donut" e o abandono de seu companheiro, chamada Price de um canalha. 


Price acorda de seu pesadelo e com medo, decide re-confirmar a sua missão (para a completa falta de surpresa dos outros presbíteros, já que todos tiveram o sonho do inferno antes). Cunningham chega e anuncia que dez ugandeses estão interessadas na igreja, mas ainda magoado pela rejeição de Price, ele não está disposto a deixar Price entrar de novo em sua vida. McKinley aponta que, se não for resolvido o problema do General, ninguém vai se converter. Price, vendo a chance de mostrar o seu valor, é inspirado e desencadeia a "missão em que ele nasceu para fazer". Após a re-afirmação de sua fé, ele confronta o General com o Livro de Mórmon na mão, determinado a converte-lo (I Believe). O general está impressionado e revoltado e bate em Price; ele é levado ao consultório de um médico, onde tem que ter o Livro de Mórmon removido do seu reto.

Cunningham conclui a sua pregação e os moradores estão encantados; eles são batizados e aceitam o Mormonismo, com Nabulungi e Cunningham partilhando um momento de ternura (Baptize Me). Os missionários Mórmons sentem a unidade com o povo de Uganda, e comemoraram (I am Africa). Enquanto isso, o General houve a conversão do povo, e temendo que os Mórmons vão "potenciar seus clitorises" para destruí-lo, resolve matar todos eles.

Tendo perdido a fé, Price afoga as mágoas em inúmeras xícaras de café em um café em Kigali (uma piada à custa dos Mórmons, que julgam café ser proibido por Deus), onde Cunningham encontra-lo. Ele diz que ao amargo Price que eles precisam, pelo menos, agir como companheiros de missão, porque os líderes Mórmons e o Missionário Presidente, estão vindo para visitar a equipe de Uganda para parabenizá-los sobre o seu progresso. Depois de Cunningham falar, Price amargamente reflete em todas as promessas quebradas pela Igreja, seus pais, seus amigos e a vida em geral feitas a ele (Orlando).

No evento, Price e Cunningham são apontados como os mais bem sucedidos missionários em toda a África. Pouco tempo depois, Nabulungi e os moradores interrompem a celebração, e pedem para ser realizado um concurso para "honra [eles] com a história de Joseph Smith, o Moisés Americano" (Joseph Smith American Moses), que expõem as distorções da doutrina mórmon e enfeites feitos por Cunningham: o concurso inclui Joseph Smith ter sexo com sapos para se curar de  AIDS, 'Grande feiticeiro' Morôni descendo da Nave estelar Enterprise, Jesus admoestando Brigham Young para não retirar o clitóris de sua filha, e Smith morrer de disenteria. O Missionário Presidente está chocado, e ordena que todos os missionários irem para a casa e diz a Nabulungi que ela e seus vizinhos moradores não são Mórmons. Nabulungi, de coração partido com o pensamento de que ela nunca irá alcançar o paraíso, amaldiçoa Deus por abandoná-los (Hasa Diga Eebowai [Reprise]). Cunningham fica perturbado com seu fracasso, mas Price teve uma epifania e percebe que Cunningham estava certo o tempo todo: as escrituras são importantes, mas o mais importante é fazer chegar a mensagem, o que Cunningham conseguiu fazer (You and Me (But Mostly Me) [Reprise]). Reconciliados, eles correm para resgatar Nabulungi e os moradores do General. 

Ainda com raiva de Cunningham, Nabulungi diz aos aldeões que eles foram comidos por leões, quando eles perguntam pelo seu paradeiro. O general chega, e Nabulungi está pronta para apresentar-lhe, dizendo aos moradores que as histórias que Cunningham disse-lhes não são verdadeiras. Para seu choque, eles respondem que eles sempre souberam que as histórias eram metáforas em vez de ser literalmente verdades. Cunningham retorna, fazendo com que todos acreditem que ele tinha "subido", depois de ser comido pelos leões. Price e Cunningham, em seguida, enfrenta o general de longe, dizendo-lhe que ele não pode ferir os "mortos-vivos"; juntamente com a ameaça de que eles iriam usar o poder de Cristo para transformá-lo em uma lésbica. Os missionários estão prontos para partir quando Price sugere-lhes que, desde que eles vieram para a aldeia para ajudar as pessoas, eles ainda podem fazer isso, mesmo com a sua missão oficialmente encerrada. Price realiza um comício com os Mórmons e os Ugandenses — para trabalhar juntos e fazer o paraíso na Terra, porque, afinal, todos eles são Santos dos Últimos Dias. Mais tarde, os recém-formados missionários da Uganda  (incluindo o recém-convertido general) ir de porta em porta (ou melhor, de taipa a taipa) para evangelizar "O Livro de Arnold." (Tomorrow Is a Latter Day/Hello! (Reprise)/Finale).

Música[editar | editar código-fonte]

Números musicais[editar | editar código-fonte]

† Esta canção é omitida, do elenco do álbum.

Instrumentação[editar | editar código-fonte]

O Livro de Mórmon usa nove-membros da orquestra:[42][43]

Gravação original do elenco da Broadway [editar | editar código-fonte]

Um álbum do elenco original da Broadway foi lançado em 17 de Maio de 2011, por Ghostlight Records. Todas as canções apresentadas no palco estão presentes na gravação, com exceção de "I Am Here For You" (Reprise), "Orlando" (Reprise), "Hasa Diga Eebowai" (Reprise) and "You and Me (But Mostly Me)" (Reprise). "Hello" (Reprise) e o "Encore" são anexados a faixa final do CD, intitulada, "Tomorrow Is a Latter Day". Uma pré-visualização grátis de toda a gravação foi lançada na NPR começando em 9 de Maio de 2011.[44][45][46] Trechos do elenco de gravação são destaque em uma longa entrevista do Fresh Hair.[10]

Durante a sua primeira semana de lançamento no iTunes Store, a gravação se tornou "o mais vendido álbum da Broadway no Itunes da história", de acordo com os representantes da produção, classificando-se no nº 2 no seu dia de lançamento no Gráfico iTunes Top 10. De acordo com o Playbill, "É uma ocorrência rara para um álbum de elenco da Broadway figurar entre os mais vendidos no Itunes."[47] A gravação tem recebido críticas positivas, com a  Rolling Stone chamando a gravação de um "excelente álbum, que destaca a inteligência das letras e a incrível melodiosidade das músicas enquanto, nos deixa desesperados para conseguir ingressos para ver o espetáculo."[48] Embora o álbum de elenco  teve uma boa estreia no US Billboard 200 chart em sua primeira semana de lançamento, após o show ganhar vários prêmios no 2011 Tony Awards, o álbum disparou de volta no gráfico até o número três, tornando-o álbum da Broawday em mais de quatro décadas a chegar tão alto nos gráficos.[49][50]

Uma versão vinil é planejado.[51]

Recepção[editar | editar código-fonte]

The Book of Mormon recebeu amplos elogios da crítica, pelo seu enredo, música, atuações, direção e coreografia.[52]A  Revista Vogue chamou o show de "a mais imunda, mais ofensiva, e—surpresa—a coisa mais doce que você vai ver na Broadway este ano, e, possivelmente, o mais engraçado musical de sempre."[53] O New York Post informou que os membros da audiência foram "sofrendo de tanto rir". Ele elogiou a música, chamando-o de "melodioso e muito engraçado", e acrescentou que "o show tem coração. Que se diverte com uma organização religiosa, mas os dois Mórmons são pessoas reais, e não caricaturas."[54]

Ben Brantley do The New York Times comparou o show favoravelmente ao O Rei e eu e O Som da Música de Rodgers e Hammerstein, mas "ao invés de lidar com tirânico, homens carismáticos com muitos filhos, os nossos heróis... deve enfrentar um genocida guerreiro de um olho, com um nome não-imprimível nome... Isso é o suficiente para testar a fé até mesmo do mais otimista evangelizador (para não falar dos compositores). Definindo elementos sombrios com ensolarada melodias, The Book of Mormon alcança algo milagraso. Faz tanto o divertimento e ardentemente abraça a toda-americana forma de arte no inspirado libreto do musical. Nenhum show da Broadway, tem muito sucesso desta maneira desde que Mel Brooks adaptado o seu filme, The Producers para o palco quase uma década atrás."[55] Jon Stewart, apresentador do The Daily Show, passou grande parte de sua entrevista com Parker e Stone em 10 de março de 2011 elogiando o musical.[56]

Charles McNulty do Los Angeles Times , elogiou a música, e afirmou: "As músicas, muitas vezes inspiradores retratam estilos contemporâneos da Broadway, são tão cativantes como são inteligentes." McNulty concluiu afirmando que "é tosco, mas o show não é sem boas intenções e, em qualquer caso, vindica-se como um brio musical."[57] Peter Marks do Washington Post escreveu: "A maravilha de The Book of Mormon é que, mesmo profanando alguns graves artigos da fé, seu espírito é alguma coisa. O ardentemente devoto e e comediante são desafiados a discordar. Qualquer um pode se aproximar do altar de Parker, Stone e Lopez e esperar para beber um copo de alguns dos mais doce venenos já derramados." Marks descreve o musical como "um dos mais alegremente ácido na Broadway desembrulhados em anos."[58]

No entanto,  Terry Teachout doThe Wall Street Journal, chamado o espetáculo de "liso e sujo: The Book of Mormon é o primeiro musical na Broadway desde La Cage aux Folles que tem o cheiro de um envio-para-agarrar-turistas. A parte amadorística relaciona-se principalmente com a música, que é conjuntamente creditado para os três co-criadores e não é melhor do você ouviria em um uma banda de faculdade. As músicas são superficiais, as letras embaraçosamente mal-criadas."[59] Outros críticos têm chamado o espetáculo de "estupidez comercial",[60] bem como "negligente" e "imitação".[61] A representação do show dos africanos tem sido chamada de racista.[62]

Resposta da Igreja SUD [editar | editar código-fonte]

A resposta de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias para o musical tem sido descrito como "medida".[63]  A igreja lançou uma resposta oficial para perguntas sobre o musical, afirmando que "A produção pode tentar entreter o público para uma noite, mas o Livro de Mórmon como um volume de escrituras vai mudar a vida das pessoas para sempre, trazendo-os para mais perto de Cristo."[64] Michael Otterson, o chefe de relações públicas para a igreja, disse em abril de 2011: "É claro, a paródia não é a realidade, e é a distorção que faz com que seja atraente e muitas vezes engraçado. O perigo não é quando as pessoas rirem, mas, quando levam a sério—se deixar um teatro acreditar que os Mórmons realmente vivemos em um mundo surreal de auto-engano e ilusão", Otterson escreveu, descrevendo vários esforços humanitários alcançado por missionários Mórmons na África nos últimos anos.[65][66]

Stone e Parker não ficaram surpresos:[10]

A Igreja SUD tem anunciado no playbills e em muitos dos lugares dos musicais para incentivar o público para saber mais sobre o Livro de Mórmon, com frases como "o livro é sempre melhor" e "você viu o musical, agora, leia o livro."[67]

Os mórmons tiveram respostas diversificadas para o musical. Richard Bushman, professor de estudos Mórmons, disse que o musical "o show mostra as experiências mórmons como uma divertida-casa do espelho. A reflexão é hilária, mas não realmente. É inchado, fora de proporção."[68] Bushman disse que o musical não foi feito para explicar as crenças Mórmons, e que muitas das idéias no Elder Price, I Believe (como Deus vivendo em um planeta chamado Colobe), apesar de ter algumas raízes na crença Mórmon, não são doutrinariamente precisas.[68][69]

Quando perguntado em janeiro de 2015, se ele conheceu Mórmons que não gostava de musicais, Gade, afirmou que "Em um ano e meio que eu fiz o show, eu nunca tive uma única reclamação de um praticante Mórmon ... Ao contrário, eu provavelmente tinha algumas pessoas – uma dúzia deles – me dizer que eles eram  movidos pelo show para conhecer a fé Mórmon."[70]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Produção da Broadway[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Nomeação Resultado Ref
2011 65º Tony Awards Melhor Musical Venceu [71]
Melhor Libreto de Musical Trey Parker, Robert Lopez e Matt Stone Venceu
Melhor Musica Original Venceu
Melhor Ator em Musical Josh Gad Indicado
Andrew Rannells Indicado
Melhor Ator Coadjuvante em Musical Rory O'Malley Indicado
Melhor Atriz Coadjuvante em Musical Nikki M. James Venceu
Melhor Direção de Musical Casey Nicholaw e Trey Parker Venceu
Melhor Coreografia Casey Nicholaw Indicado
Melhor Orquestração Larry Hochman e Stephen Oremus Venceu
Melhor Design Cênico Scott Pask Venceu
Melhor Figurino Ann Roth Indicado
Melhor Iluminação Brian MacDevitt Venceu
Melhor Design de Som Brian Ronan Venceu
Drama Desk Award Excepcional Musical Venceu [72]
Letras Excepcionais Trey Parker, Robert Lopez e Matt Stone Venceu
Música Excepcional Venceu
Excepcional Libreto de Musical Indicado
Ator Excepcional em Musical Andrew Rannells Indicado
Ator Coadjuvante Excepcional em Musical Rory O'Malley Indicado
Atriz Coadjuvante Excepcional em Musical Nikki M. James Indicado
Coreografia Excepcional Casey Nicholaw Indicado
Excepecional Direção de Musical Casey Nicholaw e Trey Parker Venceu
Figurinos Excepcionais Ann Roth Indicado
Excepcional Design de Som de Musical Brian Ronan Indicado
Orquestrações Excepcionais Larry Hochman e Stephen Oremus Venceu
Outer Critics Circle Award Excepcional Novo Musical da Broadway Venceu [73]
Nova Música Excepcional Trey Parker, Robert Lopez e Matt Stone Venceu
Excepcional Direção de Musical Casey Nicholaw e Trey Parker Venceu
Excepcional Coreografia Casey Nicholaw Indicado
Excepcional Ator em Musical Josh Gad Venceu
Excepcional Atriz em Musical Nikki M. James Indicado
2012 Grammy Award Melhor Álbum de Teatro Musical Andrew Rannells & Josh Gad (principal solistas); Matt Stone, Robert Lopez & Trey Parker (compositores\letristas); Anne Garefino, Matt Stone, Robert Lopez, Scott Rudin, Stephen Oremus & Trey Parker (produtores); Frank Filipetti (engenheiro/mixador) Venceu [74][75]

Produção de Londres[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Nomeação Resultado Ref
2013 Evening Standard Award Melhor Muiscal Indicado [76][77]
Melhor Noite Fora Venceu [78]
2014 Whatsonstage.com Awards Melhor Novo Musical Venceu [79][80]
Best Ator em Musical Gavin Creel Venceu
Melhor Ator Coadjuvante em Musical Stephen Ashfield Venceu
Melhor Atriz Coadjuvante em Musical Alexia Khadime Venceu
Melhor Coreografia Casey Nicholaw Indicado
Laurence Olivier Award 2014 Melhor Novo Musical Venceu [81]
Melhor Ator em Musical Gavin Creel Venceu
Jared Gertner Indicado
Melhor Atuação Coadjuvante em Musical Stephen Ashfield Venceu
Melhor Coreografia Teatral Casey Nicholaw Venceu
Excepcional Desempenho em Música Trey Parker, Robert Lopez & Matt Stone Indicado

Referências

  1. «'South Park' creators' musical comedy 'Book of Mormon' gets Broadway dates». Los Angeles Times. 13 de setembro de 2010. Consultado em 6 de fevereiro de 2011 
  2. "'Book Of Mormon' Creators On Their Broadway Smash", NPR, May 20, 2011.
  3. a b c d e f g h i j k l Galloway, Stephen (24 de março de 2011). «Why South Parks Trey Parker and Matt Stone Now Say It's 'Wrong' to Offend». The Hollywood Reporter. Consultado em 19 de maio de 2011 
  4. Barshad, Amos. «Jimmy Fallon Unearthed Trey Parker's Secret Balladeer Past». Vulture. Consultado em 7 de abril de 2016 
  5. «Frank Rich's Liner Notes for The Book of Mormon», Playbill, 20 de maio de 2011 
  6. Moore, John (12 de junho de 2011), «The Book of Mormon: Colorado's kings of pop-culture subversion», The Denver Post 
  7. a b c Zoglin, Richard.
  8. Itzkoff, Dave (14 de abril de 2010). «'South Park' and 'Avenue Q' Guys Bringing 'Book of Mormon' to Broadway». New York Times. Consultado em 14 de abril de 2010 
  9. a b c Jones, Kenneth (4 de abril de 2011), «PlaybillPredefinição:'s brief encounter with Robert Lopez» 🔗, Playbill 
  10. a b c «Book Of Mormon Creators On Their Broadway Smash». Fresh Air. NPR. 19 de maio de 2011. Consultado em 19 de maio de 2011 
  11. Gardener, Elysa.
  12. «comingsoon» 
  13. Adams, Guy (19 de novembro de 2008), «Mormons to get 'South Park' treatment», London, The Independent 
  14. a b c d e f Healy, Patrick (13 de maio de 2011). «The Path of 'The Book of Mormon' to Broadway». The New York Times 
  15. Andrew Gans, Musical by South Park-Avenue Q Creators Aiming for Broadway in 2011, Playbill, April 14, 2010
  16. Stack, Peggy Fletcher (25 de fevereiro de 2011). «'Book of Mormon' musical called surprisingly sweet». The Salt Lake Tribune 
  17. "'The Book Of Mormon' to Open at Eugene O'Neill 3/24; Previews 2/24", broadwayworld.com, September 13, 2010
  18. a b "'The Book Of Mormon' Cast Announced!", broadwayworld.com, November 17, 2010
  19. Itzkoff, David (25 de abril de 2011). «Heavens! Fake Tickets Showing Up at 'Book of Mormon' on Broadway». The New York Times. Consultado em 25 de abril de 2011 
  20. Healy, Patrick (24 de novembro de 2011). «Broadway Hits Make Most of Premium Pricing». The New York Times. Consultado em 30 de novembro de 2011 
  21. Healy, Patrick (28 de novembro de 2011). «Thanksgiving Week Broadway Box Office Stuffed with Good News». The New York Times. Consultado em 30 de novembro de 2011 
  22. Healy, Patrick (29 de novembro de 2011). «In Only Nine Months, 'Book of Mormon' Earns Back Its Broadway Costs». The New York Times. Consultado em 30 de novembro de 2011 
  23. Hetrick, Adam.
  24. Hetrick, Adam.
  25. http://bookofmormonbroadway.com/tour
  26. Hetrick, Adam.
  27. «Book of Mormon announces Chicago cast». Arquivado do original em 2 de janeiro de 2013 
  28. Pitch Perfect’s Ben Platt and Nic Rouleau to Star in The Book of Mormon in Chicago | Broadway Buzz | Broadway.com
  29. Jones, Chris. «'Book of Mormon' announces Chicago cast - chicagotribune.com». Chicago Tribune 
  30. Shenton, Mark.
  31. Gavin Creel and Jared Gertner to Reprise National Tour Roles in West End's THE BOOK OF MORMON, Beginning Feb 2013
  32. «James Corden & More Attend BOOK OF MORMON's Red Nose Gala Performance». broadwayworld.com. Broadway World. 14 de março de 2013. Consultado em 24 de dezembro de 2013 
  33. «The Book of Mormon». timeout.com. Time Out. Consultado em 24 de dezembro de 2013 
  34. «BOOK OF MORMON». london-theatreland.co.uk. London Theatreland. Consultado em 24 de dezembro de 2013 
  35. End, West (14 de março de 2014). «The Book of Mormon voted Funniest West End Show». West End Frame. Consultado em 2 de junho de 2014 
  36. The Book Of Mormon & Shakespeare In Love Welcome New Casts, 2015 Theatre Gossip + More #WestEndUpdate.
  37. Extension for the Book of Mormon in West End boxoffice.co.uk
  38. Hetrick, Adam.
  39. «General Auditions for The Book of Mormon». StarNow. 21 de outubro de 2015. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  40. «THE BOOK OF MORMON Opens in Sweden 2017». BroadwayWorld.com. 17 de fevereiro de 2016 
  41. Weaver, Ray (11 de maio de 2016). «'The Book of Mormon' coming to Denmark». The Copenhagen Post. Consultado em 11 de maio de 2016 
  42. «The Book of Mormon». Internet Broadway Database. Consultado em 14 de junho de 2011 
  43. Woodwind Doubling in Musicals
  44. «NPR Now Offering Free Listen to Entire Original Cast Recording of The Book of Mormon». Playbill. 9 de maio de 2011. Consultado em 19 de maio de 2011 
  45. «The Book of Mormon — Original Cast Recording — CD | Sh-K-Boom & Ghostlight Records». Sh-k-boom.com. Consultado em 19 de maio de 2011 
  46. «The Book of Mormon Cast Album Will Get Digital Release May 17; In-Store to Follow in June». Playbill. Consultado em 19 de maio de 2011 
  47. «The Book of Mormon Cast Album Debuts on iTunes Top 10 Chart». Playbill. 2 de maio de 2011. Consultado em 19 de maio de 2011 
  48. «Listen to the Hilarious and Ridiculously Catchy Book of Mormon». Rolling Stone. 26 de maio de 2011. Consultado em 28 de maio de 2011 
  49. Keith Caulfield (15 de junho de 2011). «Adele Reclaims No. 1 on Billboard 200, Book of Mormon Makes History». Billboard. Consultado em 15 de junho de 2011 
  50. Kavner, Lucas (15 de junho de 2011). «'Book of Mormon' Cast Album Breaks Billboard Records». Huffington Post. Consultado em 5 de janeiro de 2013 
  51. Gans, Andrew (23 de junho de 2016). «The Book of Mormon Is Going Vinyl». Playbill. Consultado em 24 de junho de 2016 
  52. «Broadway Review Roundup: THE BOOK OF MORMON». BroadwayWorld.com. 25 de março de 2011. Consultado em 27 de março de 2011 
  53. Green, Adam (December 22, 2010).
  54. Rediel, Michael.
  55. Ben Brantley (24 de março de 2011). «Missionary Men With Confidence in Sunshine». New York Times. Consultado em 24 de março de 2011 
  56. Mandi Bierly (11 de março de 2011). «Jon Stewart is somewhere probably STILL raving about The Book of Mormon». Entertainment Weekly. Consultado em 24 de março de 2011 
  57. McNulty, Charles."
  58. Marks, Peter (24 de março de 2011). «Review of Broadway's 'The Book of Mormon'». Washington Post 
  59. Teachout, Terry (25 de março de 2011). «Everybody but Muhammad». The Wall Street Journal. Consultado em 27 de março de 2011 
  60. «The Book of Mormon». Chicago Critic. 20 de dezembro de 2012. Consultado em 2 de junho de 2014 
  61. http://www.sltrib.com (17 de maio de 2011). «Utah Local News – Salt Lake City News, Sports, Archive – The Salt Lake Tribune». Sltrib.com. Consultado em 2 de junho de 2014 
  62. Lahr, John. «Trey Parker, Matt Stone, and "The Book of Mormon"». The New Yorker. Consultado em 2 de junho de 2014 
  63. Sean P. Means, "Testing Mormons’ tolerance for mockery", Salt Lake Tribune, February 22, 2011.
  64. «Church Statement Regarding The Book of Mormon Musical». LDS Church. 7 de fevereiro de 2011. Consultado em 6 de fevereiro de 2011 
  65. Taylor, Scott (15 de abril de 2011). «Mormon PR leader: "Why I won't be seeing the Book of Mormon musical"». Deseret News 
  66. Otterson, Michael (14 de abril de 2011). «Why I won't be seeing the Book of Mormon musical». The Washington Post 
  67. Lee, Jordan (18 de setembro de 2012). «LDS Church advertises with 'The Book of Mormon' musical». The Universe. Consultado em 21 de setembro de 2012 
  68. a b «Richard Bushman: 'The Book of Mormon' is like looking into a fun-house mirror; the reflection is hilarious but not really you». CNN. 27 de junho de 2011. Arquivado do original em 6 de dezembro de 2011 
  69. Jay Kernis (23 de agosto de 2012). «True or False?: How accurate is "The Book of Mormon" song "I Believe"». nbcnews.com 
  70. Gad, Josh (6 de janeiro de 2015). «Josh Gad here. AMA.». Reddit. Consultado em 7 de janeiro de 2015 
  71. «2011 Tony Nominations Announced; Book of Mormon Earns 14 Nominations». Playbill. 3 de maio de 2011. Consultado em 3 de maio de 2011 
  72. Jones, Kenneth. "Drama Desk Awards Go to Book of Mormon, Normal Heart, War Horse, Sutton Foster, Norbert Leo Butz", playbill.com, May 23, 2011.
  73. "WAR HORSE, MORMON, THE KID, Benanti, Gad Among 2011 Outer Critics Circle Winners!" broadwayworld.com, May 16, 2011
  74. BWW News Desk (12 de fevereiro de 2012). «The 2012 Grammy for Best Musical Theater Album Goes to THE BOOK OF MORMON!». BroadwayWorld.com. Consultado em 12 de fevereiro de 2012 
  75. «Best Musical Theater Album». grammy.com. 2 de dezembro de 2011. Consultado em 2 de dezembro de 2011 
  76. «National directors past, present and future vie for Evening Standard award». theguardian.com. The Guardian. 8 de novembro de 2013. Consultado em 8 de novembro de 2013 
  77. «London Evening Standard Theatre Awards 2013: how we chose the winners». standard.co.uk. London Evening Standard Award. 30 de dezembro de 2013. Consultado em 30 de dezembro de 2013 
  78. «Evening Standard Theatre Awards 2013: Book of Mormon voted Best Night Out in London». standard.co.uk. London Evening Standard. 12 de novembro de 2013. Consultado em 15 de novembro de 2013 
  79. «The full 2014 WhatsOnStage Awards shortlists». whatsonstage.com. Whats On Stage. 10 de janeiro de 2014. Consultado em 6 de dezembro de 2013 
  80. Singh, Anita (23 de fevereiro de 2014). «Daniel Radcliffe and Rupert Grint win at WhatsOnStage Awards». telegraph.co.uk. London: The Telegraph. Consultado em 23 de fevereiro de 2014 
  81. «Olivier awards 2014 the full nominations». theguardian.com. The Guardian. 10 de março de 2014. Consultado em 10 de março de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]