The Bouncing Souls

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
The Bouncing Souls
Concerto dos Bouncing Souls em 2009, em Rosario, Argentina.
Informação geral
Origem New Brunswick, New Jersey
País  Estados Unidos
Gênero(s) Punk rock, Pop punk
Período em atividade 1989 - presente
Gravadora(s) Rise records, Chunksaah, Epitaph Records
Integrantes Greg Anttonito (vocal)
Bryan Kienlen (baixo)
George Rebelo (bateria)
Pete Steinlopf (guitarra)
Ex-integrantes Shal Khici
Michael McDermott
Página oficial Oficial

Os The Bouncing Souls são uma banda de punk rock melódico de Nova Jersey, formada em 1989.[1][2][3][4][5][6]

História[editar | editar código-fonte]

Os Bouncing Souls surgiram em 1987 em Basking Ridge, Nova Jersey, onde Greg Attonito (vocais), Pete Steinkopf (guitarra), Bryan Kienlen (baixo) e Shal Khichi (bateria) eram amigos, no ensino secundário.[1] Os quatro tinham tocado em várias bandas locais antes de decidirem unir forças e formar uma banda juntos. Depois de terminar o ensino superior, os quatro mudaram-se para New Brunswick, uma cidade universitária que tinha uma atitude mais amigável com o punk rock do que sua cidade natal. Tomando o nome de Bouncing Souls - uma peça do slogan "Bouncing Soles" para as botas Doctor Marten, um item popular de calçados punk - eles começaram a praticar regularmente e rapidamente estavam a tocar em festas, porões, e qualquer bar que os recebesse. Em 1989, os Bouncing Souls gravaram uma demo de quatro músicas, que distribuíram em cassete e, em 1991, a Complex Records lançou sua estreia em vinil, um disco de quatro músicas intitulado Ugly Bill. Em 1993, os Bouncing Souls lançarm a sua própria editora discográfica, Chunksaah Records, com um CD de sete músicas, The Green Ball Crew EP (seria reeditado como um vinil de 12 ", em 2013). Chunksaah lançou o primeiro álbum dos Souls, The Good, the Bad e Argyle, em 1994, que apresentava várias músicas que já tinham sido lançadas anteriormente nos seus primeiros EPs.[2]

O grupo embarcou numa grande digressão para divulgar o seu primeiro LP e, depois de o segundo Maniacal Laughter, ter sido lançado em 1996, os Bouncing Souls foram a banda de suporte da banda Youth Brigade, que os apresentou a novos públicos nos Estados Unidos. Alguns dos novos fãs de Bouncing Souls eram funcionários da Epitaph Records,[6] a conhecida gravadora punk do sul da Califórnia, que gostava tanto do som quanto da ética do seu trabalho, e estes convidaram a banda para um contrato de gravação em 1997. Antes do final do ano, os Souls fizeram sua estreia na Epitaph com seu terceiro álbum (auto-intitulado), embora o grupo mais tarde se referisse a ele como um trabalho cheio de músicas que não pareciam terminadas. Os Bouncing Souls lançaram o disco Hopeless Romantic em 1999, que encontrou a banda explorando temas líricos mais pessoais enquanto ainda produzia seu som punk energético. Embora Hopeless Romantic tenha sido visto por alguns como um avanço criativo, também foi o último LP da formação original do Bouncing Souls, uma vez que o baterista Shal Khichi deixou o grupo em 2000, e Michael McDermott, que tinha tocado anteriormente com Murphy's Law, Skinnerbox e Mephiskapheles, assumiu o seu lugar.[2]

Em 2001, os Souls regressaram com o álbum How I Spent My Summer Vacation. Após o sucesso desse álbum (e uma grande digressão com os Hot Water Music), o grupo lançou a compilação The Bad the Worse e Out of Print, em 2002. No mesmo ano, a BYO Records reuniu os Bouncing Souls e os Anti-Flag para um álbum dividido, que incluía novas músicas de ambos os artistas, covers e as duas bandas a interpretar as músicas uma da outra. No ano seguinte, os Souls regressaram à Epitaph com outro álbum, Anchors Aweigh. Um DVD de documentário, Do You remember? 15 years with the Bouncing Souls, também foi lançado nesse ano. A banda fez uma digressão nos EUA, no Reino Unido e na Rússia de abril a novembro de 2004, e aproveitaram para gravar vários concertos; Os destaques de seis concertos foram reunidos no set de dois discos ao vivo, lançado em 2005. Em 6 de junho de 2006 (6/6/6), os Bouncing Souls lançaram The Gold Record, que chamaram no gozo de "a libertação da besta." Após o lançamento do álbum, a banda passou a maior parte do verão de 2006 na Vans Warped Tour.[2]

20º aniversário[editar | editar código-fonte]

O ano de 2009 marcou o 20º aniversário da banda e, para homenagear a ocasião, esta lançou uma série de quatro EPs de quatro músicas, ao longo do ano. Os destaques destes EPs foram compilados no álbum Ghosts on the Boardwalk.[2]

Em 2011, a Side One Dummy Records convidou os Souls para gravar um EP ao vivo como parte de suas Complete Control Sessions, reunindo-os com os Misfits na capa de Hybrid Moments. A banda cortou laços com a Epitaph e lançou seu albúm Comet, em 2012, através da Rise Records em conjunto com a sua própria Chunksaah. Seria o último álbum dos Souls com o baterista Michael McDermott, que abandonou a banda em 2013. Mais tarde nesse ano, George Rebelo, que tocou nos Against Me! e Hot Water Music, estreou-se como baterista dos Bouncing Souls num concerto privado especial para fãs. Em 2016, os Bouncing Souls lançaram o seu segundo álbum na parceria Rise / Chunksaah, Simplicity. [2]

30º aniversário[editar | editar código-fonte]

Em 2019, os Souls comemoraram o seu 30º aniversário como banda, lançando um EP de seis músicas com material novo produzido por Will Yip, Crucial Moments, e uma edição especial do lançamento que incluía um livro de fotos e recordações da história do grupo. Lançaram igualmente uma digressão de comemoração dos 30 anos de banda, nos Estados Unidos, Europa e Reino Unido.[2][7]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Referências: [1][8][3][5]

Albums gravados em estúdio:

  • The Good, the Bad, and the Argyle (1994)
  • Maniacal Laughter (1996)
  • The Bouncing Souls (1997)
  • Hopeless Romantic (1999)
  • How I Spent My Summer Vacation (2001)
  • Anchors Aweigh (2003)
  • The Gold Record (2006)
  • Ghosts on the Boardwalk (2010)
  • Comet (2012)
  • Simplicity (2016)

Albums ao vivo:

  • Live (2005)
  • Live at Generation Records (2011)

Compilações:

The Bad, the Worse, and the Out of Print (2000)

Membros[editar | editar código-fonte]

Atuais

  • Greg Attonito – vocais (desde 1989)
  • Pete Steinkopf – guitarra (desde 1989)
  • Bryan Kienlen – baixo (desde 1989)
  • George Rebelo – bateria (desde 2013)

Anteriores

  • Shal Khichi – drums (1989–2000)
  • Michael McDermott – drums (2000–2013)

Referências

  1. a b c «The Bouncing Souls». Discogs (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2019 
  2. a b c d e f g «The Bouncing Souls | Biography & History». AllMusic (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2019 
  3. a b «The Bouncing Souls». Genius (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2019 
  4. «The Bouncing Souls». AXS (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2019 
  5. a b Ozzi, Dan (11 de agosto de 2016). «Rank Your Records: The Bouncing Souls' Pete Steinkopf Puts the Band's Nine Albums in Order». Vice (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2019 
  6. a b Records, Epitaph. «The Bouncing Souls Bio». Epitaph Records (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2019 
  7. «The Sound Of Revolution - The Bouncing Souls». thesoundofrevolution.nl. Consultado em 17 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2019 
  8. «The Bouncing Souls discography». Wikipedia (em inglês). 30 de junho de 2019