The Client List (série de TV)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Client List
Agenda Proibida (Rede Globo) (BR)
Informação geral
Formato Série
Gênero Drama
Duração 42 minutos
Criador(es) Suzanne Martin
País de origem  Estados Unidos
Idioma original Inglês
Produção
Produtor(es) Jennifer Love Hewitt
Dannielle Thomas
Howard Braunstein
Michael Jaffe
AJ Rinella
Jordan Budde
John Tinker
John Strauss
Ed Decter
Efrem Seeger
Michael Reisz
Dannielle Thomas
Elenco Jennifer Love Hewitt
Loretta Devine
Colin Egglesfield
Rebecca Field
Naturi Naughton
Alicia Lagano
Kathleen York
Brian Hallisay
Laura-Leigh
Cybill Shepherd
Exibição
Emissora de
televisão original
Estados Unidos Lifetime
Transmissão original 04 de Abril de 2012 -
16 de Junho de 2013
N.º de temporadas 2
N.º de episódios 25 (lista de episódios)

The Client List, em português A lista de clientes, é uma série norte-americana, produzida e exibida pela Lifetime desde abril de 2012, no Brasil este mesmo é exibido no canal Sony. Na TV aberta a transmissão foi inciada pela Rede Globo em 16 de fevereiro de 2016. A série foi criada por Suzanne Martin. O seriado é baseado em um filme de televisão homônimo. No dia 1 de novembro de 2013, o seriado foi cancelado após duas temporadas.

História[editar | editar código-fonte]

Riley Parks é uma mulher do Texas, que mora com seu marido Kyle e seus dois filhos Travis e Katie. Após ficar desempregada, Kyle os deixa sem explicações,com sua hipoteca e contas a pagar, Riley procura um emprego. Por fim, a moça acha um bom emprego sugerido por uma amiga em um spa em Sugar Land. Lá descobre um segredo, existe uma lista de clientes feita por sua chefe Georgia, uma lista de extras por onde os clientes dão mais dinheiro, na verdade este é um lugar de prostituição de luxo as escondidas. Aos poucos, situações na vida de Riley começam a dar errado e sem dinheiro, aceita os trabalhos da lista de extras, assim começa a ganhar muito, consegue pagar a casa e ter uma vida melhor com sua família.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

The Client List foi objeto de uma vasta campanha por massagistas licenciados que pediam para parar a apresentação do seriado antes de ir ao ar. O grupo "Massagistas Terapeutas Contra The Client List", afirma que:

"The Client List é uma série que perpetua o equívoco de que a massagem terapêutica inclui o contato sexual inapropriado. Massagens terapêuticas são treinadas por profissionais de saúde e na maioria dos estados são licenciadas e reguladas por conselhos médicos estatais. Eles aderem a um código de ética e em alguns casos estão sob padrões mais elevados de ética do que outros profissionais de saúde - por causa desses mesmos equívocos. Muitos terapeutas estão agora trabalhando em escritórios e hospitais médicos e fornecendo valiosas serviços terapêutica. The Client List é um enorme passo para trás."[1]

A A&E respondeu à controvérsia com o seguinte comunicado à imprensa: "Agradecemos os seus comentários sobre a nova série da Lifetime Television direito, The Client List. Por muitos anos, a televisão Lifetime tem explorado a complexidade da vida das mulheres e suas histórias através de ficção e não-ficção em filmes, séries e programas. The Client List é uma história fictícia sobre as experiências de uma mãe solteira e como ela inesperadamente enfrenta circunstâncias económicas desastrosas. A série também possui uma ampla gama de personagens com pontos de vista alternativos que fazem escolhas diferentes. The Client List não se destina a representar qualquer entidade de spa ou massagem específica, nem de qualquer maneira humilhar ou menosprezar a massagem terapêutica profissional e seus benefícios e contribuições para a indústria da saúde e bem-estar."[2]

Referências

  1. wlwtrack77 (23 de abril de 2012). «Promoting a Massage Therapist as a Prostitute...» (em inglês). Complain.Tv. Consultado em 10 de fevereiro de 2016. 
  2. «American Massage Therapy Association - Missouri Chapter» (em inglês). Amtamo.org. 27 de abril de 2012. Consultado em 10 de fevereiro de 2016. 

Ver também[editar | editar código-fonte]