The Empty Hearse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"The Empty Hearse"
"O Caixão Vazio" (BR)
1.º episódio da 3.ª temporada de Sherlock
Informação geral
Direção Jeremy Lovering
Enredo por Mark Gatiss
Produzido por Sue Vertue
Canção David Arnold
Michael Price
Direção de fotografia Steve Lawes
Edição Charlie Phillips
Duração 86 minutos
Transmissão original 1.º de janeiro de 2014
Convidados
Cronologia
"Many Happy Returns (mini-episódio)
The Reichenbach Fall"
"The Sign of Three"
Lista de episódios de Sherlock

"The Empty Hearse" é o primeiro episódio da terceira temporada da série de televisão da BBC: Sherlock. Ele foi escrito por Mark Gatiss e estrela Benedict Cumberbatch como Sherlock Holmes, Martin Freeman como o Dr. John Watson, e Mark Gatiss como Mycroft Holmes. Também marca a primeira aparição de Amanda Abbington como Mary Morstan e Lars Mikkelsen como Charles Augustus Magnussen.

Inspirado no "The Adventure of the Empty House’’, de Sir Arthur Conan Doyle, o episódio segue o retorno de Sherlock Holmes para Londres e o reencontro com John Watson, juntamente com uma rede subterrânea terrorista. O episódio foi transmitido pela primeira vez na BBC One e BBC One HD em 1.º de Janeiro de 2014. Ele ganhou uma audiência de 12,7 milhões de pessoas [1] e recebeu críticas positivas.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Dois anos após sua suposta morte, Sherlock Holmes foi completamente exonerado das caluniosas acusações contra ele originados por James Moriarty e secretamente retorna a Londres para ajudar seu irmão Mycroft descobrir um ataque terrorista iminente e enorme. Uma cena intercalado mostra uma versão de como Sherlock pode ter falsificado sua morte: saltando do telhado com um cabo de bungee, saltando para trás e entrar no edifício através de uma janela, deixando o corpo de Moriarty com uma máscara Sherlock para enganar John e outros espectadores, John foi hipnotizado por Derren Brown para dar tempo para que isso seja configurado. Esta versão dos acontecimentos é mostrado mais tarde a ser uma teoria da conspiração inventada por Philip Anderson , que se sente responsável pela morte de Sherlock.

John agora tem uma namorada, Mary Morstan (Amanda Abbington), a quem tenciona propor, em um restaurante. Neste ponto, Sherlock, disfarçado como um garçom francês, se aproxima do casal, mas não é imediatamente reconhecido por John. Quando Sherlock revela sua identidade, John ataca três vezes em três diferentes restaurantes. Quando John se recusa a aceitar suas explicações, Sherlock pede a Molly para ajudá-lo em seu próximo caso, o de um esqueleto atrás de uma mesa contendo um manuscrito: como eu fiz isso por Jack, o Estripador, revelou em direção ao final do episódio para ser uma pista falsa plantada por Anderson para atrair Sherlock fora do esconderijo. Mais tarde naquele dia, Mary recebe um texto em um código de salto (primeira e de três em três palavras) dizendo-lhe que John foi sequestrado por desconhecidos e vai morrer se ele não é resgatado no tempo, juntamente com uma localização codificada. Sherlock e Mary vão socorrê-lo em uma motocicleta e tentam a arrastá-lo para fora de uma fogueira acesa, no qual um "cara" (Guy Fawkes) estava prestes a ser queimado.

Sherlock é mostrado num vídeo por um funcionário do metrô de Londres, de um misterioso desaparecimento de um passageiro de um trem entre duas estações perto de Parlamento e depois identifica o passageiro como um membro da casa dos Lordes, Lord Moran, quem sabe para ser um agente estrangeiro e que também está agindo estranhamente. Ele percebe que não é apenas Moran que desapareceu mas um carro (vagão) inteiro do trem e deduz que o ataque será debaixo do Parlamento, que vai realizar uma audiência de noite em um novo projeto de lei antiterrorismo na noite de Guy Fawkes, 5 de novembro. Sherlock e John entram na estação abandonada perto do Parlamento, encontrando o transporte secretamente desviado. É equipado com explosivos para fazer uma bomba enorme. Sherlock consegue desarmar a bomba, rodando o interruptor, mas não antes de fazer Watson acreditar que a bomba não pode ser desativada, levando-o a dizer que John teria um futuro se ele não tivesse voltado e pede desculpas a John para morrer com ele, causando-lhe a entrar em pânico e revelar a Sherlock quanto ele faltou-lhe, para sua posterior vergonha.

Outra cena intercalada mostra Sherlock visitando Anderson e revelar como ele fingiu sua morte como parte de um plano para persuadir Moriarty de sua credibilidade perdida e a morte, permitindo-lhe dissolver com sucesso a rede Moriarty. Sherlock diz Anderson que ele e Mycroft tinham antecipado treze cenários possíveis que poderiam acontecer no telhado, e que, enquanto a exibição de John foi obstruída, membros da sua rede sem teto desenrolado um colchão inflável e levaram seus papéis como espectadores chocados e paramédicos. Com o auxílio de uma bola de squash debaixo do braço para parar temporariamente a sua pulsação, Sherlock convincentemente forjou sua própria morte. Anderson lança dúvidas sobre a veracidade desta versão dos acontecimentos, argumentando que isso iria ser quase impossível garantir John permaneceu exatamente onde queria Sherlock.

Moran é pego pela polícia e preso como ele deixa sua suíte no hotel. John pede a Sherlock quem raptou-o, e porque, responde a perguntas de qual Sherlock não tem nenhum ainda. Na cena final, um homem com óculos azul olhos é visto observando filmagens de Sherlock e Mary a salvando John do fogo.[2]

Referências no episódio[editar | editar código-fonte]

The Adventure of the Empty House[editar | editar código-fonte]

A fonte mais óbvia deste episódio, a que o título alude, é "The Adventure of the Empty House’’ (“aventura da casa vazia"),[3] em que Sherlock Holmes retorna de seu "grande hiato", tendo permitido todos acreditem ele morto para a raiz, o resto da organização criminosa de Moriarty.[4] em ambos a história do episódio, Mycroft ajuda Sherlock fingir a sua morte. O vilão Moran neste episódio é nomeado após o Coronel Sebastian Moran, o vilão da história original. Em "The Adventure of the Empty House", o primeiro encontro de Watson, vê Holmes disfarçado como um vendedor de livro fortemente acentuados e barbudo com uma loja na esquina da rua da igreja, que oferece Watson alguns livros. No episódio, John encontra um homem como o paciente dele que é dono de uma loja de DVD no mesmo local; o homem oferece-se para vender os DVDs pornô com títulos quase idêntico aos livros que Watson foi oferecida pelo Holmes disfarçado no conto ("Adoradores de árvore", "British Birds" e "Guerra Santa").[4] John assume falsamente que é Sherlock disfarçado, com resultados vergonhosos. É também uma referência a uma cena de The Spider Woman, protagonizado por Basil Rathbone e Nigel Bruce. Moffat e Gatiss citaram a série de filmes como outra fonte de inspiração ao escrever Sherlock.[5] O restante do enredo do episódio é em grande parte original.

Sherlock também menciona uma espécie de "luta japonesa" em passagem no episódio, uma referência para a arte marcial ficcional de "baritsu" mencionada por Conan Doyle na história original.[6]

Produção[editar | editar código-fonte]

Características[editar | editar código-fonte]

Muitos do elenco de duas temporadas anteriores retornaram, com Benedict Cumberbatch e Martin Freeman, interpretando Sherlock Holmes e Dr. John Watson. Sócio da vida real de Freeman, Amanda Abbington [7] juntou-se ao elenco como Mary Morstan, a namorada de Watson. Os pais de Cumberbatch, Wanda Ventham e Timothy Carlton, tiveram participações especiais como os pais de Sherlock.[8]

As filmagens[editar | editar código-fonte]

A fotografia principal do episódio começou em março de 2013. O jornal Daily Mail informou que Benedict Cumberbatch e Amanda Abbington filmaram a cena da fogueira em Portland Square, Bristol.[9]

A resolução de como Holmes tinha falsificado a sua morte foi filmado em Abril de 2013, no Hospital St Bart (São Bartolomeu)

A resolução de como Holmes tinha falsificado a sua morte no final de "The Reichenbach Fall" foi filmado em Abril de 2013, Hospital de St Bart em Londres. A filmagem foi assistido por centenas de fãs, a quem produtor Sue Vertue implorou para não vazar muita informação.[10] O jornalista so Telegraph, Sheryl Garratt informou que a filmagem foi deliberadamente confuso para os fãs assistindo, e a explicação de como Sherlock falsificou a sua morte foi apagado no script.[10]

O trem utilizado no Metrô de Londres, utilizado no episódio foi construído a partir do zero pela produção para se parecer com um vagão, como eles não foram capazes de adquirir um trem real.[11] A estação de metrô nunca completou a chamada Sumatra Road está baseado em tubo da estação North End.[12] As filmagens foram realizadas nas estações Westminster [13] e Charing Cross.[14]

Transmissão[editar | editar código-fonte]

O episódio foi ao ar na BBC One em 1 de Janeiro de 2014. De acordo com dados durante a noite, o episódio foi visto por 9,2 milhões de pessoas no Reino Unido na BBC One, com o pico de audiência de 9,7 milhões nos primeiros 5 minutos.[15]

Referências

  1. «2014 - Top 10 programmes - TV since 1981 - BARB». barb.co.uk. Consultado em 3 de outubro de 2015 
  2. Jones, Ellen E (1 de janeiro de 2014). «Sherlock 'The Empty Hearse' review: So, how did the great detective fake his own death?». The Independent. Consultado em 3 de janeiro de 2014 
  3. Wolfson, Sam (1 de janeiro de 2014). «Sherlock recap: series three, episode one – The Empty Hearse». The Guardian. Consultado em 4 de janeiro de 2014 
  4. a b Doyle, Arthur Conan (1905). «The Adventure of the Empty House». The Return of Sherlock Holmes. London: George Newnes 
  5. Rackl, Lori (19 de janeiro de 2014). «Sherlock showrunner Steven Moffat answers your Sherlock questions Voices». Voices. Consultado em 19 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 12 de julho de 2015 
  6. Britt, Ryan (2 de janeiro de 2014). «7 Classic References to Watch for in Sherlock's "The Empty Hearse"». The Mindhut. Sparknotes. Consultado em 4 de janeiro de 2014 
  7. Jones, Paul (27 de março de 2013). «Martin Freeman's partner Amanda Abbington joins the cast of Sherlock». Radio Times. Consultado em 4 de janeiro de 2014 
  8. Jones, Paul (1 de janeiro de 2014). «Benedict Cumberbatch's parents make Sherlock cameo». Radio Times. Consultado em 4 de janeiro de 2014 
  9. Sheridan, Emily (26 de março de 2013). «Sherlock is back from the dead as series 3 begins filming... with Martin Freeman's girlfriend Amanda Abbington joining the cast». Daily Mail 
  10. a b Garratt, Sheryl (1 de janeiro de 2014). «Sherlock: filming the way Holmes faked his death for The Empty Hearse». The Telegraph 
  11. «Sherlock facts: 21 things you didn't know». telegraph.co.uk. The Telegraph. 2 de janeiro de 2014. Consultado em 14 de janeiro de 2014 
  12. [The real truth behind http://www.hamhigh.co.uk/news/the_real_truth_behind_sherlock_s_abandoned_sumatra_road_tube_station_it_s_under_hampstead_heath_1_3177453 «Sherlock's abandoned 'Sumatra Road' tube station? It's under Hampstead Heath»] Verifique valor |url= (ajuda). hamhigh.co.uk. Hampstead & Highgate Express. 5 de janeiro de 2014. Consultado em 14 de janeiro de 2014 
  13. «Jubilee tube from St James' Park? Sherlock fans confused by London Underground trains pulling into different stations on different lines». dailymail.co.uk. Daily Mail. 2 de janeiro de 2013. Consultado em 14 de janeiro de 2014 
  14. «The London Underground according to 'Sherlock'». timeout.com. Timeout. 2 de janeiro de 2014. Consultado em 14 de janeiro de 2014 
  15. «Sherlock return watched by 9.2m». BBC News. 2 de janeiro de 2014. Consultado em 4 de janeiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Sherlock (TV series)