Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

The Last of Us: American Dreams

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Last of Us: American Dreams
The Last of Us American Dreams capa.png
Capa da primeira edição de The Last of Us: American Dreams, arte por Julian Totino Tedesco. As capas foram projetadas para fazerem a ponte entre o visual realista do jogo e o visual estilizado do quadrinho.[1]
Editora(s) Dark Horse Comics
Formato de publicação Série limitada
Edições 4
Gênero terror
Autor(es) Neil Druckmann
Faith Erin Hicks
Desenho Faith Erin Hicks
Colorista(s) Rachelle Rosenberg

The Last of Us: American Dreams é uma série limitada de histórias em quadrinhos baseada no jogo eletrônico The Last of Us. Ela foi escrita por Neil Druckmann e Faith Erin Hicks, com ilustrações de Hicks e cores de Rachelle Rosenberg. A série foi publicada pela Dark Horse Comics entre abril e julho de 2013, recebendo uma edição coletada em outubro de 2013.

American Dreams se passa em um mundo pós-apocalíptico tomado por criaturas infectadas por uma mutação do fungo Cordyceps. O quadrinho serve de prequela para The Last of Us, mostrando a jornada de Ellie e seu encontro com Riley Abel. Druckmann escolheu focar o quadrinho em Ellie devido a singularidade de seu nascimento e crescimento dentro de um mundo pós-apocalíptico. Hicks juntou-se ao projeto depois de descobrir o papel que Ellie teria no jogo, considerando-a uma personagem incomum para se colocar em um jogo eletrônico de sobrevivência. O estilo artístico do quadrinho é diferente do visual de The Last of Us, uma escolha feita por Hicks a fim de criar uma sensação e identidade únicas.

A série foi bem recebida pelos críticos. Elogios foram feitos particularmente para o roteiro de Druckmann e o desenvolvimento dos personagens, além da simplicidade das ilustrações de Hicks. American Dreams também foi um sucesso comercial, com sua primeira edição precisando ser reimpressa para poder suprir a alta demanda.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Na zona de quarentena de Boston, Ellie entra em uma briga com um grupo de meninos que tentam roubar seus pertences. Riley interfere para apartar a briga, batendo em um dos meninos e fazendo os outros fugirem. Ellie fica incomodada, afirmando que poderia ter cuidado de si mesma sem ajuda.[2] Riley a aconselha a fugir, porém Ellie acaba sendo designada para limpeza. Ela acaba descobrindo que Riley roubou seu Walkman,[3] mais tarde exigindo seu retorno, algo que Riley relutantemente faz.[4]

Ellie acaba pegando a outra menina tentando fugir da escola durante a noite e decide acompanhá-la.[5] Riley relutantemente concorda e as duas seguem para um shopping, onde encontram-se com Winston.[6] Riley rouba o rádio do homem enquanto este ensina Ellie como andar a cavalo, com a primeira descobrindo que um ataque dos Vaga-Lumes – um grupo rebelde miliciano que se opõe às autoridades da zona de quarentena – está ocorrendo ali próximo.[7] As duas meninas vão para o local do ataque e descobrem que os Vaga-Lumes estão feridos e em menor número. Elas jogam granadas de fumaça no exército para ajudar, permitindo que os rebeldes escapem.[8] Ellie e Riley são avistadas pelos militares e escapam para um beco próximo, onde por pouco não são mordidas por Infectados – criaturas canibalísticas infectadas por uma mutação do fungo Cordyceps.[9]

As duas são capturadas pelos Vaga-Lumes. Sua líder Marlene reconhece Ellie, exigindo que ela fique em segurança.[10] Riley afirma que gostaria de se juntar ao grupo,[11] porém Marlene nega e as duas discutem, com a Vaga-Lume ameaçando atirar na menina.[12] Ellie intervem, apontando uma arma para Marlene e querendo explicações sobre como esta sabe sobre sua identidade. Marlene revela que conhecia a mãe de Ellie e prometeu que iria cuidar da criança.[13] Ellie entrega sua arma e a líder dos Vaga-Lumes afirma que irá contar mais sobre sua mãe no futuro, em seguida fazendo as meninas irem embora.[14] As duas voltam para a zona de quarentena, com Riley lamentando que não há modo de escapar. Ellie sugere fugir, porém a amiga informa que isso fará apenas com que sejam mortas. As meninas em seguida caminham de volta para a escola.[15]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Neil Druckmann, diretor de criação de The Last of Us e co-autor de American Dreams junto com Faith Erin Hicks.

A Dark Horse Comics abordou o diretor de criação Neil Druckmann, na época trabalhando em The Last of Us, sobre a possibilidade de produzir uma histórias em quadrinhos relacionada com o jogo. Druckmann inicialmente ficou desconfiando sobre a ideia, porém eventualmente concordou ao perceber que a Dark Horse "não queria fazer algo tangencial" com a oportunidade de expandir os personagens e universo além do jogo.[16] Os trabalhos no quadrinho começaram durante o desenvolvimento de The Last of Us, permitindo que as histórias dos dois projetos se integrassem e se influenciassem. Druckmann pediu que a artista Faith Erin Hicks fosse sua colaboradora depois de ler seu quadrinho Friends with Boys, tendo gostado do "quão pessoal pareceu".[17] Ele também achou que Hicks poderia capturar a atmosfera "arenosa" do jogo.[1] A artista então enviou obras conceituais para a Dark Horse como um esboço para o trabalho; a editora aceitou e ela se envolveu oficialmente no projeto.[18] Hicks se interessou no quadrinho depois de ler sobre a personagem de Ellie no roteiro do jogo; ela a considerou uma personagem incomum para se incluir em um jogo de sobrevivência, chamando-a de uma "adolescente durona que não é sexualizada, e que pareceu muito igual a sua contraparte masculina".[17] A artista teve acesso a várias sequências de jogabilidade e o roteiro durante o desenvolvimento para que assim ela tivesse uma melhor compreensão da história. Hicks também recebeu vídeos dos atores interpretando no cenário, algo que foi útil ao ilustrar os personagens: "Eu dou uma olhada nesses personagens e os vejo interagindo como seres humanos, não apenas artes conceituais".[19]

A história passada de Ellie originalmente seria colocada em uma sequência de jogabilidade dentro de The Last of Us, porém isto acabou descartado durante o desenvolvimento. Druckmann recebeu uma oportunidade para contar essa história quando a Dark Horse abordou a Naughty Dog sobre a ideia de uma história em quadrinhos.[18] O roteirista achou que Ellie era a personagem ideal para o quadrinho devido seu nascimento e crescimento; enquanto personagens como Joel viveram principalmente em um mundo antes do surto da infecção, Ellie desconhece como a vida era antes. Isto criou uma ideia que Druckmann considerou interessante, ficando intrigado em descobrir os efeitos das ações cotidianas em um mundo pós-apocalíptico.[19] Hicks gostou de escrever American Dreams, particularmente por causa do humor. Druckmann deixou que Hicks desenhasse do zero a personagem de Riley, incluindo sua aparência física, características e maior parte dos diálogos. Ele comentou: "Pareceu um bom modo de dividir, em que [Hicks] seria dona de Riley e eu seria dono de Ellie".[20] A ilustradora evitou replicar o mesmo estilo artístico do jogo ao criar as artes do quadrinho, em vez disso optando por "desenhar em meu próprio estilo e no melhor das minhas habilidades". Ela achou que o estilo artístico era levemente "cartunesco", parcialmente por causa da idade de Ellie: "Se [o quadrinho] fosse hiper-realista e super-desenhado, eu acho que minaria a história que estamos tentando contar".[19] Hicks foi inspirada pelo estilo dos personagens da série Mortal Kombat ao desenhar a personagem Angel Knives na segunda edição.[20]

A primeira edição de American Dreams foi publicada em 3 de abril de 2013[21] e vendeu ao todo pouco mais de seis mil cópias em seu primeiro mês;[22] uma reimpressão ficou disponível em 29 de maio.[23] A segunda edição foi lançada também em 29 de maio,[24] vendendo pouco menos que cinco mil unidades.[25] Esta foi seguida por uma terceira em 26 de junho[26] que vendeu cinco mil cópias.[27] A quarta e última edição estreou em 31 de julho,[28] tendo vendido mais de sete mil unidades.[29] Todas as quatro edições foram republicadas em uma coleção completa lançada em 30 de outubro,[30] com esta vendendo por volta de 2,7 mil cópias.[31]

Recepção[editar | editar código-fonte]

As ilustrações de Faith Erin Hicks foram elogiadas por sua simplicidade.

The Last of Us: American Dreams recebeu críticas geralmente positivas. Elogios foram direcionados particularmente para sua história e estilo artísticos, que foram consideradas complementares uma a outra.[32] O quadrinho também foi um sucesso comercial; sua primeira edição esgotou com a grande procura, fazendo a Dark Horse reimprimir o título.[23]

A história foi elogiada. Lonnie Nadler do Bloody Disgusting estava inseguro sobre o enredo nas duas primeiras edições por causa de seus focos no desenvolvimento dos personagens,[33] porém elogiou a edição final por entregar o "drama autêntico e intensidade crua" ausente nas edições anteriores.[34] Jesse Schedeen da IGN sentiu que a história serviu para aprofundar o mundo e os personagens,[35] elogiando a disponibilidade do quadrinho para leitores que não tinham jogado o jogo.[32] Por outro lado, Nathan Butler da Invisible Gamer achou que a introdução e desenvolvimento das duas primeiras edições poderiam ter sido encurtadas e que a edição final tentou incluir conteúdos demais, por fim chamando o quadrinho de uma "tentativa inferior de uma série relacionada com jogos eletrônicos".[36]

Os críticos também tiveram uma boa recepção sobre as ilustrações do quadrinho. Alasdair Stuart da SciFiNow escreveu que a arte era "tão expressiva e relaxada", que nomeou Hicks como "um das melhores artistas de sua geração".[37] Jen Bosier da Forbes sentiu que as ilustrações funcionaram bem dentro do contexto da história,[38] enquanto Schedeen da IGN acreditando que o quadrinho dependia muito da arte e que o estilo artístico criou uma "identidade e estilo" únicos.[32] Nadler afirmou que era "bem simplista, mas muito limpa"[33] e "visualmente expressiva quando importa",[34] comparando-a com Scott Pilgrim.[33] Nadler também elogiou a escolha de cores, comentando que o quadrinho continha "a palheta certa de tons escuros e sombrios", além das capas que eram "consistentemente incríveis".[39] Jennifer Cheng da Comic Book Resources escreveu que as cores encaixavam-se no cenário da história.[40] Peter Jubinsky da Geeks of Doom elogiou Hicks particularmente pela representação dos Infectados como "desesperados e em dor", dizendo que era "especialmente angustiante".[41]

Referências

  1. a b Druckmann, Neil; Straley, Bruce (2013). The Art of The Last of Us. Estados Unidos: Dark Horse Comics. p. 172. ISBN 978-1616551643 
  2. Druckmann, Hicks & Rosenberg abril de 2013, pp. 7–10
  3. Druckmann, Hicks & Rosenberg abril de 2013, pp. 11–15
  4. Druckmann, Hicks & Rosenberg abril de 2013, pp. 18–19
  5. Druckmann, Hicks & Rosenberg abril de 2013, pp. 20–21
  6. Druckmann, Hicks & Rosenberg maio de 2013, p. 12
  7. Druckmann, Hicks & Rosenberg maio de 2013, p. 22
  8. Druckmann, Hicks & Rosenberg junho de 2013, pp. 5–6
  9. Druckmann, Hicks & Rosenberg junho de 2013, pp. 8–17
  10. Druckmann, Hicks & Rosenberg junho de 2013, pp. 22–23
  11. Druckmann, Hicks & Rosenberg julho de 2013, p. 6
  12. Druckmann, Hicks & Rosenberg julho de 2013, pp. 12–14
  13. Druckmann, Hicks & Rosenberg julho de 2013, pp. 15–17
  14. Druckmann, Hicks & Rosenberg julho de 2013, p. 18
  15. Druckmann, Hicks & Rosenberg julho de 2013, pp. 20–22
  16. Cheng, Jennifer (13 de outubro de 2012). «NYCC: Neil Druckman, Faith Erin Hicks & Dark Horse Introduce "The Last of Us"». Comic Book Resources. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  17. a b Hudson, Laura (6 de agosto de 2013). «See 15 Pages of the Last of Us Prequel Comic — And How It Influenced the Game». Wired. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  18. a b Nguyen, John (18 de abril de 2013). «The Last of Us: American Dreams – Interview with Faith Erin Hicks and Neil Druckmann». Nerd Reactor. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  19. a b c Schedeen, Jesse (9 de abril de 2013). «Expanding the Saga of The Last of Us». IGN. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  20. a b Hudson, Laura (18 de fevereiro de 2014). «Inside the Mind Behind the Brilliant New Last of Us DLC». Wired. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  21. «The Last of Us: American Dreams #1». Dark Horse Comics. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  22. «April 2013 Comic Book Sales Figures». Comichron. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  23. a b «The Last of Us: American Dreams #1 Sells Out». Dark Horse Comics. 1 de maio de 2013. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  24. «The Last of Us: American Dreams #2». Dark Horse Comics. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  25. «May 2013 Comic Book Sales Figures». Comichron. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  26. «The Last of Us: American Dreams #3». Dark Horse Comics. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  27. «June 2013 Comic Book Sales Figures». Comichron. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  28. «The Last of Us: American Dreams #4». Dark Horse Comics. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  29. «July 2013 Comic Book Sales Figures». Comichron. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  30. «The Last of Us: American Dreams TPB». Dark Horse Comics. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  31. «October 2013 Comic Book Sales Figures». Comichron. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  32. a b c Schedeen, Jesse (31 de julho de 2013). «The Last of Us: American Dreams #4 Review». IGN. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  33. a b c Nadler, Lonnie (30 de maio de 2013). «Review: 'The Last of Us: American Dreams' # 2». Bloody Disgusting. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  34. a b Nadler, Lonnie (1 de agosto de 2013). «Review: 'The Last of Us: American Dreams' #4». Bloody Disgusting. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  35. Schedeen, Jesse (29 de maio de 2013). «The Last of Us: American Dreams #2 Review». IGN. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  36. Butler, Nathan (6 de agosto de 2013). «The Last of Us: American Dreams #1 – 4 Comic Review». Invisible Gamer. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  37. Stuart, Alasdair (7 de março de 2014). «The Last Of Us: American Dreams graphic novel review». SciFiNow. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  38. Bosier, Jen (5 de abril de 2013). «The Last of Us: American Dreams #1 Comic Review». Forbes. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  39. Nadler, Lonnie (27 de junho de 2013). «Review: 'The Last of Us: American Dreams' #3». Bloody Disgusting. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  40. Cheng, Jennifer (5 de abril de 2013). «The Last of Us: American Dreams #1». Comic Book Resources. Consultado em 15 de dezembro de 2016 
  41. Jubinsky, Peter (6 de novembro de 2013). «Comic Review: The Last Of Us: American Dreams». Geeks of Doom. Consultado em 15 de dezembro de 2016 

Edições[editar | editar código-fonte]

  • Druckmann, Neil; Hicks, Faith Erin; Rosenberg, Rochelle (3 de abril de 2013). The Last of Us: American Dreams. 1. Estados Unidos: Dark Horse Comics 
  • Druckmann, Neil; Hicks, Faith Erin; Rosenberg, Rochelle (29 de maio de 2013). The Last of Us: American Dreams. 2. Estados Unidos: Dark Horse Comics 
  • Druckmann, Neil; Hicks, Faith Erin; Rosenberg, Rochelle (26 de junho de 2013). The Last of Us: American Dreams. 3. Estados Unidos: Dark Horse Comics 
  • Druckmann, Neil; Hicks, Faith Erin; Rosenberg, Rochelle (31 de julho de 2013). The Last of Us: American Dreams. 4. Estados Unidos: Dark Horse Comics 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]