The Legend of Zelda (jogo eletrônico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
The Legend of Zelda
Desenvolvedora Nintendo EAD
Publicadora(s) Nintendo
Licença Nintendo₢
Plataforma(s) Nintendo Entertainment System, Famicom Computer Disk System, Game Boy Advance e Virtual Console (Wii e Nintendo 3DS)
Série The Legend of Zelda
Data(s) de lançamento Original
Nintendo 3DS (embaixadores)
    [1] Nintendo 3DS (público geral)
      [2]
      Gênero(s) Ação-aventura, RPG
      Modos de jogo Um jogador
      Controles Joystick
      Último
      Último
      Zelda II: The Adventure of Link
      Próximo
      Próximo

      The Legend of Zelda, conhecido no Japão como The Hyrule Fantasy: Zelda no Densetsu (The Hyrule Fantasy ゼルダの伝説?) é um jogo eletrônico criado por Shigeru Miyamoto em 1986 para o NES. Situado na terra da fantasia de Hyrule, os centros da trama, um garoto chamado Link, o protagonista jogável, que visa a resgatar a Princesa Zelda do antagonista primário, Ganon, recolhendo os oito fragmentos da Triforce da Sabedoria, um poderoso artefato. Publicado pela Nintendo, o jogo rendeu várias versões para diversos consoles da empresa, sendo uma delas a continuação direta do jogo original. O título foi incluído no pacote de 20 jogos do programa de "embaixadores" do Nintendo 3DS, que permitiu àqueles que tinham comprado o portátil antes do corte do preço baixarem o jogo gratuitamente.[1]

      Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

      O game incorpora elementos de jogos de RPG, aventura e ação. O jogador controla Link numa perspectiva aérea enquanto ele viaja num grande mapa ao ar livre com ambientes variados. Link começa o jogo armado apenas com um pequeno escudo, mas uma espada torna-se disponível para Link após ele se aventurar em uma caverna que é acessível a partir da primeira tela de mapa do jogo. durante todo o jogo, comerciantes, moradores e outros guiam Link com pistas enigmáticas. Estas pessoas estão espalhadas por todo o mundo e escondidas em cavernas, moite de arbustos, ou atrás de paredes ou cachoeiras.[3]

      Quem atrapalha o progresso do Link é as criaturas que ele deve lutar para localizar as entradas para as nove masmorras subterrâneas. cada calabouço é uma coleção única, tipo labirinto de quartos conectados por portas e passagens secretas e guardadas por monstros diferentes daqueles encontrados na superfície.[4] as dungeons também ocultam ferramentas úteis que Link pode adicionar ao seu arsenal, como um bumerangue para recuperar itens distantes e abater inimigos e um gravador com propriedades mágicas.[5] Link deve navegar com sucesso através de cada uma das oito primeiras masmorras para obter todos os oito pedaços da Triforce da sabedoria. Uma vez que ele completou o artefato, ele pode entrar no nono calabouço para salvar Zelda.[6] Além da exceção, a ordem de completar as masmorras resta para o jogador, embora constantemente aumentam em dificuldade, e alguns deles só podem ser alcançado ou concluído se usar itens que ganhou na masmorra anterior. Link pode encontrar e comprar itens em qualquer ponto. Essa flexibilidade permite formas incomuns de jogar o game. Por exemplo, é possível alcançar o chefe final do jogo, sem nunca receber a espada.[7]

      Depois de completar o jogo, o jogador tem acesso a uma missão mais difícil, oficialmente conhecido como a "Second Quest", onde as masmorras e o posicionamento dos itens são diferentes, e os inimigos são mais fortes. a "Second Quest" pode ser repetido cada vez que o jogo é concluído e também pode ser acessado a qualquer momento, iniciando um novo arquivo com o nome de "ZELDA".[8]

      Enredo[editar | editar código-fonte]

      O enredo de The Legend of Zelda é descrito no manual de instruções e no prólogo curto após a tela de título. Um pequeno reino na terra de Hyrule, a configuração do jogo, está envolvido em caos após um exército liderado por Ganon, o príncipe das trevas que invadiu e roubou a Triforce do poder, uma parte de um artefato mágico, conferindo grande força. em uma tentativa de impedir o Ganon de adquirir a Triforce da sabedoria, outra das peças, a Princesa Zelda divide e esconde os oito fragmentos nas masmorras secretas em toda a terra. antes que a princesa é raptada eventualmente por Ganon, ela comanda sua babá Impa para encontrar alguém corajoso o suficiente para salvar o Reino.

      Enquanto vagueia pela terra, Impa é cercada pelos capangas de Ganon, é quando um jovem garoto chamado Link aparece e o resgata. depois de ouvir o apelo do Impa, ele resolve salvar Zelda e se prepara para remontar os fragmentos dispersos da Triforce da sabedoria e tornar-se poderoso o suficiente para derrotar Ganon. [9]

      Recepção[editar | editar código-fonte]

      The Legend Of Zelda foi um best-seller para Nintendo, vendendo mais de 6,5 milhões de cópias.[10] foi o primeiro título do NES a vender mais de 1 milhão.[11] foi relançado em 1992 como parte da série de clássicos da Nintendo e contou com um cartucho de cor cinza. O jogo ficou em primeiro lugar no "Top 30" do player poll , na primeira edição do Nintendo Power[12] e continuou a dominar a lista no início de 1990. The Legend Of Zelda também foi eleito pelos leitores da Nintendo Power como o "Best Challenge" na Nintendo Power Awards. o game também é listado como o melhor jogo de vídeogame do NES já criado, afirmando que foi divertido, apesar de sua idade e ele mostrou-lhes novas maneiras de fazer as coisas do gênero, tais como masmorras escondidas e suas várias armas e equipamentos. a GamesRadar classificou-o terceiro melhor jogo de NES já feito. O pessoal elogiou seu "mix de gráficos atemporais, concepção de mundo aberto e complexidade".

      Em 1988, a Computer Gaming World nomeou The Legend Of Zelda como o melhor game de aventura do ano da Nintendo, afirmando que Zelda tinha sido um sucesso "sensacional" na transição do RPG do computadores para os consoles.[13] em 1990. The Legend Of Zelda foi revisto em 1992 pela Total! onde ele recebeu uma classificação de 78% em grande parte devido às medíocres subtotais para música e gráficos.[14] uma revisão de 1993 do jogo foi impresso em Dragon #198 por Sandy Petersen, na coluna "Eye Of The Monitor". Petersen deu ao jogo 4 de 5 estrelas.[15]

      The Legend Of Zelda é muitas vezes caracterizado nas listas de jogos considerados maiores ou mais influentes. É colocado em primeiro lugar na lista da Game Informer do "Top 100 jogos de todos os tempos" e "Top 200 jogos de todos os tempos" (em 2001 e 2009 respectivamente), em quinto lugar na 200º edição da Electronic Gaming Monthly listando "os 200 maiores Videogames de sempre", sétimo lugar na lista da Nintendo Power dos 200 melhores jogos da Nintendo[16] , 77 na lista 100 maiores jogos da Nintendo da revista Official Nintendo Magazine e 80 no "Top 99 jogos" dos leitores do IGN.[17] The Legend Of Zelda foi introduzido no Hall da Fama do GameSpy[18] , em agosto de 2000 e votado pelos editores do GameSpy como o décimo melhor jogo de todos os tempos.[19]

      Relançamentos[editar | editar código-fonte]

      The Legend of Zelda foi re-lançado em várias plataformas, desde suas versões originais nacionais e internacionais.O jogo foi re-lançado em formato de cartucho para o Famicom em 1994, a versão de cartucho tem a tela-título ligeiramente modificada da versão de cartão do disco do jogo, tal que é exibido o número '1' no final do título.

      Em 2001, o jogo original foi re-lançado no jogo de GameCube, Animal Crossing. A única maneira de desbloquear o jogo é um Action Replay. Um re-lançamento oficial foi incluído em 2003 chamado de The Legend of Zelda: Collector´s Edition para o GameCube.[20] e o jogo novamente foi re-lançado para o Game Boy Advance em 2004, juntamente com sua continuação, Zelda II: The Adventure Of Link, como parte da coletânea Famicom Mini/Classic NES Series.

      Todos os relançamentos do jogo são virtualmente idênticas ao original, embora as versões de GameCube, Game Boy Advance e Virtual Console foram alteradas ligeiramente para corrigir várias instâncias de ortografia incorreta do original, mais notavelmente na história de introdução.

      Uma demo chamada "Classic Games" foi mostrada para o Nintendo 3DS no E3 2010, exibindo mais de uma dúzia de jogos clássicos utilizando efeitos 3D, incluindo The Legend of Zelda . Foi anunciado por Reggie Fils-Aime, presidente da Nintendo da América, que os títulos eram slated para a liberação sobre o 3DS, incluindo The Legend of Zelda, ' Mega Man 2 e Super Mario World 2: Yoshi Island e possivelmente iria fazer uso de algumas das características do 3DS, como efeitos 3D, controle analógico, ou suporte de câmera.[21]

      Foi lançado em 1 de setembro de 2011 para os usuários de embaixadores enquanto a versão completa foi lançada em 22 de dezembro de 2011 no Japão, 12 de abril de 2012 na Europa e 5 de julho de 2012 na América do Norte sobre o Nintendo eShop.

      Referências

      1. a b Nintendo antecipa distribuição gratuita de games para o 3DS G1 (31 de agosto de 2011). Visitado em 3 de setembro de 2011.
      2. Pedro Henrique Lutti Lippe (5 de julho de 2012). eShop recebe dois novos jogos originais, uma demo e dois jogos de Virtual Console Wii Brasil. Visitado em 21 de julho de 2012.
      3. The Legend of Zelda Instruction Booklet. Nintendo of America, Inc. p. 28.
      4. The Legend of Zelda Instruction Booklet. Nintendo of America, Inc. pp. 32–39
      5. The Legend of Zelda Instruction Booklet. Nintendo. pp. 21–26
      6. The Legend of Zelda Instruction Booklet. Nintendo of America, Inc. p. 39
      7. Andrew Long. "The Legend of Zelda — Retroview". RPGamer. Retrieved 1 October 2006
      8. No byline. "IGN: The Legend of Zelda Cheats, Codes, Hints & Secrets for NES". Retrieved 2014-08-24
      9. The Legend of Zelda Instruction Booklet. Nintendo of America, Inc. pp. 3–4
      10. March 25, 2004 The Magic Box (2004-03-25). Visitado em 2007-04-01. Cópia arquivada em 2005-11-26.
      11. (March 1991) "Narly Nintendo – The Duffer's Guide to Nintendomania" (5). Newsfield Publications.
      12. "Top 30", Nintendo Power 1: 102, July–August 1988 
      13. Kunkel, Bill; Worley, Joyce; Katz, Arnie. "Video Gaming World", Computer Gaming World, November 1988, pp. 54. Página visitada em 3 November 2013.
      14. Jarratt, Steve. The Legend of Zelda. Total!. Issue 2. Pg.20-21. February 1992.
      15. Petersen, Sandy (October 1993). "Eye of the Monitor". Dragon (198): 57–60.
      16. "NP Top 200", Nintendo Power 200: 58–66, February 2006 
      17. Readers' Picks Top 99 Games: 80-71 IGN (April 11, 2005). Visitado em 2006-09-30.
      18. Buecheler, Christopher (August 2000). [1] GameSpy. Visitado em 2006-09-30.
      19. GameSpy Staff (July 2001). GameSpy's Top 50 Games of All Time GameSpy. Visitado em 2006-09-30. Cópia arquivada em 2008-03-20.
      20. IGN Staff (2003-10-06). True Zelda Love.
      21. Título não preenchido, favor adicionar.


      Wikiquote
      O Wikiquote possui citações de ou sobre: The Legend of Zelda
      Ícone de esboço Este sobre jogos eletrônicos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.