The New York Times

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The New York Times
Capa do The New York Times de 15 de novembro de 2012
Formato Grande Formato Broadsheet em inglês
Sede New York Times Building
620 Eighth Avenue
Manhattan, Nova Iorque,  Estados Unidos
Fundação 1851
Fundador(es) Henry Jarvis Raymond
George Jones
Proprietário The New York Times Company
Editora Arthur Ochs Sulzberger Jr.
Editor Bill Keller
Editor-chefe Jill Abramson
John M. Geddes
Editor de notícias Richard L. Berke
Editor de opinião Andrew Rosenthal
Editor de desporto Tom Jolly
Editor de fotografia Michele McNally
Circulação 876,638 dia útil
1,352,358 domingo
ISSN 0362-4331
OCLC OCLC 1645522
Página oficial NYTimes.com

The New York Times (por vezes abreviado para NYT) é um jornal diário estadunidense, fundado e publicado continuamente em Nova York desde 18 de Setembro de 1851, pela The New York Times Company. O The New York Times ganhou 117 prémios Pulitzer, mais do que qualquer outra organização de notícias.[1][2][3]

A versão impressa do jornal tem a segunda maior circulação, atrás do The Wall Street Journal, e a maior circulação entre os jornais metropolitanos nos Estados Unidos. O New York Times está classificado em 39º no mundo por circulação. No entanto, seguindo tendências da indústria como um todo, a sua circulação semanal caiu para menos de um milhão por dia desde 1990.[4]

Apelidado de "The Lady Gray",[5] o New York Time há muito tempo tem sido considerado dentro da indústria como um "jornal de referência" nacional.[6] Arthur Ochs Sulzberger Jr., Publisher e do Presidente do Conselho, é um membro da família Ochs-Sulzberger, que tem controlado o jornal desde 1896.[7] A versão internacional do New York Times, anteriormente o International Herald Tribune, agora é chamado de International New York Times.

O lema do jornal, "todas as notícias que estão aptas para impressão", aparece no canto superior esquerdo da página inicial. Desde meados dos anos 1970, o New York Times tem se expandido muito seu layout e organização, acrescentando seções especiais semanais sobre vários temas que completam as notícias, editoriais, esportes e características regulares.

História[editar | editar código-fonte]

A primeira página do The New York Times, de 29 de junho de 1914, anunciando a declaração de guerra da Áustria-Hungria contra a Sérvia.

Fundação[editar | editar código-fonte]

O jornal foi fundado em 18 de setembro de 1851 por Henry Jarvis Raymond e George Jones. Raymond também auxiliou na fundação da Associated Press em 1856. Originalmente o jornal circulava, em edições matutinas, todos os dias, menos no domingo. Durante a Guerra Civil Americana o NYT passou a circular também no domingo, juntamente com outros grandes jornais diários da época. Em 1896 Adolph Ochs obteve o controle do jornal quando este atravessou uma má situação financeira.

Ganhou seu primeiro Prêmio Pulitzer por reportagens e artigos sobre a Primeira Guerra Mundial em 1918. Em 1919 realizou sua primeira entrega transatlântica para Londres. Palavras-cruzadas começaram a aparecer em 1942. Comprou a estação de rádio de música clássica WQXR no mesmo ano.

A seção de moda foi introduzida em 1946. O Times também passou a ter uma edição internacional neste ano, mas parou de publicá-la em 1967 e juntou-se aos donos dos jornais Herald Tribune e The Washington Post para publicar o International Herald Tribune, em Paris.

Uma nova sede para o jornal, um arranha-céu projetado por Renzo Piano, foi construída em 2007, na ilha de Manhattan, em Nova Iorque.

Internet[editar | editar código-fonte]

Redação do New York Times

O NYT começou a ser publicado também na Internet, em 1996, e desde então seu sítio tornou-se uma referência para conteúdo on-line, e não mera reprodução de textos impressos — apesar de ainda não ter descoberto como tirar proveito financeiro das inovações que criou.[8] O sítio é acessado mensalmente por cerca de 20 milhões de usuários, tornando-o o quinto sítio de notícias mais visitado da Internet[9] e, de longe, o site mais popular de jornal nos Estados Unidos.[10]

O jornal, entretanto, anunciou em janeiro de 2010, depois de cerca de um ano debatendo internamente o assunto, que passará a cobrar pelo acesso frequente a seu conteúdo a partir de 2010.[10] "Esta é uma aposta, em certo grau, de para onde achamos que a web está caminhando", disse Arthur Sulzberger Jr., presidente do conselho e editor do jornal. "Isto não vai mudar a dinâmica financeira de um dia para o outro."[10]

Em outubro de 2013, concluiu a venda do jornal The Boston Globe para John Henry, por setenta milhões de dólares. Em 2014, um documento interno produzido pela equipe do periódico acabou vazando na internet. Nele, o jornal faz uma dura autocrítica e considera que vem avançando apenas lentamente na tentativa de posicionar-se na era digital, dando às novas plataformas o peso que considera que merecem.[11]

Crise[editar | editar código-fonte]

New York Times Building, a atual sede do jornal The New York Times.

The New York Times Company, a editora do jornal, foi afetada em 2008 pela crise, que atingiu a imprensa americana, assim como o conjunto da economia.

O jornal enfrenta graves problemas financeiros, com uma dívida em torno de um bilhão de dólares e reservas de caixa, em outubro de 2008, de menos de 50 milhões de dólares.[9]

Em 2008, perdeu 57,8 milhões de dólares, frente ao lucro de 208,7 milhões de dólares no ano anterior.

A editora informou que no quarto trimestre de 2008 seu lucro caiu 47,8% em relação a 2007. O faturamento caiu 7,7% em 2008, e 10,8% no quarto trimestre, enquanto os gastos operacionais baixaram 4,7% e 8,5%, respectivamente. As receitas de publicidade registraram queda de 17,6% no trimestre e 13,1% no ano. O faturamento por venda de exemplares impressos, no entanto, cresceu 2,3% no ano e 3,7% no trimestre, graças ao aumento de preços.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Pulitzer Prizes – The New York Times Company» The New York Times Company [S.l.] Consultado em 23 de junho de 2015. 
  2. Rainey, James; Garrison, Jessica (17 de abril de 2012). «Pulitzer winners span old, new media». Los Angeles Times [S.l.: s.n.] Consultado em 23 de abril de 2012. 
  3. Chabon, Michael. «The New York Times». The New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em 23 de abril de 2012. 
  4. Perez-Peña, Richard (26 de outubro de 2009). «U.S. Newspaper Circulation Falls 10%». The New York Times [S.l.: s.n.] 
  5. Berger, Meyer (September 17, 1951). «The Gray Lady Reaches 100». Life [S.l.: s.n.] Consultado em 12 de março de 2016. 
  6. «The New York Times». Encyclopædia Britannica. Consultado em 27 de setembro de 2011. 
  7. «The New York Times Company (Profile)». MediaOwners.com. Arquivado desde o original em 24 de agosto de 2015. 
  8. "The New Journalism: Goosing the Gray Lady", Emily Nussbaum, New York Magazine, 11/1/2009, acessado em 12/1/2009
  9. a b End Times: can America’s paper of record survive the death of newsprint? Can journalism?, por Michael Hirschorn, The Atlantic, janeiro/fevereiro de 2009, acessado em 12/1/2009
  10. a b c "The Times to Charge for Frequent Access to Its Web Site", Richard Pérez-Peña, The New York Times, 20/1/2010, acessado em 20/1/2010
  11. The leaked New York Times innovation report is one of the key documents of this media age, Nieman Lab
  12. Editora do "New York Times" registra perda de US$ 57,8 milhões. UOL, 28 de janeiro de 2009.

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre The New York Times
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: The New York Times
Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.