The Observer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Observer
Formato Berlinense
Sede Kings Place, 90 York Way, Londres
Fundação 1791
Proprietário Guardian Media Group
Editor John Mulholland
Orientação política Centro-esquerda
Circulação 216.000 (Agosto de 2013)
Publicações irmãs The Guardian,
The Guardian Weekly
ISSN 9976-1971
OCLC OCLC 436604553
Página oficial observer.theguardian.com

The Observer é um jornal do Reino Unido publicado aos domingos. Está associado ao jornal The Guardian, publicado durante o resto da semana. Publicado pela primeira vez em 1791, é o jornal de domingo mais antigo do mundo.[1]

É considerado um quality paper, o que se deve, por um lado, ao seu formato standard e, por outro, às notícias sérias que publica e trata com profundidade, em contraste com os popular papers, de formato tablóide, conhecidos pelo recurso a notícias sensacionalistas, constituindo mero entretenimento.

No que diz respeito à linha editorial, The Observer é considerado de centro-esquerda, assumindo posições predominantemente social-liberais ou social-democratas, ligeiramente mais à direita do que The Guardian. É o periódico dominical mais antigo do mundo.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

A primeira edição, publicada em 4 de dezembro de 1791 por W.S. Bourne, foi o primeiro jornal de domingo do mundo.[3] Acreditando que o jornal seria um meio de enriquecer, Bourne logo se viu enfrentando dívidas de quase £ 1 600. Embora as primeiras edições alegassem independência editorial, Bourne tentou reduzir suas perdas e vender o título ao governo. Quando isso falhou, o irmão de Bourne (um rico empresário) fez uma nova oferta ao governo, que também se recusou a comprar o jornal, mas concordou em subsidiá-lo em troca de influência sobre seu conteúdo editorial. Como resultado, o jornal logo adotou uma linha forte contra radicais como Thomas Paine, Francis Burdett e Joseph Priestley.

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Em 1807, os irmãos decidiram abrir mão do controle editorial, nomeando Lewis Doxat como o novo editor. Sete anos depois, os irmãos venderam o The Observer para William Innell Clement, proprietário de um jornal que possuía várias publicações. O jornal continuou a receber subsídios do governo durante esse período; em 1819, dos cerca de 23 000 exemplares do jornal distribuídos semanalmente, aproximadamente 10 000 eram doados como "exemplares", distribuídos por carteiros que eram pagos para entregá-los a "advogados, médicos e cavalheiros da cidade".[4] No entanto, o jornal começou a demonstrar uma postura editorial mais independente, criticando a forma como as autoridades lidaram com os eventos em torno do Massacre de Peterloo e desafiar uma ordem judicial de 1820 contra a publicação dos detalhes do julgamento dos conspiradores da rua Cato, que teriam conspirado para assassinar membros do gabinete. As xilogravuras publicadas do estábulo e do palheiro onde os conspiradores foram presos refletem uma nova etapa do jornalismo ilustrado em que o jornal foi pioneiro nessa época.

20 de Julho de 1882

Clement manteve a propriedade do The Observer até sua morte em 1852. Durante esse tempo, o jornal apoiou a reforma parlamentar, mas se opôs a uma franquia mais ampla e à liderança cartista. Depois que Doxat se aposentou em 1857, os herdeiros de Clement venderam o jornal para Joseph Snowe, que também assumiu a cadeira de editor.

Em 1870, o rico empresário Julius Beer comprou o jornal e nomeou Edward Dicey como editor, cujos esforços conseguiram reviver a circulação. Embora o filho de Beer, Frederick, tenha se tornado o proprietário após a morte de Julius em 1880, ele tinha pouco interesse no jornal e contentou-se em deixar Dicey como editor até 1889. Henry Duff Traill assumiu a redação após a partida de Dicey, apenas para ser substituído em 1891 pela esposa de Frederick, Rachel Beer, da família Sassoon. Embora a circulação tenha diminuído durante sua gestão, ela permaneceu como editora por treze anos, combinando-o em 1893 com a editora do The Sunday Times, um jornal que ela também comprou.[5]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Após a morte de Frederick em 1903, o jornal foi comprado pelo magnata do jornal Lord Northcliffe. Depois de manter a liderança editorial existente por alguns anos, em 1908 Northcliffe nomeou James Louis Garvin como editor. Garvin rapidamente transformou o jornal em um órgão de influência política, aumentando a circulação de 5 000 para 40 000 em um ano de sua chegada como resultado. No entanto, a revitalização da sorte do jornal mascarou crescentes desacordos políticos entre Garvin e Northcliffe. Essas divergências acabaram levando Northcliffe a vender o jornal para William Waldorf Astor em 1911, que transferiu a propriedade para seu filho Waldorf Astor, segundo visconde de Astor, quatro anos depois.

Durante esse período, os Astors se contentaram em deixar o controle do jornal nas mãos de Garvin. Sob a sua edição, a circulação atingiu 200 000 durante os anos entre as guerras, um número que Garvin lutou para manter mesmo durante as profundezas da Grande Depressão. Politicamente, o jornal buscou uma postura conservadora independente, o que acabou colocando Garvin em conflito com o filho mais liberal de Waldorf, David Astor. O conflito contribuiu para a saída de Garvin como editor em 1942, após o que o jornal tomou a atitude incomum de se declarar apartidário.

A propriedade passou para os filhos de Waldorf em 1948, com David assumindo o cargo de editor. Ele permaneceu no cargo por 27 anos, durante os quais ele o transformou em um jornal de propriedade fiduciária, empregando, entre outros, George Orwell, Paul Jennings e C. A. Lejeune. Sob a direção de Astor, o The Observer se tornou o primeiro jornal nacional a se opor à invasão de Suez pelo governo em 1956 , um movimento que lhe custou muitos leitores. Em 1977, os Astors venderam o jornal em dificuldades ao gigante petrolífero americano Atlantic Richfield (agora chamado ARCO), que o vendeu à Lonrho plc em 1981.

Tornou-se parte do Guardian Media Group em junho de 1993, depois que uma oferta rival do The Independent para adquiri-lo foi rejeitada.[6]

Farzad Bazoft, jornalista do The Observer , foi executado no Iraque em 1990 sob a acusação de espionagem. Em 2003, o The Observer entrevistou o coronel iraquiano que prendeu e interrogou Bazoft e que estava convencido de que Bazoft não era um espião.[7]

The Newsroom[editar | editar código-fonte]

O Observer e seu jornal irmão The Guardian operam um centro de visitantes em Londres chamado The Newsroom. Ele contém seus arquivos, incluindo cópias encadernadas de edições antigas, uma biblioteca fotográfica e outros itens como diários, cartas e cadernos. Este material pode ser consultado pelo público. A Redação também realiza exposições temporárias e mantém programa educacional para escolas.

Em novembro de 2007, The Observer e The Guardian disponibilizaram seus arquivos na Internet.[8]  A extensão atual dos arquivos disponíveis é de 1791 a 2000 para o The Observer e de 1821 a 2000 para o The Guardian. Esses arquivos irão eventualmente até 2003.

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: The Observer

Referências

  1. "The Observer under review" . BBC News
  2. Sophie Hutchinson (4 de agosto de 2009). «The Observer under review». BBC News 
  3. Staff, Guardian (5 de junho de 2002). «History of the Observer». the Guardian (em inglês). Consultado em 4 de dezembro de 2020 
  4. Dennis Griffiths (ed.), The Encyclopedia of the British Press, 1422–1992, London and Basingstoke: Macmillan, 1992, p. 159.
  5. https://web.archive.org/web/20090917013231/http://www.adinfo-guardian.co.uk/the-observer/observer-history.shtml
  6. Michael Leapman, "New editor chosen for 'Observer': 'Guardian' deputy to succeed Trelford", The Independent,
  7. https://www.theguardian.com/media/2003/may/18/Iraqandthemedia.iraq
  8. https://www.theguardian.com/info/2017/jun/26/how-to-access-guardian-and-observer-digital-archive

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.