The Prodigal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o filme colorido de 1955. Para o filme em preto e branco, veja The Prodigal (1931).
The Prodigal
 Estados Unidos
1955 •  cor •  112 min 
Direção Richard Thorpe
Produção Charles Schnee
Roteiro Maurice Zimm
adaptação
Joe Breen Jr.
Samuel James Larsen
Elenco Edmund Purdom
Lana Turner
James Mitchell
Louis Calhern
Joseph Wiseman
Género drama
Idioma inglês

The Prodigal é um filme épico bíblico de 1955 da Eastmancolor, CinemaScope, produzido pela MGM, estrelado por Edmund Purdom e Lana Turner. Foi baseado na parábola do Novo Testamento sobre um filho egoísta que deixa sua família para levar uma vida de prazer. O filme também conta com James Mitchell, Louis Calhern, Joseph Wiseman, Cecil Kellaway e Walter Hampden. A dançarina Taina Elg estreou no cinema neste filme.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Micah (Edmund Purdom), um jovem garoto de fazenda hebreu, vê Samarra (Lana Turner) e diz que a terá. Ele exige que seu pai lhe dê sua herança e viaje para a cidade de Damasco. Ali Samarra o seduz e o faz perder sua herança e trair sua fé religiosa. Suportando uma série de dificuldades, Micah finalmente percebe onde ele pertence e volta para casa para seu pai, que perdoa Micah todos os seus pecados e ordena uma celebração luxuosa de seu retorno.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 50, os filmes com temas bíblicos eram muito populares. Dois amigos, Sam Larson e Joseph Breen Jr., interessaram-se pelas possibilidades cinematográficas da famosa parábola. Larson tinha distrofia muscular e achou que a história tinha ressonância com os problemas dos jovens de hoje; ele também estava interessado em ambientar Damasco e Jope em 70 a.C., raramente visto na tela. Larson e Breen escreveram um roteiro de 60 páginas juntos. Eles o levaram a Dore Schary, chefe de produção da MGM, que estava interessado. Ele designou Charles Schnee para produzir e Maurice Zimm para escrever um roteiro final.[1]

O filme foi originalmente estrelado por Edmund Purdom, Ava Gardner e Vittorio Gassman. O roteiro de Maurice Zimm foi baseado na parábola original, mas era tecnicamente uma obra original. Foi ambientado na Síria e na Palestina em 79 aC.[2] Eventualmente, Gardner e Grassman desistiram.

Dore Schary disse mais tarde que "levou Lana Turner a interpretá-lo" e "O fato é que gostei do roteiro. Eu pensei que atrairia uma audiência. O que eu esqueci foi que Cecil B. De Mille tinha um exclusivo na Bíblia. A pobre Lana balançou seu caminho através do filme, mas era uma tarefa sem esperança. O roteiro era sem vida."[3]

Schary diz que depois de duas semanas filmando "Vi que estávamos na areia movediça" e pediu ao escritório de produção da MGM que calculasse o custo se o estúdio abandonasse o filme. Desde que os cenários foram construídos, os figurinos projetados e os contratos assinados (mais de US $ 200.000 foram gastos em figurinos),[4] o estúdio teria incorrido em uma perda de US $ 1,2 milhão. Schary decidiu terminar a cena com um cronograma acelerado "e esperava que não fôssemos tão mal".[3]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Segundo os registros da MGM, o filme faturou US$ 2.153.000 nos EUA e Canadá e US$ 1.990.000 em outros lugares, resultando em uma perda de US$ 771.000.

Dore Schary mais tarde chamou o filme de "o maior e mais embaraçoso fracasso" e "o pior filme que já apoiei" em seu tempo na MGM.[3]

The Prodigal foi satirizado em Mad # 26 (novembro de 1955) como The Prodigious.

Referências

  1. «HOLLYWOOD CYCLE: Five Films on Biblical Subjects Keep Industry Wheels Turning -- Addenda». New York Times 
  2. «Drama: Charles Schnee Will Produce 'Prodigal'». Los Angeles Times 
  3. a b c Schary p 283
  4. «FITTING FOR A FABULOUS 'PRODIGAL'». New York Times 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.