The Queen (canção)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"The Queen"
Canção de Lady Gaga
do álbum Born This Way
Formato(s) Download digital
Gravação 2010; Living Room Studios, Oslo, NOR
Género(s) Disco-pop,[1] rock
Duração 5:17
Editora(s) Streamline Records, Interscope Records, Kon Live Distribution
Composição Stefani Germanotta, Fernando Garibay
Produção Lady Gaga, Fernando Garibay
Faixas de Born This Way
  1. "Marry the Night"
  2. "Born This Way"
  3. "Government Hooker"
  4. "Judas"
  5. "Americano"
  6. "Hair"
  7. "Scheiße"
  8. "Bloody Mary"
  9. "Black Jesus + Amen Fashion
  10. "Bad Kids"
  11. "Fashion of His Love"
  12. "Highway Unicorn (Road to Love)"
  13. "Heavy Metal Lover"
  14. "Electric Chapel"
  15. "The Queen"
  16. "Yoü and I"
  17. "The Edge of Glory"

"The Queen" é uma canção gravada pela cantora e compositora norte-americana Lady Gaga. Foi inclusa na versão especial do seu segundo álbum de estúdio, Born This Way, lançado mundialmente a 23 de Maio de 2011. Composta, produzida e arranjada pela própria em colaboração com Fernando Garibay, é um tema de música disco com elementos notáveis de rock com instrumentação simples consistente em teclado, sinos, guitarras eléctricas, entre outros. O seu conteúdo lírico foi visto por analistas musicais como contendo referências à valentia, ao feminismo e a Alexander McQueen, um falecido estilista britânico que era grande amigo da cantora.

Em geral, foi recebida com opiniões mistas pela crítica especialista em música contemporânea, que elogiou a sua produção reminiscente a trabalhos lançados ao longo da década de 1980 e comparou a sua produção à de "The Edge of Glory" (2011); todavia, foi criticada devido à sua duração considerada excessiva. Aquando do lançamento inicial de Born This Way, "The Queen" conseguiu fazer uma estreia dentro das 150 melhores posições das tabelas musicais da Coreia do Sul e Reino Unido devido à um forte registo de vendas digitais em ambos territórios. A canção foi adicionada ao repertório da digressão The Born This Way Ball (2012-13) como a décima oitava faixa do alinhamento após um fã ter feito um pedido para que a cantora interpretasse o tema ao vivo; todavia, foi mais tarde removida do repertório. Foi também interpretada na digressão Artrave: The Artpop Ball (2014) em duas ocasiões.

Antecedentes e lançamento

Antes de cometer suicídio, Jamey Rodemeyer, um jovem de 14 anos de idade que era vítima de bullying devido à sua orientação sexual, publicou um dos versos de "The Queen" na sua página do Facebook, na qual vinha demonstrando bastante apreço por Gaga.

Em Março de 2010, em entrevista à MTV do Reino Unido, Gaga afirmou que já havia começado a trabalhar no seu segundo álbum de estúdio e que já havia terminado de escrever o tema central do mesmo: "Está escrito o tema central do disco, sem dúvida este é o meu melhor trabalho até hoje. A mensagem, a melodia, a direcção, o sentido. É uma libertação total."[2] Três meses depois, em entrevista à Rolling Stone, a artista declarou que o seu segundo disco já tinha sido concluído, mas não seria lançado até 2011. "Eu tenho trabalhado nisto há meses, e sinto fortemente que foi concluído agora. Alguns artistas levam anos. Mas eu não. Foi rápido, pois escrevo todos os dias..."[3] Em uma entrevista em Setembro, ela disse que "o álbum é o melhor trabalho perfeito que alguma vez fiz e estou muito animada com isso."[4] Inicialmente, Gaga disse que anunciaria o nome do disco no fim do ano, mas essa decisão não se materializou quando a 12 de Setembro de 2010, durante a cerimónia dos MTV Video Music Awards, Gaga recebeu o prémio de "Melhor Vídeo do Ano" por "Bad Romance", tendo de seguida anunciado o nome do seu segundo álbum de estúdio.[5]

"Ele [será] o hino da nossa geração. Ele inclui a melhor música que eu já escrevi. Eu já escrevi o primeiro single do novo álbum e prometo a você que este álbum é o maior da minha carreira."
— Gaga a fazer declarações à respeito de Born This Way em entrevista à Rolling Stone.[3]

Gaga anunciou a 26 de Novembro de 2010, durante as apresentações da The Monster Ball Tour em Gdansk, Polónia, que o disco poderia ter até vinte faixas, e prometeu que seria o álbum da década. Acrescentou também que ele estava completamente terminado e cheio de "batidas dançantes".[6][7] A 23 de Novembro de 2010, enquanto se apresentava no concerto da digressão em Antuérpia, Gaga revelou um dos versos de uma faixa que mais tarde vir-se-ia revela ser "The Queen": "Tonight I will return all the fame and riches earned, with you I’d watch them all be burned".[nota 1] Foi confirmado em uma entrevista à Vogue que das dezassete faixas que foram gravadas para o álbum, somente quatorze delas iriam aparecer na edição final da versão padrão.[8] As três faixas restantes iriam ser lançadas em uma edição deluxe exclusiva na loja digital Target.[9] Contudo, a 9 de Março, foi noticiado que a intérprete havia terminado a sua parceria com a Target, devido a uma doação de 150 mil dólares desta última à organização anti-homossexual Minnesota Forward.[10] A 17 de Abril de 2011, a cantora relatou que o disco teria duas versões: uma que é a versão especial que consiste em dezassete canções e cinco remixes, e outra, a versão padrão, com quatorze músicas.[11] Born This Way foi finalmente lançado a 23 de Maio, com esta música aparecendo como a décima quinta faixa da versão especial do mesmo.[12]

Antes de se suicidar, Jamey Rodemeyer, um fã da artista, publicou na sua página do Facebook um verso de "The Queen": "Don't forget me when I come crying to heaven's door".[nota 2] Rodemeyer, uma vítima de bullying devido à sua orientação sexual e activismo pró-LGBT, frequentemente escrevia sobre os seus problemas em diversas redes sociais, nas quais sempre demonstrou apreço por Gaga e onde foram encontrados comentários agressivos que incentivaram o seu suicídio.[13] Após o sucedido, Gaga anunciou no Twitter que ir-se-ia reunir com o então presidente dos EUA Barack Obama para que discutissem sobre o bullying nas escolas.[14][15] Em 2012, a cantora criou a Born This Way Foundation para prestar ajuda e dar aconselhamento à vítimas de bullying e opressão.[16]

Estrutura musical e conteúdo

Uma analista de música achou que o conteúdo lírico de "The Queen" seria uma homenagem ao falecido estilista Alexander McQueen, que era um grande amigo de Gaga.

"The Queen" é fruto de um trabalho colaborativo entre Gaga e Fernando Garibay, com quem trabalhou em grande parte de Born This Way e vinha trabalhando com a artista desde The Fame Monster (2009).[17][18] As sessões de gravação para o tema decorreram no Living Room Studios na cidade de Oslo, Noruega, sob direcção de Dave Rusell, que ainda se encarregou da mistura da mesma no RMC Studio, localizado em Los Angeles, Califórnia.[19] Musicalmente, "The Queen" foi descrita como uma canção do género disco que contém uma vasta gama de influências, sendo o rock o mais notável.[1][20] A sua produção foi observada por alguns analistas musicais como reminiscente a trabalhos lançados ao longo da década de 1980, com a sua instrumentação contendo sinos, guitarras eléctricas e piano, além de sintetizadores.[1][21][22] Segundo a pauta publicada pela página online Discogs, o alcance vocal da intérprete vai desde Si4 até Sol#5.[20]

No dia do lançamento de Born This Way, Gaga publicou no Twitter que esta obra abordava "valentia. Não ter medo de ser grande."[23] A canção inicia com um interlúdio instrumental de sinos que é mais logo acompanhado pela batida. Após isto, se segue a primeira estrofe: "Tonight I'm gonna show them what I'm made of, oh! / The killer queen inside me's coming to say 'Hello!."[nota 3][1][24] Então, tem lugar o refrão, com letras descritas como influenciadas pelo feminismo: "I can be the queen that's inside of me / This is my chance to release it."[nota 4][25] A faixa continua com a artista fazendo uma dinámica com a sua voz cantando as palavras "queen, queen, queen" repetidamente.[26] O tema se conclui com a última estrofe cantada: "Starry night come inside me like never before / Don't forget me when I come crying to heaven's door",[nota 5] seguida por um solo de guitarra eléctrica que se desvanece à medida em que a canção encerra.[26][24]

Amy Sciarreto, do blogue Pop Crush, descreveu o conteúdo lírico de "The Queen" como uma declaração de sobre como ela "pode ser a rainha que é sem dúvida e proclama a todos os pequenos monstros que a acompanham na demanda por apoio, orientação e acalento e que vêm ela como a sua governante, falando metaforicamente claro! Soa um pouco como Gwen Stefani quando canta a parte Woah oh oh e um solo de guitarra tropical é que ajuda a concluir a canção. O resultado final é raro e interessante, tal como a Mãe Monstro."[27][26] Abordando os temas religiosos inclusos em Born This Way na sua análise para o Idolator, Becky Bain revelou não ter ficado convencida "se esta obra não é também sobre a morte de Alexander McQueen, particularmente no verso "Don't forget me when I come crying to heaven's door".[nota 2][28] Gaga revelara ter sido inspirada pela morte de McQueen durante o processo de composição dos temas para Born This Way,[29] tendo dedicado a faixa "Fashion of His Love" para ele.[30]

Crítica profissional

Um resenhista achou que em "The Queen", Gaga soa um pouco como a cantora norte-americana Gwen Stefani.
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Drowned in Sound (negativa)[31]
Examiner 8/10[32][33]
Idolator (mista)[28]
El Mundo (negativa)[34]
The New York Times (positiva)[35]
PopMatters (negativa)[36]
Robert Christgau (positiva)[37]
Rolling Stone (positiva)[25]
Terra (positiva)[38]

Escrevendo para a revista Expert Witness, Robert Christgau argumentou: "das três canções adicionais [da versão especial de Born This Way], apenas 'The Queen' seria um lado B decente."[37] Além de a ter apelidado de "canção pop perfeita" na sua resenha para o portal latino Terra, Carlos Marcia questionou-se se "será está uma autoproclamação? Se for, então estou de acordo; quando esta canção começa a reproduzir, fico imediatamente convecido que Gaga é a nova rainha da música 'pop."[38] Emily Exton, para o blogue Pop Dust, chamou a faixa de "um hino de pista de dança para todas aqueles que não necessitam de uma coroa para verem a si mesmos como verdadeiros reis", fazendo elogios à integração de guitarras eléctricas e ainda fazendo uma comparação favorável com o tema "The Edge of Glory" devido à sua produção de música dos anos 1980; contudo, criticou a duração "longa" da canção,[1] uma opinião partilhada por Max Osman, para o portal Examiner, que classificou a canção com 8 pontos a partir de uma escala de 10,[32] enquanto Patrick Broadnax, para o mesmo periódico, descreveu "The Queen" como "um som pop perfeito dos anos 70", embora também tenha feito críticas à duração da canção e declarado que "[esta] não é uma canção grande e, pessoalmente, é a faixa mais fraca."[33]

Cristin Maher, para o blogue Pop Crush, fez uma comparação a trabalhos lançados ao longo da década de 1980, afirmando que o tema "tem uma letra feminista que se revela ser inspiradora."[21] Amy Sciarretto, para o mesmo blogue, atribuiu a classificação de duas estrelas e meia a partir de uma escala de cinco e fez uma crítica excepcional, na qual comentou que embora seja uma "faixa épica de pista de dança, está repleta de energia real, sentimentos líricos que fazem afirmações vitalícias e ritmos rápidos pulsantes. 'The Queen' poderia facilmente ser usada em um comercial e, musicalmente, é bastante similar a 'The Edge of Glory'. Não estamos a sugerir que Gaga deva descartar esta canção, no entanto, é tão boa quanto 'The Edge of Glory', e é bastante próvavel que haja uma razão pela qual 'The Queen' não apareceu na versão padrão [do álbum]."[27] Jon Pareles, para o jornal The New York Times, achou que com o verso "I can be the queen you need me to be",[nota 6] Gaga se define como a deusa, a irmã mais velha, a porta-voz, a conselheira e cheerleader da sua legião de fãs, conseguindo assim se enaltecer como a Mãe Monstro e levando a sua música para uma dimensão adicional através da sua relação com um público massivo.[35]

Crystal Senior, para o portal musical Autostraddle fez uma crítica mista à canção, na qual declarou que "uma canção pop curta é uma canção pop óptima. Infelizmente, esta canção pop tem uma duração de 5 minutos e 17 segundos, que me parece ser 1.73 minutos mais longa do que o necessário. A única parte que gosto é a alteração de andamento inesperada que acontece na metade da faixa."[39] Evan Sawdey, para o blogue PopMatters, comentou que o refrão da canção é "fraco e fácil de esquecer".[36] Carlos Fresneda, para a revista espanhola El Mundo, afirmou que "The Queen" é "uma das sobras que fornece realmente nada ao álbum e que apenas contribuiu para prolongar sem necessidade a audição até à recta final."[34] Sean Adams, para a revista electrónica Drowned in Sound, descreveu "The Queen" como uma "faixa de enchimento".[31]

Segundo uma lista publicada pela revista musical Rolling Stone em Maio de 2011, "The Queen" é a trigésima sexta melhor canção de Lady Gaga.[25]

Apresentações ao vivo

Gaga enquanto interpretava "The Queen" no concerto da The Born This Way Ball a 15 de Janeiro de 2013 na cidade de Portland, Oregon.

"The Queen" foi inclusa no repertório de canções da digressão The Born This Way Ball (2012-13), sendo cantada após "Bad Kids". Nos concertos, Gaga interpretava o tema sentada no piano acompanha dos seus guitarristas.[40][41] Na paragem da digressão em São Paulo, Brasil a 11 de Novembro de 2012, atendendo ao pedido de um fã, a artista cantou "The Queen" pela primeira vez, sendo que até aquele momento a faixa ainda não havia sido inclusa no repertório da digressão e,[42] a 11 de Janeiro do ano seguinte, na paragem da digressão em Los Angeles, Califórnia, a cantora declarou que a canção, que neste momento já havia sido adicionada ao alinhamento de faixas do repertório, era dedicada aos seus amigos da comunidade LGBT, tendo em seguida interpretado uma versão acústica.[43] "The Queen" foi interpretada na The Born This Way Ball pela última vez no concerto em Saint Paul, Minnesota,[44][45] decorrido a 6 de Fevereiro de 2013.[46]

A 20 de Maio de 2014, um fã da artista lançou um papel para o palco do concerto da digressão Artrave: The Artpop Ball (2014) em Saint Paul, no qual escreveu um pedido para que a cantora cantasse uma canção de modo a apoiar a sua irmã que era vítima de violência doméstica, tendo Gaga interpretado uma versão acústica de "The Queen" após ler o papel.[47][48] A canção foi novamente interpretada nessa digressão a 7 de Julho de 2014 na paragem na cidade de Buffalo, Nova Iorque, na qual estava a substituir "Mary Jane Holland", uma faixa de Artpop (2013).[49]

Alinhamento de faixas e formatos

Na versão especial de Born This Way, "The Queen" foi inclusa como a décima quinta canção do alinhamento de faixas.

  • Born This Way: Edição especial (Disco 1) (#060252771838)[50]
  1. "The Queen" — 5:17

Créditos e pessoal

Os créditos seguintes foram adaptados do encarte do álbum Born This Way (2011) e do portal Allmusic:[19][17]

Gravação
Pessoal
  • Stefani Germanotta — composição, produção e arranjos, vocalista, teclado
  • Fernando Garibay — composição, produção e arranjos, teclado, programação
  • Kareem "Jesus" Devlin — guitarra eléctrica
  • Dave Russell — gravação vocal
    • George Tanderø — assistência
    • Ken Knapstad — assistência
  • Bill Malina — engenharia acústica
  • Tony Maserati — mixagem
    • Justin Hergell — assistência
    • Jon Castelli — assistência
  • Chris Gehringer — masterização

Desempenho nas tabelas musicais

Embora não tenha sido lançada individualmente como um single, "The Queen" entrou nas tabelas musicais de diversos países, incluindo a Coreia do Sul, onde estreou no número 132 da tabela de downloads de canções internacionais na semana de lançamento de Born This Way devido à um registo de 272 222 unidades digitais comercializadas. No Reino Unido, a canção estreou no posto 150 da tabela musical oficial de canções do país, segundo os dados publicados pela Official Charts Company (OCC). Na Suíça, foi listada como a sétima obra rock mais popular de 2011, tendo comercializado 5 mil e 200 cópias digitais, de acordo com os dados revelados pela Schweizer Hitparade.

Bibliografia

Notas
  1. Em língua portuguesa: "Esta noite eu vou devolver toda a fama e riqueza angariada, contigo assistirei elas a arderem".
  2. a b Em língua portuguesa: "Não se esqueça de mim quando eu vier a chorar para as portas do céu".
  3. Em língua portuguesa: "Esta noite eu vou mostrar-lhes do que sou feita / A rainha assassina dentro de mim está a vir para dizer 'Olá'".
  4. Em língua portuguesa: "Eu posso ser a rainha que está dentro de mim / Esta é a minha chance para libertá-la".
  5. Em língua portuguesa: "Noite estrelada, venha para dentro de mim como nunca antes / Não se esqueça de mim quando eu vier a chorar para as portas do céu".
  6. Em língua portuguesa: "Eu posso ser a rainha que você quer que eu seja".
Geral
  1. a b c d e Exton, Emily (19 de Maio de 2011). «Lady Gaga's Born This Way Bonus Tracks: "The Queen"». PopDust (em inglês). Consultado em 4 de Junho de 2011 
  2. Montogomery, James (26 de Março de 2010). «Lady GaGa: "My Next Album Will Be My Best Yet"» (em inglês). MTV (MTV Networks / Viacom Media). Consultado em 19 de Abril de 2010. Cópia arquivada em 19 de Agosto de 2012 
  3. a b Michaels, Sean (23 de Junho de 2010). «Lady Gaga's new album 'finished'». The Guardian (em inglês). Guardian News and Media. Consultado em 23 de Junho de 2010. Cópia arquivada em 23 de Maio de 2014 
  4. Vena, Jocelyn (17 de Setembro de 2010). «Lady Gaga Says Born This Way 'Will Piss People Off'» (em inglês). MTV (MTV Networks / Viacom Media). Consultado em 18 de Setembro de 2012 
  5. «VMA 2010: los grandes ganadores» (em castelhano). MTV (MTV Networks). MTV América Latina. 14 de Setembro de 2010. Consultado em 31 de Agosto de 2010 
  6. Vick, Megan (29 de Novembro de 2010). «Lady Gaga Promises 'Greatest Album of This Decade' in 'Born This Way'». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de Fevereiro de 2011 
  7. Vena, Jocelyn (1 de Dezembro de 2010). «Lady Gaga To Release First Born This Way Single In February» (em inglês). MTV (MTV Networks / Viacom Media). Consultado em 21 de Dezembro de 2010. Cópia arquivada em 23 de Maio de 2014 
  8. Meter, Jonathon Van (10 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga: Our Lady Of Pop». Vogue (em inglês). Condé Nast Digital. Consultado em 10 de Fevereiro de 2011 
  9. «Lady Gaga BORN THIS WAY Deluxe Digital Album» (em inglês). ScatterTunes. Consultado em 23 de Julho de 2011. Cópia arquivada em 23 de Maio de 2014 
  10. Geidner, Chris (8 de Março de 2011). «Lady Gaga and Target End Deal, Say Sources». Polyglot. Metro Weekly (em inglês). Jansi LLC / Polymancer Studios, Inc. Consultado em 5 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 9 de Julho de 2012 
  11. «Lady Gaga habla de Born This Way» (em castelhano). Diário Femenino. Consultado em 18 de Abril de 2011 
  12. Vena, Jocelyn (2 de Maio de 2011). «Lady Gaga Releases Born This Way Track Listing» (em inglês). MTV News (MTV Networks / Viacom Media Networks). Consultado em 3 de Outubro de 2011 
  13. «Jamey Suicide gets Lady Gaga angry bullying hate crime». International Business Times (em inglês). IBT Media, Inc. Consultado em 14 de Fevereiro de 2014 
  14. «Jamey Rodemeyer - Lady Gaga Bullying». The Huffington Post (em inglês). 25 de Setembro de 2011. Consultado em 14 de Fevereiro de 2014 
  15. «Bullied Gay teen Jamey Rodemeyer commits suicide Thanks Lady Gaga's Post». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 14 de Fevereiro de 2014 
  16. «Lady Gaga Launches 'Born This Way Foundation' With MacArthur, Harvard To Fight Bullying». The Huffington Post (em inglês). 2 de Novembro de 2011. Consultado em 25 de Novembro de 2011 
  17. a b «Lady Gaga - The Queen» (em inglês). AllMusic (Rovi Corporation). 19 de Maio de 2011. Consultado em 3 de Setembro de 2011 
  18. «Queen» (em inglês). Broadcast Music, Inc. Consultado em 20 de Fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 19 de Fevereiro de 2017 
  19. a b (2011) Créditos do álbum Born This Way por Lady Gaga [encarte]. Interscope Records (2771838).
  20. a b «Lady Gaga - The Queen» (em inglês). Discogs. Consultado em 2 de Março de 2014 
  21. a b Maher, Cristin (24 de Maio de 2011). «Lady Gaga, 'Born This Way (Deluxe Edition)' – Album Review». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 17 de Outubro de 2013 
  22. «Lady Gaga – Born This Way (CD, Album)» (em inglês). Discogs. Consultado em 4 de Janeiro de 2012 
  23. Lady Gaga (23 de Maio de 2011). «xoxo, Joanne on Twitter: "@HausOfPuntii The Queen is about bravery. Being unafraid to be great."» (em inglês). Twitter, Inc. Consultado em 20 de Fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 19 de Fevereiro de 2017 
  24. a b «Lady Gaga Oficial Site: The Queen (Lyrics)» (em inglês). Consultado em 7 de Janeiro de 2015. Cópia arquivada em 3 de Abril de 2013 
  25. a b c «The Ultimate Ranking of Lady Gaga's Catalog». Rolling Stone (em inglês). Wenner Media LLC. 25 de Maio de 2011. Consultado em 5 de Fevereiro de 2017 
  26. a b c Sciarreto, Amy (21 de Maio de 2011). «Lady Gaga, 'The Queen' – Song Review». Pop Crush (em inglês). Pop Crush Network. Consultado em 28 de Fevereiro de 2014 
  27. a b Sciarretto, Amy (23 de Maio de 2011). «Lady Gaga, 'The Queen' – Song Review». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 20 de Fevereiro de 2017. Gaga declares “I can be the queen you need me to be” and it’s certainly a proclamation to the all the little monsters who look to her for support, guidance and encouragement and who view her as their royal ruler, metaphorically speaking, of course. Gaga continues to play with diction and dynamics, dragging out the syllables when she sings “queen, queen, queen.” The song also has an unpredictable guitar solo tucked in the middle of it, before Gaga goes a capella. She sounds a wee bit like Gwen Stefani when she delivers her “Woah oh oh” parts, too. Then here’s this tropical guitar part that helps close out the song. It’s rare and interesting, just like our Mother Monster herself. 
  28. a b Bain, Becky (23 de Maio de 2011). «Just How Many Religious References Are In Lady Gaga's 'Born This Way'?». Idolator (em inglês). Spin Media. Consultado em 14 de Fevereiro de 2014 
  29. «Lady Gaga diz que recebeu espírito de McQueen ao compor música». G1 (Globo Comunicação e Participações S.A). Reuters. 13 de Abril de 2011. Consultado em 20 de Fevereiro de 2017 
  30. «Lady Gaga Penned 'Fashion' Song In Memory of Alexander McQueen». PopEater (em inglês). 26 de Maio de 2011. Consultado em 10 de Fevereiro de 2014 
  31. a b Adams, Sean (23 de Maio de 2011). «Born This Way Review». Drowned in Sound (em inglês). Consultado em 12 de Abril de 2014 
  32. a b Osman, Max (23 de Maio de 2011). «Born This Way track-by-track review». Examiner (em inglês). Anschutz Entertainment Group. Consultado em 14 de Fevereiro de 2014 
  33. a b Broadnax, Patrick (23 de Maio de 2011). «Lady Gaga "Born This Way" Album: Review». Examiner (em inglês). Anschutz Entertainment Group. Consultado em 19 de Maio de 2012 
  34. a b Fresneda, Carlos (25 de Maio de 2011). «Gaga, canción a canción». El Mundo (em castelhano). Unidad Editorial S.A. Consultado em 6 de Novembro de 2011 
  35. a b Pareles, Jon (22 de Maio de 2011). «Even Offstage, Lady Gaga's Ready for the Stage». The New York Times (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 20 de Fevereiro de 2017. It also adds an additional dimension to her songs: her cherished relationship with a mass audience — fans who call themselves Little Monsters and dress up with gender-bending zeal — to whom she is a goddess, a big sister, a mouthpiece, a counselor and a cheerleader. “I can be the queen you need me to be,” she sings. 
  36. a b Sawdey, Evan (23 de Maio de 2011). «Lady Gaga: Born This Way». PopMatters (em inglês). Sarah Zupko. Consultado em 19 de Junho de 2012 
  37. a b Christgau, Robert (21 de Junho de 2011). «Lady Gaga/Pink Reviews». Expert Witness (em inglês). Microsoft Corporation. Consultado em 21 de Outubro de 2011 
  38. a b Macias, Carlos (23 de Maio de 2011). «Lady Gagas New Album: Great Music Is 'Born This Way» (em inglês). Terra Networks. Consultado em 14 de Maio de 2012 
  39. Senir, Crystal (25 de Maio de 2011). «Review Lady Gaga's Born This Way Track by Track». Autostraddle (em inglês). The Excitant Group LLC. Consultado em 17 de Outubro de 2013 
  40. Villalva, Eva (26 de Setembro de 2011). «Lady Gaga cierra el Festival iHeartRadio con impactante presentación». Netjoven (em castelhano). Grupo Emprendedor de Comunicaciones S.A.C. Consultado em 27 de Setembro de 2011 
  41. Stransky, Tanner (24 de Setembro de 2011). «On the scene at the iHeartRadio Music Festival, day two: Lady Gaga takes over the show». Entertainment Weekly (em inglês). Time, Inc. Consultado em 27 de Setembro de 2011 
  42. Madambashi, Andrea (15 de Novembro de 2012). «Lady Gaga in Tears on 'Born This Way Ball' Tour in Brazil: 'I Felt God in This Place'». Christian Post (em inglês). The Christian Post, Inc. Consultado em 25 de Fevereiro de 2017 
  43. Pajer, Nicolas (21 de Janeiro de 2013). «Lady Gaga brings Born This Way Ball to Los Angeles». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 18 de Outubro de 2013 
  44. «The Born This Way Ball starring Lady Gaga» (em inglês). Yelp, Inc. Consultado em 25 de Fevereiro de 2017 
  45. Lipshutz, Jason (5 de Setembro de 2012). «Lady Gaga Unveils 2013 North America Tour Dates». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 25 de Fevereiro de 2017 
  46. «Lady Gaga Setlist» (em inglês). Setlist.fm. Consultado em 25 de Fevereiro de 2017 
  47. Bream, Jon (6 de Setembro de 2011). «Lady Gaga gets real with St. Paul crowd». Star Tribune (em inglês). Star Tribune Media Company LLC. Consultado em 21 de Maio de 2014 
  48. Raihala, Ross (19 de Maio de 2014). «Back at the X, Lady Gaga does a solid for her fans». Twin Cities (em inglês). Digital First Media. Consultado em 4 de Junho de 2014 
  49. «Lady Gaga artRAVE clips Buffalo 7-7-2014» (vídeo) (em inglês). Vimeo. Consultado em 25 de Fevereiro de 2017 
  50. «Born This Way (Bonus Track Version) by Lady Gaga» (em inglês). iTunes (Apple, Inc.). Consultado em 20 de Janeiro de 2014. Cópia arquivada em 16 de Outubro de 2013 
  51. Fontes para a posição de pico de "The Queen" na tabela de downloads de canções internacionais da Coreia do Sul:
  52. Fontes para a posição de pico de "The Queen" na tabela musical oficial de canções do Reino Unido:
  53. «Hitparade Rock Songs 2011» (em inglês). Schweizer Hitparade. Hung Medien. Consultado em 20 de Abril de 2014 

Ligações externas

Portal.svg A Wikipédia possui o
Portal Lady Gaga