The Smiths

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Smiths
logo da banda
Informação geral
Origem Manchester, Inglaterra
País  Reino Unido
Gênero(s)
Período em atividade 1982 - 1987
Gravadora(s) Rough Trade, EMI, Warner
Integrantes Morrissey
Johnny Marr
Andy Rourke
Mike Joyce
Página oficial officialsmiths.co.uk

The Smiths[1] foi uma banda britânica de rock formada em Manchester em 1982. Tendo como principal característica a parceria nas composições de Morrissey (vocal) e Johnny Marr (guitarras), a banda também incluía Andy Rourke no baixo e Mike Joyce como baterista. Os críticos consideram a banda como sendo a mais importante banda de rock alternativo a surgir nos anos 80.[2][3] A banda assinou contrato com a Rough Trade Records, pela qual eles lançaram quatro álbuns, várias coletâneas e diversos singles. Embora alcançando pouco sucesso comercial fora do Reino Unido durante os seus anos de atividade, a banda conquistou grande sucesso nos anos decorrentes, mantendo-se nas prateleiras das lojas até os dias de hoje. A banda encerrou suas atividades em 1987, nunca vindo a se reunir novamente.[4] NME nomeou os Smiths como "artistas mais influentes de sempre" em uma votação de 2002.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Formação e primeiros singles[editar | editar código-fonte]

A banda foi formada no início de 1982 por Steven Patrick Morrissey, um escritor que era grande fã de New York Dolls e que foi vocalista por um curto período da banda de punk rock The Nosebleeds, e pelo guitarrista e compositor John Maher (que, posteriormente, alterou o seu nome para Johnny Marr para não ser confundindo com o baterista da banda Buzzcocks).

Após gravarem várias fitas demo com Simon Wolstencroft (que fez parte da banda The Fall) na bateria, Morrissey e Marr recrutaram o baterista Mike Joyce no outono de 1982, tendo este um histórico dentro do punk nas bandas The Hoax e Victim. Além de Joyce, também entrou para a banda o baixista Dale Hibbert, que trabalhava como engenheiro de gravação em um estúdio, o que possibilitava que a banda gravasse suas fitas demo.[6] Porém, após um show, um amigo de Marr, Andy Rourke, assumiu o posto de baixista, pois, segundo Marr, nem a personalidade, nem a maneira de Hibbert tocar se encaixavam no estilo do grupo.

O nome da banda foi escolhido, em parte, como uma maneira de contrapor os nomes usados por bandas de synthpop como Orchestral Manoeuvres in the Dark e Spandau Ballet, pois para os músicos, tais nomes soavam pretensiosos demais. Em uma entrevista em 1984, Morrissey afirmou que escolheu o nome "The Smiths" "... porque dos nomes era o mais comum" e por pensar que "era o momento em que as pessoas comuns mostravam seus rostos."[7]. Em tradução livre, o vocábulo "Smith" - um sobrenome muito comum na Inglaterra (comparável ao "Silva", no Brasil) - seria "ferreiro" ou "serralheiro".

Em maio de 1983, a banda lançou seu primeiro single "Hand in Glove", pelo selo Rough Trade Records. O trabalho, apesar de ter sido aclamado pelo conhecido e influente DJ da Rádio BBC John Peel (assim como aconteceria com todos os singles posteriores), não alcançou uma posição favorável no UK Singles Chart. A seguir, os singles "This Charming Man" e "What Difference Does It Make?" conseguiram melhores posições - 25 e 12, respectivamente.[8]

Andy Rourke permaneceu como baixista da banda até o fim desta em 1987.

The Smiths[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1984, o grupo lançou seu primeiro álbum, The Smiths. Este chegou à posição de número dois no UK Albums Chart e foi aclamado pela crítica. O disco foi motivo de alguma controvérsia por causa das músicas "Reel Around the Fountain" e "The Hand That Rocks the Cradle", com alguns tablóides britânicos alegando que elas evocavam elementos condescendentes à pedofilia, algo rejeitado e negado pelo grupo.

O álbum foi seguido, no mesmo ano, pelo lançamento dos singles "Heaven Knows I'm Miserable Now" e "William, It Was Really Nothing", que contou com o sucesso "How Soon Is Now?" no seu lado B. "Heaven Knows I'm Miserable Now" foi o primeiro single da banda a alcançar o TOP 10 da UK Charts. Também representa um momento significativo por marcar o início do relacionamento entre o produtor Stephen Street e a banda.[9] Porém, uma música no lado B desse single provocou nova polêmica: "Suffer Little Children", que tinha como tema uma série de assassinatos de crianças e adolescentes cometidos pelo casal Ian Brady e Myra Hindley em Manchester nos anos 60. Isso causou um desentendimento depois que o avô de uma das crianças assassinadas ouviu a música e entendeu que a banda estava tentando comercializar os assassinatos. Após o encontro com Morrissey, ele aceitou que a canção era uma exposição sincera sobre o impacto do crime. Morrissey posteriormente estabeleceu uma amizade com Ann West, a mãe da vítima Lesley Ann Downey, cujo nome é citado na música.[10][11]

O ano terminou com o lançamento da coletânea Hatful of Hollow, uma compilação de singles já lançados, B-sides e versões de músicas que foram gravadas ao longo do ano anterior para apresentações em programas de rádio de John Peel e David Jensen.

Meat Is Murder[editar | editar código-fonte]

No início de 1985, a banda lançou seu segundo álbum, Meat Is Murder. Esse disco foi mais estridente e político do que seu antecessor, incluindo a faixa título que evoca o ativismo vegetariano (Morrissey chegou a proibir o resto do grupo de ser fotografado comendo carne). As músicas do álbum abordam diferentes expressões, tal como a crítica a monarquia britância em "Nowhere Fast", ou o castigo corporal nas escolas e em casa nas letras de "The Headmaster Ritual" e "Barbarism Begins at Home". A banda também tinha crescido musicalmente e adotava, na época, um tom mais aventureiro, com Marr acrescentando riffs de rockabilly, como em "Rusholme Ruffians", ou então nas linhas de funk produzidas pelo baixista Andy Rourke em "Barbarism Begins at Home". O álbum foi precedido pelo relançamento do B-side "How Soon is Now?" e, apesar dessa música não fazer parte do LP original, foi adicionada em relançamentos subsequentes. Meat Is Murder foi o único álbum de inéditas da banda a alcançar o número um nas paradas do Reino Unido.[8]

Morrissey sempre apresentava uma postura política em suas entrevistas, resultando em controvérsias. Seus alvos prediletos eram o governo Thatcher, a monarquia britânica e o projeto Band Aid. Morrissey certa vez afirmou, sobre o último tema: "Uma pessoa pode ter uma grande preocupação com o povo da Etiópia, mas é outra maneira de infligir tortura diária sobre o povo da Inglaterra.[12]" Posteriormente foi lançado o single "Shakespeare's Sister", que alcançou a posição de número 26 no UK Singles Chart, enquanto que o único single retirado do álbum, "That Joke Isn't Funny Anymore", alcançou apenas o top 50.[8]

The Queen is Dead[editar | editar código-fonte]

Durante o ano de 1985, a banda viajou por longos períodos entre o Reino Unido e os EUA, para a gravação de um novo disco de estúdio, The Queen Is Dead. O álbum foi lançado em Junho de 1986, pouco depois do single "Bigmouth Strikes Again". O single trazia novamente riffs estridentes de violão e linhas melódicas de guitarra. The Queen Is Dead consistia em uma mistura de tristeza ("Never Had No One Ever"), humor seco ("Frankly Mr. Shankly", supostamente uma mensagem ao chefe da Rough Trade, Geoff Travis, disfarçada como uma carta de demissão de um trabalhador ao seu superior) e síntese de ambos (como em "There Is a Light That Never Goes Out" e "Cemetry Gates"). O disco alcançou o número dois nas paradas do Reino Unido.[13]

No entanto, nem tudo estava bem dentro do grupo. Uma disputa legal com a Rough Trade tinha atrasado o álbum em quase sete meses (os trabalhos de gravação tinham sido concluídos em novembro de 1985) e Marr estava começando a sentir o peso de conciliar as turnês e agendas de gravação. Ele disse mais tarde, na NME: "Eu estava muito doente quando a turnê acabou, na verdade foi tudo ficando um pouco perigoso... Eu estava bebendo mais do que eu poderia aguentar."[14]

Em 1986, Rourke foi demitido da banda devido ao uso de heroína. Ele teria recebido aviso de sua demissão através de um post-it grudado no pára-brisa de seu carro com os dizeres: "Andy, você deixou o The Smiths. Adeus e boa sorte, Morrissey".[15] O vocalista, no entanto, nega a história. Rourke foi substituído no baixo por Craig Gannon (ex-membro da banda escocesa Aztec Camera New Wave), mas foi reintegrado depois de apenas uma quinzena. Gannon permaneceu na banda, passando a ser o responsável pela guitarra base. O quinteto, então, gravou os singles "Panic" e "Ask" (este último com Kirsty MacColl nos vocais de apoio), que chegou às posições 11 e 14, respectivamente, no UK Singles Chart,[13] e excursionou pelo Reino Unido. Após a turnê, que terminou em outubro daquele ano, Gannon saiu da banda.[16]

O grupo ficou frustrado com a Rough Trade e procurou um contrato com uma grande gravadora. Marr disse à NME no início de 1987: "Todas as gravadoras vieram nos ver. Tivemos papo, subornos e tudo mais. Eu adorei." A banda finalmente assinou com a EMI, o que atraiu críticas dos seus fãs e de elementos da imprensa musical.[14]

Morrissey e Marr

Strangeways, Here We Come e rompimento[editar | editar código-fonte]

No início de 1987, o single "Shoplifters Of The World Unite" foi lançado e alcançou a 12ª posição no UK Singles Chart.[17] O single foi seguido por outra compilação, The World Won't Listen - o título foi o comentário de Morrissey sobre sua frustração com a falta de reconhecimento da banda no mainstream, embora o álbum tenha alcançado a 2ª posição nas paradas[13] - e pelo single "Sheila Take a Bow", o segundo (e último durante a atividade da banda) a atingir o Top 10 no Reino Unido.[13] Outra compilação, Louder Than Bombs, foi lançada tendo em vista o mercado externo ao Reino Unido e continha o mesmo material de The World Won't Listen, com a adição de "Sheila Take a Bow" e material de Hatful of Hollow, inicialmente para ser lançado apenas nos EUA.

Apesar do sucesso, uma variedade de tensões surgiram dentro da banda. Johnny Marr estava exausto e deu uma pausa da banda em junho de 1987, situação esta que teria sido mal digerida pelos demais integrantes. Em julho de 1987, Marr deixou o grupo definitivamente por achar que um artigo da NME intitulado "The Smiths se separam" teria sido plantado por Morrissey, o que não era verdade.[18] Esse artigo, escrito por Danny Kelly, foi baseado em rumores sobre algumas tensões improcedentes entre Morrissey e Johnny Marr. Especificamente, foi alegado que Morrissey não gostou que Marr estivesse trabalhando com outros músicos e que a relação pessoal entre os dois tinha chegado ao ponto de ruptura. Marr, em seguida, contactou a NME para esclarecer que sua saída não era devido a questões pessoais, mas pelo fato de desejar dar voos mais altos em sua carreira.[19]

O ex-guitarrista do Easterhouse, Ivor Perry, foi chamado para substituir Marr.[20] A banda iniciou, então, um trabalho que permanece até hoje inacabado, incluindo uma versão inicial de "Bengali in Platforms", que foi originalmente concebida como o lado B de "Stop Me If You Think You've Heard This One Before".[21] Perry estava desconfortável com a situação, declarando que "era como se eles quisessem outro Johnny Marr". E as gravações terminaram, segundo Perry, "com Morrissey correndo para fora do estúdio".[21] O quarto álbum do grupo, Strangeways, Here We Come, foi lançado em setembro e a banda se separou.

O colapso do relacionamento tem sido atribuído principalmente à irritação de Morrissey com o trabalho de Marr com outros artistas e Marr cada vez mais frustrado pela inflexibilidade musical de Morrissey. Marr particularmente odiava a obsessão de Morrissey com artistas pop dos anos 1960, como Twinkle e Cilla Black. Marr recordou, em 1992: "Isso foi a gota d'água, na verdade. Eu não formei um grupo para cantar músicas de Cilla Black".[22] Em uma entrevista de 1989, Morrissey citou a falta de um empresário como razões para eventual separação da banda.[carece de fontes?]

Strangeways, Here We Come chegou ao número dois no Reino Unido[13] e foi o álbum mais bem sucedido nos EUA, atingindo a 55ª posição na Billboard 200.[23] Ele teve uma recepção morna da crítica, mas tanto Morrissey quanto Marr o consideram o melhor álbum da banda.[24] O título do disco faz um referência à prisão mais famosa de Manchester, Strangeways.[25] A capa traz um foto desfocada do obscuro ator Richard Davalos - seu papel mais conhecido foi como o irmão de James Dean no filme East of Eden.[26] Na contracapa, há uma foto de uma placa de trânsito sinalizando as vias para bairros de Manchester. Tal placa foi roubada, muito provavelmente por algum fã do grupo, logo após o lançamento do disco.[carece de fontes?] Um par de singles de Strangeways foi lançado com a gravação ao vivo e faixas demo. No ano seguinte à gravação ao vivo, Rank (gravado em 1986, enquanto Gannon estava na banda) repetiu o sucesso nas paradas do Reino Unido de álbuns anteriores.

Carreiras pós-Smiths[editar | editar código-fonte]

Pouco depois do lançamento de Strangeways, a banda foi o tema de um documentário do programa The South Bank Show produzido pela LWT e transmitido pela ITV em 18 de Outubro de 1987.

Após o fim do grupo, Morrissey começou a trabalhar em uma gravação a solo, em parceria com o produtor Stephen Street e seu companheiro de Manchester Vini Reilly, guitarrista do The Durutti Column. O álbum resultante, Viva Hate (uma referência ao fim dos Smiths), foi lançado em março de 1988, alcançando o número um nas paradas britânicas.[27] Nos anos seguintes, Morrissey convidou vários cantores para os backing vocals de diversas músicas suas, como Suggs, vocalista do Madness, em "Picadilly Palare" e Chrissie Hynde, do The Pretenders, em "My Love Life". No início dos anos 90, ele conquistou uma nova popularidade nos Estados Unidos, após sua primeira turnê solo. Em 1994, um dueto entre Morrissey e Siouxsie chegou às lojas: "Interlude". Em 2006, ele fez uma parceria com Ennio Morricone na música "Dear God Please Help Me". Morrissey continua a tocar e gravar como artista solo.

Johnny Marr retornou à cena musical em 1989 com Bernard Sumner, vocalista da banda britânica New Order e o Pet Shop Boy Neil Tennant no supergrupo Electronic. O Electronic lançou três álbuns durante a próxima década. Marr também foi membro do The The, gravando dois álbuns com a banda entre 1989 e 1993. Ele também trabalhou como músico e colaborador escrevendo para artistas como The Pretenders (banda com a qual se apresentou no Brasil em janeiro de 1988, por ocasião da primeira edição do festival Hollywood Rock), Bryan Ferry, Pet Shop Boys, Billy Bragg, Black Grape, Talking Heads, Crowded House e Beck. Em 2000, ele começou outra banda, Johnny Marr + The Healers, com a qual ele gravou apenas um álbum, Boomslang (2003), obtendo um pequeno sucesso. Mais tarde trabalhou como músico convidado no álbum do Oasis, Heathen Chemistry (2002).

Além de seu trabalho como guitarrista, Marr esteve ativo como produtor musical do segundo álbum do Marion, The Program (1998), além do álbum de estreia da banda Haven, Between the Senses (2002).[28][29] Em 2006, ele começou a trabalhar com Isaac Brock, do Modest Mouse, em músicas que foram posteriormente apresentadas no lançamento da banda de 2007, We Were Dead Before the Ship Even Sank. A banda anunciou subsequentemente que Marr era um membro efetivo da banda, e o line-up reformado excursionou extensivamente em 2006-07. Marr também gravou com Liam Gallagher, do Oasis. Em janeiro de 2008, foi relatado que Marr participou de uma semana de sessões de composições no estúdio de gravação Moolah Rouge, em Stockport, com o grupo indie The Cribs.[30] A associação de Marr com a banda durou três anos e incluiu uma participação no seu quarto álbum, Ignore the Ignorant (2009). Sua saída do grupo foi anunciada em abril de 2011.[31] Posteriormente, ele investiu em uma carreira solo e gravou três álbuns: The Messenger (2013), Playland (2014) e Call the Comet (2018).

Andy Rourke e Mike Joyce continuaram a trabalhar juntos. Eles excursionaram com Sinéad O'Connor na primeira metade de 1988 (Rourke também participou de seu álbum I Do Not Want What I Haven't Got, de 1990). Ainda em 1988, eles foram recrutados, junto com Craig Gannon, para a The Adult Net, mas deixaram a banda pouco tempo depois. Em 1988 e 1989, eles gravaram singles com Morrissey. Em 1998, eles excursionaram e gravaram com Aziz Ibrahim, ex-guitarrista do The Stone Roses. Em 2001, eles formaram o Specter, com Jason Specter e outros. A banda tocou no Reino Unido e nos Estados Unidos mas não prosperou.[32]

No mesmo ano eles gravaram demos com Paul Arthurs, do Oasis, Aziz Ibrahim e Rowetta Idah, do Happy Mondays sob o nome de Moondog One, mas o projeto também não vingou. Ao fim de 2001, eles tocaram juntos na veterana banda de Manchester, Jeep.[33] Em 2005, eles tocaram com Vinny Peculiar, gravando o single "Two Fat Lovers" (Joyce também participou do álbum The Fall and Rise of Vinny Peculiar, de 2006).[34][35] Em 2007, eles lançaram o documentário Inside the Smiths.

Rourke e Joyce também tiveram seus próprios projetos separadamente. Joyce gravou com o Suede (1990); excursionou e gravou com os Buzzcocks (1990-1991); excursionou com Julian Cope e com John Lydon e o Public Image Ltd (1992); gravou com P.P. Arnold (1995); excursionou e gravou com Pete Wylie (1996-1998); excursionou com Vinny Peculiar e Paul Arthurs (2007); e excursionou com Autokat (2008-2009).[36] Joyce também apresentou o programa de rádio Alternative Therapy, na Revolution 96.2 FM de Manchester, até a estação mudar seu formato em 2008, revivendo-o posteriormente no Manchester Radio Online e Tin Can Media.[37][38][39] Ele agora apresenta o programa The Coalition Chart Show no East Village Radio, o qual é transmitido de Nova Iorque,[40] além de trabalhar como DJ em clubes.

Rourke compôs a música para três b-sides de Morrissey lançados entre 1989 e 1990 ("Yes, I Am Blind", "Girl Least Likely To" e "Get Off the Stage"). Ele tocou e gravou com o The Pretenders (no álbum Last of the Independents, de 1994); Badly Drawn Boy (com quem ele tocou por dois anos); Proud Mary (no álbum Love and Light, de 2004); e Ian Brown (no álbum The World Is Yours, de 2007). Em 2007, ele formou um grupo chamado Freebass com os colegas baixistas Peter Hook (do New Order e do Joy Division) e Mani (do The Stone Roses e do Primal Scream). Ele continuou ativo no grupo até 2010 e participou de seu único álbum, It's A Beautiful Life, em 2010.

Rourke também foi co-fundador da série de concertos Manchester v Cancer, posteriormente conhecido apenas como Versus Cancer, para arrecadar dinheiro para a pesquisa do câncer. Os concertos foram realizados em janeiro de 2006, março de 2007, fevereiro de 2008 e dezembro de 2009. Desde então, ele tem se concentrado em sua carreira no rádio, apresentando um programa nas noites de sábado na XFM Manchester. Mais recentemente, ele passou a trabalhar regularmente na East Village Radio, onde tem Mike Joyce como colega.[41] Ele passou a viver no Brooklyn, em Nova Iorque, a partir de 2009,[42] onde logo após criou a Jetlag junto de Olé Koretsky.[43] A dupla discotecou em locais ao redor da cidade e uma seleção de seus remixes pode ser ouvida no SoundCloud.[44] Em abril de 2014, a vocalista do Cranberries, Dolores O'Riordan, juntou-se ao grupo, que trocou seu nome para D.A.R.K.[45] No entanto, após a morte de O'Riordan, em 15 de janeiro de 2018, nenhum anúncio foi feito a respeito do futuro da banda.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

O single para "Girlfriend in a Coma

Disputa de royalties[editar | editar código-fonte]

Morrissey e Marr receberam cada um 40% dos royalties de gravação e performance dos Smiths, permitindo 10% cada para Joyce e Rourke. Como o advogado de Joyce argumentaria mais tarde no tribunal, o baixista e o baterista foram tratados como "meros músicos de estúdio, tão substituíveis como as peças de um cortador de grama".[46] Em março de 1989, Joyce e Rourke iniciaram os procedimentos legais contra seus antigos companheiros de banda, alegando que eles eram parceiros iguais no Smiths e cada um com direito a uma participação de 25% dos lucros em todas as atividades exceto composição e publicação.[47] Rourke, que na época estava endividado, aceitou quase imediatamente um acordo pela soma de 83 mil libras e 10% dos royalties, renunciando a todas as outras reivindicações.[48][49][50]

Joyce continuou com a ação, a qual chegou à Alta Corte de Justiça em dezembro de 1996. Marr e Morrissey haviam aceitado no ano anterior que Joyce e Rourke foram sócios.[51] "A única questão discordante era se o Sr. Joyce era um sócio igualitário, com direito a um quarto dos lucros decorrentes das atividades (exceto composição e publicação) dos Smiths.[49] O advogado de Joyce, Nigel Davis, afirmou que "até a separação da banda em 1987, seu cliente não sabia que estava recebendo apenas 10% dos lucros".[52] Davis continuou: o Sr. Joyce nunca concordou com 10%, ele nunca supôs que estivesse recendo 10%. Pelo contrário, ele pensava que estava recebendo 25%".[51]

Morrissey e Marr - que foram representados separadamente no processo[49] - insistiram que a divisão dos royalties havia sido explicada para Rourke e Joyce, mesmo que eles já não soubessem precisar quando. O advogado de Marr, Robert Englehart, explicou: "Cerca de 13 anos depois, é extremamente difícil identificar o momento em que a divisão de lucros 40:40:10:10 surgiu... Mas Marr e Morrissey sempre agiram baseados em que eles estariam recebendo 40% cada dos lucros líquidos dos ganhos do Smiths".[53]

Após uma audiência de sete dias, o juiz Weeks decidiu a favor de Joyce e ordenou que ele fosse indenizado em mais de 1 milhão de libras de royalties em atraso e recebendo, a partir de agora, 25% dos ganhos.

Depois deste caso do tribunal, Morrissey afirmou:

"O processo judicial foi um resumo da história do Smiths. Mike falando sem parar e não dizendo nada. Andy, incapaz de lembrar seu próprio nome. Johnny tentando agradar a todos e consequentemente não agradando ninguém. E Morrissey sob o holofote escaldante sendo massacrado. "Como se atreve a ter sucesso?", "Como você se atreve a seguir em frente?". Para mim, o Smiths foi uma coisa linda que Johnny [Marr] deixou, e Mike [Joyce] destruiu."[54]

Perguntado algum tempo antes do julgamento se ele pensava que Rourke e Joyce haviam mudado, Morrissey respondeu: "Eles tiveram sorte. Com outro vocalista eles nunca teriam ido muito além do shopping center de Salford".[55] O advogado de Morrissey, Ian Mill, admitiu que a atitude de seu cliente "deixou transparecer um grau de arrogância".[56] Morrissey recorreu da sentença, enquanto Marr a acatou. O recurso foi analisado pelo tribunal em novembro de 1998 e julgado improcedente.[49] Motivado pelo sucesso de Joyce nos tribunais, Rourke buscou conselho legal para rever suas próprias opções,[57] mas nenhuma outra ação parece ter sido tomada desde então. Rourke declarou falência em 1999.[58]

Em novembro de 2005, em uma entrevista na estação de rádio BBC 6 Music, Mike Joyce alegou estar tendo problemas financeiros, o que o havia levado a vender gravações raras da banda no eBay.[59] A título de ilustração, foi executado alguns minutos de uma faixa instrumental inacabada conhecida como "Click Track" (ou "Cowbell Track").[60][61] Três dias depois, Morrissey respondeu com uma declaração revelando que Joyce havia recebido de Marr e dele próprio, o valor de 215 mil libras cada em 1997, além do pagamento final de Marr no valor de 260 mil libras em 2001. Morrissey não havia conseguido fazer o pagamento final porque, segundo o próprio, ele se encontrava fora do país em 2001 e não recebeu a papelada. Joyce obteve um novo julgamento de Morrissey, revisou sua reivindicação pendente para 668 mil libras e assegurou ordens de apreensão de boa parte dos ganhos do cantor. Essa foi uma fonte de grande inconveniência e ressentimento para Morrissey, que estimou que o impasse com Joyce havia lhe custado ao menos 1,5 milhão de libras esterlinas entre pagamento de royalties atrasados e despesas legais até 2005.[62]

Reunião[editar | editar código-fonte]

Tanto Johnny Marr quanto Morrissey têm repetido inúmeras vezes que não voltariam a reunir a banda. Em 2006, Morrissey declarou que "preferiria comer meus próprios testículos do que se reunir aos Smiths, e isso significa muito pra um vegetariano."[63] Quando perguntado o motivo em uma outra entrevista no mesmo ano, Morrissey respondeu: "Eu sinto que trabalhei muito duro desde o fim do The Smiths e os outros não, então por que eu devo lhes dar a atenção que eles não conquistaram? Nós não somos amigos, não nos vemos mais. Por que diabos nós estaríamos em um palco juntos?".[64] Em uma entrevista à BBC Radio 2, em fevereiro de 2009, ele afirmou: "As pessoas sempre me perguntam sobre reuniões e eu não posso imaginar por que... o passado parece ser um lugar distante, e eu estou satisfeito com isso".[65]

Em novembro de 2004, a VH1 exibiu uma tentativa de reunir a banda no programa Bands Reunited, quando o apresentador Aamer Haleem tentou convencer, sem sucesso, Morrissey antes de um show no Apollo Theater.[66] Em março de 2006, Morrissey revelou que havia sido oferecido US$ 5 milhões para o The Smiths se reunir para uma apresentação no Coachella Valley Music and Arts Festival, que ele recusou, dizendo: "Não, porque o dinheiro não conta nesta questão". Ele explicou ainda: "Foi uma jornada fantástica. E então terminou. Eu não sinto que deveria ter acabado. Eu queria continuar. [Marr] queria terminar. E foi isso".[67]

Em agosto de 2007, foi amplamente divulgada a informação de que Morrissey havia recusado uma oferta de £ 40 milhões de um "consórcio de promotores de eventos" para se reunir com Marr para uma turnê mundial de 50 apresentações dos Smiths, entre 2008 e 2009. A NME citou Morrissey como a fonte dessa informação,[68] enquanto a Rolling Stone citou seu assessor de imprensa.[69] A oferta também foi reportada no true-to-you.net, um fã site não-oficial tacitamente apoiado por Morrissey.[70] Posteriormente, essa história foi dada como um "trote", apesar de não se saber ao certo quem o criou.[71]

Em uma entrevista de outubro de 2007 pela BBC Radio 5 Live, Johnny Marr sugeriu uma possível reunião no futuro, dizendo que "coisas estranhas têm acontecido, você sabe, quem sabe?" Marr passou a dizer que "Talvez com o tempo de 10 ou 15 anos, quando todos nós precisarmos por qualquer motivo, mas agora Morrissey está fazendo o seu trabalho e eu estou fazendo o meu, então essa é a resposta realmente ".[72] Esta declaração sugeriu uma mudança de mentalidade, dado que Marr já havia declarado anteriormente que a reunião da banda seria uma má ideia.

Em outubro e dezembro de 2008, o The Sun informou que os Smiths seria reformar a desempenhar no Festival Coachella em 2009. No entanto, Johnny Marr declarou mais tarde através da sua gerência que os boatos eram "lixo".

Uma compilação dos Smiths chamado The Sound of The Smiths foi lançada em 10 de novembro de 2008. Johnny Marr supervisionou a remasterização de todas as faixas e Morrissey chamado o registro. O álbum está disponível tanto como um disco ou na versão de dois discos.

Em fevereiro de 2009, na sequência de outras sugestões de uma reunião iminente, Morrissey, mais uma vez negou os boatos.

Estilo Musical[editar | editar código-fonte]

Ao longo da existência do grupo, Morrissey e Johnny Marr ditaram a direção musical dos Smiths. Marr disse que em 1990, "[I] Foi uma coisa de 50/50 entre Morrissey e eu. Estávamos completamente em sintonia sobre o caminho que devemos seguir para cada registro". A música da banda propositadamente rejeitou sintetizadores e a dance music.[73]

Johnny Marr foi influenciado por The Velvet Underground, Keith Richards de The Rolling Stones.[74] Marc Bolan de T. Rex[75] James Williamson de The Stooges, Richard Lloyd de Television, John McGeoch de Siouxsie and the Banshees.[76] Marr, muitas vezes sintonizava a sua guitarra até uma etapa cheia de F # para acomodar alcance vocal de Morrissey, e também utilizou afinações abertas e influências jangle pop dos The Byrds. O guitarrista dedicou seu foco para a produção de música do grupo. Citando o produtor Phil Spector como uma influência, Marr disse: "Eu gosto da ideia de discos, mesmo aqueles com bastante espaço, "sinfônico", que som. "Eu gosto da ideia de que todos os músicos se fundam em uma atmosfera".[77]

Musicalmente, o papel de Morrissey na banda foi a de criar melodias vocais e letras. Composições de Morrissey seria influenciadas pelo punk rock e sensibilidades de bandas pós-punk, e cantoras como Dusty Springfield, Sandie Shaw, Marianne Faithfull e Timi Yuro. As letras de Morrissey, enquanto aparentemente deprimentes, eram muitas vezes cheias de humor mordaz. John Peel observou que The Smiths foram uma das poucas bandas capazes de fazê-lo rir em voz alta. Influenciado pelo seu interesse de infância no realismo da classe trabalhadora social nas novelas de televisão, Morrissey escreveu sobre pessoas comuns e suas experiências com a rejeição amorosa, desespero e morte. Enquanto sombrio... canções como "Still Ill" selaram o seu papel como porta-voz da juventude descontente.[78]

Imagens[editar | editar código-fonte]

O grupo tinha um estilo visual diferenciado em seus álbuns e singles, caracterizados com imagens colorizadas de estrelas de cinema e astros pop, geralmente em dois tons, projetados por Morrissey e pelo coordenador de arte da gravadora Rough Trade, Jo Slee. As capas raramente têm qualquer outro texto além do nome da banda, e o grupo não aparecia na capa externa dos seus lançamentos, a não ser em fotos internas, como na famosa foto em frente ao Salford Lads Club que ilustra o encarte do disco "The Queen Is Dead". Morrissey só apareceu em uma capa alternativa para o single "What difference does it make?", imitando a pose do astro original, o ator Terence Stamp, que inicialmente se opôs ao uso de sua imagem, mas depois voltou atrás. As "estrelas das capas" foram escolhidas por interesses pessoais de Morrissey em estrelas de cinema obscuras ou cult, como Alain Delon, Jean Marais, o protegido de Andy Warhol, Joe Dallesandro, James Dean, e pessoas ligadas a cultura britânica dos anos 50/60 (Viv Nicholson, Pat Phoenix, Yootha Joyce, Shelagh Delaney) ou ainda imagens de modelos desconhecidas tomadas de filmes antigos ou velhas revistas.

Os Smiths, sempre vestidos em roupas comuns - jeans e camisetas simples - refletiram o "back to basics", estilo de guitarra, baixo e bateria na música. Isto contrastava com a imagem de alta-costura exóticas cultivadas por grupos pop como New Romantic, Spandau Ballet e Duran Duran em destaque em revistas como The Face e iD. Em 1986, quando The Smiths se apresentava no programa de música britânica The Old Grey Whistle Test, Morrissey usava um aparelho auditivo falso para confortar um fã com deficiência auditiva, que tinha vergonha de usar um, e também frequentemente usava óculos de aro grosso, fornecido pelo Serviço Nacional de Saúde. No palco,a presença de Morrissey com danças desajeitadas e flores no palco chamavam a atenção, e encorajava jovens "tímidos e desajeitados" a dançar mesmo não sabendo dançar. Isso transformou Morrissey num objeto de culto e seus shows precisavam de cada vez mais seguranças, devido ao número de pessoas que invadiam o palco para tocar no ídolo.

Legado[editar | editar código-fonte]

Os Smiths influenciaram uma série de bandas de rock alternativo na carreira.[79] Mesmo já em 1985, a "banda gerou uma onda de bandas imitador, incluindo James, que abriu para o grupo em sua turnê de primavera de 1985". The Cranberries combinado "o barulho melódico de pós-Smiths guitar pop-indie com as texturas alegres, transe induzido sonora de dream pop fim dos anos 80, a criação de seu som com "triplamente, guitarras e repique de reposição, certas melodias." Além disso, a banda utilizada como produtor Stephen Street, que era conhecido para "maximizar o mau humor dos Smiths". The Cranberries fundia este som com letras que ecoavam o apaixonado, o estilo literário de Morrissey. "livresco A cantora Smiths, ferozmente letras inteligentes também forneceu um modelo para o silêncio, a banda alfabetizados escocês. Belle & Sebastian "brincar Marr com a guitarra" era um bloco enorme edifício de lendas mais o Manchester que se seguiram The Smiths - The Stone Roses ", o guitarrista John Squire declarou que Marr foi uma grande influência.O guitarrista do Oasis, Noel Gallagher chamou The Smiths de uma influência, especialmente Marr.Gallagher afirmou que "quando a separação Jam, The Smiths começou, e eu fui totalmente para eles."

Escrevendo em Q, em 2007, Simon Goddard afirmou: "... a única voz verdadeiramente vital dos anos 80, The Smiths eram o grupo mais influente guitarrista britânico da década, como os de fora indie primeiro a alcançar o sucesso mainstream em seus próprios termos. (seu segundo álbum próprio, 1985's Meat Is Murder, fez o número 1 no Reino Unido), que elevou a fórmula do rock de quatro peças padrão para novos patamares de magia e poesia. legado deles pode ser traçada através dos Stone Roses, Oasis e The Libertines a safra de bandas de guitarra engenhoso jovens."

O "movimento Britpop precedido por The Stone Roses e liderado por grupos como Oasis, Suede e Blur, pegou muito do retrato de Morrissey ea nostalgia de uma Inglaterra desolador urbanas do passado." A banda britpop Blur formado como um resultado da visão The Smiths na mostra do Banco do Sul em 1987. No entanto, apesar principais bandas do movimento Britpop alegou ser influenciado por The Smiths, as bandas de Britpop estavam em desacordo com as "filosofias anti-establishment do Morrissey e The Smiths", desde o Britpop "era uma construção puramente comerciais". No livro de Saint Morrissey, o autor afirma que Britpop "airbrush [va] Morrissey fora do quadro... de modo que os anos noventa e da sua economia centralmente planificada e coordenada pop poderia acontecer."

fase Dramaturgo Shaun Duggan's drama de William, o romance de Douglas Coupland, de 1998 Girlfriend in a Coma, Andrew Collins autobiografia Heaven Knows I'm Miserable Now, novela Marc Spitz How Soon Is Never?, a banda pop Shakespears Sister, o grupo de art-punk extinta Pretty Girls Make Graves e curta-metragem do cineasta polonês Przemyslaw Wojcieszek de ficção sobre dois fãs poloneses do The Smiths, Louder Than Bombs, são todos o nome de músicas de The Smiths.

Uma informação: para os neófitos, que acabaram de descobrir o grupo e suas músicas, é muito comum surgir uma confusão sobre a música "Suedehead" (erroneamente chamada por muitos de "I'm so Sorry"): esta música nunca foi gravada pelos Smiths, mas sim pelo Morrissey. É o primeiro single de sua carreira solo.

Em 2014 e 2015, foram anunciados como candidatos a serem introduzidos no Rock and Roll Hall of Fame.[80][81]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação principal (1982–1987)[editar | editar código-fonte]

Outros membros[editar | editar código-fonte]

  • Dale Hibbert – baixo (1982)
  • Craig Gannon – guitarra base (1986)

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Ao vivo[editar | editar código-fonte]

Coletâneas[editar | editar código-fonte]

Singles[editar | editar código-fonte]

Ano Título Álbum Observação
1983 "Hand in Glove" The Smiths
1983 "This Charming Man" The Smiths
1984 "What Difference Does It Make?" The Smiths 1
1984 "Heavens Knows I'm Miserable Now" Hatful of Hollow
1984 "William, It Was Really Nothing" Hatful of Hollow
1985 "How Soon Is Now?" Meat Is Murder Aparece também na coletânea Hatful of Hollow
1985 "Shakespeare's Sister" The World Won't Listen Foi lançado primeiro em single, depois aparece no álbum citado
1985 "That Joke Isn't Funny Anymore" Meat Is Murder
1985 "The Boy With the Thorn in His Side" The Queen Is Dead
1986 "Bigmouth Strikes Again" The Queen Is Dead
1986 "There Is A Light That Never Goes Out" The Queen Is Dead Relançado mais tarde, em 1992
1986 "Panic" The World Won't Listen Faixa inédita da coletânea
1986 "Ask" The World Won't Listen Faixa inédita da coletânea
1986 "Shoplifters of the World Unite" The World Won't Listen Faixa inédita da coletânea
1987 "Sheila Take a Bow" Louder Than Bombs Faixa inédita da coletânea
1987 "Girlfriend in a Coma" Strangeways, Here We Come
1987 "I Started Something I Couldn't Finish" Strangeways, Here We Come'
1987 "Last Night I Dreamt That Somebody Love Me" Strangeways, Here We Come

Referências

  1. «The Smiths — Músicas gratuitas, vídeos, shows, estatísticas e fotos na Last.fm». www.last.fm. Consultado em 8 de março de 2016 
  2. Reynolds, Simon. Rip It Up and Start Again: Postpunk 1978–1984. Penguin, 2005. p. 392
  3. Erlewine, Stephen Thomas. "The Smiths". Allmusic. Retrieved 9 August 2006.
  4. Jeckell, Barry (16 de março de 2006). «Morrissey: Smiths Turned Down Millions to Reunite». Billboard. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  5. «The Smiths: most influential artist ever—NME». Morrissey-Solo. 15 de abril de 2002. Consultado em 25 de outubro de 2018 
  6. Colin Larkin, ed. (2006). Smiths. [S.l.]: Oxford University Press. p. 570, volume 7. ISBN 9780195313734 
  7. «Interview» (http). Melody Maker, cited at Hiddenbyrags.com. 1984. Consultado em 22 de abril de 2007. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2006 
  8. a b c Roberts, David (ed.) (2006). British Hit Singles & Albums 19th ed. [S.l.]: HIT Entertainment. pp. 509–510. ISBN 1-904994-10-5 
  9. «Interview With Stephen Street». HitQuarters. 27 de setembro de 2005. Consultado em 18 de Janeiro de 2010 
  10. Heaven Knows I'm Miserable Now Arquivado em 26 de setembro de 2008, no Wayback Machine., foreverill.com
  11. Suffer Little Children lyrics Arquivado em 15 de outubro de 2009, no Wayback Machine., Passions Just Like Mine website
  12. «Band Aid vs. Morrissey...» (http). Overyourhead.co.uk. 18 de novembro de 2004. Consultado em 18 de Janeiro de 2010 
  13. a b c d e «Official Charts - The Smiths». Official Charts. Consultado em 19 de janeiro de 2019 
  14. a b Kelly, Danny (14 de fevereiro de 1987). «Exile on Mainstream». NME (em inglês) 
  15. Harris, John (Abril de 2001). «Trouble at Mill». Mojo (em inglês) 
  16. Fletcher, Tony (2013). A Light That Never Goes Out: The Enduring Saga of the Smiths (em inglês). Londres: Windmill Books. pp. 522–40. ISBN 9780099537922 
  17. Viegas, Carlos (11 de fevereiro de 2014). «1987 - Smiths e Marx no topo das paradas». New Yeah Música. Consultado em 25 de dezembro de 2014 
  18. Rogan, Johnny (1992). Morrissey and Marr: The Severed Alliance (em inglês). pp. 281–282. [S.l.]: Omnibus. ISBN 9780711930001 
  19. «Marr Speaks». NME (em inglês). 8 de agosto de 1987 
  20. Carpenter, Lorraine (Fevereiro de 2003). «Timeline: Johnny Marr – Journeyman Smiths Legend Emerges Solo"» (em inglês). Exclaim!. Consultado em 19 de janeiro de 2019 
  21. a b Henderson, Dave (Abril de 1988). «"I Was Nearly a Suedehead! Ivor Perry and Cradle Tales"» 13 ed. Underground (em inglês): 5 
  22. Rogan, Johnny (Novembro de 1992). «"The Smiths: Johnny Marr's View"». Record Collector (em inglês) 
  23. «Charts History - The Smiths». Billboard. Consultado em 19 de janeiro de 2019 
  24. Morrissey and Marr afirmaram em entrevistas para revistas como Melody Maker (1987), Select (1993), and Q (1994). Consulte a página Strangeways, Here We Come - Passions Just Like Mine na seção de citações. Consultado em 19 de janeiro de 2019
  25. Goddard, Simon (1 de outubro de 2009). Mozipedia: The Encyclopedia of Morrissey and The Smiths (em inglês). [S.l.]: Random House. p. 421. Consultado em 31 de março de 2015 
  26. «The Smiths - The Stories Behind All 27 Of Their Provocative Album And Single Sleeves - NME» (em inglês). NME. 3 de agosto de 2015 
  27. «Charts History - Morrissey». Official Charts. Consultado em 19 de janeiro de 2019 
  28. Soghomonian, Talia (26 de outubro de 2011). «Whatever Happened To Marion?» (em inglês). NME'. Consultado em 18 de janeiro de 2019 
  29. Grogan, Siobhan (5 de fevereiro de 2002). «Haven: Between the Senses: Promising Indie Debut». NME (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2012 
  30. Moss, Adam (26 de janeiro de 2008). «Marr Rocking the Cribs». Manchester Evening News (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2012 
  31. «Cribs Back to a 3 Piece». thecribs.com (em inglês). 11 de abril de 2011. Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de abril de 2011 
  32. D'Angelo, Joe (23 de maio de 2001). «Two Ex-Smiths Sniffing for Record Deal». MTV (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2012 
  33. Originalmente reportado no Manchester Evening News em 14 de dezembro de 2001. Veja discussion em morrissey-solo.com. Consultado em 10 de janeiro de 2012.
  34. «About Vinny Peculiar». vinnypeculiar.co.uk (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  35. «"Two Fat Lovers"». vinnypeculiar.co.uk (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2013 
  36. «History». mikejoyce.com (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  37. «The Revolution: how not to relaunch a radio station?» (em inglês). The Guardian. 3 de setembro de 2008. Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  38. «No Revolution for Joyce as he joins Manchester Radio Online». How Do (em inglês). 18 de fevereiro de 2009. Consultado em 10 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 7 de março de 2012 
  39. «Smiths man returns to indie charts with Coalition airing». Music Week (em inglês). 22 de agosto de 2009. Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  40. «Mike Joyce's Coalition Chart Show» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  41. «Andy Rourke's Jetlag» (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  42. «About Jetlag». Jetlag (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  43. «Jetlag Blogspot». Jetlag (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  44. «Jetlag: Olé Koretsky & Andy Rourke, NYC, United States». SoundCloud (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2012 
  45. Galbraith, Alex (6 de setembro de 2016). «Cranberries/Smiths supergroup D.A.R.K. share gothic club track 'The Moon'». Consequence of Sound (em inglês). Consultado em 18 de janeiro de 2019 
  46. The Daily Telegraph, Quinta-feira, 12 de dezembro de 1996. Uma transcrição do artigo está arquivado em morrissey-solo.com. Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  47. «Morrissey-solo news archive (12-96)». www.morrissey-solo.com. Consultado em 8 de março de 2016 
  48. Para o acordo com Rourke, veja "Morrissey May Face New Claim for £1m", Manchester Evening News, Quinta-feira, 12 de dezembro de 1996. Uma transcrição do artigo está arquivado em morrissey-solo.com. Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  49. a b c d «Joyce vs. Morrissey and Others» (em inglês). England and Wales Court of Appeal (Civil Division) Decisions. 6 de novembro de 1998. Consultado em 8 de janeiro de 2012 
  50. Southall, Brian (2008). «16, "The Smiths: Seeking Satisfaction Over a Fair Share of the Profits"». Pop Goes to Court: Rock 'n' Pop's Greatest Court Battles (em inglês). Londres: Omnibus 
  51. a b "Smith versus Smith: Drummer Takes Stars to Court in Royalties Fight", The Daily Mail, Terça-feira,03 de dezembro de 1996. Uma transcrição do artigo está arquivado em Cemetry Gates. Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  52. Richard Duce, "Former Smith Lets Court Know Why He's Miserable Now", The Times (Londres), Terça-feira, 03 de dezembro de 1996. Uma transcrição do artigo está arquivado em Cemetry Gates. Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  53. "Smiths' Cash Split 'Never Equal'", Manchester Evening News, Terça-feira, 10 de dezembro de 1996. Uma transcrição do artigo está arquivado em Cemetry Gates. Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  54. Jennifer Nine, "The Importance of Being Morrissey", Melody Maker, 09/08/1997. O texto completo da entrevista está reproduzida em The Motor Cycle Au Pair Boy. Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  55. The Daily Star, Quinta-feira, 12 de dezembro de 1996. Uma transcrição do artigo está arquivado em morrissey-solo.com. Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  56. Manchester Evening News, Quarta-feira, 11 de dezembro de 1996. Uma transcrição do artigo está arquivada em Cemetry Gates. Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  57. "Morrissey may face new claim for £1m", Manchester Evening News, Quinta-feira, 12 de dezembro de 1996. Uma transcrição do artigo está arquivado em morrissey-solo.com. Acessado em 10 de janeiro de 2012.
  58. Bottomley, Robert (29 de agosto de 2006). «"Can a New Film Heal Smiths Rift?"» (em inglês). Manchester Evening News. Consultado em 10 de janeiro de 2012 . Ver tambéma discussão em morrissey-solo.com. Acessado em 10 de janeiro de 2012.
  59. «Mike Joyce on BBC Radio 6, mentions "The Click Track" (clip), selling rare Smiths on eBay - Morrissey-solo». www.morrissey-solo.com. Consultado em 8 de fevereiro de 2016 
  60. «Morrissey v Joyce». The Mint Show with Marc Riley (em inglês). BBC Radio 6 Music. 27 de novembro de 2005. Consultado em 9 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 18 de novembro de 2008 
  61. «Discussão». morrissey-solo.com (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2012 
  62. «"Statement from Morrissey"». at true-to-you.net (em inglês). 30 de novembro de 2005. Consultado em 9 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 3 de junho de 2012 
  63. Colothan, Scott (30 de março de 2006). «"Morrissey: 'I'd Rather Eat My Testicles Than Reform The Smiths'"». Gigwise (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 3 de junho de 2012 
  64. Melia, Daniel (5 de junho de 2006). «"Morrissey: 'The Smiths Don't Deserve to Be on Stage with Me'"». Gigwise (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 3 de junho de 2012 
  65. «"Morrissey turns down The Smiths ... again"». Idio (em inglês). 13 de fevereiro de 2009. Consultado em 8 de janeiro de 2012 
  66. «Post anônimo». morrissey-solo.com. 12 de novembro de 2004. Consultado em 8 de janeiro de 2012 . Ver também media release, 03 de novembro de 2004; Acessado em 08 de janeiro de 2012.
  67. Jeckell, Barry (16 de março de 2006). «"Morrissey: Smiths Turned Down Millions to Reunite"». Billboard (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2012 
  68. «"Morrissey rejects fresh attempt at Smiths reunion"». NME (em inglês). 23 de agosto de 2007. Consultado em 7 de janeiro de 2011 
  69. Goodman, Elizabeth (23 de agosto de 2007). «"Morrissey Turned Down Mega-Bucks Smiths Reunion Offer Over Johnny Marr"». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2012 
  70. «"Press release regarding tour dates"» (em inglês). 22 de agosto de 2007. Consultado em 7 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 3 de junho de 2012 
  71. «"Morrissey announces new album – reunion tour Smiths a hoax» (em inglês). 3 de outubro de 2007. Consultado em 8 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 3 de junho de 2012 
  72. "Johnny Marr Doesn't Rule Out Smiths Reunion with Morrissey", Every Joe, 23 October 2007. Retrieved 8 January 2012.
  73. «the Smiths | British rock group». Encyclopædia Britannica. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  74. Fletcher, Tony. The Boy Looked at Johnny. Mojo. [S.l.: s.n.] p. 72 
  75. Besse, Marc (24 de abril de 1999). «Johnny Marr». Lesinrocks.com. Consultado em 4 de janeiro de 2015 
  76. «An interview with Johnny Marr». seattlepi.com. 17 de dezembro de 2014. Consultado em 1 de dezembro de 2015 
  77. «Johnny Marr's Top Ten Guitarists». Morrissey-solo Forums. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  78. «Bigmouth strikes again: The Smiths named as Manchester band with the 'biggest vocabulary'». men. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  79. «Andy Rourke fala sobre o legado da The Smiths». Diario da Região. Consultado em 8 de março de 2016 
  80. «Green Day, Nine Inch Nails, Smiths Nominated for Rock and Roll Hall of Fame». Rolling Stone. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  81. «Smiths e N.W.A. são indicados ao Hall da Fama do Rock». O Globo. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre The Smiths