The Story of Stuff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

The Story of Stuff é um vídeo de 20 minutos sobre os efeitos do consumo humano[1] produzido por Annie Leonard[2] e disponibilizado online em dezembro de 2007[3] [1] . Tornou-se um sleeper hit nas salas de aula dos Estados Unidos.[1]

Seus temas principais são: o mundo está encaminhando-se rapidamente para limites de recursos; a globalização corporativa tem como premissa externalizar custos (fazendo outros que não as empresas que fazem as coisas pagarem pelos custos de produção humanos e ambientais); a economia corporativa apóia-se na criação artificial de necessidades ("a seta dourada do consumo"); e as coisas podem e devem ser diferentes.[2]

Referências

  1. a b c A Cautionary Video About America’s ‘Stuff’ (em inglês). The New York Times (10 de maio de 2009). Página visitada em 18 de abril de 2013. "“The Story of Stuff,” a 20-minute video about the effects of human consumption, has become a sleeper hit in classrooms across the nation. [...] Ms. Leonard put the video on the Internet in December 2007."
  2. a b The Story of Stuff (em inglês). Huffington Post (5 de dezembro de 2007). Página visitada em 18 de abril de 2013. ""The Story of Stuff with Annie Leonard" is an engaging new short film that explains the "materials economy" in 20 fun-filled minutes. [...] The core themes of the Story of Stuff are: 1. The world is running up against resource limits. [...] 2. Corporate globalization is premised on externalizing costs -- making someone other than the companies that make things pay for the environmental and human costs of production. [...] 3. The corporate economy rests on the artificial creation of need -- "the golden arrow of consumption." [...] 4. Things can be different. And they must be made to be different."
  3. The Story Of Stuff (em inglês). Chemical & Engineering News (18 de maio de 2009). Página visitada em 18 de abril de 2013. ""The Story of Stuff," which was made in 2007"

Ligações externas[editar | editar código-fonte]