O Verão da Minha Vida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de The Way, Way Back)
Ir para: navegação, pesquisa
O Verão da Minha Vida
The Way Way Back
O Verão da Minha Vida (PT/BR)
Cartaz do cinema
 Estados Unidos
2013 •  cor •  103 min 
Direção Nat Faxon
Jim Rash
Produção Tom Rice
Kevin J. Walsh
Roteiro Nat Faxon
Jim Rash
Elenco Steve Carell
Toni Collette
Allison Janney
AnnaSophia Robb
Sam Rockwell
Maya Rudolph
Gênero comédia dramática
Música Rob Simonsen
Cinematografia John Bailey
Edição Tatiana S. Riegel
Companhia(s) produtora(s) Sycamore Pictures
OddLot Entertainment
Distribuição Fox Searchlight Pictures
Lançamento 21 de janeiro de 2013 (Sundance)
Estados Unidos 5 de julho de 2013
Brasil 26 de setembro de 2013 (no Festival do Rio) e 25 de outubro de 2013
Portugal 14 de novembro de 2013
Idioma inglês
Orçamento US$ 5 milhões[1]
Receita US$ 23 198 652[2]
Página no IMDb (em inglês)

The Way, Way Back estilizado como The Way Way Back[nota 1] (no Brasil e em Portugal, O Verão da Minha Vida) é um filme independente de comédia dramática estadunidense escrito e dirigido por Nat Faxon e Jim Rash. Estreou no Festival Sundance de Cinema de 2013. No festival, os direitos autorais para distribuição foram comprados por 9.75 milhões de dólares pela Fox Searchlight Pictures,[3] a maior negociação de um filme feita desde 2006, com Little Miss Sunshine.[4] Críticos disseram que a performance de Sam Rockwell no filme foi merecedora de um Oscar.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Aos quatorze anos de idade, Duncan vai relutantemente em férias de verão para uma casa de praia em uma pequena cidade à beira-mar perto de Cape Cod, Massachusetts com sua mãe, Pam; seu namorado,Trent; e a filha de Trent, Steph. Trent deprecie emocionalmente Duncan, muitas vezes, fazendo comentários e gestos que são depreciativos e rude com ele. Steph por sua vez, é igualmente rude e esnobe com Duncan e ela parece se deixar incentivar por Trent, que, em contraste com o seu tratamento de Duncan parece deixá-la fazer o que ela quiser. No caminho para a casa de praia, Trent pede para Duncan para avaliar a si mesmo em uma escala de um a dez. Duncan diz seis, mas Trent diz que acha que Duncan é um três. Eles chegam na casa de praia e são recebidos pelos vizinhos: a gregária, que bebe muito, Betty; seus filhos Susanna e Pedro; e o casal Kip e Joan. Mais tarde naquela noite, Duncan e Susanna têm uma conversa estranha nas varandas de suas casas. Duncan descobre uma pequena bicicleta da menina na garagem da casa de praia e usá-la para começar a explorar a cidade. De um restaurante de pizza, ele corre para a equipe de Water Wizz, o local de parque aquático. Ele conhece Owen quem está jogando Pac-Man, e, eventualmente, Owen leva Duncan e mostra-lhe em torno do parque.

Duncan encontra o animado grupo de funcionários do parque: Caitlin, Lewis e Roddy. Várias crianças no parque aquático falam com reverência de um passe lendário dentro tubo, perguntando como ele poderia ter sido feito. Owen contrata Duncan para trabalhar em Water Wizz. Fora do parque, Duncan é continuamente negligenciado por sua mãe, Pam, que se entrega a bebedeira, ficar fora durante a noite e fuma maconha com outros turistas adultos. Em um churrasco de quatro de julho, Susanna vê que ele está chateado com isso e o convida para ir à caça de caranguejos fantasmas com ela e Peter, onde ela fala sobre seu pai ausente e ajuda a Duncan a se abrir. Mais tarde naquela noite, Duncan testemunha Trent e Joan se beijando ao lado da casa, mas não revela o que viu. Pam começa a suspeitar que Trent e Joan estão tendo um caso, mas Trent convence que nada está acontecendo. Mais tarde, Duncan confronta Pam na frente dos amigos e vizinhos e diz a ela para enfrentar o caso de Trent e se livrar dele. Trent por sua vez, diz Duncan que seu pai divorciado não quer ele. Após uma breve briga com Trent, Duncan vai embora. Susanna segue-o e conforta Duncan na praia. Duncan tenta beijar Susanna, mas ela se afasta, o que faz com que ele se torne ainda mais chateado. Acompanhado por Peter, Duncan foge à Water Wizz onde Owen está dando uma festa de despedida para Lewis. Depois de passar toda a noite com seus amigos na Water Wizz, Duncan ainda está no parque na manhã seguinte, recusando-se a sair. Owen confronta-o e lhe pergunta por que ele não quer ir para casa. Duncan se abre para Owen sobre seu relacionamento com Trent e como o parque aquático é o único lugar onde ele se sente feliz e aceita.

Owen se solidariza com problemas de Duncan, dizendo que ele cresceu com um pai emocionalmente abusivo, que levou à sua desdém para os padrões e regras. Ele diz a Duncan que há um grande mundo lá fora, e que comentários desagradáveis ​​de Trent são mais sobre si mesmo do que sobre Duncan. Quando Duncan chega de volta na casa de praia, Pam diz a ele que eles estão saindo com Trent e Steph. Betty e seus filhos chegam para se despedir. Susanna finalmente beija Duncan, admitindo que ela "estava apenas surpresa" quando ela evitou o beijo mais cedo. Quando Trent pára para abastecer o carro em seu caminho para fora da cidade, Duncan salta para fora da caminhonete e corre para Water Wizz, seguido por sua mãe, em seguida, Trent e Steph. Duncan diz a Owen e aos outros funcionários que ele tem que sair e diz a Owen para segui-lo. Ele leve Owen para um toboágua perigoso, e Duncan torna-se a primeira pessoa a passar alguém dentro do mesmo, enquanto o resto do parque elogia. Depois de finalmente apresentar Owen à sua mãe, Duncan diz adeus a todos no parque. Owen diz a Pam que ela tem um grande garoto, e se apresenta para Trent como "um bom amigo do três". Trent, Steph, Pam e Duncan se reagrupam no carro, e vão para fora da cidade. Pam vai para o fundo do carro onde Duncan está sentado e eles compartilham um sorriso enquanto os protestos de Trent são ouvidos no fundo.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

"Houve uma conexão pessoal — bem, um pouco de ambas. Acho que começou com duas coisas. Um: Um fascínio e prazer para ir para estes tipos de parques aquáticos, enquanto crescia na Costa Leste, com todos esses personagens ecléticos. Nós definitivamente queriamos entrar nesse mundo. E a segunda parte é que a cena do começo [do filme], com toda a conversa sobre a classificação de Duncan em uma escala de um a dez — realmente aconteceu comigo."[5]

Jim Rash falando de onde tirou os primeiros conceitos para a produção do filme

A Lionsgate tinha interesse no desenvolvimento do filme, mas queria atores específicos já escalados no elenco, segundo a equipe de produção, os mesmos não ficaram bem nos papéis.[6] Para reduzir o orçamento, foi ambientado na década de 2010 em vez de 1980, como foi planejado originalmente.[7] O carro de Trent, um Buick Estate Wagon 1970, foi escolhido devido ao assento ideal para primeira cena.[8]

"Betty (Allison Janney) dá-lhe toda a visão geral do que está acontecendo e o que aconteceu ao longo do ano e sem deixar de citar nada. E muitas vezes as pessoas fazem isso. Todos nós temos pessoas que enviam cartões de Natal que nos dizem como seu ano foi, e eu acho que o tema do filme é sobre pessoas perguntando se elas estão se movendo para a frente ou não. (...) Queríamos olhar para as pessoas quando elas estivessem no seu [momento] mais vulnerável, que eu acho que é quando elas estão em férias."[6]

Jim Rash

Foi utilizado um parque aquático real. Seu nome original foi mantido, "Water Wizz". Ele está localizado em East[6] Wareham, Massachusetts. Foi escolhido devido ao seu tamanho ideal para a cinematografia — não muito grande ou pequeno.[9] A figurinista Ann Roth conheceu o roteiro do filme porque já tinha trabalhado com um dos produtores em The Hours. A calça apertada com um rodeio sobre ela que é usada por Allison Janney, era um modelo usado por Shirley MacLaine há muitos anos atrás. Roth ficou animada pois tinha este modelo guardado e vinha tentando inseri-lo novamente em algum filme.[10] A casa de praia foi escolhida por passar uma sensação de claustrofobia para Duncan.[6]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Segundo Nat Faxon, "a concavidade do peito, os ombros caídos e a palidez" foram as primeiras características que qualificaram Liam James para o papel. James viajou de Vancouver, Canadá, para as gravações nos Estados Unidos. Para dar estilo ao personagens, AnnaSophia Robb era três anos mais velha que James na época da produção.[9]

AnnaSophia Robb disse que se interessou pelo filme devido a todo mundo na história estar em seu "próprio mundo", mas mesmo assim são interligados por alguma força emocional, "Eu sinto que temos este grande grupo heterogéneo de personagens que estão lutando com seus próprios problemas (...) O roteiro faz um trabalho muito bom de dizer isso com muito poucas palavras."[11]

Para o papel de Owen, foi feita uma reunião com Jake Gyllenhaal para conversar sobre o personagem, mas ele não serviu. Sam Rockwell, com a ideia de se inspirar em Bill Murray em Meatballs conseguiu o papel na primeira reunião por telefone.[12] Segundo Jim Rash, Rockwell foi escolhido por ser muito "simpático" e "charmoso", que eram as qualidades necessárias para Owen.[9]

Rash queria gravar o filme em Wilmington (Carolina do Norte) para apoiar a economia do estado onde nasceu. Quando o roteiro estava sendo desenvolvido, ele estava ambientado na Carolina do Norte, mas na última hora o local foi alterado, pois Steve Carell só aceitaria participar da produção se as gravações fossem próximas à sua casa de verão, onde ele estava em férias com sua família, em Marshfield, Massachusetts.[13] O novo local de gravações também era próximo a casa de Toni Colette.[14]

Personagens[editar | editar código-fonte]

"Para alguém que está assistindo Duncan, [há nele] a ideia de que não vão ter pessoas em sua vida que só podem proporcionar obstáculos e momentos difíceis. Também terão pessoas para alimentar e para ajudá-lo em seu caminho. Ambos estão indo para servir propósitos que você pode não entender de imediato, mas provavelmente você vai entender no contexto muito mais tarde ao longo da estrada. O importante é ouvir em alto e bom som as vozes que estão alimentando você e ouvir o que as pessoas estão dizendo que é difícil de ouvir também. Apenas reconheça o que eles estão dizendo e então você vai fazer essa escolha de como isso vai te impactar. Nós precisamos estar abertos e ter compreensão quando alguém critica você, mas você não precisa necessariamente ficar em torno dessa pessoa."[15]

Jim Rash

Foi oferecido o papel de Trent primeiramente a Carrel pela "habilidade que ele tem" que eleva "o caráter" tansformando este num "verdadeiro, real, personagem trágico masculino."[16] A cena dramática do personagem de Carrel foi inserida no início do filme para "importunar as pessoas" que pensam que talvez o personagem fique "mais leve depois". Como Trent é um personagem "trágico" ao longo do filme, o contrapeso dele ficou por conta de Betty.[17] A cena pervertida com as meninas menores de idade no tobagã foi inserida para definir a "imaturidade" dos persongens.[17] Lewis foi criado para ser um contrapeso para Owen.[8] Como Allison Janney conheceu o projeto vários anos antes da produção através de Jim Rash,[18] a personagem Betty foi desenvolvida diretamente para Janney.[16] Foi vagamente inspirada em um dos amigos dos roteiristas que recebeu uma carta em que o remetente citava todas as coisas negativas que aconteceram.[15] Ao responder uma pergunta sobre as roupas "bregas" usadas por Betty, Janney disse que cada peça foi selicionada uma por uma com Ann Roth para ajudar na construção da personagem.[19]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

"Ser diretores de primeira viagem, foi importante para nos cercarmos de chefes de departamento talentosos, muito experientes, como o nosso diretor de cinematografia, John Bailey, cuja lista de filmes é incomparável. Tivemos muitas discussões com ele sobre a aparência [do filme] — que era algo que podíamos falar com muita confiança. É importante, enquanto Duncan está na casa que ele se sente muito isolado e claustrofóbico. Qual é a melhor maneira cinematográfica para conseguir isso? Devemos colocar a câmera um poco mais para baixo para parecer um pouco com enquadramento fechado? Então, quando chegar ao parque aquático seria ótimo tê-lo mais aberto e fluido e vasto e colorido, usando mais steadicam."[10]

Nat Faxon

Para manter o orçamento baixo, foram feitos ajustes ao longo da produção, mais especificamente nas gravações. Grande parte do filme foi gravado com apenas uma câmera[9] Arri Alexa[20] e duas em determinados dias para steadicam. Foi gravado durante o verão do hemisfério norte de 2012.[10] As primeiras cenas foram gravadas no parque aquático.[9] As sequências foram feitas com improvisação e as pessoas que aparecem no plano de fundo do vídeo são clientes reais do parque. Foram usados poucos atores figurantes. Sem intenção, a equipe de produção do filme sempre aparecia nas cenas, para resolver o problema, todos eles passaram a usar o uniforme do estabelecimento.[9] Allison Janney revelou que a primeira cena em que sua personagem aparece, mesmo sendo divertida, foi a mais exaustiva que já fez na carreira, levando um dia inteiro para gravá-la, devido a sua personagem ter muitas falas.[19]

Com o tempo de gravações se esgotando e o clima nublado e chuvoso criando um ambiente ruim para as gravações, AnnaSophia teve que gravar muitas cenas por dia. Sendo que em alguns dias teve poucas tomadas com grandes monólogos para gravar em uma hora.[21] Para filmar o confronto entre o personagem de Liam James e Steve Carell, a sequência da cena na grande festa e a cena em que James e AnnaSophia Robb estão na praia, era necessário uma noite, porém no dia das filmagens choveu por várias horas. Com atraso, essas cenas começaram a serem gravadas a partir das 21 horas, se estendo durante a madrugada e terminando ao nascer do sol, às 5 da manhã.[22] Liam James e os diretores Nat e Jim usaram o toboágua por diverção.[23] James não sabe dançar breakdance, sabendo disto, os diretores pediram que ele criasse os passos na hora das filmagens, para dar naturalidade a cena.[24]

Problemas[editar | editar código-fonte]

A produção levou quase oito anos para ser finalizada, devido ao problema na economia dos Estados Unidos (que começou em 2007), a troca de estúdios e a negociação deles para contratar os atores. Em 2007 entrou na "lista negra de roteiros de Hollywood" (uma pesquisa que é feita anualmente para classificar os melhores roteiros não produzidos). O sucesso de The Descendants (2012) que foi coescrito por Nat Faxon e Jim Rash foi um dos impulsos que incentivaram o retorno da produção do filme e vice-versa.[25] The Way Way Back foi feito inteiramente com financiamento independente, a Fox Searchlight só apoiou a distribuição depois de assistir o filme no Festival Sundance de Cinema.[5]

"Fazer um filme é ainda muito difícil em Hollywood, independentemente do que você tem e qual nível você está. É um castelo de cartas, e as coisas tem que se alinharem perfeitamente. Quando decidimos dirigir este [filme] nós mesmos, limpamos o convés e começamos do zero. Começamos a trabalhar com o nosso amigo Kevin Walsh, produtor, e apenas lentamente começamos a colocar os pedaços juntos e depois conseguimos o financiamento. Felizmente, horários, prazos e tudo [voltaram] ao alinhado no verão passado [de 2012] e fomos capazes de filmar. Mesmo tendo [passado] oito anos, e isso não é incomum em Hollywood."[5]

Nat Faxon

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O filme teve sua estreia no Festival Sundance de Cinema de 2013.[26] Se tornou um dos filmes mais bem sucedidos financeiramente daquele ano, superando os mais conhecidos no festival e filmes indicados ao Oscar do ano anterior.[27] Foi lançado em 5 de julho de 2013, em 19 salas de cinema e superou as expectativas de bilheteria, com uma média impressionante de 30 263 dólares estadunidenses por cada sala e arrecadou o total de 525 mil para o fim de semana.[28] Em 15 de julho de 2013, teve um adicional de 60 salas e arrecadou 1.1 milhão. Conseguiu 21 506 546 na América do Norte e 4 968 374 em outros lugares terminando com um total de 26 474 920.[29][2]

No Brasil, além da estreia no Festival do Rio, foi lançado nos cinemas em 25 de outubro de 2013[30] pela Diamond Films,[31] No dia da estreia nos cienmas brasileiros, vendeu 3 101 ingressos,[32] entrando na lista dos filmes mais vistos no país.[33] Em dezembro de 2013, alcançou o primeiro lugar na lista do IndieWire dos melhores filmes indie do iTunes (considerando o número de aluguéis e compras).[34] Também entrou na lista das maiores bilheterias de filmes indie de 2013, ocupando o quinto lugar.[35]

Classificação indicativa[editar | editar código-fonte]

Para distribuição no Brasil, foi pedida uma autorização ao Ministério da Justiça para rotular o filme com o selo "Livre", mas o pedido foi negado e foi classicado pelo Sistema de Classificação Indicativa Brasileiro como não recomendado para menores de doze anos por conter drogas e linguagem imprópria.[36] Também foi distribuído como impróprio para menores de quatorze anos.[37]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Inkoo Kang do The Village Voice chamou, The Way, Way Back de "um deleite do verão que agrada as multidões, previsível em sua doçura, mas [é] para satisfazer a todos mesmo".[38] Da BBC Radio 5 Live o crítico de cinema Mark Kermode elogiou os desempenhos de Sam Rockwell, Toni Collette, Allison Janney e Maya Rudolph e da mesma forma fundamentada que, embora "não é o mundo em mudança, ou [que faça a] terra tremer", o filme é "muito doce e engraçado".[39] David Gritten do The Telegraph também elogiou as performances que rouba a cena de Janney e Rockwell, concluindo que, apesar de uma enxurrada de filmes coming-of-age semelhantes lançados em 2013, o filme "se sente quente, engraçado e até mesmo fresco". Betsy Sharkey do Los Angeles Times elogiou os peculiares diálogos e elenco performances do filme, chamando o filme "espirituoso, comovente, esperançoso, sentimental, lancinante e relacionável​​".[38]

O desempenho de Sam Rockwell foi recebido com elogios da crítica, com muitos críticos concordando que o seu desempenho foi merecedor de uma nomeação ao Oscar. Wikerson Landim do Portal de Cinema também destacou o desempenho de Sam Rockwell, dizendo que é o ponto mais positivo do filme.[40] MaryAnn Johanson do Flick Filosopher disse que Rockwell "faz o maior destaque com uma performance escaldante de apoio. Não só ele é naturalmente engraçado, mas ele tem a grande capacidade de fazer cada linha afiada de diálogo e som recém-improvisada."[41] Em contraste, o The AV Club deu ao filme um "C+", descrevendo-o como "genericamente construídoo" e "nunca tão refrescante como ele está constantemente se esforçando para ser".[38]

O filme tem uma classificação de 85% no Rotten Tomatoes baseado em 171 revisões com uma pontuação média de 7,3 de 10. No consenso diz que "apesar de seus temas familiares, The Way Way Back faz uso de seu elenco talentoso, roteiro afinado, e uma abundância de charme para entregar uma história engraçada e satisfatória coming-of-age".[42] O filme também tem uma pontuação de 68 em 100 no Metacritic baseado em 41 opiniões.[43]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

"Duncan realmente senti que ele tem uma alma, mas está escondida. Ele é tímido e precisa de um pouco de incentivo para espalhar suas asas e crescer em si próprio. Queríamos Duncan com um tema [sonoro] que passasse ao longo do filme e crescesse. O tema de Duncan em "The Way Way Back," está cheio de instrumentos peculiares, peculiar e estranho como ele é."[44]

Rob Simonsen

Rob Simonsen anexou a trilha sonora ao filme em um campo estéreo um pouco mais estreito, sem misturar com o som surround. Simonsen usou esta técnica para fazer a música ser reproduzida um pouco mais à frente e no centro dos alto-falantes, deixando a trilha "mais conservadora" e refletindo "o mundo mais conservador e situação" apresentada no filme.[44]

"Para The Way Way Back, eu usei um piano silenciado, piano comum, guitarras (que vão para uma aliança do vintage M-20 com um tipo de vibração na acústica), baixo, bateria, órgão e guitarra havaiana. Eu não fiz uso de quaisquer sintetizadores (mas eu acho que eu usei um). Eu costumava usar uma guitarra havaiana para fornecer a tessitura que muitas vezes é feita com pastilhas de sintetizadores. No geral, a pontuação é necessária para ser simples, humilde e orgânica, com algum tipo de peculiaridade. (...) Os cineastas e eu, todos concordamos que o filme precisava de algo simples e orgânico. Acho que todos nós só sabíamos que precisava disso. Qualquer coisa que soa muito eletrônico simplesmente não parece certo quando se olha para os personagens do filme — especialmente Duncan."[44]

Rob Simonsen

O conjunto de faixas do filme foi escolhido para passar uma sensação atemporal.[10] Para ilustrar como as "crianças" vão crescendo em direção à fase adulta, Simonsen deixou a trilha sonora suave quando é apresentada no início do filme. Ao decorrer do filme, o volume da trilha vai se intensificando. Quando a última faixa da partitura é executada nos créditos finais é apresentada de forma completa com vocais reproduzidos em voz alta.[44]

"Parecia certo. [O uso de] vocais pode ser um tipo de voo. Duncan abre suas asas um pouco e mostra um pouco do verdadeiro coração. Os diretores mantiveram a menção do uso de um coro por causa disso, e eu achei uma ótima ideia."[44]

Rob Simonsen

Heather Phares do Allmusic avaliou a trilha sonora do filme com 7 de 10 estrelas dizendo:

"The Way Way Back [tem] insufláveis ​​hits indie rock da década de 1980. (...) Enquanto a coleção não é tão consistente como as trilhas sonoras do gosto de espírito de filmes como Juno ou Little Miss Sunshine, ele ainda tem personalidade suficiente para ser um jogo divertido de canções."[45]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

The Way Way Back
240px
Idioma(s) inglês
Produção Rob Simonsen
  1. "For the Time Being" – Edie Brickell/The Gaddabouts
  2. "Kyrie" – Mr. Mister
  3. "Out the Door" – Ben Kweller
  4. "Come and See" – Young Galaxy
  5. "Last Legs" – Army Navy
  6. "Young Blood" – UFO
  7. "Shine" – Wild Belle
  8. "New Sensation" – INXS
  9. "Sneaking Sally Through the Alley" – Robert Palmer
  10. "Young at Heart" – The Rondo Brothers/Tim Myers
  11. "Recess" – Eli "Paperboy" Reed
  12. "Power Hungry Animals" – The Apache Relay
  13. "Alone" – Trampled by Turtles
  14. "Go Where the Love Is" – Edie Brickell/The Gaddabouts
  15. "The Way Way Back" – Rob Simonsen[45]

Outras

  1. "I Can't Fight This Feeling Anymore" – REO Speedwagon[46]

Notas

  1. Nos créditos iniciais do filme o título é exibido sem a vírgula e nos créditos finais é adicionada a vírgula. As duas versões dele são usadas. Principalmente em sites na internet.

Referências

  1. Chai, Barbara (3 de julho de 2013). «The Water Park Behind 'The Way, Way Back '» (em inglês). The Wall Street Journal. Dow Jones & Company. Consultado em 2 de setembro de 2016. 
  2. a b «The Way Way Back (2013)» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 2 de setembro de 2016. 
  3. «Sam Rockwell on ‘The Way, Way Back,’ His Troubled Youth & More» (em inglês). www.thedailybeast.com. 5 de julho de 2013. Consultado em 15 de setembro de 2016. 
  4. Owen Gleiberman (24 de janeiro de 2013). «Sundance: What makes 'The Way, Way Back' a crowd-pleaser?» (em inglês). www.ew.com. Consultado em 15 de setembro de 2016. 
  5. a b c Matt Cohen (12 de julho de 2013). «INTERVIEW:The Way, Way Backcreators Jim Rash and Nat Faxon» (em inglês). This Week. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  6. a b c d Andrew Parker (1 de julho de 2013). «Interview: Jim Rash & Nat Faxon» (em inglês). dorkshelf.com. Consultado em 16 de setembro de 2016. 
  7. «Oscar Winners Rash And Faxon Team Up For 'The Way, Way Back'» (em inglês). www.npr.org. 5 de julho de 2013. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  8. a b Matthew Lickona (12 de julho de 2013). «Interview with The Way, Way Backco-writers and co-directors Jim Rash and Nat Faxon» (em inglês). sandiegoreader.com. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  9. a b c d e f «The Way Way Back Interview» (em inglês). www.hollywoodchicago.com. Consultado em 12 de setembro de 2016. 
  10. a b c d Nell Minow (Julho de 2013). «Interview: Jim Rash and Nat Faxon of “The Way Way Back”» (em inglês). www.beliefnet.com. Consultado em 16 de setembro de 2016. 
  11. «The Way, Way Back: AnnaSophia Robb & Liam James on Power of Sam Rockwell» (em inglês). lastmoviesnews.com. 9 de julho de 2013. Consultado em 16 de setembro de 2016. 
  12. Jennifer Vineyard (8 de julho de 2013). «Nat Faxon and Jim Rash on the Story BehindThe Way, Way Back» (em inglês). www.ifc.com. Consultado em 16 de setembro de 2016. 
  13. Lawrence Toppman (19 de julho de 2013). «Oscar-winning Charlotte native plunges into directing with ‘The Way Way Back’» (em inglês). www.charlotteobserver.com. Consultado em 12 de setembro de 2016. 
  14. Jennifer Donovan (2 de julho de 2013). «Allison Janney’s best on-location shoot, filming The Way Way Back movie #ad» (em inglês). www.5minutesformom.com. Consultado em 16 de setembro de 2016. 
  15. a b Gina Scialabba (4 de julho de 2013). «Jim Rash and Nat Faxon on The Way, Way Back» (em inglês). ww2.kqed.org. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  16. a b «‘The Way, Way Back’ is a summer movie about a teen played by newcomer Liam James» (em inglês). www.dorriolds.com. 10 de julho de 2013. Consultado em 16 de setembro de 2016. 
  17. a b Emma Matthews (29 de agosto de 2013). «Jim Rash and Nat Faxon on The Way, Way Back» (em inglês). www.denofgeek.com. Consultado em 16 de setembro de 2016. 
  18. Loveyourmovies (19 de julho de 2013). «Interview: Allison Janney of 'The Way, Way Back' talks her new film and career» (em inglês). www.cinemit.com. Consultado em 16 de setembro de 2016. 
  19. a b «Allison Janney on Playing a Motormouth in ‘The Way, Way Back,’ Her Upcoming CBS Sitcom ‘Mom,’ and What She Binge Watches» (em inglês). www.indiewire.com. 3 de julho de 2013. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  20. «"THEWAY, WAY BACK" IN THEATERS» (em inglês). panavision.com. Consultado em 12 de setembro de 2016. 
  21. «Movie interview: Nat Faxon and Jim Rash return to “The Way, Way Back”» (em inglês). www.denverpost.com. 10 de julho de 2013. Consultado em 12 de setembro de 2016. 
  22. Amanda Mae Meyncke (3 de julho de 2013). «How Steve Carell Spent His Summer Vacation» (em inglês). www.interviewmagazine.com. Consultado em 12 de setembro de 2016. 
  23. Jan Gilbert (Agosto de 2013). «Liam James Interview on The Way Way Back» (em inglês). flicksanthecity.com. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  24. Karen Kemmerl (5 de julho de 2013). «‘The Way, Way Back’ star Liam James Talks Summer Movies and Working with Sam Rockwell» (em inglês). tribecafilm.com. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  25. Chris Eggertsen (4 de julho de 2013). «Jim Rash and Nat Faxon on how 'The Way, Way Back' helped win them the Oscar: Watch» (em inglês). www.hitfix.com. Consultado em 12 de setembro de 2016. 
  26. «The Way, Way Back - Archives - Sundance Institute» (em inglês). filmguide.sundance.org. Consultado em 2 de setembro de 2016. 
  27. «Sundance 2013 Pickups Are Outperforming Last Year's Crop - TheWrap» (em inglês). www.thewrap.com. Consultado em 2 de setembro de 2016. 
  28. «Specialty Box Office: 'Way, Way Back' Scores Strong Debut; 'Midnight' Tops 'Sunrise' and 'Sunset' - Filmmakers, Film Industry, Film Festivals, Awards & Movie Reviews» (em inglês). www.indiewire.com. Consultado em 2 de setembro de 2016. 
  29. «The Way, Way Back (2013) - International Box Office Results - Box Office Mojo» (em inglês). www.boxofficemojo.com. Consultado em 2 de setembro de 2016. 
  30. «Filme O Verão da Minha Vida estreia dia 25 nos cinemas». www.diariodolitoral.com.br. 5 de novembro de 2013. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  31. «Diamond Films: O Verão da Minha Vida». www.diamondfilmsbrasil.com.br. 2013. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  32. «Bilhetaria de filmes O Verão da Minha Vida». www.adorocinema.com. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  33. «Bilheterias: sexta-feira, 25 de outubro de 2013». www.adorocinema.com. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  34. Paula Bernstein (30 de dezembro de 2013). «Top 10 Indies in the iTunes Store This Week: ‘The Way, Way Back’ and ‘The Spectacular Now’ Top the List» (em inglês). www.indiewire.com. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  35. Peter Knegt (5 de janeiro de 2014). «The 30 Highest Grossing Indies of 2013» (em inglês). www.indiewire.com. Consultado em 17 de setembro de 2016. 
  36. Diário Oficial da União (4 de novembro de 2011). «Página 68• Seção 1• 04/11/2013• DOU». Justiça do Brasil. www.jusbrasil.com.br. Consultado em 20 de novembro de 2016. 
  37. «O verão da minha vida :: Cinema :: Guia Rio Show :: O Globo». O Globo. rioshow.oglobo.globo.com. Consultado em 20 de novembro de 2016. 
  38. a b c «The Way, Way Back» (em inglês). www.metacritic.com. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  39. «Mark Kermode reviews The Way Way Back» (em inglês). www.bbc.co.uk. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  40. Wikerson Landim (29 de dezembro de 2013). «Filme - O Verão da Minha Vida». portaldecinema.com. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  41. Johanson, MaryAnn. «The Way, Way Back review: how to escape from your family» (em inglês). www.flickfilosopher.com. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  42. «The Way, Way Back» (em inglês). www.rottentomatoes.com. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  43. «The Way, Way Back» (em inglês). www.metacritic.com. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  44. a b c d e Daniel Schweiger (30 de julho de 2013). «Interview with Rob Simonsen» (em inglês). Consultado em 15 de setembro de 2016. 
  45. a b Heather Phares (3 de julho de 2013). «TheWay Way Back - Original Soundtrack» (em inglês). Allmusic. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  46. «The Way, Way Back». Cinema de Merde. 12 de julho de 2013. Consultado em 17 de setembro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]