Theodore Dreiser

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Theodore Dreiser
Nascimento 27 de agosto de 1871
Morte 28 de dezembro de 1945 (74 anos)
Serviço militar
País  Estados Unidos

Theodore Herman Albert Dreiser (Terre Haute, Indiana, 27 de agosto de 187128 de dezembro de 1945) foi um escritor e ativista político norte-americano. Sucedeu Frank Norris como o escritor mais representativo do naturalismo nos Estados Unidos.

Seu pai era um imigrante alemão católico[1], enquanto a mãe pertencia a uma comunidade menonita de agricultores estabelecidos em Dayton, Ohio, tendo sido repudiada após seu casamento e conversão ao catolicismo. Theodore foi o nono de dez sobreviventes.[1]

De 1889 a 1890, Theodore frequentou a Universidade de Indiana.[1] Por vários anos, escreveu para o jornal Chicago Globe e depois para o St. Louis Globe-Democrat.

O seu primeiro romance, Sister Carrie (publicado em 1900)[1], conta a história de uma mulher que troca a vida do campo por uma vida fútil na cidade de (Chicago, Illinois). O segundo romance, Jennie Gerhardt foi publicado em 1911[1]. Grande parte da obra subsequente de Dreiser trata de injustiças sociais.

Seu primeiro sucesso comercial, Uma Tragédia Americana (1925)[1], é a história de um jovem de caráter instável surpreendido por acontecimentos que o levam à execução por assassinato. O romance deu origem a um filme em 1931 e novamente em 1951.

Dreiser não é tão apreciado por seu estilo mas sobretudo pelo realismo de seu trabalho, pela construção dos personagens e por seus pontos de vista sobre o estilo de vida americano. Teve grande influência sobre a geração de escritores americanos que se seguiu à sua.

Politicamente, Dreiser envolveu-se com várias campanhas contra a injustiça social, incluindo o linchamento do sindicalista Frank Little, um dos líderes da Industrial Workers of the World, o caso Sacco and Vanzetti, a deportação de Emma Goldman e a condenação do líder sindical Thomas Mooney.

Em 1935 a associação das bibliotecas de Warsaw, Indiana ordenou a queima de todos os trabalhos de Dreiser existentes nos acervos.

Dreiser, um militante socialista ou antes, comunista, escreveu vários livros de não-ficção sobre questões políticas, dentre os quais Dreiser Looks at Russia (1928), sobre sua viagem à União Soviética, em 1927, Tragic America (1931) e America is Worth Saving (1941). Elogiou a União Soviética sob Stalin durante o Grande Terror e a aliança com Hitler.

Filiou-se ao Partido Comunista Americano em agosto de 1945. Em dezembro, faleceu em Hollywood, de ataque cardíaco, aos 74 anos. Encontra-se sepultado no Forest Lawn Memorial Park (Glendale), Glendale, Los Angeles, nos Estados Unidos.

Referências

  1. a b c d e f Theodore Dreiser - Encyclopædia Britannica