Thierry Breton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Thierry Breton
Thierry Breton
Thierry Breton en 2019.
Nascimento 15 de janeiro de 1955 (69 anos)
14.º arrondissement de Paris
Cidadania França, Senegal
Alma mater
Ocupação engenheiro, empreendedor, político, empresário, executivo de negócios, participante do fórum internacional
Prêmios
  • Comandante da Legião de Honra (2015)
  • Comendador da Ordem de Ouissam Alaouite (2010)
  • Grã Oficial da Ordem Nacional do Mérito (2012)
  • Grand Officer of the Order of the Southern Cross (2006)
  • cidadania honorária (Foshan, 2001)
Empregador(a) Universidade Harvard, Groupe Bull, Lycée Français de New York, Futuroscope
Religião protestantismo

Thierry Breton (Paris, 15 de janeiro de 1955) é um empresário francês, antigo professor da Harvard Business School e antigo Ministro da Fazenda da França. Foi vice-presidente e CEO do Groupe Bull, presidente e CEO da Thomson-RCA (1997 – 2002) e presidente e CEO da France Télécom (2002-2005).

Atualmente é Presidente Honorário da Thomson e da France Télécom e desde de 2008 atua como presidente e CEO da empresa internacional de serviços de tecnologia da informação Atos.

Entre 2005 e 2007 desempenhou as funções de Ministro da Economia, Finanças e Indústria nos governos dos Primeiros-ministros Jean-Pierre Raffarin e Dominique de Villepin, durante a Presidência da República de Jacques Chirac.

Primeiros anos de vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu no XIVe arrondissement (14.º Bairro) de Paris. Tem três filhos: Constance (1984), Alexandre (1985) e Severine (1988). Obteve o grau de Mestre em Engenharia Elétrica e Informática da Supélec e, mais tarde, graduou-se no Institut des Hautes Études de Défense Nationale (Instituto de Altos Estudos de Defesa Nacional) (IHEDN).

Gestor[editar | editar código-fonte]

Começou a sua carreira de empresário em Nova Iorque, onde fundou uma empresa de software (FORMA SYSTEMS). Em janeiro de 2010, a Harvard Business Review após avaliação detalhada dos desempenhos de 2000 Diretores Executivos globais entre os anos de 1995 e 2009, publicou pela primeira vez a lista dos The 100 Best-performing CEOs in the World, na qual Thierry Breton está classificado na 62.º posição (Harvard Business Review, janeiro de 2010). Desempenhou funções de diretor em muitos conselhos de administração, incluindo: AXA; La Poste; DEXIA BANQUE; RODHIA; SCHNEIDER ELECTRIC; THOMSON SA (Presidente do Conselho de Administração e Diretor Executivo); FRANCE TELECOM (Presidente do Conselho de Administração e Diretor Executivo); ORANGE PLC (Presidente do Conselho de Administração não executivo); BOUYGUES TELECOM; GROUP HONEYWELL BULL (Vice-Presidente do Conselho de Administração e Diretor Executivo). Atualmente é membro do conselho de administração da CARREFOUR, onde é o responsável pelo Comité de Compensação e Benefícios. A sua carreira inclui posições de Diretor Executivo no Group Honeywell Bull, Thomson, France Telecom, Atos:

Honeywell Bull[editar | editar código-fonte]

Em 1993 entra para a empresa de TI Bull como responsável de estratégia e desenvolvimento, tendo ocupado posteriormente as posições de Diretor Executivo e Vice-Presidente do Conselho de Administração do Grupo.

Thomson[editar | editar código-fonte]

Desempenhou funções de Presidente do Conselho de Administração e Diretor Executivo da Thomson entre 1997 e 2002. Invertendo o rumo da empresa, obteve reconhecimento a nível mundial pelo sucesso alcançado nas melhorias significativas do desempenho financeiro do grupo obtido num curto espaço de tempo. A capitalização de mercado da empresa subiu de 1 FRF para 100 mil milhões de FRF durante o seu mandato.[citation needed]. Por decisão do conselho de administração, foi-lhe concedido o título de Presidente Honorário do Conselho de Administração da Thomson em 2002.

France Telecom[editar | editar código-fonte]

Desempenhou as funções de presidente do conselho de administração e diretor executivo da France Télécom (2002–2005) e inverteu vigorosamente a situação da empresa, diminuindo o elevado endividamento da mesma, o qual passou de um valor de 70 mil milhões para 32 mil milhões de euros durante o seu mandato.[citation needed]. Por decisão do conselho de administração, foi-lhe concedido o título de Presidente Honorário do Conselho de Administração da France Telecom em 2005.

Atos[editar | editar código-fonte]

Desde 16 de novembro de 2008, desempenha as funções de presidente do conselho de administração e diretor executivo ativo da Atos S.A., anteriormente designada por Atos Origin.[1] Após a aquisição das atividades de serviços de TI da Siemens, a empresa passou a figurar como número um das empresas europeias de serviços de TI e no Top 5 a nível mundial, com 120.000 empregados, em 73 países.[1] Obtém a atenção mundial após uma entrevista concedida ao Wall Street Journal (28 de novembro de 2011) onde reiterou a sua intenção de erradicar o e-mail interno, que designou como "a poluição da era da informação", na Atos no espaço de 18 meses (iniciativa conhecida como a Estratégia Zero-Email™), substituindo os e-mails internos por um conjunto de redes sociais e mensagens instantâneas empresariais, ferramentas de colaboração, etc., tanto desenvolvidas na própria empresa, como parcialmente agregadas de outros fabricantes.

Ministro das Finanças[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado em 24 de fevereiro de 2005, substituindo Hervé Gaymard,[3] até 18 de maio de 2007, substituído por Jean-Louis Borloo. Concentrou os esforços da sua política pública na necessidade de reduzir o défice público, numa altura em que a receita de impostos sobre a receita de todo o país era utilizada para pagar os juros da dívida. Quando deu início às suas funções no governo, o nível de endividamento da França era de 66,4% do PIB. Em dois anos reduziu a dívida pública em 2,7% do PIB, a diminuição mais significativa alguma vez obtida na história económica francesa recente. Além disso, restaurou um excedente (excluindo o pagamento dos juros da dívida pública) para o orçamento de Estado francês.

Carreira académica[editar | editar código-fonte]

Após a sua saída do governo, desempenhou funções de Professor na Harvard Business School (2007-2008) onde ensinou Liderança e Responsabilidade Empresarial (LCA - "Leadership and Corporate Accountability"). Desempenhou igualmente as funções de Presidente do Conselho de Administração da Université de technologie de Troyes em França, entre 1997 e 2005.

Autor[editar | editar código-fonte]

É autor de muitos livros acerca das tecnologias de informação e economia e coautor de um romance sobre o ciberespaço. • 1984 : Softwar, A emergência dos vírus de computadores como arma de destruição massiva (La Guerre douce), Thierry Breton - Denis Beneich, éd. Robert Laffont, Paris (traduzido em 25 países). • 1985 : Vatican III, A emergência de um mundo constituído por comunidades baseadas na informação, Thierry Breton, éd. Robert Laffont, Paris • 1987 : Netwar, A guerra das redes (La guerre des réseaux), Thierry Breton, éd. Robert Laffont, Paris • 1991 : La Dimension invisible, A emergência da sociedade da informação (Le défi du temps et de l'information), Thierry Breton, éd. Odile Jacob, Paris • 1992 : La Fin des illusions, O fim da era da alta tecnologia, Thierry Breton, Plon, Paris. • 1993 : Le Télétravail en France, Uma descrição precoce do teletrabalho em França, Thierry Breton, La Documentation française, Paris. • 1994 : Le Lièvre et la Tortue, A França e a revolução do conhecimento, Thierry Breton - Christian Blanc, éd. Plon, Paris. • 1994 : Les Téléservices en France, Uma descrição precoce do mundo da Internet, Thierry Breton, La Documentation française, Paris. • 2007 : Antidette, Como reduzir os gastos excessivos e o endividamento da França, Thierry Breton, Plon, Paris.

Condecorações e prémios[editar | editar código-fonte]

Oficial da prestigiada Légion d'honneur (Legião de Honra) e comandante da Ordre National du Mérite (Ordem Nacional de Mérito). É igualmente membro de Le Siècle.[4]. Tem sido internacionalmente reconhecido e premiado em muitos países:

Condecorações[editar | editar código-fonte]

• 2010 : Comandante da Ordem de Wissam Alaouite, Marrocos. • 2008 : Oficial da ordem nacional da Légion d'honneur, França. • 2006 : Grã-cruz da ordem de Mérito (Al Merito de Chile), Chile. • 2006 : Grande oficial da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul (Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul), Brasil. • 2006 : Comandante da ordem de Méritos Civis (orden del Merito Civil), Espanha. • 2004 : Comandante da ordem nacional de Mérito (ordre national du Mérite), França. • 2001 : Cidadão Honorário da cidade de Foshan, província de Guangdong, República Popular da China.

Prémios[editar | editar código-fonte]

• 2004 : Líder Empresarial Europeu do Ano, Londres, Reino Unido. • 2003 : Financeiro do Ano, ANDESE (National Association of PHDs in Economics and Business Administration), Paris, França. • 2000 : Estratega do Ano, Paris, França. • 1998 : Líder global do amanhã, Fórum Económico Mundial, Davos, Suíça. • 1988 : Jovem de relevo do mundo (TOYP), Jaycees, Sydney, Austrália. • 1988 : Homem do Ano, Câmara dos Jovens Economistas (Jeunes chambres économiques françaises), Paris, França.

Referências[editar | editar código-fonte]

1. ^ Chassany, Anne-Sylvaine (17 de novembro de 2008). "Atos Origin Board Fires Chief Germond, Hires Breton". Bloomberg. Obtido em 29 de fevereiro de 2012. 2. ^ Colchester, Max; Amiel, Geraldine (28 de novembro de 2011). "The IT Boss Who Shuns Email". The Wall Street Journal. Obtido em 5 de dezembro de 2011. 3. ^ de Beaupuy, Francois; Vandore, Emma (25 de fevereiro de 2005). "Chirac Names France Telecom's Breton as New Finance Minister". Bloomberg. Obtido em 29 de fevereiro de 2012. 4. ^ Frédéric Saliba, 'Le pouvoir à la table du Siècle', in Stratégies, edição 1365, 14 de abril de 2005, p. 49 [1]

Precedido por
Hervé Gaymard
Minister of the Economy, Finance and Industry
2005–2007
Sucedido por
Jean-Louis Borloo
  1. «Company Profile». Atos (em inglês). 6 de junho de 2016. Consultado em 24 de fevereiro de 2019