Thierry Meyssan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Thierry Meyssan, nascido em 18 de maio de 1957 é um jornalista e ativista político francês.

Notabilizou-se por suas investigações sobre grupos de extrema-direita, especificamente sobre milícias organizadas pela Frente Nacional em seu país, além de denúncias envolvendo a Igreja Católica e a Opus Dei.

Seu livro 11 de Setembro de 2001 - A terrível impostura (L'Effroyable imposture) desafia a versão oficial dos atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001 e causou grande polêmica.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1994, Meyssan tornou-se parte do comitê do Partido Radical de Esquerda, uma organização política de centro-esquerda francesa, participando então das campanhas de Bernard Tapie nas eleições européias de 1994 e de Christiane Taubira nas eleições presidenciais de 2002.

Nessa época fundou também a Rede Voltaire e o Projeto Ornicar, associações que visam promover a liberdade de expressão e de pensamento no mundo.

Entre 1999 e 2002, Meyssan substituiu Emma Bonino na liderança da Coordenação Radical Anti-proibicionista, uma organização internacional voltada para a descriminalização das drogas.

Em novembro de 2005, assumiu a presidência do colóquio anual do Axis for Peace, que reuniu 130 participantes de 37 países com a intenção de discutir a situação internacional e mobilizar pessoas a favor do direito internacional e da paz mundial contra as tendências neoconservadoras.

Atualmente reside em Damasco, na Síria. É jornalista do semanário russo Odnako (Однако).

Nos últimos anos, tem participado das discussões acerca da Primavera Árabe e a tensão que envolve os países do Oriente Médio [1], especialmente no tocante aos confrontos na Líbia e na Síria.

Publicações[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]