Thomas FitzAlan, 12.° Conde de Arundel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Muito Honorável
O Conde de Arundel
12.° Conde de Arundel
10.° Conde de Surrey
Thomas FitzAlan e sua esposa Beatriz, filha ilegítima do rei João I de Portugal. Capela FitzAlan no castelo de Arundel.
Conde de Arundel
Período 1399–1415
Predecessor Richard FitzAlan, 11.° Conde de Arundel
Sucessor John FitzAlan, 13.° Conde de Arundel
Conde de Surrey
Período 1400–1415
Predecessor Richard FitzAlan, 9.° Conde de Surrey
Sucessor Título Extinto
 
Esposa Beatriz de Portugal
Casa FitzAlan
Nascimento 13 de outubro de 1381
Morte 13 de outubro de 1415 (34 anos)
Enterro Capela FitzAlan
Pai Richard FitzAlan, 11.° Conde de Arundel
Mãe Isabel de Bohun
Brasão

Thomas FitzAlan, 12.° Conde de Arundel e 10.° Conde de Surrey[a] KG (13 de outubro de 1381 – 13 de outubro de 1415) foi um nobre inglês, um dos principais responsáveis pela deposição de Ricardo II, e uma figura importante durante o reinado de Henrique IV.

Linhagem[editar | editar código-fonte]

Thomas era o único filho sobrevivente de Richard FitzAlan, 11.° Conde de Arundel e de sua primeira esposa, Elizabeth de Bohun. Quando tinha 16 anos de idade seu pai foi executado (1397) e suas terras e títulos confiscados pela Coroa da Inglaterra. FitzAlan foi colocado sob a tutela de John Holland, 1.° Duque de Exeter, meio-irmão do rei Ricardo, juntamente com uma grande parte das propriedades dos Arundel. Holland maltratou muito o jovem, um comportamento que lhe custou caro muitos anos depois.[1][2]

Fuga, exílio, retorno e restauração[editar | editar código-fonte]

Algum tempo depois FitzAlan conseguiu escapar dos maltratos de seu tutor e se juntou a seu tio Thomas Arundel, o deposto Arcebispo da Cantuária, no exílio em Utrecht.[3] Os dois mais tarde se encontraram com outro companheiro de exílio, o primo do rei, Henrique Bolingbroke.[4]

FitzAlan acompanhou Henrique em seu retorno à Inglaterra em julho de 1399, e nos eventos seguintes que resultaram na deposição de Ricardo II e na coroação de Henrique como rei Henrique IV. Trabalhou como mordomo na coroação, e pouco depois o novo rei lhe restituiu os seus títulos e propriedades. Estas incluíam dois condados notáveis: o do Conde de Arundel e do Conde de Surrey, além de grandes propriedades nas Marcas galesas.[5]

Revolta da Epifania[editar | editar código-fonte]

No início do ano seguinte, um grupo de barões, seguidores do deposto rei Ricardo II, rebelaram-se — no que ficou conhecido como a Revolta da Epifania — entre eles estava o ex-guardião de FitzAlan, John Holland. Este foi capturado por apoiadores da tia de FitzAlan, Joan de Bohun, Condessa de Hereford, e por ordem de FitzAlan logo foi executado (alguns afirmam que ele foi torturado antes).[1]

Rebelião de Owain Glyndŵr[editar | editar código-fonte]

Nos anos que se seguiram FitzAlan esteve muito ocupado com os acontecimentos ocorridos nas Marcas galesas. Ajudou a combater a revolta de Owain Glyndŵr de 1400 até aproximadamente 1412, sendo que os confrontos foram mais intensos do início até 1405. Após a Batalha de Shrewsbury em 1403, ele foi nomeado para defender as Marcas galesas de futuros ataques ao longo de suas fronteiras, e depois, ocupou-se em derrotar Glyndŵr na Marca situada ao norte, vizinha da região norte do País de Gales.[3]

Revolta no Norte[editar | editar código-fonte]

Em 1405 houve uma revolta no norte da Inglaterra liderada pelo Arcebispo de Iorque, Richard le Scrope e o Conde de Norfolk, Thomas de Mowbray. FitzAlan foi o chefe da Comissão que condenou os nobres rebeldes à morte. Isto, aparentemente, levou a um desentendimento entre FitzAlan e seu tio, o Arcebispo Thomas Arundel, que opôs-se à execução de um companheiro de prelado.

Aliança com Portugal e casamentos[editar | editar código-fonte]

A irmã do rei Henrique, Filipa de Lencastre, havia se casado com o rei João I de Portugal, e para consolidar ainda mais a aliança entre Inglaterra e Portugal, FitzAlan casou com Beatriz, filha ilegítima do rei João. O casamento aconteceu em Londres, em 26 de novembro de 1405, na presença do rei Henrique IV.[3]

Conflitos galeses e aliança com a Borgonha[editar | editar código-fonte]

Nos anos seguintes FitzAlan novamente teve que ajudar a suprimir revoltas no País de Gales e nas Marcas galesas. Politicamente, FitzAlan aliou-se aos meio-irmãos do rei, os Beauforts, e quando Thomas Beaufort, Duque de Exeter foi nomeado chanceler em 1410, FitzAlan se tornou um dos principais conselheiros do rei.[3] Beaufort favoreceu uma aliança com a Borgonha, e FitzAlan foi um dos líderes enviados para ajudar a combater a facção rival dos armagnacs na França. Neste período, FitzAlan recebeu a condecoração de Cavaleiro da Ordem da Jarreteira.

Carreira durante o reinado do rei Henrique V[editar | editar código-fonte]

Em 1412 os Beauforts perderam o poder, e FitzAlan retirou-se para suas propriedades até o ano seguinte, quando o rei Henrique IV morreu. Seu filho, o rei Henrique V recolocou FitzAlan em um lugar de influência, nomeando-o Lorde Tesoureiro, bem como condestável do Castelo de Dover e Lorde Guardião dos Cinque Ports.[3]

FitzAlan foi um dos primeiros comandantes de Henrique V na campanha francesa de 1415, mas durante o cerco de Harfleur ele, juntamente com muitos outros, ficou doente e teve de retornar para a Inglaterra. Nunca mais se recuperou, e algum tempo depois morreu.[3]

Sucessão[editar | editar código-fonte]

FitzAlan não deixou filhos legítimos do sexo masculino. O castelo e o condado de Arundel foram herdados por seu primo John FitzAlan, 13.° Conde de Arundel. O Condado de Surrey ficou em pendência (ou foi extinto; as fontes divergem sobre este assunto). O restante de suas propriedades foi dividido entre suas três irmãs sobreviventes.[1]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

a. ^ Os Condes de Arundel foram numerados de forma diferente, dependendo se é aceito que os sete primeiros condes possuíam arrendamento enfitêutico sobre as terras de Arundel. Thomas FitzAlan foi o quinto membro da família FitzAlan a ser definitivamente denominado de Conde de Arundel. É portanto, considerado às vezes como o 5.°, 10.° ou 12.° Conde.[6][7]

Referências

  1. a b c G. E. C. The Complete Peerage p. 244-245
  2. Charles Cawley, Medieval Lands, Earls of Arundel (Fitzalan)
  3. a b c d e f Encyclopædia Britannica (1911) entrada para Arundel, Earls of.
  4. Powell, et al. The House of Lords p. 398
  5. Powell et al. The House of Lords p. 400-401
  6. Cokayne (1910–1959), pp. 241–242.
  7. Fryde (1961), p. 415.

Fontes[editar | editar código-fonte]


Thomas FitzAlan, 12.° Conde de Arundel
FitzAlan
Nascimento: 13 de outubro de 1381 Morte: 13 de outubro de 1415
Títulos honoríficos
Precedido por
O Príncipe de Gales
Lorde Guardião dos Cinque Ports
1412–1415
Sucedido por
O Duque de Gloucester
Cargos políticos
Precedido por
Sir John Pelham
Lorde do Tesouro
1413–1415
Sucedido por
Sir Hugh Mortimer
Pariato da Inglaterra
Precedido por:
Richard Fitzalan
Conde de Arundel
1399–1415
Sucedido por:
John FitzAlan
Conde de Surrey
(1ª criação)

1400–1415
Extinto