Thomas Skidmore

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Thomas Skidmore
Nascimento 22 de julho de 1932
Troy, Ohio
Morte 11 de junho de 2016 (83 anos)
Westerley
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Ocupação historiador
Magnum opus Brasil: de Getulio a Castelo

Thomas Elliot Skidmore (Troy, Ohio, 22 de julho de 1932 — Westerley, Rhode Island, 11 de junho de 2016)[1] foi um historiador norte-americano especializado em História do Brasil (brasilianista).

Além de escrever sobre a América Latina, Skidmore especializou-se em temas brasileiros. Negou ter atuado como agente da CIA, suspeita de parte da intelectualidade brasileira.[2][3][4]

Dois momentos em sua carreira evidenciam sua relação próxima com o Brasil: um, em 1970, quando redigiu uma carta, com outros intelectuais norte-americanos, contra a prisão do historiador marxista brasileiro Caio Prado Júnior, por autoridades do governo militar;[1] o outro, em 1984, quando, após um seminário, foi intimado a depor no Departamento de Polícia Federal; ameaçado de deportação, foi defendido por diversos intelectuais brasileiros.[1]

Numa entrevista realizada em 2012, revelou que soube do golpe de 1964 com um dia de antecedência, informação que ocultou nos livros e também nos diários que escreveu sobre o Brasil - consultados pelo jornal Folha de S.Paulo dias antes da visita, na Universidade Brown.[3][4]

O historiador se retirou da vida pública em novembro de 2009, quando passou a viver em um asilo em Westerley, onde enfrentou o Alzheimer e a síndrome do pânico.[3]

Morreu aos 83 anos, em 11 de junho de 2016, dois dias depois de sofrer um ataque cardíaco.[5]

Principais obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Brasil: de Castelo a Tancredo (2ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. 608p.
  • O Brasil Visto de Fora (2ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001. 292p.
  • Brasil: de Getulio a Castelo (14ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007. 512p.
  • Preto no Branco: Raça e Nacionalidade no Pensamento Brasileiro (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 2012. 400p.
  • Uma História do Brasil (3ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. 360p.

Referências

  1. a b c «Morre nos EUA aos 83 anos o brasilianista Thomas Skidmore». Folha de S.Paulo. Consultado em 3 de julho de 2016 
  2. Skidmore desperta feridas da ditadura. Por Luís Eblak. Folha de S.Paulo, 27 de novembro de 2010.
  3. a b c Aos 80 anos, Thomas Skidmore diz que soube do golpe militar um dia antes. Por Lucas Ferraz. Folha de S.Paulo, 5 de novembro de 2012.
  4. a b "Dilma é um tanque, tem instinto político". Entrevista de Thomas Skidmore à Folha de S.Paulo. Republicado no Jornal GGN, 5 de novembro de 2012.
  5. «Morre o brasilianista Thomas Skidmore». Pesquisa Fapesp. Consultado em 3 de julho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Thomas Skidmore
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.