Tietê-de-coroa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaTietê-de-coroa
Ilustração de Calyptura cristata, retirada do livro A selection of the birds of Brazil and Mexico, por William John Swainson.

Ilustração de Calyptura cristata, retirada do livro A selection of the birds of Brazil and Mexico, por William John Swainson.
Estado de conservação
Espécie em perigo crítico
Em perigo crítico (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Incertae sedis
Género: Calyptura
Swainson, 1832
Espécie: C. cristata
Nome binomial
Calyptura cristata
(Vieillot, 1818)

O tietê-de-coroa (Calyptura cristata) é uma espécie de ave Passeriforme da família Platyrinchidae[1] (antes dentre os Cotinginae,[2] por isso declarada como Incertae sedis, na falta de estudos mais aprofundados). É a única espécie do género Calyptura (táxon monotípico),[1] sendo classificada por Louis Jean Pierre Vieillot, em 1818. É endémica da Mata Atlântica, na região Sudeste do Brasil,[3] onde habita florestas de altitude.

Descrição e hábitos[editar | editar código-fonte]

De acordo com Helmut Sick, este pássaro de 7.6 centímetros possui um bico curto e grosso, cauda bem curta e um topete vermelho (amarelado, na fêmea), ladeado de negro; com seu corpo apresentando principalmente um padrão de verde por cima e amarelo por baixo. Segundo Descourtilz (1854), sua vocalização consiste de um chamado breve, rouco e forte. Há relatos de que vive aos casais e que está sempre em movimento, mantendo-se à média altura, na mata, procurando bagas e insetos.[2]

Raridade e avistamentos[editar | editar código-fonte]

Por muito tempo esta espécie foi considerada extinta, pois não foi observada por quase todo o século XX, até dois pássaros serem vistos na encosta da Serra dos Órgãos[2] (na Microrregião Serrana, em Teresópolis, Rio de Janeiro), inicialmente pelo biólogo Ricardo Parrini,[1] em 27 de outubro de 1996, e sucessivamente, nas manhãs seguintes, por J.F. Pacheco, C.E.S, Carvalho, C. Bauer e F.B. Pontual.[2] Desde essa observação nenhum relato foi confirmado, apesar de existir avistamento não confirmado perto da cidade de Ubatuba (em São Paulo) e entre Nova Friburgo e Sumidouro, no início do século XXI.[1] Por sua raridade, é classificada como criticamente em perigo pela IUCN.[4]

Referências

  1. a b c d Alice (7 de novembro de 2016). «Tietê-de-coroa (Calyptura cristata) - espécie desaparecida da Mata Atlântica faz 20 anos». SAVE Brasil. 1 páginas. Consultado em 22 de novembro de 2016 
  2. a b c d SICK, Helmut; PACHECO, José Fernando (1997). Ornitologia Brasileira 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 663-664. 112 páginas. ISBN 85-209-0816-0 
  3. «Lista das Espécies de Aves de Mata Atlântica e Campos Sulinos Avaliadas» (PDF). ICMBio. 1 páginas. Consultado em 22 de novembro de 2016 
  4. «Calyptura cristata (Kinglet Calyptura, Kinglet Cotinga)» (em inglês). IUCN. 2015. 1 páginas. Consultado em 22 de novembro de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre aves passeriformes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.