Tijuca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Tijuca (desambiguação).
Tijuca
Estação Saens Peña de metrô.
Bairro do Rio de Janeiro Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png
Área: 1 006,56 ha[1]
Fundação: 1759
Imigração predominante:  Portugal  Síria Líbano
IDH: 0,926 (2000)[2]
Habitantes: 163 805 (2010)[1]
Domicílios: 67 183 (2010)[1]
Limites: Alto da Boa Vista, Andaraí, Grajaú,
Vila Isabel, Maracanã, Praça da Bandeira,
Estácio e Rio Comprido
[3]
Subprefeitura: Grande Tijuca
Região Administrativa: VIII (Tijuca)

Tijuca é um bairro da Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. Está entre os bairros mais antigos, tradicionais e populosos da capital fluminense, seu índice de qualidade de vida no ano 2000, era de 0,887, o 18º melhor do município, dentre 126 bairros avaliados, considerado alto.[4] Segundo dados de 2010, possuí 163.805 habitantes, o maior da Zona Norte.[1].

Índice de Progresso Social[editar | editar código-fonte]

No ranking do IPS 2015[5] o bairro ocupa a 4ª colocação com os índices de 77.63 para IPS; 86.29 para Necessidades humanas básicas; 67.22 para Fundamentos do bem-estar; e 79.38 para Oportunidades, todos acima da média da Cidade.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Tijuca" é um nome com origem na língua tupi e significa "água podre", de ty ("água") e îuk ("podre")[6]. O nome, porém, se refere principalmente à região da Lagoa da Tijuca, que possui muito mangue e água parada e que está separada do atual bairro da Tijuca pelo Maciço da Tijuca[7]. O bairro atual da Tijuca ficava no caminho para a Lagoa da Tijuca, razão pela qual acabou por adquirir o nome dessa lagoa.

História[editar | editar código-fonte]

Brasão do bairro da Tijuca

Logo após a vitória dos portugueses sobre os franceses no episódio da França Antártica, em 1565, a região do atual bairro da Tijuca foi ocupada pelos padres jesuítas, que, nela, instalaram imensas fazendas dedicadas ao cultivo da cana-de-açúcar. Nessa época, foi construída uma capela dedicada a São Francisco Xavier que deu o nome à fazenda dos jesuítas mais próxima do Centro da cidade: a Fazenda de São Francisco Xavier. Em 1759, com a expulsão dos jesuítas do Brasil pelo Marquês de Pombal, as suas fazendas foram vendidas a centenas de novos sitiantes[8][9].

Igreja de São Francisco Xavier do Engenho Velho, marco histórico do bairro da Tijuca

A região passou a caracterizar-se pelas suas chácaras e, a partir do século XX, passou a ser um bairro tipicamente urbano. Ainda assim, possui a terceira maior floresta urbana do mundo, a Floresta da Tijuca, plantada por determinação de dom Pedro II na segunda metade do século XIX pelo major Archer em terras de café desapropriadas, para combater a falta de água que se instalara na então capital do império. Trata-se de uma floresta secundária, uma vez que é fruto de um replantio, compreendendo espécies que não são nativas da mata atlântica, a cobertura vegetal original.

Data de 1859 até 1866 o funcionamento pioneiro da primeira linha de transporte em veículos sobre trilhos[10] no Rio de Janeiro, com tração animal, anterior ao bonde elétrico, ligando o Largo do Rocio (a atual Praça Tiradentes) ao Alto da Boa Vista.

Quadro de Rugendas de 1820 mostrando visitantes indo para a Tijuca seguindo uma caravana mercante

Nos Estados Unidos e na Europa, onde o processo de urbanização das cidades foi pioneiro, o subúrbio, em geral, foi e continua sendo o espaço destinado às elites e classes médias – uma espécie de refúgio contra os aglomerados urbanos insalubres e perigosos da época das indústrias. São lugares bucólicos, ajardinados e de casas confortáveis. Até o início do século XX, essa acepção de subúrbio também se aplicava ao Rio de Janeiro; onde o subúrbio era o local de nobreza – não tão refinada como Botafogo ou o Engenho Velho, que eram bairros da aristocracia –, mas com serviços voltados a essa classe, que também se dirigiam para lá com fins de descanso.

Foi a partir da reforma urbana do prefeito Pereira Passos, em 1903, que o conceito de subúrbio ganhou contornos mais ideológicos e pejorativos no contexto do Rio de Janeiro. Com a implantação de uma nova ordem urbana no Centro da futura metrópole, associada também à expansão do mercado imobiliário para as classes altas à beira-mar, o proletariado do Centro foi “expulso” para os subúrbios, que passaram a ser vistos como locais estratégicos de escoamento dessa população marginalizada para bem longe do Centro “civilizado”. Como não houve uma política de moralização da classe trabalhadora nesse processo, o que favoreceu a emergência do caráter pejorativo que o termo “subúrbio” emana no cenário carioca.[11]

Com base no conceito pejorativo de subúrbio como remetente à ideia de locais habitados por classes socioeconômicas menos privilegiadas onde podemos constatar que a Tijuca e sua região, em termos históricos, geográficos e especialmente ideológicos, não poderia ser considerada um subúrbio da cidade, mesmo fazendo parte da Zona Norte, onde se localiza grande parte dos originais subúrbios. Originalmente aristocrática, a Tijuca sempre foi um bairro valorizado do Rio de Janeiro, berço de famílias tradicionais e de uma classe média com bom poder aquisitivo que, mesmo com o êxodo dos anos 80 e 90;[12] que o bairro passou 20 anos “adormecido”, devido ao processo de favelização, que acabou sendo maior que no restante da cidade por questões geográficas; no início da última década o bairro apresentou forte valorização imobiliária devido a melhorias estruturais oriundas do poder público.[13]

Em 23 de agosto de 1985, o decreto 5.280 definiu os atuais limites do bairro[14].

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Rua Afonso Pena.

A Tijuca tem área de 1.006,56 hectares, com 56.980 domicílios (censo de 2000) e integra a VIII Região Administrativa do Rio de Janeiro, junto com os bairros da Praça da Bandeira e Alto da Boa Vista. É a sede da Subprefeitura da Grande Tijuca que, além dos bairros da VIII RA, abrange os do Maracanã, Grajaú, Vila Isabel e Andaraí.

Rua Professor Lafayette Cortes.

O bairro abriga educandários tradicionais da cidade, como o Colégio Pedro II, que teve instalada a sua primeira unidade de externato na Tijuca em 1858; o Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, fundado em 1880 como a então Escola Normal do Município da Corte, formando educadoras - as "normalistas"; o Colégio Militar do Rio de Janeiro - a Casa de Tomás Coelho, formando gerações de cidadãos e líderes desde 1889; o Colégio Maria Raythe, o Colégio Marista São José, fundado em 1902 pelos irmãos Maristas; o Colégio Batista Shepard, fruto do idealismo de três pessoas: Dr. A. B. Deter, Sr. W. C. Canadá e Dr. John J. Watson Shepard, este que o dirigiu inicialmente, entre outros colégios.

Rua São Francisco Xavier, importante via de ligação para o Centro da cidade.

Há também clubes sociais e desportivos tradicionais, como o America Football Club, que é o principal clube de futebol do bairro. Foi fundado em 18 de setembro de 1904. Conquistou sete Campeonatos Estaduais (Em 1913, 1916, 1922, 1928, 1931, 1935 e 1960) além de uma Taça Guanabara em 1974, a primeira edição da Taça Rio em 1982 e a mais importante conquista de sua história, a Taça dos Campeões, também em 1982. Além do America, o bairro possui ainda o Tijuca Tênis Clube, o Country Clube da Tijuca, o Montanha Clube, Clube Monte Sinai, Clube Municipal, a Associação Atlética Tijuca e uma gama de clubes portugueses.

Rua das Flores.

Há importantes construções históricas como a igreja de São Francisco Xavier, a igreja de São Sebastião dos Capuchinhos, as igrejas de Santo Afonso, Santa Teresinha e a dos Sagrados Corações, o palácio dos Bianca, uma vivenda majestosa construída na década de 1920 pela família espanhola Bianca, recentemente tombada pelo patrimônio histórico e convertida no Centro de Referência da Música Carioca da Prefeitura do Rio, a Casa Granado, um tradicional estabelecimento de comércio farmacêutico fundado em 1870 e que funciona até hoje, entre outros.[15]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Estação de metrô - Uruguai, no dia de sua inauguração

O bairro é atendido por várias linhas de ônibus e pela Linha 1 do metrô através de quatro estações: Afonso Pena, São Francisco Xavier, Saens Peña e Uruguai, esta última inaugurada em março de 2014, sendo atualmente o terminal-norte da Linha 1 do metrô carioca. A Tijuca é o bairro que conta com o maior número de estações de Metrô no Rio de Janeiro . Além disto, desde 2010 diversas ciclofaixas têm sido construídas no bairro.

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

A Tijuca tem 3 polos gastronômicos estabelecidos [16]: Praça Varnhagem, Rua Uruguai e Rua Mariz e Barros. Muitos restaurantes tradicionais como a Churrascaria Estrela do Sul e o Fiorino Ristorante[17].

Entrada principal do Shopping Tijuca

Segurança[editar | editar código-fonte]

A Tijuca é assegurada pela XIX delegacia de polícia; e em 2010, foi inaugurada a primeira Unidade de Polícia Pacificadora do bairro, no Morro do Borel.[18][19].

Comércio[editar | editar código-fonte]

Existem muitas lojas aglomeradas na Praça Saens Peña e na Rua Conde de Bonfim e Rua Haddock Lobo, além de muitas outras de diversos setores presentes em todo o bairro e algumas galerias de comércio. Também existe o Shopping Tijuca, localizado na Avenida Maracanã, 987, o Off Shopping e galerias. O bairro é atendido por uma extensa rede de Hipermercados: Extra, Guanabara, Mundial, SuperPrix, Hortfrut e outros.

Gentílico[editar | editar código-fonte]

Tijucano é a denominação dada ao morador da Tijuca. É o bairro do Rio de Janeiro mais identificado pelo seu gentílico. Considera-se a principal característica do tijucano o fato dele ser muito apegado ao bairro e, de certa forma, tradicionalista e conservador. Isto se explica pela razão de que, no imaginário carioca, o tijucano, enquanto elite do Rio de Janeiro no início do século XX, contrapunha a identidade cosmopolita e praiana propagada pela elite que passou a ocupar a Zona Sul nesta mesma época [20].

Atualmente, tal designação continua em vigor nos diálogos e sociabilidades cariocas, sendo o tijucano representante e/ou parte de uma comunidade - no caso, o bairro da Tijuca - com cultura, valores e orgulho próprio.

Cantor tijucano Tim Maia.

Tijucanos ilustres[editar | editar código-fonte]

Cantor e compositor tijucano Erasmo Carlos.

Principais logradouros[editar | editar código-fonte]

Avenidas
Ruas
Praças
  • Saens Peña: Presidentes argentinos Luis e Roque Sáenz Peña, que governaram aquele país entre 1892 e 1895, e 1910 e 1914, respectivamente.
  • Afonso Pena: Presidente do Brasil (1906-1907), a praça possui uma estação de metrô e se localiza próximo ao Rio Comprido.
  • Comandante Xavier de Brito: também conhecida como Praça dos Cavalinhos pela tradicional atração que imprime ao local o encanto bucólico das cidades do interior.
  • Marino Gomes Ferreira - Governador (1968-1969) do Rotary International.
  • São Fancisco Xavier: Fica defronte a uma igreja homônima.
  • Varnhagen: Em uma área mais residencial a praça possui vários restaurantes, sendo o polo gastronômico do bairro.
  • Hans Klussmann: localiza-se no alto da Rua Sabóia Lima, onde há um riacho que desemboca no Rio Trapicheiros passando nos fundos do Colégio Batista. É mais conhecida por ser a praça com bichinhos de argamassa, moldados em arte naïf por um vizinho endinheirado, o professor Paulo de Tarso.
  • Gabriel Soares: fica no encontro das ruas Desembargador Isidro, Bom Pastor e José Higino. Além de ser o ponto final da linha 409 (Saens Peña-Horto), é um dos recantos mais bucólicos do bairro da Tijuca.
  • Hilda: localiza-se na confluência das ruas Deputado Soares Filho, Pareto e Santa Sofia. Na verdade, é um largo loteado de edifícios dos anos 1950/60.
  • Luis de la Saigne: praça que margeia a Avenida Maracanã em frente ao Shopping Tijuca.
  • Niterói: praça localizada na Rua Doná Zulmira - Maracanã. Sob a praça existem 3 reservatórios de águas pluviais (piscinão contra enchentes). Há uma quadra poliesportiva, mesas de carteado e uma academia para a terceira idade. [21]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Escolas de samba[editar | editar código-fonte]

Na Tijuca, se localizam as escolas de samba Acadêmicos do Salgueiro, fundada em 1953, fundindo 3 escolas do bairro, baseada no morro de mesma denominação, a Unidos da Tijuca, esta fundada em 31 de dezembro de 1931, com três campeonatos e dois vice-campeonatos em sua trajetória, baseada no morro do Borel, e a Império da Tijuca, fundada em 1940, baseada no morro da Formiga. Acadêmicos do Salgueiro e Império da Tijuca ainda possuem seus grêmios recreativos no bairro; a Unidos da Tijuca devido a má localização da quadra do Borel está sediada no bairro Santo Cristo porém a escola segue representando a Tijuca.

Teatros[editar | editar código-fonte]

A Tijuca é o único bairro da Zona Norte a possuir mais de dois teatros, obtendo nível de acesso cultural aproximado ao que oferece a Zona Sul da cidade. Há sete teatros no bairro: Teatro Angel Vianna do Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro [22], Teatro Henriqueta Brieba do Tijuca Tênis Clube, Teatro SESC Tijuca, Teatro Municipal Ziembinski[23], Teatro Max Nunes do America Football Club (Rio de Janeiro), o Teatro do Club Municipal e o Teatro do Centro Municipal de Referência da Música Carioca Artur da Távola.

Cinemas[editar | editar código-fonte]

Possui salas da rede Kinoplex no Shopping Tijuca[24] e no Boulevard Rio Shopping[25]

Museu[editar | editar código-fonte]

Espaço Ciência Viva[26].

Religião[editar | editar código-fonte]

A Tijuca possui diversos centros religiosos ligados a nove diferentes crenças, como para o catolicismo, protestantismo, bruxaria, candomblé, espiritismo, islamismo, judaísmo e mormonismo. No bairro também se localiza a única Mesquita do Estado Do Rio de Janeiro, devido à grande presença de árabes no local.

Educação[editar | editar código-fonte]

Instituições tradicionais[editar | editar código-fonte]

Escolas municipais[editar | editar código-fonte]

  • Araújo Porto Alegre
  • Borel
  • Chácara do Céu
  • Laudimia Trotta
  • Francisco Cabrita
  • Bombeiro Geraldo Dias
  • Prudente de Moraes
  • Barão de Itacurussá
  • General Euclydes de Figueiredo
  • Soares Pereira
  • Jornalista Brito Broca
  • Orsina da Fonseca
  • Mário da Veiga Cabral
  • Leitão da Cunha

Creches municipais[editar | editar código-fonte]

  • Casa Branca - Professor Paulo Freire
  • Raio de Sol
  • Raízes do Salgueiro
  • Tia Bela
  • Tia Maria
  • Doutor Ronaldo Luiz Gazolla

Esportes e lazer[editar | editar código-fonte]

Clubes esportivos[editar | editar código-fonte]

Clubes de serviços[editar | editar código-fonte]

Sub-bairros[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. a b c d «Rio Prefeitura - Bairros cariocas - Lagoa». Consultado em 25 de janeiro de 2010 
  2. Instituto Pereira Passos; IBGE. «Tabela 1172 - Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH), por ordem de IDH, segundo os bairros ou grupo de bairros - 2000» (XLS). Consultado em 23 de julho de 2008 
  3. Bairros do Rio
  4. Bairros com Alto Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH) em 2000
  5. https://s3.amazonaws.com/ipsrio/publicacoes/resumo-executivo.pdf
  6. [1]
  7. [2]
  8. [3]
  9. [4]
  10. [5]
  11. http://www.opasseadortijucano.com.br/2015/07/tijuca-suburbio-ou-simplesmente-zona.html
  12. http://www.oriodejaneiro.com/tijuca-htm/
  13. http://oglobo.globo.com/rio/apos-upps-tijuca-recupera-autoestima-volta-se-valorizar-8530070
  14. [6]
  15. http://www.riodejaneiroaqui.com/portugues/tijuca-bairro.html
  16. https://oglobo.globo.com/rio/bairros/grande-tijuca-ganha-quatro-novos-polos-gastronômicos-18833128
  17. http://www.ristorantefiorino.com.br/
  18. [7]
  19. [8]
  20. O'Donnel, Julia (2013). A invenção de Copacabana: Culturas urbanas e estilos de vida no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Zahar. p. 141. ISBN 9788537810279 
  21. «Paes inaugura piscinão na Tijuca e faz campanha eleitoral». O Globo. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  22. https://centrocoreografico.wordpress.com/
  23. https://teatromunicipalziembinski.tumblr.com/
  24. http://www.shoppingtijuca.com/cinema
  25. http://www.boulevardrioshopping.com.br/Cinema
  26. http://www.cienciaviva.org.br/
  27. http://www.maria-raythe.com.br/
  28. http://marista.edu.br/saojosetijuca/
  29. http://www.colegiosantosanjos-rj.com.br/
  30. http://www.batista.br/portal/
  31. http://www.cmrj.ensino.eb.br/
  32. http://www.palas.com.br/wpsite/
  33. https://www.cp2.g12.br/campi/tijuca_2.html
  34. http://www.iserj.edu.br/
  35. http://www.iplc.g12.br/
  36. https://fundacao.bradesco/
  37. http://www.mopi.com.br/

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • FERRAZ, Talitha. A segunda cinelândia carioca. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2012. 240p.
  • LIMA, Carlos Alberto de. Nomes que marcam o Rio. Rio de Janeiro: O Autor, 2008; 304p.
  • OLIVEIRA, Lili Rose Cruz. Tijuca: de rua em rua. Rio de Janeiro: ED RIO, 2004. 256p.
  • RIBAS, Matha; FRAIHA, Silvia; et LOBO, Tiza. Tijuca & Floresta. Rio de Janeiro: ED FRAHIA, 2000. 128p.
  • VISCONTI, Eliseu. Bom Pra Valer: A história dos 50 anos do Rotary Tijuca. Rio de Janeiro: ED DTP, 1999. 116p.