Tilopa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tilopa
Nascimento 988
Bengala
Morte 1069 (81 anos)
Nacionalidade indiano
Ocupação monge budista
Escola/tradição Kagyu

Tilopa (Bengala, 988 - 1069) foi um guru tântrico hindustani que trouxe os tantras da Índia para o Tibete e o Extremo Oriente e um mahasiddha nascido em Bengala, seja em Chatigão ou em Jagora.[1] Ele desenvolveu a doutrina mahamudra, e sua doutrina da vacuidade gerou grande debate entre os estudiosos budistas.

Ele é reconhecido como o fundador humano da linhagem Kagyu do budismo tibetano e seus seguidores o consideram Buda Vajradhara.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Tilopa nasceu na casta sacerdotal - segundo algumas fontes, uma família real - mas adotou a vida monástica ao receber ordens de uma dakini (buda cuja atividade é inspirar praticantes) que lhe disse para adotar uma existência menditante e itinerante. Desde o início, ela deixou claro para Tilopa que seus pais verdadeiros não eram as pessoas que o haviam criado, mas sim a sabedoria primordial e a vacuidade universal. Aconselhado pela dakini, Tilopa gradualmente assumiu a vida de monge, fazendo os votos monásticos e se tornando um erudito. As visitas frequentes de seu mestre dakini continuaram a guiar seu caminho espiritual e fechar a lacuna para a iluminação.[2]

Ele começou a viajar por toda a Índia, recebendo ensinamentos de muitos gurus:

Seguindo o conselho de Matangi, Tilopa começou a trabalhar em um bordel em Bengala para uma prostituta chamada Dharima como seu procurador e segurança. Durante o dia, ele estava moendo sementes de gergelim para ganhar a vida.[3] Durante uma meditação, ele recebeu uma visão de Vajradhara e, de acordo com a lenda, todo o mahamudra foi transmitido diretamente a Tilopa. Depois de receber a transmissão, Tilopa meditou em duas cavernas e amarrou-se com pesadas correntes para manter a postura correta de meditação. Ele praticou por muitos anos e então conheceu a mente de todos os budas na forma de Titular Diamante Vajradhara. Ele é considerado o avô da linhagem Kagyu de hoje.[4] Naropa, seu aluno mais importante, tornou-se seu sucessor e transmitiu os ensinamentos.[2]

Ensinamentos[editar | editar código-fonte]

Seis Preceitos ou Seis Conselhos[editar | editar código-fonte]

Mahasiddha Tilopa, sul do Tibete, séculos 16 a 17 dC, bronze - Linden-Museum - Stuttgart, Alemanha.

Tilopa deu a Naropa um ensinamento chamado as Seis Palavras de Conselho, o texto original em sânscrito ou bengali nunca foi encontrado; o texto chegou até nós na tradução tibetana. Em tibetano, o ensino é chamado de droga gnad kyi[5] - literalmente, "seis pregos dos pontos-chave" - ​​a adequação desse título torna-se clara se considerarmos o significado da expressão idiomática em português, "acertar o prego no cabeça."

De acordo com Ken McLeod, o texto contém exatamente seis palavras;

Tradução curta e literal Tradução longa e explicativa Tibetano (transliteração Wylie)
1 Não lembre Deixe de lado o que passou mi mno
2 Não imagine Deixe de lado o que há por vir mi bsam
3 Não pense Deixe de lado o que está acontecendo agora mi sems
4 Não examine Não tente descobrir nada mi dpyod
5 Não controle Não tente fazer nada acontecer mi sgom
6 Descanse Relaxe, agora mesmo e descanse rang sar bzhag

Tradução de Watts-Wayman[editar | editar código-fonte]

Uma tradução anterior por volta de 1957 por Alan Watts e Dr. Alex Wayman traduziu os "Seis Preceitos" de Tilopa como:

Sem pensamento, sem reflexão, sem análise, Sem cultivo, sem intenção; Deixe-o se estabelecer.

Em uma nota de rodapé, Watts citou um texto-fonte tibetano em variação parcial com o de McLeod em sequência e sintaxe, a saber:

Mi-mno, mi-bsam, mi-dpyad-ching, Mi-bsgom, mi-sems, rang-babs-bzhag.

Com base em uma "elucidação" fornecida por Wayman, Watts explicou que:

Mi-mno é aproximadamente equivalente aos termos Zen wu-hsin ou wu-nien, "sem mente" ou "sem pensamento". Bsam é o equivalente do sânscrito cintana, ou seja, pensamento discursivo sobre o que foi ouvido e dpyad de mimamsa, ou "análise filosófica". Bsgom é provavelmente bhavana ou o chinês hsiu, "cultivar", "praticar" ou "concentração intensa". Sems é cetana ou szu, com o sentido de intenção ou volição. Rang-babs-bzhagé literalmente "auto-estabelecer-se", e "auto-estabelecer-se" parece ser um equivalente quase exato do taoísta tzu-jan, "eu mesmo", "espontâneo" ou "natural".[6]

Watts estudou chinês e Wayman era tibetologista e professor de sânscrito associado à UCLA e, posteriormente, à Universidade de Columbia.

Instruções Mahamudra[editar | editar código-fonte]

Tilopa também deu instruções de mahamudra a Naropa por meio da canção conhecida como "The Ganges Mahamudra",[7] uma estrofe da qual se lê:

O tolo em sua ignorância, desprezando Mahamudra,
Não conhece nada além de lutar no dilúvio do samsara.
Tenha compaixão de quem sofre de ansiedade constante!
Doente de dor implacável e desejo de liberação, siga um mestre,
Pois quando a bênção dele toca seu coração, a mente é liberada.[8]

Frases[editar | editar código-fonte]

Uma das declarações mais famosas e importantes atribuídas a Tilopa é: “O problema não é o prazer; o problema é o apego”.[9]

Referências

  1. «Tilopa (989-1069)» (em inglês). www.kagyuoffice.org. Consultado em 11 de maio de 2021 
  2. a b «The Life of the Mahasiddha Tilopa» (em inglês). www.amazon.com. Consultado em 11 de maio de 2021 
  3. «Kagyu Lineage History: Tilopa» (em inglês). kagyu.org. Consultado em 11 de maio de 2021 
  4. Nydahl, Ole (2019). The Four Foundational Practices of the Great Seal. Ontario WI: Diamond Way Press. p. 119 
  5. «Lamp of Mahamudra: The Immaculate Lamp that Perfectly and Fully Illuminates the Meaning of Mahamudra, the Essence of all Phenomena» (em inglês). www.amazon.com. Consultado em 11 de maio de 2021 
  6. The Way of Zen by Alan Watts (© Pantheon NY, 1957), Vintage Books paperback 1999, p. 79 and n. 3
  7. «The Life of Tilopa and the Ganges Mahamudra» (em inglês). www.amazon.com. Consultado em 11 de maio de 2021 
  8. «Tilopa's Mahamudra Teaching to Naropa» (em inglês). keithdowman.net. Consultado em 11 de maio de 2021 
  9. «TILOPA by Garchen Institute» (em inglês). garchen.net. Consultado em 11 de maio de 2021