Timbó (Santa Catarina)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Timbó
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Timbó
Bandeira
Brasão de armas de Timbó
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Pérola do Vale"
Gentílico timboense
Localização
Localização de Timbó em Santa Catarina
Localização de Timbó em Santa Catarina
Mapa de Timbó
Coordenadas 26° 49' 22" S 49° 16' 19" O
País Brasil
Unidade federativa Santa Catarina
Região metropolitana Região Metropolitana do Vale do Itajaí
Municípios limítrofes Benedito Novo, Indaial, Pomerode, Rio dos Cedros e Rodeio
Distância até a capital 170 km
História
Fundação 12 de outubro de 1869 (152 anos)
Administração
Prefeito(a) Jorge Krüger (PP, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [1] 127,405 km²
População total (estimativa IBGE/2019[2]) 44 238 hab.
Densidade 347,2 hab./km²
Clima Subtropical
Altitude 68 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 89120-000
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,784 alto
 • Posição BR: 100º
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 799 963,234 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 23 002,65
Sítio www.timbo.sc.gov.br (Prefeitura)
www.camaratimbo.sc.gov.br (Câmara)

Timbó é um município brasileiro do estado de Santa Catarina. Localiza-se a 26°49'24" de latitude sul e 49°16'18" de longitude oeste, a uma altitude de 68 metros. Possui uma área de 130,31 km² e sua população foi estimada em 44 238[2] habitantes, conforme dados do IBGE de 2019.

História[editar | editar código-fonte]

Busto de Frederico Donner, fundador de Timbó.

Imigrantes alemães, liderados por Frederico Donner, se estabeleceram na confluência dos rios Benedito e dos Cedros, em meados de 1869, vindos da então colônia de Blumenau. Posteriormente chegaram também imigrantes italianos, sendo que hoje essas duas etnias representam cada uma quase que 50% da população. A maioria dos imigrantes que chegaram em Timbó vieram de Pomerânia e Hamburgo, na Alemanha, e de Chiavenna e Trento, na Itália.

O município de Timbó foi fundado em 12 de outubro de 1869 (152 anos), e elevado a município em 25 de março de 1934. A religião predominante é principalmente o protestantismo e o evangelismo, sendo que o templo da Igreja Luterana é considerado o maior da América Latina. [carece de fontes?]

Possui uma agenda cultural rica e variada, destacando-se a Festa do Imigrante, realizada em comemoração ao aniversário do município.[5]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é temperado, variando entre 40 °C a máxima, podendo a mínima chegar a 3 °C negativos. As precipitações pluviométricas, variam de 1 400mm a 2 000mm. Sua contornação se dá por serras formadas em partes pelos contra-fortes da Serra do Mar. Não há propriamente planícies, mas sim, terras planas.[6]

Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Máximas °C 30 31 29 27 23 21 21 22 22 24 27 29
Mínimas °C 20 21 20 17 14 12 12 13 14 16 18 19
Precipitação média (mm) 170 196 152 109 107 104 104 132 122 165 135 173
Fonte: The Weather Channel

Pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

Parque Henry Paul[7]

Museu da Música

Objetos de cinco séculos são expostos no Salão de Bailes Hammermeister, construído no início do século XX. O museu foi inaugurado em 19 de setembro de 2004, abriga uma coleção de mais de mil peças, entre elas instrumentos musicais, partituras, desenhos técnicos, livros e acessórios.

Organização Político-Administrativa[editar | editar código-fonte]

O Município de Timbó possui uma estrutura político-administrativa composta pelo Poder Executivo, chefiado por um Prefeito eleito por sufrágio universal, o qual é auxiliado diretamente por secretários municipais nomeados por ele, e pelo Poder Legislativo, institucionalizado pela Câmara Municipal de Timbó, órgão colegiado de representação dos munícipes que é composto por vereadores também eleitos por sufrágio universal.[8]

Prefeitos de Timbó[editar | editar código-fonte]

Esta é a relação de chefes do Poder Executivo municipal de Timbó, desde sua emancipação em 1934:

Nome Imagem Partido Vice-prefeito Início do mandato Fim do mandato Observações
1 Ernesto João Nunes[9]
25 de março de 1934[9] 01 de dezembro de 1934 interventor[9]
2 Alberto Meyer[9]
02 de dezembro de 1934[9] 26 de maio de 1935 interventor[9]
3 Sylvio Scóz[9]
27 de maio de 1935[9] 5 de maio de 1936 interventor[9]
4 Carlos Brandes[9][10][11][12]
Ação Integralista
Brasileira
[10][11][12]

AIB

6 de maio de 1936[9] 22 de dezembro de 1937 Prefeito eleito
em sufrágio popular direto
[9], tendo derrotado o candidato Sylvio Scóz (do Partido Liberal Catarinense)[11], que ficou em segundo lugar na votação.[10]
5 Walter Müller[9]
23 de dezembro de 1937[9] 20 de setembro de 1941 Interventor nomeado em razão do golpe de estado de Getúlio Vargas que implantou o Estado Novo no Brasil[9]
6 Theodolindo Pereira[9]
21 de setembro de 1941[9] 17 de janeiro de 1945 interventor[9]
7 Leopoldo Klug[9]
18 de janeiro de 1945[9] 8 de janeiro de 1946 interventor[9]
8 Mário Luiz Schuster[9]
9 de janeiro de 1946[9] 21 de fevereiro de 1946 interventor[9]
9 Theodolindo Pereira[9]
22 de fevereiro de 1946[9] 1 de janeiro de 1947 interventor[9]
10 Carlos Scheidemantel[9]
2 de janeiro de 1947[9] 28 de fevereiro de 1947 interventor[9]
11 Mauricio Germer[9]
1 de março de 1947[9] 30 de novembro de 1947 interventor[9]
12 Mário Luiz Schuster[9]
Partido Social
Democrático

PSD

1 de dezembro de 1947[9] 25 de janeiro de 1951 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio popular direto
[9]
13 João Arthur Kinder[9]
Partido Social
Democrático

PSD

26 de janeiro de 1951[9] 30 de janeiro de 1951 Prefeito eleito pela Câmara Municipal de Timbó[9]
14 Walter Müller[9]
União Democrática
Nacional

UDN

31 de janeiro de 1951[9] 25 de fevereiro de 1955 Prefeito eleito
em sufrágio popular direto
[9]
15 Gustavo Brandes[9]
União Democrática
Nacional

UDN

26 de fevereiro de 1955[9] 30 de janeiro de 1956 Prefeito eleito pela Câmara Municipal de Timbó[9]
16 Ricardo Beyer Junior[9][13]
União Democrática
Nacional

UDN

31 de janeiro de 1956[9] 30 de janeiro de 1961 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio popular direto

[9]
17 Mário Luiz Schuster[9]
Partido Social
Democrático

PSD

31 de janeiro de 1961[9] 30 de janeiro de 1966 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio popular direto

[9]
18 Henry Paul[9]
Aliança Renovadora
Nacional

ARENA

31 de janeiro de 1966 31 de janeiro de 1970 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio popular direto

[9]
19 Horst Otto Domning[9]
Movimento Democrático
Brasileiro

MDB

Alidor Pieritz (MDB)[9][14] 1 de fevereiro de 1970[9] 31 de janeiro de 1973 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio popular direto

[9]
20 Alidor Pieritz[9][14]
Movimento Democrático
Brasileiro
[14]

MDB

Ingo Maas (MDB)[9] 1 de fevereiro de 1973[9] 31 de janeiro de 1977 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio popular direto

[9]
21 Henry Paul[9]
Aliança Renovadora
Nacional

ARENA

Emilio Butzke (ARENA)[9] 1 de fevereiro de 1977[9] 31 de janeiro de 1983 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio popular direto

[9]
22 Ingo Frederico A. Germer[9]
Partido do Movimento
Democrático Brasileiro

PMDB

Alwin Ferrari (PMDB) 1 de fevereiro de 1983[9] 31 de dezembro de 1988 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio popular direto

[9]
23 Donigo Wolter[9][15]
Partido da Frente
Liberal
[15]

PFL

Nilton Theilacker (PDS)[15] 1 de janeiro de 1989[9] 31 de dezembro de 1992 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio universal

[9][15]
24 Juvêncio Slomp[9]
Partido da Social
Democracia Brasileira

PSDB

Waldimiro Grundmann (PDT) 1 de janeiro de 1993 5 de novembro de 1995 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio universal. Em novembro de 1995, o prefeito Juvêncio Slomp foi afastado do cargo por decisão judicial que o condenou pela prática de improbidade administrativa

[16]
25 Waldimiro Grundmann [9][13]
Partido Democrático
Trabalhista

PDT

6 de novembro de 1995 31 de dezembro de 1996 Assumiu a chefia do Executivo Municipal, substituindo Juvêncio Slomp, que havia sido afastado do cargo por decisão judicial
26 Waldir Ladehoff[13]
Partido do Movimento
Democrático Brasileiro

PMDB

Honorato Tonolli
(PDT)
1 de janeiro de 1997 31 de dezembro de 2000 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio universal

Dediergo Wolter Filho
(PFL)
1 de janeiro de 2001 31 de dezembro de 2004 Prefeito e vice reeleitos
em sufrágio universal

27 Oscar Schneider
Partido do Movimento
Democrático Brasileiro

PMDB

Dediergo Wolter Filho (PFL) 1 de janeiro de 2005 31 de dezembro de 2008 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio universal

28 Laércio Schuster Junior[13]
Progressistas
PP
Darcizio Bona (PT) 1 de janeiro de 2009 31 de dezembro de 2012 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio universal

1 de janeiro de 2013 31 de dezembro de 2016 Prefeito e vice reeleitos
em sufrágio universal

29 Jorge Augusto Krüger
Progressistas
PP
Marcelo Ferrari (PSB) 1 de janeiro de 2017 31 de dezembro de 2020 Prefeito e vice eleitos
em sufrágio universal

Guilherme "Tutti" Voigt Junior
(PSDB)
1 de janeiro de 2021 Prefeito e vice reeleitos
em sufrágio universal

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FERREIRA, Cristina; KOEPSEL, Daniel Fabricio. Representações da cidade: discussões sobre a História de Timbó. Blumenau, SC: Edifurb; Timbó, SC: Fundação Cultural, 2008.
  • MAYR, Ana Angélica Dantas Alves. Condições sócio-culturais da preservação da arquitetura teuto-brasileira em Timbó (SC). Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Humanas, Florianópolis, 1993.
  • VOIGT, Márcio Roberto. Imigração e cultura alemã no Vale do Itajaí: Educação, Religião e Sociedades na História de Timbó (SC). 1869-1939.. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Florianópolis, 1996.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. a b «Estimativa populacional 2019 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2019. Consultado em 4 de dezembro de 2019 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 4 de agosto de 2013 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. https://www.culturatimbo.com.br/eventos/festa-do-imigrante
  6. http://www.timbo.sc.gov.br/cidade/curiosidades/ Prefeitura Municipal de Timbó
  7. «Parque de Eventos Henry Paul - GuiaSC - Guia Turístico dos Municípios de Santa Catarina - GuiaSC - Guia Turístico dos Municípios de Santa Catarina». guiasc.tur.br. Consultado em 15 de abril de 2021 
  8. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito municipal brasileiro. 18. ed. São Paulo: Malheiros, 2017.
  9. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd be bf bg bh bi bj bk bl bm bn bo bp bq br bs bt bu Prefeitura de Timbó - Ex-prefeitos Acessado em 5 de março de 2022
  10. a b c VOIGT, Márcio Roberto. Imigração e cultura alemã no Vale do Itajaí: Educação, Religião e Sociedades na História de Timbó (SC). 1869-1939.. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Florianópolis, 1996.
  11. a b c ZANELATTO, João Henrique. Região, Etnicidade e Política: o Integralismo e as lutas pelo poder político no Sul Catarinense, na década de 30. Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007, pp. 36 e 93.
  12. a b HACKENHAAR, Clayton. O integralismo em Santa Catarina e a tentativa de golpe de março de 1938. Tese (Doutorado em História Social) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.
  13. a b c d «Valorização da história e cultura». Jornal do Médio Vale. 2 de outubro de 2020. Consultado em 5 de março de 2022 
  14. a b c «Ex-prefeito Pieritz faz visita a Jorge». Jornal do Médio Vale. 12 de junho de 2020. Consultado em 5 de março de 2022 
  15. a b c d «Eleições 1988, em 15/11/1988 - 1º turno - Prefeitos e Vice-Prefeitos Eleitos». TRE-SC. Consultado em 5 de março de 2022 
  16. «Ex-prefeito e ex-vereadores de Timbó são condenados a ressarcir erário». Jusbrasil. Consultado em 5 de março de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]