Timnit Gebru

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Timnit Gebru
Timnit Gebru
Nascimento 13 de maio de 1983
Adis Abeba
Cidadania Etiópia
Alma mater
Ocupação investigadora, investigadora de inteligência artificial, AI ethicist
Prêmios
Empregador(a) Google, Microsoft Research
Obras destacadas Black in AI, On the Dangers of Stochastic Parrots: Can Language Models Be Too Big?🦜, Distributed Artificial Intelligence Research Institute
Página oficial
https://ai.stanford.edu/~tgebru/

Timnit Gebru (Adis Abeba, Etiópia, n. 1983) é uma cientista de computação que trabalha com polarização algorítmica, mineração de dados e ética para a inteligência artificial.[1] Neste âmbito, trabalhou na Microsoft e co-liderou o departamento de Ética para Inteligência Artificial da Google, até dezembro de 2020. Fez parte do Stanford AI Lab, o laboratório de investigação sobre inteligência artificial da Universidade de Stanford.[2] É uma defensora da diversidade em tecnologia e co-fundadora da Black in AI, uma comunidade de pesquisadores negros que trabalham com inteligência artificial.[1][3] Em dezembro de 2021, anunciou ter fundado o seu próprio instituto de investigação em inteligência artificial.[3][4]

Gebru foi reconhecida como uma das 50 maiores líderes do mundo pela revista Fortune, em 2021.[5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Gebru nasceu e cresceu em capital da Etiópia, Adis Abeba. O seu pai morreu quando ela tinha apenas cinco anos, pelo que foi criada pela sua mãe. Ambos os seus pais são originários da Eritreia. Gebru mudou-se para os Estados Unidos da América sob asilo político. Depois de concluir o ensino médio em Massachusetts, ela foi aceite para estudar na Universidade de Stanford, onde se licenciou e concluiu o mestrado em engenharia elétrica.[6][7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Gebru trabalhou na Apple Inc., onde desenvolveu algoritmos de processamento de sinal para o primeiro iPad.[8] Em 2017, aceitou um emprego na Microsoft, onde esteve no departamento de Justiça, Responsabilidade, Transparência e Ética para inteligência artificial.[9][10]

Doutoramento[editar | editar código-fonte]

Gebru obteve seu doutorado sob a supervisão de Fei-Fei Li na Universidade de Stanford em 2017. O seu doutorado teve o apoio da NSF Foundation GRFP fellowship e da Stanford DARE fellowship, ambas bolsas atribuídas a alunos que se destacam nas áreas de engenharia.[11] Para o seu PhD, Gebru usou mineração de dados de imagens publicamente disponíveis. [12] Ela estava interessada na quantidade de dinheiro gasta por organizações governamentais e não governamentais tentando coletar informações sobre as comunidades.[13] Para investigar alternativas, Gebru combinou o aprendizado profundo com o Google Street View para estimar a demografia dos bairros dos Estados Unidos, mostrando que atributos socioeconómicos como padrões de votação, renda, raça e educação podem ser inferidos a partir de observações de carros.[6] Gebru analisou mais de 15 milhões de imagens das 200 cidades mais populosas dos EUA.[14] O trabalho foi amplamente coberto pela mídia, incluindo pela BBC News, Newsweek, The Economist e The New York Times. [15][16][17]

Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

Juntamente com Joy Buolamwini e Inioluwa Deborah Raji, Gebru recebeu um prémio na categoria de Inteligência Artificial para o Bem, nos prémios de Inovação em IA da VentureBeat, sendo elogiada pelo seu trabalho de pesquisa que sublinha o problema significativo de viés algorítmico no reconhecimento facial.[18][19]

Timnit Gebru foi reconhecida como uma das 50 maiores líderes do mundo pela revista Fortune, em 2021.[5]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Google's Former AI Ethics Chief Has a Plan to Rethink Big Tech». www.bloomberg.com. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  2. «Black in AI». ai.stanford.edu. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  3. a b «After being pushed out of Google, Timnit Gebru forms her own AI research institute: DAIR». TechCrunch (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  4. «Google fired its star AI researcher one year ago. Now she's launching her own institute». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  5. a b «Timnit Gebru». Fortune (em inglês). Consultado em 16 de maio de 2021 
  6. a b AI, People In (16 de setembro de 2017). «Timnit Gebru honored as an Alicorn of Artificial Intelligence by People in AI». Selfpreneur. Consultado em 9 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2020 
  7. Lahde, Lisa. «AI Innovators: How One Woman Followed Her Passion and Brought Diversity to AI». Forbes (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2019 
  8. «Timnit Gebru». Databricks (em inglês). Consultado em 9 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2019 
  9. Simonite, Tom. «What Really Happened When Google Ousted Timnit Gebru». Wired (em inglês). ISSN 1059-1028. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  10. Shead, Jennifer Elias,Sam (3 de dezembro de 2020). «Renowned AI researcher says Google abruptly fired her, spurring industrywide criticism of the company». CNBC (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  11. «Timnit Gebru: 5 Takeaways About the State of Artificial Intelligence». The Wharton School (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  12. «Understanding the Limits of AI: When Algorithms Fail». MIT Tech Review. Consultado em 9 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2020 
  13. Capital, L. D. V. (1 de agosto de 2017), Timnit Gebru - 2017 Entrepreneurial Computer Vision Challenge Finalist Presentations, consultado em 6 de dezembro de 2021 
  14. «Timnit Gebru: Machine learning, bias, and product design». Timnit Gebru: Machine learning, bias, and product design - DesignBetter (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  15. Lufkin, Bryan (6 de janeiro de 2018). «What Google Street View tells us about income». Worklife (em inglês). BBC. Consultado em 9 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2019 
  16. «A machine-learning census of America's cities». The Economist. 2 de março de 2017. ISSN 0013-0613. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  17. Lohr, Steve (31 de dezembro de 2017). «How Do You Vote? 50 Million Google Images Give a Clue». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  18. «AI innovation winners announced in San Francisco». Innovation Matrix (em inglês). 12 de julho de 2019. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  19. Burt, | Chris (18 de julho de 2019). «Buolamwini, Gebru and Raji win AI Innovation Award for research into biometric bias | Biometric Update». www.biometricupdate.com (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2021