Timorante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Timorante
—  Distrito do Brasil  —
Mapa de Exu (2).png
Coordenadas 7° 40' 53" N 39° 48' 08" O
Estado  Pernambuco
Município Exu (Pernambuco)
Criado em 17 de setembro de 1945
Área
 - Total 4260 km²
População (2010)
 - Total 4 387 hab
    • Densidade 1,03 hab./km2 
Limites oeste: Bodocó; sul: Granito; norte: Exu

Timorante é um distrito brasileiro administrado pelo município de Exu no estado de Pernambuco no Sertão Pernambucano na região do Araripe.[1] Localizado as margens da BR-122, a 15min de sua sede (ao norte), quase a mesma distancia de Bodocó (a oeste) e a meia hora de Granito (ao sul), Timorante é um dos distritos mais importantes da terra do Rei do Baião. Fundado no dia 17 de setembro de 1945, junto aos distritos de Zé Gomes,Tabocas e Viração, fazem parte e incorporam todo o território do município de Exu.[2] [3]

História[editar | editar código-fonte]

Timorante é um pequeno povoado localizado a 15 minutos da sede do município de Exu, às margens da BR-122, tendo este município como seu administrador e sua população é unicamente dependente deste município, cartório, hospitais e outras dependências são bastante procurados em sua região. Categoricamente, Timorante não possui policiamento. Timorante por não ter bandeira ou brasão, utiliza o escudo de sua sede administrativa e sua extensão territorial pode ser maior ou menor de acordo com a unificação de partes pertencentes a outros municípios da região. Mas para que possamos entender mais sobre esse distrito, precisamos se aprofundar na sua origem de criação para sabermos mais sobre o seu lugar na história. Timorante antes de ser conhecido pelo seu nome atual era conhecido como Baixio ou Baxi, como era chamado pelos mais velhos, cujo este nome tem o significado geograficamente por ser uma região de terras baixas e planas que eventualmente era banhada pelas águas vindas da evasão residual de açudes que, como era dito, sangravam e alagavam essas terras no inverno e após as estiagens surgia uma terra fértil para o plantio agrícola. Por se encontrar no caminho que águas que vinha de cima das serras para encontrassem com as águas do São Francisco, era de fato um risco para o crescimento e o desenvolvimento do vilarejo e era de urgência mudar o vilarejo para um lugar mais plano e abrigado das enchentes. Pra isso ere preciso que alguém pudesse intervir e ajudar na transferência do povoado para um lagar seguro e que pudesse contribuir com a doação de terras. E na época os donos de maiores terrenos longe de alagamentos eram: Nelson da Costa Araújo e seu primo Zeba da Costa Araújo.

Doação das terras e a fundação de Timorante[editar | editar código-fonte]

Abrangendo o que é agora a BR-122, o qual corta boa parte do distrito, os primos Araújo, eram donos de grande parte de terrenos semi planos e longe co caminho das águas que cortavam a região indo até o famoso Rio Brigida, localizado afrente do Museu do Gonzagão. Dispostos a ajudarem os aldeões que ali viviam, eles cederam parte de suas propriedades para que pudesse ser estabelecido o novo Baixi. Agora tendo um lugar melhor, o distrito pode começar a se desenvolver e a crescer, com o passar dos anos, Timorante começou a chamar a atenção de povoados vizinhos, que começaram a investir economicamente com suas compras e vendas de diversos produtos como: feijão, milho, farinha, algodão e é claro, o comercio de gado de corte e criações de cabras, porcos e galinhas. Atualmente possui uma das melhores instituição de ensino Médio e Fundamental do Sertão Pernambucano na região do Araripe, a única de referências acadêmicas o Colégio Estadual Nelson Araújo (em homenagem a um de seus fundadores), ou simplesmente E.N.A (sigla) ou grupo. O distrito tem como padroeiro o Bom Jesus da Lapa, que no mês de Agosto comemora-se a festa do seu padroeiro.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma altitude de 523 metros (o mesmo que sua sede), sua extensão territorial pode ser maior ou menor se levar em conta a unificação das partes pertencentes e administradas por Exu (zona oeste) e Crato (zonas leste e sul), podendo ser o dobro do que foi abordado no tópico anterior.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é semiárido e quente, frio no inverno e quente no verão, com grandes intervalos no período chuvoso, ou seja, suas estações de chuva são irregulares e demoram até a próxima estação.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação é predominantemente de Caatinga Hipoxerófila. O distrito também apresenta vegetação de cerrado, com espécies como: aroeira, braúna, sabiá, tambori, pequi, sucupira, angico, amburana (branca e vermelha), cedro, angico, eucalipto e a algaroba (Prosopis juliflora), árvore esta muito utilizada nas criações de cercas e seus frutos utilizados como ração para à alimentação bovina e demais criação.

As principais espécies animais da região são o preá, tatupeba, gambá, sagui, urubu, coruja, gavião, raposa, carcará ou Cara-cara e raposa, além de diversos tipos de aves e répteis.

Cultura[editar | editar código-fonte]

No distrito ocorre o evento São João do Gonzagão.[1]

Ponto Turístico[editar | editar código-fonte]

Em seus 70 anos de fundação, não podemos deixar de fora uns de seus principais pontos turísticos de maior expressão que, para os timorantenses é uma de suas Sete Maravilhas, a famosa Pedra do Chapéu.

A Pera do Chapéu[editar | editar código-fonte]

A pedra do chapéu é uma formação rochosa de origem pré-histórica que tem a aparência de um grande chapéu e é um dos pontos mais vistos de Timorante, além de suas enormes serras, é formada por quatro grandes rochas onde, três formam a base e uma de forma arredondada e achatada encima da mesma dando a característica de um chapéu. Historicamente a pedra tinha um considerado tamanho quatro vezes o tamanho de hoje. Eventualmente na criação da BR–122 foi preciso tirar grande parte da pedra para ser usada como brita no asfalto, deixando-a com o tamanho que tem atualmente. A pedra do chapéu é um dos orgulhos mais importantes da história de Timorante só perde para a sua vizinha a Pedra do Claranã, localizada na cidade do Bodocó. Como qualquer ponto turístico, está cercada por mitos e lendas, sendo até ponto de usuários de narcóticos e rituais de magia negra, dando um ar de mal assombrado e sobrenatural, já foi também esconderijo de Cangaceiros que circularam aquela região ha décadas.

Referências

  1. a b Prefeitura de Exu. Distrito de Timorante sedia o São João do Gonzagão. Visitado em 25/04/2015. Cópia arquivada em 25/04/2015.
  2. Estimativa Populacional 2014 Estimativa Populacional 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (agosto de 2014). Visitado em 29 de agosto de 2014.[ligação inativa]
  3. Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.[ligação inativa]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um distrito ou povoado é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.