Tinder

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tinder
TinderLogo-2017.svg
Desenvolvedor IAC
Plataforma iOS, Android e Web
Lançamento 12 de setembro de 2012; há 10 anos
Versão estável iOS:

11.10.4[1] (6 de março de 2020; há 2 anos)

Android:
11.10.1[2] (6 de março de 2020; há 2 anos)

Gênero(s) Rede social
Licença Proprietário
Estado do desenvolvimento Ativo
Página oficial tinder.com

Tinder é um aplicativo de namoro online e rede geossocial. No Tinder, os usuários "deslizam para a direita" para curtir ou "deslizam para a esquerda" para não gostar dos perfis de outros usuários, que incluem sua foto, uma pequena biografia e uma lista de seus interesses. O Tinder usa um sistema de "double opt-in" em que ambos os usuários devem gostar um do outro antes de poderem trocar mensagens.[3][4][5][6]

Sean Rad fundou o Tinder em 2012 em um hackathon realizado na incubadora de startups Hatch Labs em West Hollywood.[7][8][9] Em 2014, o Tinder registrava cerca de um bilhão de "swipes" diários e relatou que os usuários acessavam o aplicativo em média onze vezes por dia.[10] Em 2015, o Tinder foi o quinto aplicativo móvel com maior bilheteria,[11] e em 2019 ultrapassou a Netflix em gastos anuais.[12] Em 2020, o Tinder tinha 6,2 milhões de assinantes e 75 milhões de usuários ativos mensais.[13] Em 2021, o Tinder registrou mais de 65 bilhões de matches em todo o mundo.[14]

O serviço[editar | editar código-fonte]

Sua interface é constituída de uma sucessão de perfis de outras pessoas. O usuário então desliza o dedo sobre a tela para direita (arrastando o perfil de uma pessoa) se estiver interessado, ou para esquerda, se não estiver interessado. Isso é feito de forma anônima. Pode-se também ver mais fotos e informações, se existirem, de cada pessoa registrada. Quando dois usuários estão mutuamente interessados um pelo outro, eles são informados e podem começar uma conversa.

O aplicativo atingiu, em 2014, 100 milhões de usuários no mundo todo, sendo 10% do Brasil.[15]

História[editar | editar código-fonte]

O protótipo original do Tinder, chamado 'MatchBox', foi construído durante um hackathon em fevereiro de 2012 por Sean Rad e o engenheiro Joe Munoz. O hackathon foi organizado pela Hatch Labs, uma incubadora de startups sediada em Nova Iorque com um posto avançado em West Hollywood. Percebendo que o nome MatchBox era muito semelhante ao Match.com, Rad, seus cofundadores e primeiros funcionários renomearam a empresa para Tinder. O logotipo com tema de chamas da empresa permaneceu consistente durante todo o rebranding.[16]

2012: protótipo e lançamento[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2012, Rad foi contratado como Gerente Geral do Cardify, um aplicativo de fidelidade de cartão de crédito lançado pela Hatch Labs. Durante um hackathon em seu primeiro mês, ele apresentou a ideia de um aplicativo de namoro chamado Matchbox. Rad e o engenheiro Joe Munoz construíram o protótipo do MatchBox e apresentaram o aplicativo de namoro "double opt-in" em 16 de fevereiro de 2012.[17][16]

Em março, o cofundador Jonathan Badeen (operador de front-end e mais tarde CSO do Tinder) e Chris Gulczynski (e mais tarde CCO do Tinder) se juntaram à Cardify.[18][19][20][21]

Em maio, enquanto Cardify passava pelo processo de aprovação da App Store da Apple, a equipe se concentrou no MatchBox. Durante o mesmo período, Alexa Mateen (irmã de Justin) e sua amiga, Whitney Wolfe Herd, foram contratadas como representantes de vendas da Cardify.[16]

Em agosto de 2012, o Cardify foi abandonado, o Matchbox foi renomeado para Tinder e o cofundador Justin Mateen[22] (profissional de marketing e mais tarde CMO do Tinder) ingressou na empresa.[16]

Em setembro de 2012, o Tinder foi lançado na App Store. Foi então lançado em vários campi universitários e começou a se expandir rapidamente.[23]

2013: desenvolvimento do swipe[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2013, o Tinder ficou entre os 25 principais sítios de redes sociais de acordo com os dados do aplicativo. A função de seleção do Tinder, que inicialmente era baseada em cliques, evoluiu para o recurso de swipe da empresa. O recurso foi estabelecido quando Rad e Badeen, interessados ​​em gamificação — modelaram o recurso a partir de um baralho de cartas. Badeen então simplificou a ação após o julgamento em um espelho de banheiro.[24] O Tinder foi creditado por popularizar o recurso de swipe, hoje utilizado por muitas outras empresas.[25][26][27][28][29][30][31]

2014–2016: crescimento[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2014, os usuários do Tinder completaram mais de um bilhão de swipes por dia, produzindo cerca de doze milhões de matches por dia. A essa altura, o usuário médio do Tinder geralmente gastava cerca de 90 minutos por dia no aplicativo.[10]

O fundador Sean Rad atuou como CEO do Tinder até março de 2015, quando foi substituído pelo ex-executivo do eBay e da Microsoft, Chris Payne. Rad retornou como CEO em agosto de 2015.[32]

Em 2015, o Tinder lançou sua função "Rewind", sua função "Super Like" e aposentou seus recursos "Moments" e "Last Active".[33][34][35][36] Em janeiro de 2015, o Tinder adquiriu a Chill, os desenvolvedores do Tappy, um mensageiro móvel que usa "imagens e efemeridade".[37]

Em 2016, o Tinder era o aplicativo de namoro mais popular nos Estados Unidos, com 25,6% de participação de mercado de usuários mensais.[38] Na chamada de resultados do terceiro trimestre da empresa, o CEO do Match Group, Greg Blatt, descreveu o popular aplicativo de namoro Tinder como um "foguete" e o "futuro deste negócio."[39]

Em setembro de 2016, a empresa também iniciou o teste de sua funcionalidade "Boost" na Austrália.[40] O recurso foi lançado para todos os usuários em outubro daquele ano.[41]

Em outubro de 2016, o Tinder anunciou a abertura de seu primeiro escritório no Vale do Silício na esperança de recrutar funcionários técnicos de forma mais eficaz.[42]

Em novembro de 2016, o Tinder introduziu mais opções para seleção de gênero.[43]

Em dezembro de 2016, Greg Blatt, CEO e presidente da empresa controladora do Tinder, Match Group, assumiu o cargo de CEO interino do Tinder.[44] Sean Rad deixou o cargo de CEO do Tinder, tornando-se presidente da empresa.

2017: fusão da Match com o Tinder[editar | editar código-fonte]

O Tinder teve receita anual de US$ 403 milhões e respondeu por 31% da receita anual de 1,28 bilhão de dólares do Match Group em 2017.[45] No mesmo ano, o Tinder ultrapassou a Netflix como o aplicativo de maior bilheteria na loja de aplicativos.[46] O valor de mercado do Match Group em 28 de dezembro de 2017 era de 10,03 bilhões de dólares.[47]

Em 2017, o Tinder permaneceu como o maior ganhador do Match Group em seu portfólio.[48]

Em março de 2017, o Tinder lançou o Tinder Online, uma versão otimizada para a web do aplicativo de namoro.[49] Inicialmente, estava disponível apenas na Argentina, Brasil, Colômbia, Indonésia, Itália, México, Filipinas e Suécia e não incluía recursos especiais como "Super Likes" ou "Tinder Boost".[50] O Tinder Online foi lançado globalmente em setembro de 2017.[51] Durante o lançamento da versão oficial da web, o Tinder tomou medidas legais para encerrar aplicativos de terceiros que fornecem uma extensão da web para usar o aplicativo Tinder em um computador desktop.[52]

Em julho de 2017, o Match Group se fundiu com o Tinder por aproximadamente três bilhões de dólares.[53]

Em agosto de 2017, foi lançado o Tinder Gold, um serviço exclusivo para membros com recursos exclusivos.[54] O Tinder Gold se tornou um sucesso instantâneo, aumentando a receita total do Match Group em 19% em relação a 2016.[55] Esse aumento na receita e nos lucros ocorreu quando a contagem de membros pagos do Tinder aumentou um recorde de 476 mil para mais de 2,5 milhões, impulsionado por mudanças de produtos e melhorias tecnológicas.[56] A popularidade do Tinder Gold levou a um aumento nas ações do Match Group e a preços recordes de ações. Greg Blatt, então CEO do Match Group, chamou o desempenho do Tinder de "fantástico" e afirmou que a empresa estava impulsionando a maior parte do crescimento do Match Group no final de 2017.[55]

Blatt renunciou ao Match Group e ao Tinder em 2017 após alegações de assédio sexual.[57] Ele foi substituído por Elie Seidman.

2018–2019[editar | editar código-fonte]

Em 2018, o Tinder teve receita anual de 805 milhões de dólares e respondeu por 48% da receita anual de 1,67 bilhão de dólares do Match Group em 2018. O valor de mercado do Match Group em 30 de dezembro de 2018 era de 15,33 bilhões de dólares.[47]

Em 6 de agosto de 2018, o Tinder tinha mais de 3,7 milhões de assinantes pagos, um aumento de 81% em relação ao mesmo trimestre de 2017.[58] Em 21 de agosto de 2018, o Tinder lançou a Tinder University, um recurso que permite que estudantes universitários se conectem com outros estudantes em seu campus e em escolas próximas.[59]

Em 2019, o Tinder teve receita anual de 1,152 bilhão de dólares e respondeu por 58% da receita anual total de dois bilhões de dólares do Match Group em 2019. O valor de mercado do Match Group em 30 de dezembro de 2019 era de 21,09 bilhões de dólares.[47]

Em 10 de maio, foi relatado que o Tinder estava planejando uma versão mais leve do aplicativo chamado Tinder Lite, destinado a mercados em crescimento, onde o uso de dados, largura de banda e espaço de armazenamento são uma preocupação.[60]

Em 6 de agosto, o Tinder tinha 5,2 milhões de assinantes pagantes no final do segundo trimestre de 2019, um aumento de 1,5 milhão em relação ao trimestre do ano anterior e de 503 mil em relação ao primeiro trimestre de 2019.[61] O Tinder se tornou o aplicativo não relacionado a jogos de maior bilheteria, batendo Netflix.[62] O crescimento de assinantes do Tinder levou as ações do Match Group ao melhor ganho em um único dia de sua história em 7 de agosto,[63] adicionando mais de cinco bilhões de dólares à capitalização de mercado da empresa.[64]

Em 12 de setembro, o Tinder relançou o Swipe Night, uma série interativa onde os usuários tomam decisões seguindo um enredo. O Swipe Night havia sido lançado anteriormente em outubro de 2019. Estava programado para ser lançado internacionalmente em março de 2020, mas foi adiado para setembro devido à pandemia de COVID-19. O lançamento internacional do Swipe Night incluiu vários países e idiomas.[65] As três principais decisões tomadas em cada episódio da série interativa são exibidas no perfil do usuário e podem ser usadas para correspondência de potencial.

Em 2019, o Tinder teve receita anual de 1,2 bilhão de dólares.[66]

2020[editar | editar código-fonte]

Em 2020, o Tinder teve receita anual de 1,355 bilhão de dólares e foi responsável por 58% da receita de 2,34 bilhões de dólares do Match Group em 2020. O valor de mercado do Match Group em 23 de dezembro de 2020 era de 40,45 bilhões de dólares.[47]

Em janeiro de 2020, a administração do Tinder ativou um botão de pânico e tecnologia anti-catfishing para melhorar a segurança dos usuários dos EUA. No futuro, esses recursos devem se tornar disponíveis globalmente. Se algo der errado em um encontro, um usuário pode apertar um botão de pânico, transmitir dados de localização precisos e ligar para serviços de emergência. Para usar esse recurso, os usuários devem baixar e instalar o aplicativo Noonlight.[67] Além disso, antes de ir a uma reunião, os usuários são obrigados a tirar selfies para provar que suas fotos nos perfis do Tinder correspondem às suas identidades reais.[68]

Em resposta à pandemia global do COVID-19, em março de 2020, o Tinder disponibilizou temporariamente o recurso Passport gratuitamente para todos os seus usuários em todo o mundo, normalmente acessível apenas por usuários assinantes.[69]

Em agosto, o Tinder revelou planos para seu plano de assinatura Platinum, que oferece valor adicional além do atual plano de assinatura Gold do Tinder.[70] No mesmo mês, Jim Lanzone assumiu o cargo de CEO.

Em 1.º de setembro, o Tinder foi banido no Paquistão em uma repressão ao que o governo paquistanês considerava "conteúdo imoral".[71][72][73][74]

Em 4 de novembro, o Tinder informou que teve um desempenho melhor do que o esperado para os ganhos do terceiro trimestre, o aplicativo teve um crescimento de receita e um aumento de assinantes durante o terceiro trimestre, mesmo estando em plena pandemia. O aplicativo conseguiu aumentar sua base de usuários em 15% desde o terceiro trimestre de 2019 e recebeu um aumento de 16% nos assinantes. O Tinder tem 6,6 milhões de assinantes em todo o mundo, crescendo desde junho, quando a empresa registrou 6,2 milhões.[75]

2021–presente[editar | editar código-fonte]

O valor de mercado do Match Group em 14 de outubro de 2021 era de 44,59 bilhões de dólares.[47]

Em fevereiro de 2021, o Tinder anunciou que lançaria uma gama de acessórios móveis sob a marca Tinder Made.[76] O aplicativo relatou naquele mês um recorde histórico de usuários prontos para "ir a um encontro" em oposição aos bate-papos virtuais e online durante o auge da pandemia nos Estados Unidos. Ele distribuiu pares de kits de teste para algumas partidas para incentivar o comportamento responsável à medida que os usuários começam a se encontrar pessoalmente novamente.[77]

Em março de 2021, o Tinder anunciou um serviço que permitiria aos usuários realizar verificações de antecedentes em possíveis correspondências após um investimento na Garbo, uma empresa que "coleta registros públicos e relatórios de violência ou abuso, incluindo prisões, condenações, ordens de restrição, assédio e outros crimes violentos".[78] A Garbo não divulga acusações de porte de drogas ou infrações de trânsito, alegando encarceramento desproporcional. Este serviço vem com uma taxa que ainda não foi divulgada aos usuários.[48]

Em agosto de 2021, o Tinder anunciou a introdução de um serviço de verificação de identidade disponível para usuários em todo o mundo, a fim de combater o catfishing ou enganar alguém em um relacionamento usando fotos e informações falsas.[79]

Em setembro de 2021, Jim Lanzone anunciou que estava deixando o cargo de CEO para buscar um novo cargo no Yahoo.[80] Isso levou o Tinder a nomear Renate Nyborg como CEO. Ela é a primeira mulher CEO da empresa.[81]

Em dezembro de 2021, Nyborg anunciou que a empresa está trabalhando na criação de um metaverso chamado Tinderverse, uma realidade virtual compartilhada. A empresa também está testando as moedas do aplicativo Tinder Coins que os usuários podem ganhar como recompensa por bom comportamento, permitindo que eles paguem pelos serviços premium da plataforma.[82]

Referências

  1. «‎Tinder na App Store». App Store. Consultado em 11 de março de 2020 
  2. «Tinder – Apps no Google Play». Google Play. Consultado em 11 de março de 2020 
  3. Abrams, Mike (2016). Sexuality and Its Disorders: Development, Cases, and Treatment (em inglês). [S.l.]: Sage Publications. p. 381. ISBN 9781483309705. O Tinder é um aplicativo de conexão/namoro principalmente para o smartphone. 
  4. Karniel, Yuval; Lavie-Dinur, Amit (2015). Privacy and Fame: How We Expose Ourselves across Media Platforms (em inglês). [S.l.]: Lexington Books. p. 118. ISBN 9781498510783. O Tinder é um aplicativo de namoro/ficar que permite o compartilhamento físico, emocional e factual. 
  5. Goodall, Emma (2016). The Autism Spectrum Guide to Sexuality and Relationships (em inglês). [S.l.]: Jessica Kingsley Publishers. p. 134. ISBN 9781784502263. Hook-up apps – Bumble: Bumble is very similar to Tinder in layout and usage; however, it has one significant difference, which is that men are not able to initiate contact with women. 
  6. «Tinder Users Are Finding More Matches Thanks to Spotify: Popular 'Anthems' Include Songs from The Weeknd and Drake». Tech Times. 2 de março de 2017. Consultado em 26 de março de 2017. Cópia arquivada em 19 de março de 2017 
  7. «Barry Diller Says Tinder Succeeded Because IAC Left Its Founders Alone». TechCrunch (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2021 
  8. «Barry Diller's IAC Sued by Tinder Co-Founders for $2 Billion». The Hollywood Reporter (em inglês). 14 de agosto de 2018. Consultado em 7 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2019 
  9. Grove, Jennifer Van. «IAC stakes bigger claim over dating app Tinder» (em inglês). CNET. Consultado em 7 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2019 
  10. a b «Tinder, the Fastest Growing Dating App, Taps an Age Old Truth». The New York Times. Consultado em 3 de março de 2017. Cópia arquivada em 12 de julho de 2018 
  11. «Tinder Keeps the Fire Burning». App Annie Blog (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2021 
  12. Sun, Leo (21 de janeiro de 2020). «How Tinder Became the Highest Grossing Mobile App of 2019». Nasdaq 
  13. «Tinder Revenue and Usage Statistics (2021)». Business of Apps (em inglês). 21 de agosto de 2017. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  14. «Tinder Rolls Out Video in Profile to More Members Across Europe and Asia». Tinder Newsroom (Nota de imprensa) (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2021 
  15. «Brasil tem 10 milhões de usuários do Tinder; criador explica sucesso do app». uol.com.br. Consultado em 6 de outubro de 2015 
  16. a b c d Crook, Jordan (9 de julho de 2014). «Burned: The Story Of Whitney Wolfe Vs. Tinder». TechCrunch. Consultado em 4 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2017 
    • "When Whitney did interviews, she repeatedly asked Sean to let her go by 'co-founder,' claiming that the press would take her more seriously if she had that title, according to people in the office."
    • "...after all, she was dating his best friend and they all worked together) and he did, in fact, give in a number of times."
    • "Sean knew she wasn’t a founder… we all knew she wasn’t a founder," one source said on the phone. "But he wanted to help her career, and he knew that having female representation in the press could only be a good thing for the company."
    • One employee even recounted an instance in which Whitney said that she knew she wasn't supposed to be using "co-founder" in her email signature, but would continue to do so until Sean found out."
    • "One employee, who was present in a meeting between Sean and Whitney, says that after the Harper's Bazaar article and a couple of others like it, Sean explained that Whitney should not have been using the term co-founder in the press because it was confusing with the media and internally at Tinder."
    • "That same witness says that Whitney sent a series of messages to Sean shortly following the article's publication in which she expresses that she knew she wasn't supposed to be going by co-founder for that article."
    • "There's also evidence pointing to the fact that she may have used the term co-founder behind the backs of other founders and against their wishes, which adds even more fog to the situation."
    • "Yet, it seems that Whitney was well aware that her use of the term co-founder was for the purposes of doing press for the company and not because she actually co-founded the company."
  17. Witt, Emily (11 de fevereiro de 2014). «Love Me Tinder». GQ Magazine. Consultado em 24 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 28 de março de 2019 
  18. Stampler, Laura (6 de fevereiro de 2014). «Inside Tinder: Meet the Guys Who Turned Dating Into an Addiction». Consultado em 26 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2021 
  19. «Dating App Company Tinder Sued for Sexual Harassment». The Forward. Reuters. 1 de julho de 2014. Consultado em 31 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2017 
  20. Grigoriadis, Vanessa (27 de outubro de 2014). «Inside Tinder's Hookup Factory». Rolling Stone. Consultado em 31 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2017 
  21. «Love me Tinder». GQ Magazine. Consultado em 17 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 28 de março de 2019 
  22. «Co-founder feuds at L.A. tech start-ups show how handshake deals can blow up». Los Angeles Times. 22 de março de 2015. Consultado em 10 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 27 de junho de 2015 
  23. Williams, Felicia. «Tinder Wins Best New Startup of 2013 – Crunchies Awards 2013». TechCrunch. AOL. Consultado em 13 de junho de 2015. Cópia arquivada em 10 de junho de 2015 
  24. Clifford, Catherine (6 de janeiro de 2017). «How a Tinder founder came up with swiping and changed dating forever» (em inglês). CNBC. Consultado em 14 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2019 
  25. Humphrey, Katie (5 de maio de 2013). «Lust at first photo: Tinder heats up the dating-app scene». Star Tribune. Consultado em 23 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2021 
  26. «IAC embraces dating sites despite online crush». International New York Times. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  27. «How Tinder Is Winning the Mobile Dating Wars». Inc. Consultado em 10 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 24 de abril de 2016 
  28. Aziz Ansari, Eric Klinenberg (16 de junho de 2015). Modern Romance. [S.l.]: Penguin. p. 106. ISBN 9780698179967. Consultado em 17 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2021 
  29. «Tinder's swipe interface gets swiped by other apps». Toronto Star. 6 de agosto de 2014. Consultado em 17 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 11 de julho de 2018 
  30. Sales, Nancy Jo (6 de agosto de 2015). «Tinder and the Dawn of the 'Dating Apocalypse'». Vanity Fair. Consultado em 29 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2018 
  31. Bocknek, Alex (23 de setembro de 2018). «6 Swipe Dating Apps: Tinder, Bumble, & More». zoosk.com. Consultado em 26 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2019 
  32. Swisher, Kara (12 de agosto de 2015). «Tinder Founder Sean Rad Returns as CEO, Replacing Chris Payne». Vox. Consultado em 7 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2019 
  33. «Tinder Dating App More Expensive After Age 28». Refinery29. Consultado em 10 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 12 de julho de 2018 
  34. «Tinder ditches moments». 11 de novembro de 2015. Consultado em 25 de junho de 2017. Cópia arquivada em 7 de julho de 2017 
  35. «Tinder got rid of 'Moments' with yesterday's big update». SlashGear (em inglês). 13 de novembro de 2015. Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2021 
  36. Plaugic, Lizzie (1 de outubro de 2015). «Tinder will now let you 'Super Like' the people you really like». The Verge. Consultado em 7 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2017 
  37. «United States : Tinder Completes First Acquisition». Mena Report. Arquivado do original em 24 de setembro de 2015 
  38. «U.S. dating apps monthly user market share 2016 l Statistic». Statista (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2021 
  39. «Tinder Blazes a Trail For Match Growth». Fool.com (em inglês). 19 de dezembro de 2016. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  40. Crook, Jordan. «Tinder Boost, letting you pay to skip the line, goes live worldwide». TechCrunch. Consultado em 7 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2017 
  41. «Tinder Boost puts you top of the pile for 30 minutes». Engadget. AOL. Consultado em 28 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2016 
  42. Wagner, Kurt (19 de outubro de 2016). «Tinder is opening a Silicon Valley office and plans to double its workforce in the next 18 months». Recode. Consultado em 21 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2016 
  43. «Introducing More Genders on Tinder». Tinder. 15 de novembro de 2016. Consultado em 7 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2017 
  44. Wagner, Kurt (8 de dezembro de 2016). «Tinder's Sean Rad is stepping down as CEO to become chairman». Vox (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2021 
  45. «Match Group, Inc. Report on Form 10-K for the Fiscal Year ended December 31, 2018» (PDF). 28 de fevereiro de 2019. 38 páginas 
  46. Shead, Sam. «Tinder is making more money than any other app on the App Store right now». Insider (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2021 
  47. a b c d e «Match Group (MTCH) - Market capitalization». companiesmarketcap.com (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2021 
  48. a b Carman, Ashley (15 de março de 2021). «Tinder will soon let you run a background check on a potential date». The Verge (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2021 
  49. «Introducing Tinder Online – Swipe Anywhere». tinder blog. 28 de março de 2017. Consultado em 29 de março de 2017. Cópia arquivada em 6 de junho de 2017 
  50. «Tinder introduces its new web app». Deccan Chronicle (em inglês). 29 de março de 2017. Consultado em 23 de abril de 2021. Cópia arquivada em 23 de abril de 2021 
  51. «Tinder Online is now available globally». Twitter account from Roderick Hsiao, Tinder tech lead. 28 de setembro de 2017. Consultado em 10 de maio de 2018. Cópia arquivada em 10 de maio de 2018 
  52. «What is Flamite? Wondering why it was shut down?». DatingScout.com 
  53. Bertoni, Steven. «Tinder Hits $3 Billion Valuation After Match Group Converts Options». Forbes (em inglês). Consultado em 2 de novembro de 2021 
  54. «Tinder becomes top-grossing iOS app after letting people pay to see who likes them». The Verge. Consultado em 15 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2018 
  55. a b Meyersohn, Nathaniel (8 de novembro de 2017). «Tinder Gold is a massive hit». CNNMoney. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  56. Badkar, Mamta (8 de novembro de 2017). «Match shares propelled to all-time high as Tinder shines». Financial Times. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  57. Wells, Georgia (29 de maio de 2021). «Match Group, Former Employees Spar Over Handling of Sexual-Assault Allegation». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 1 de novembro de 2021 
  58. McCormick, Emily (8 de agosto de 2018). «Tinder Sends Match Earnings Blazing Past Estimates». Bloomberg News. Consultado em 8 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2018 
  59. «Introducing Tinder U». Tinder Blog. 21 de agosto de 2018. Consultado em 18 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 17 de abril de 2020 
  60. Perez, Sarah (10 de maio de 2019). «Tinder is preparing to launch a lightweight version of its dating app called 'Tinder Lite'». TechCrunch. Consultado em 10 de maio de 2019. Cópia arquivada em 10 de maio de 2019 
  61. «Match Group Reports Second Quarter 2019 Results» (PDF). 6 de agosto de 2019. Consultado em 6 de agosto de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 7 de agosto de 2019 
  62. Nelson, Randy. «Global App Revenue Reached $39 Billion in the First Half of 2019, Up 15% Year-Over-Year». Sensor Tower Blog. Consultado em 2 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2020 
  63. Carville, Olivia (6 de agosto de 2019). «Match Surges Most Ever as Tinder Leads Robust Revenue Growth». Bloomberg.com. Consultado em 7 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2019 
  64. Palmer, Annie (7 de agosto de 2019). «Tinder results add more than $5 billion to Match market cap» (em inglês). CNBC. Consultado em 7 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2019 
  65. Shu, Catherine (4 de setembro de 2020). «Tinder's interactive video event 'Swipe Night' will launch in international markets this month». TechCrunch. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2020 
  66. Carman, Ashley (4 de fevereiro de 2020). «Tinder made $1.2 billion last year off people who can't stop swiping». The Verge (em inglês). Consultado em 21 de abril de 2022 
  67. «Is Tinder Safe In 2021? Everything You Need To Know About Tinder Safety». boostmatches.com. 19 de fevereiro de 2020. Consultado em 28 de outubro de 2021 
  68. «Tinder to add panic button and anti-catfishing tech». BBC News. 24 de janeiro de 2020. Consultado em 24 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2020 
  69. Carman, Ashley (20 de março de 2020). «Tinder is letting everyone swipe around the world for free to find quarantine buddies». The Verge. Consultado em 12 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2020 
  70. Perez, Sarah (5 de agosto de 2020). «Match confirms plans for Tinder Platinum, a new top-level subscription for power users, arriving Q4». Techcrunch. Consultado em 24 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2020 
  71. Jahangir, Ramsha (16 de outubro de 2020). «Pakistan's Tinder ban signals coming showdowns with YouTube and Twitter». Coda Story. Consultado em 15 de abril de 2021. Cópia arquivada em 15 de abril de 2021 
  72. «Pakistan blocks Tinder and Grindr for 'immoral content'». BBC News. 2 de setembro de 2020. Consultado em 15 de abril de 2021. Cópia arquivada em 15 de abril de 2021 
  73. Elis-Petersen, Hannah; Meer Baloch, Shah. «Imran Khan's Tinder and Grindr ban in Pakistan criticised as 'hypocrisy'». The Guardian. Consultado em 15 de abril de 2021. Cópia arquivada em 14 de abril de 2021 
  74. «PTA bans five dating apps including Tinder citing 'immoral content'». Dawn. AFP. 1 de setembro de 2020. Consultado em 15 de abril de 2021. Cópia arquivada em 15 de abril de 2021 
  75. Hartmans, Avery (5 de novembro de 2020). «People continue to flock to Tinder and Hinge in droves to help fill the social void as the coronavirus stretches through the fall». Business Insider. Consultado em 7 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2020 
  76. Araque, Jacinto. «Tinder, the dating app, to sell phone cases, accessories and apparel under its 'Tinder Made' brand». Business Insider. Consultado em 3 de março de 2021. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2021 
  77. Chan, Tim (19 de março de 2021). «Tinder Giving Away Free Covid Testing Kits as People Start Dating IRL Again». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 23 de março de 2021. Cópia arquivada em 23 de março de 2021 
  78. Carman, Ashley (15 de março de 2021). «Tinder will soon let you run a background check on a potential date». The Verge (em inglês). Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 25 de março de 2021 
  79. «Tinder to tackle catfishing with ID verification». Sky News. Consultado em 17 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2021 
  80. «Jim Lanzone to Join Yahoo as Chief Executive Officer». 10 de setembro de 2021. Consultado em 21 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2021 
  81. «Match Appoints Renate Nyborg as Tinder's First Female CEO». Bloomberg.com. 10 de setembro de 2021. Consultado em 21 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2021 
  82. Culliford, Elizabeth (2 de dezembro de 2021). «Welcome to the Tinderverse: Tinder's CEO talks metaverse, virtual currency». Reuters (em inglês). Consultado em 20 de dezembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]