Titeuf

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Disambig grey.svg Nota: Para série animada, veja Titeuf (série de animação).
Titeuf
Titeuf.jpg
Estátua de Titeuf no frontão do mosteiro de Sainte-Cécile de Grenoble, sede da editora Glénat.
País de origem Suíça
Editora(s) Glénat
Número de álbuns 15
Género(s) Comédia
Autor(es) Zep
Colorista(s) Zep (volumes 2–10)
Bruno Chevrier (tomes 11–14)
Editora(s) lusófona(s) Brasil: Vergara & Riba
Companhia das Letras
Titeuf.png

Titeuf é o personagem principal de uma série de quadrinhos franco-belga criada por Zep, a série conta história de um menino chamado Titeuf e sua visão de atitudes e instituições adultas.[1] Fisicamente, o personagem é reconhecido por seu topete loiro.[2] A série foi adaptada para uma série de animação de 2001 e um filme de 2011 de mesmo nome.[3]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Titeuf foi inicialmente publicado no fanzine Sauve qui peut ("Salve-se quem puder" em francês) e foi descoberto pelo executivo da Glénat, Jean-Claude Camano.[4] Zep se juntou a Glénat em 1992 e Titeuf eventualmente se tornou um dos quadrinhos mais populares da França. O primeiro álbum Dieu, le sexe et les bretelles (Deus, Sexo e suspensórios) apareceu em 1993 e vendeu apenas alguns milhares de cópias, mas os álbuns subsequentes tiveram vendas muito maiores, e a série agora é considerada a mais lucrativa do mercado francês de quadrinhos.[5] A série foi adaptada em uma série de TV animada italiano-francesa em 2001, inicialmente transmitida no Canal J.[6] Em 2008, a Titeuf foi a série de quadrinhos com a maior circulação na França, com mais de 1,8 milhões de cópias por ano, três vezes o número da segunda série mais popular.[7]

Enredo[editar | editar código-fonte]

A série conta a história de Titeuf, um menino de oito ou dez anos de idade, com seu topete loiro característico, seus amigos e sua visão do mundo adulto. Grande parte da discussão é sobre os mistérios das meninas, sexo, sedução e Nadia, a menina que Titeuf está mais ou menos secretamente apaixonado. Uma grande característica de Titeuf são suas muitas expressões, notadamente "tchô" e "c'est pô juste". Ele é freqüentemente acompanhado por seus melhores amigos, Manu, Hugo e François. O nome de Titeuf vem do p'tit œuf ("ovo pequeno" em francês) porque Zep descobriu que seu personagem tinha a cabeça na forma de ovo.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

  • Em 2001, a série de quadrinhos é adaptada em séries de animação de mesmo nome. Os episódios possuem cerca de vinte minutos e são inicialmente transmitidos no Canal J na França.[8][9]

Por ocasião do vigésimo aniversário da existência do personagem, um filme animado em 3D intitulado Titeuf, o filme estréia no cinema francês em 6 de abril de 2011.[10][11][12]}[13] O filme é dirigido por Zep pessoalmente, e a voz original de Titeuf é assumida por Donald Reignoux.[11] Os diretores da empresa de produção MoonScoop, Benoît e Christophe di Sabatino, iniciaram o projeto de adaptação em uma série de filmes animados desde 2005;[11] Zep afirma que o filme está mais próximo do quadrinho original do que a série animada.[11]

Impacto[editar | editar código-fonte]

A série de quadrinhos está sendo traduzida para mais de 25 países, incluindo a República Popular da China.

Educação sexual[editar | editar código-fonte]

Um pequeno livro intitulado Guide du zizi sexuel, publicado pela Glénat, é comercializado em 2001. É um pequeno guia para fins educacionais e humorísticos, destinado a responder às questões colocadas pelos pré-adolescentes sobre o amor e o sexo. As páginas consistem em breves parágrafos escritos por Hélène Bruller, acompanhados de ilustrações humorísticas de Zep. Essas ilustrações mostram Titeuf e seus amigos, interagindo com os mistérios da vida. O livro discute temas principais que dizem respeito a pré-adolescentes como amor, procriação, preliminares e relações sexuais, entre outros. Uma exposição,Zizi sexuel, l'expo, baseada no guia, foi exibida de outubro de 2007 a janeiro de 2009 na Cité des sciences et de l'industrie em Paris. A exposição também esteve em Lille de 2 de junho de 2012 a 3 de março de 2013.[14]

Atribuição do primeiro nome na França[editar | editar código-fonte]

A popularidade do personagem de Titeuf levou os pais a dar esse nome a seus filhos, uma possibilidade que foi desafiada perante o juiz francês. Em termos de primeiro nome, a lei francesa é regida por uma lei de 8 de janeiro de 1993 que introduz um princípio de liberdade: os pais podem escolher para seu filho qualquer nome próprio, inclusive inventado; no entanto, este nome não deve ser "contrário ao interesse da criança" 22: este é particularmente o caso de um nome ridículo, grosseiro ou complexo. Se o registrador considerar que o nome de família declarado causa danos à criança, ele avisa o promotor público; o último pode encaminhar o caso para o tribunal de família, que julgará a legalidade do nome de identidade declarado e poderá, se necessário, ordenar a abolição dos registros do estado civil.

Quando, em 2009, os pais dão "Titeuf" para o primeiro nome para o filho, o oficial de estado civil considera esse nome contrariar o interesse da criança e adverte o promotor, que remete o juiz para assuntos familiares. Ele considera que o nome de identidade é realmente prejudicial e ordena sua remoção do estado civil, uma solução confirmada pelo Tribunal de Recurso de Versalhes em 2010. O acórdão de recurso, aprovado pelo Tribunal de Cassação,[15] refere, em particular, que Titeuf é "um personagem retratado como um cara não tão esperto", "caricatural, embora bastante legal, destinado a fazer rir as pessoas por causa de sua ingenuidade e as situações ridículas em que ele se encontra", que esse nome é "por natureza" para atrair o ridículo "e que a sua" associação com o caráter pre-adolescente ingênuo e desajeitado pode ser uma desvantagem real [...] tanto nas relações pessoais quanto profissionais".[16] Parece, portanto, que o primeiro nome de Titeuf deve ser levado à França apenas pelo herói dos quadrinhos.[17]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Em 2007, a editora Companhia das Letras publicou o livro Le Guide du zizi sexuel, escrito por Hélène Bruller e ilustrado por Zep com o título Aparelho Sexual e Cia - Um guia inusitado para crianças descoladas.[18] O livro virou alvo de uma controvérsia ao ser mencionado pelo então candidato à presidência Jair Bolsonaro,que chamou de "kit gay" e que esse seria distribuído em escolas brasileiras, tanto a editora, quanto o Ministério da Educação negaram tal fato.[19]

Os quatro primeiros álbuns da série foram lançados entre 2012[20] e 2013 pela editora Vergara & Riba.[21] Ainda em 2012, o filme animado foi exibido no Festival Varilux de Cinema Francês[3],sendo lançado,logo em seguida,em circuito comercial,pela distribuidora Europa Filmes. Posteriormente,a distribuidora lançou o filme em DVD no Brasil.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Dieu, le sexe et les bretelles (Deus, o sexo e os suspensórios), 1992
  2. L'Amour, c'est pô propre... (O amor, não é "limpo"), 1993
  3. Ça épate les filles... (Impressiona as meninas), 1994
  4. C'est pô juste... (Isso não é justo...), 1995
  5. La derrière des choses (A última das coisas), 1996
  6. Tchô, monde cruel (Tchau, mundo cruel), 1997
  7. Le miracle de la vie (O milagre da vida), 1998
  8. Lâchez-moi le slip! (Deixa-me a cueca), 2000
  9. La loi du préau (A lei do pátio), 2002
  10. Nadia se marie, (Nadia se casa) 2004
  11. Mes meilleurs copains (Meus melhores amigos), 2006
  12. Le sens de la vie (O senso da vida), 2008

Referências

  1. Vergara & Riba lança Titeuf, de ZEP
  2. V&R lança terceiro volume de Titeuf
  3. a b Sucesso no quadrinhos, Titeuf funciona bem na tela grande
  4. TV5Monde. «Émission du 22 mars» 
  5. Castrillón, Marcos. «Beyond Borders - Not That Innocent». Ninth Art 
  6. CanalSat. «Titeuf» [ligação inativa]
  7. «Bilan 2008». Association des Critiques et des journalistes de Bande Dessinée. 2009 
  8. «Casting & infos sur la série Titeuf». Sens Critique 
  9. «Titeuf, fiche technique». Allociné 
  10. Ariane Allard (4 de abril de 2011). «Zep - Interview». Artistik Rezo 
  11. a b c d Sophie Benamon (5 de abril de 2011). «Rencontre avec Zep, le papa de Titeuf». L'express 
  12. «Titeuf, le film». télérama 
  13. Hélène Rietsch (1 de fevereiro de 2013). «Titeuf a déjà 20 ans». Sud Ouest 
  14. Marie L. «Zizi sexuel l'expo !». Lille Aujourd'hui 
  15. «Cour de cassation, 1 chambre civile, n°10-27512 et 11-19963». 15 de fevereiro de 2012 
  16. Pascale Robert Diart (15 de fevereiro de 2012). «Ne m'appelez plus Titeuf!». Le Monde 
  17. «Il est interdit d'appeler son bébé Titeuf». LCI. 17de fevereirp de 2012. Consultado em 6 de janeiro de 2018. Arquivado do original em 4 de março de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  18. Aparelho Sexual e Cia -Um guia inusitado para crianças
  19. Companhia das Letras anuncia relançamento de livro citado por Bolsonaro
  20. Quadrinhos de Titeuf chegam ao Brasil pela Vergara & Riba
  21. Vergara & Riba lança quarto volume de Titeuf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Titeuf
Ícone de esboço Este artigo sobre banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.