Tomás Villalba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tomás Villalba
Tomás Villalba
Presidente interino do Uruguai
Período 15 de fevereiro de 1865 - 20 de fevereiro de 1865
Antecessor(a) Atanasio Cruz Aguirre
Sucessor(a) Venancio Flores
Dados pessoais
Nome completo Tomás Villalba Albín
Nascimento 9 de dezembro de 1805
Dolores, Uruguai
Morte 12 de julho de 1886 (80 anos)
Montevidéu, Uruguai
Partido Partido Nacional
Profissão empresário e político

Tomás Villalba Albín (Dolores, 9 de dezembro de 180512 de julho de 1886) foi um empresário e político uruguaio, servindo como presidente interino de seu país entre 15 de fevereiro e 20 de fevereiro de 1865.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado ministro das Finanças pelo presidente Bernardo Prudencio Berro, em 8 de março de 1860. Em 1863, foi eleito senador por Canelones, em uma eleição primeiramente anulada, mas posteriormente votada e confirmada. Foi escolhido por seus pares para desempenhar o cargo de Presidente do Senado, em 15 de fevereiro de 1865.[1]

Durante a Guerra do Uruguai, e com o fim do mandato presidencial de Atanasio Cruz Aguirre, Tomás Villalba foi eleito pelo Senado para assumir a presidência.[2] Tropas francesas, italianas e espanholas desembarcaram em Montevidéu, a pedido de Villalba, para dissuadir os blancos radicais de tentarem um golpe para retomar o poder.[3] Villalba entrou em conversações com Venancio Flores e José Maria da Silva Paranhos e, com o ministro residente italiano Raffaele Ulisse Barbolani servindo como intermediário, foi alcançado um acordo. Flores e Manuel Herrera y Obes (representando o governo de Villalba) assinaram um acordo de paz em 20 de fevereiro de 1865, em Villa de la Unión. Uma anistia geral foi concedida tanto a blancos quanto a colorados, e Villalba passou a presidência para Flores em caráter provisório até que eleições pudessem ser realizadas.[4]

Referências

  1. Melogno Vélez, Fabian. «Biografia - Tomás Villalba». Real Academia de la Historia. Consultado em 12 de fevereiro de 2020 
  2. Golin 2004, p. 309; Tasso Fragoso 2009, p. 250; Whigham 2002, p. 235.
  3. Bormann 1907, pp. 251–252; Schneider 2009, p. 95; Whigham 2002, p. 236.
  4. Bormann 1907, pp. 252–255, 257–265; Golin 2004, pp. 310–312; Tasso Fragoso 2009, p. 251; Whigham 2002, p. 236.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bormann, José Bernardino (1907). A Campanha do Uruguay (1864–65). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional 
  • Golin, Tau (2004). A Fronteira. 2. Porto Alegre: L&PM. ISBN 978-85-254-1438-0 
  • Schneider, Louis (2009). A Guerra da Tríplice Aliança Contra o Paraguai. Porto Alegre: Pradense. ISBN 978-85-89072-13-7 
  • Tasso Fragoso, Augusto (2009). História da Guerra entre a Tríplice Aliança e o Paraguai. 1 3ª ed. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército 
  • Whigham, Thomas L. (2002). The Paraguayan War: Causes and Early Conduct (em inglês). 1. Lincoln, Nebrasca: University of Nebraska Press. ISBN 978-0-8032-4786-4 

Precedido por
Atanasio Cruz Aguirre
Presidente do Uruguai
1865
Sucedido por
Venancio Flores
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.