Tomada da Grande Mesquita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tomada da Grande Mesquita
Saudi soldiers, Mecca, 1979.JPG
Soldados sauditas lutando em Meca.
Período 20 de novembro – 4 de dezembro de 1979
Local Meca, Arábia Saudita
Resultado Vitória do governo saudita
Participantes do conflito
Arábia Saudita

Apoio:

Flag of Ikhwan.svg Ikhwan
Líderes
Arábia Saudita Rei Khalid
Arábia Saudita Príncipe Fahd
Arábia Saudita Príncipe Abdullah
Arábia Saudita Príncipe Nayef
Arábia Saudita Badr bin Abdul-Aziz
Arábia Saudita Turki bin Faisal
Arábia Saudita General Faleh al Dhaheri
Arábia Saudita Tenente A. Qudheibi
Arábia Saudita Major M. Zuweid al Nefai
França Paul Barril
Flag of Ikhwan.svg Juhayman al-Otaybi
Flag of Ikhwan.svg Abdullah al-Qahtani
Flag of Ikhwan.svg Mohammed Faisal White flag icon.svg
Flag of Ikhwan.svg Mohammed Elias White flag icon.svg
Forças
10 000 homens 300 – 600 militantes
Baixas
127 mortos
451 feridos
117 mortos
68 executados

A Tomada da Grande Mesquita ocorreu entre novembro de dezembro de 1979 quando extremistas islâmicos invadiram a mesquita Masjid al-Haram em Meca na Arábia Saudita para tirá-la do controle da família real da Casa de Saud acusada pelos mesmos de profanação,[1] os insurgentes declararam que o Mádi (o redentor do islã) havia retornado na forma de um dos seus líderes Mohammed Abdullah al-Qahtani, e convocou os muçulmanos a obedecê-lo.

Os extremistas fizeram milhares de reféns, além de centenas de mortes, tendo sido encerrada após a ação da Guarda Nacional da Arábia Saudita e do Exército da Arábia Saudita com o apoio do Groupe d'Intervention de la Gendarmerie Nationale (GIGN) da França.

Referências