Tomada elétrica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tipos de tomada comuns no Brasil, sem ligação de terra
Plugue com haste terra conforme novo padrão brasileiro da NBR 14136:2002 baseada na norma internacional IEC 60906-1.

Uma tomada elétrica é o ponto de conexão que fornece a eletricidade principal a um plugue (português brasileiro) ou ficha (português europeu) macho conectado a ela. As mais comuns têm dois terminais, utilizados em circuitos monofásicos ou bifásicos, um para a fase e outro para o neutro (no caso de monofásico) ou um para cada fase (no caso de bifásico), e algumas também têm um terceiro, denominado "ligação de terra" ou simplesmente "terra". Existem também outras tomadas com mais terminais, de 3 (corrente trifásica), 4 ou mais, normalmente para uso na indústria.[1]

Novo padrão de tomadas do Brasil[editar | editar código-fonte]

Plugues de dois e três pinos e tomada no padrão NBR 14136, utilizado no Brasil desde 2009.

Desde o dia 1º de julho de 2011[2], a NBR 14136 (baseada na norma internacional IEC 60906-1) é o padrão oficial de tomadas no Brasil. A venda de outros tipos de tomada é proibida pelo Inmetro desde esta data. O padrão foi escolhido por ser mais seguro e por contar com o condutor terra.[3] Há o modelo apropriado para aparelhos que necessitem de corrente até 10A e até 20A, funcionando no segundo modelo, ambos os tipos de aparelhos.[4] Os aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos produzidos atualmente e certificados pelos Inmetro devem sair de fábrica com o novo modelo de tomadas.

O novo padrão foi desenvolvido por um grupo coordenado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas e integrado por fabricantes de aparelhos elétricos e de plugues e tomadas.[2]

O padrão não segue a norma IEC 60906-1 completamente, já que esta prega o uso da tomada com dois ou três pinos redondos e formato sextavado similar ao adotado no Brasil, porém apenas para redes de 220 ou 230 volts; nas redes de 110 ou 120 volts, a indicação utilizar a tomada de pinos chatos, como os empregados nos Estados Unidos e no Japão, para assim evitar o uso de aparelhos em tomadas com a tensão incorreta.[2] Outra diferença é que o padrão internacional indica pinos de 4,5 mm de diâmetro e corrente máxima de 16 amperes, enquanto o padrão brasileiro especifica dois diâmetros de pinos: 4 mm para aparelhos com corrente de até 10 amperes e 4,8 mm para aqueles que consomem entre 10 e 20 amperes. [2]

Ainda existe muita reclamação quanto à adaptação ao novo padrão de tomadas, por este ser mais caro e pela dificuldade de encontrar adaptadores para aparelhos no antigo padrão e importados no padrão NEMA norte-americano.

Pelo diagrama da figura ao lado, representando a tomada do ponto de vista do observador, o orifício da esquerda deve ser conectado à Fase; o da direita, ao Neutro; e o central, desalinhado para baixo, ao Terra. Muita atenção, pois se a tomada estiver na posição invertida ou sem referência, como no caso das tomadas verticais, há risco de conexão incorreta.

Observe-se que o novo padrão inverte a polaridade das tomadas tripolares anteriores, de dois pinos chatos e um redondo, que era Neutro-Fase-Terra, a partir da direita, o terra sendo o pino redondo, visto abaixo dos pinos chatos. Mantida a perspectiva do pino central para baixo, que segue sendo o Terra, Fase e Neutro trocaram de posições relativas, e são todos redondos. Isso gera problemas com adaptadores e tomadas polarizadas do padrão americano(aquelas onde um dos pinos chatos é mais largo que o outro), pois há inversão entre Fase e Neutro.

Nas aplicações não polarizadas (é o caso de carregadores para telefones móveis celulares e para aparelhos de baixo consumo), isso não acarreta problema algum. Porém, nas aplicações polarizadas — aquelas para as quais a sequência de polaridade é essencial — como estabilizadores de tensão e modernos eletrodomésticos em geral, que exigem aterramento e dispõem de terminal apropriado para esse fim, há risco de dano ao equipamento ou à segurança das pessoas. Nestes casos é melhor providenciar a substituição da tomada, ou do plugue, ou de ambos, conforme o caso. Nunca se devem utilizar adaptadores.

Segundo o Inmetro, desde 2006, todas as novas construções no Brasil só recebem o "Habite-se" se tiverem tomadas neste novo padrão.[2]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Padão AS/NZS 3112, utilizado na Oceania 
Padrão NEMA norte-americano 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Tomada elétrica

Referências

  1. http://eletro.g12.br/arquivos/materiais/eletronica3.pdf
  2. a b c d e Erro Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  3. Inmetro. «Plugues e Tomadas». Consultado em 2 de novembro de 2012. 
  4. [1]
Ícone de esboço Este artigo sobre Eletricidade é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.