Tonsilite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Amigdalite
Faringite estreptocócica com exsudato nas amígdalas
Classificação e recursos externos
CID-10 J03, J35.0
CID-9 463
DiseasesDB 13165
eMedicine ent/314
MeSH D014069
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Amigdalite ou tonsilite é uma inflamação das amígdalas, geralmente de início rápido.[1] É um tipo de faringite.[2] Os sintomas incluem inflamação da garganta, febre, aumento de volume das amígdalas, dificuldade em engolir e aumento de volume dos gânglios linfáticos à volta do pescoço.[1] Entre as possíveis complicações está o abcesso peritonsilar.[3]

A causa mais comum de amigdalite são infeções virais. Apenas 5% a 10% dos casos são causados por infeções bacterianas.[4][5] Quando a causa são bactérias estreptococo do grupo A, denomina-se faringite estreptocócica.[6] São raros os casos causados pelas bactérias Neisseria gonorrhoeae, Corynebacterium diphtheriae ou Haemophilus influenzae.[4] A infeção é geralmente transmitida por via aérea.[5] O diagnóstico pode ser confirmado mediante recolha de um esfregaço ou com testes rápidos de deteção de estreptococo.[4]

O tratamento consiste no alívio dos sintomas e em diminuir o risco de complicações.[4] As dores podem ser aliviadas com paracetamol ou ibuprofeno.[4] Em casos de faringite estreptocócica geralmente recomenda-se a administração de penicilina por via oral.[4] Em pessoas alérgicas à penicilina podem ser administradas cefalosporinas ou macrólidos.[4] Em crianças com episódios recorrentes de amigdalite, a tonsilectomia diminui ligeiramente o risco de novos episódios.[7]

A cada período de três meses, cerca de 7,5% das pessoas apresentam uma inflamação da garganta. Em cada ano, 2% das pessoas consultam um médico devido a amigdalites.[8] A doença é mais comum entre crianças em idade escolar e geralmente ocorre nos meses de outono ou inverno.[4][5] A maioria das pessoas recupera com ou sem medicação.[4] EM 40% dos casos, os sintomas desaparecem em três dias. Em 80% dos casos não se manifestam sintomas após uma semana, mesmo quando é causada por estreptococos.[9] Os antibióticos apenas diminuem a duração dos sintomas em cerca de 16 horas.[9]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os principais sintomas são dor de garganta, dores difusas pelo corpo, dor na nuca, febre, cansaço, falta de apetite, dificuldade de respirar e dor de cabeça. O diagnóstico mais comum é observar a dilatação das amígdalas, estudar o histórico familiar e verificar a temperatura com um termômetro.

Tipos[editar | editar código-fonte]

Existem 3 tipos principais de tonsilites: aguda, subaguda e crônica. A tonsilite aguda pode ser de origem tanto bacteriana quanto viral (mais comum, 75%). A tonsilite subaguda (que pode durar entre 3 semanas e 3 meses) é causada pela bactéria Actinomyces. A tonsilite crônica, que pode durar por longos períodos se não tratada, é quase sempre bacteriana.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

A tonsilite bacteriana é tratada mais comumente com antibióticos beta-lactâmicos ou macrolídeos.

A tonsilite viral não requer tratamento. Apenas o tratamento sintomático basta, tendo em vista que a tonsilite viral possui um ciclo natural, de modo que a cura ocorre em poucos dias.

Estudo da Universidade do Nebraska (APPICE et al., 2009) aponta que vibrações das cordas vocais produzidas no ato de cantar podem contribuir em alguns casos para alívio da inflamação mais comum causada pela bactéria Streptococcus pyogenes, em função da fragmentação da placa bacteriana. PADAVONA (2011) não conseguiu reproduzir os mesmos resultados do estudo de 2009, porém ressalta o efeito anti-inflamatório da liberação de endorfinas e dopamina produzida pelo canto, bem como melhoras no sistema imunológico.

Complicações[editar | editar código-fonte]

Um abscesso pode se desenvolver lateralmente à tonsila durante uma infecção, tipicamente diversos dias após o início da tonsilite. Isto é chamado de abscesso peritonsilar.

Raramente a infecção pode se espalhar além da tonsila resultando em inflamação e infecção da veia jugular interna, dando origem a uma infecção septicêmica que se espalha (síndrome de Lemierre).

Em casos crônicos/recidivantes (geralmente definidos como sete episódios de tonsilites no ano anterior, cinco episódios em cada um dos dois anos anterior ou três episódios em cada um dos três anos anteriores),[10][11][12] ou em casos agudos onde as tonsilas palatinas se tornaram tão inchadas que a deglutição foi prejudicada, uma tonsilectomia pode ser realizada para remover as tonsilas. Pacientes cujas tonsilas foram removidas certamente ainda estarão protegidos de infecções pelo resto de seu sistema imune.

Bactérias se alimentando do muco que se acumula nos espaços das tonsilas (criptas) podem produzir depósitos amarelo-esbranquiçados conhecidos como tonsilólitos. Isso pode causar uma emissão de um odor devido a presença de compostos sulfúricos voláteis.

A hipertrofia das tonsilas pode resultar em roncos, respiração oral, problemas no sono e apnéia do sono obstrutiva, na qual o paciente para de respirar e apresenta uma queda na concentração de oxigênio na corrente sanguínea. Uma tonsilectomia pode curar estes problemas.

Em casos muito raros, doenças como febre reumática[13] ou glomerulonefrite[14] podem ocorrer. Estas complicações são extremamente raras em países desenvolvidos mas ainda continuam sendo um problema em países pobres.[15][16]


Referências

  1. a b «Tonsillitis». PubMed Health. Consultado em 30 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2017 
  2. «Tonsillitis». Consultado em 4 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 25 de março de 2016 
  3. Klug, TE; Rusan, M; Fuursted, K; Ovesen, T (agosto de 2016). «Peritonsillar Abscess: Complication of Acute Tonsillitis or Weber's Glands Infection?». Otolaryngology--head and neck surgery : official journal of American Academy of Otolaryngology-Head and Neck Surgery. 155 (2): 199–207. PMID 27026737. doi:10.1177/0194599816639551 
  4. a b c d e f g h i Windfuhr, JP; Toepfner, N; Steffen, G; Waldfahrer, F; Berner, R (abril de 2016). «Clinical practice guideline: tonsillitis I. Diagnostics and nonsurgical management.». European Archives of Oto-Rhino-Laryngology. 273 (4): 973–87. PMID 26755048. doi:10.1007/s00405-015-3872-6 
  5. a b c Lang, Florian (2009). Encyclopedia of Molecular Mechanisms of Disease (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. p. 2083. ISBN 9783540671367. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2016 
  6. Ferri, Fred F. (2015). Ferri's Clinical Advisor 2016: 5 Books in 1 (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. PA1646. ISBN 9780323378222. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2016 
  7. Windfuhr, JP; Toepfner, N; Steffen, G; Waldfahrer, F; Berner, R (abril de 2016). «Clinical practice guideline: tonsillitis II. Surgical management.». European Archives of Oto-Rhino-Laryngology. 273 (4): 989–1009. PMID 26882912. doi:10.1007/s00405-016-3904-x 
  8. Jones, Roger (2004). Oxford Textbook of Primary Medical Care (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 674. ISBN 9780198567820. Cópia arquivada em 18 de agosto de 2016 
  9. a b Spinks, A; Glasziou, PP; Del Mar, CB (5 de novembro de 2013). «Antibiotics for sore throat.». The Cochrane database of systematic reviews. 11: CD000023. PMID 24190439. doi:10.1002/14651858.CD000023.pub4 
  10. «6.3 Referral Criteria for Tonsillectomy». Management of Sore Throat and Indications for Tonsillectomy. [S.l.]: Scottish Intercollegiate Guidelines Network. Janeiro de 1999. ISBN 1-899893-66-0  - notes though that these criteria "have been arrived at arbitrarily" from:
    Paradise JL, Bluestone CD, Bachman RZ; et al. (1984). «Efficacy of tonsillectomy for recurrent throat infection in severely affected children. Results of parallel randomized and nonrandomized clinical trials». N. Engl. J. Med. 310 (11): 674–83. PMID 6700642 
  11. Paradise JL, Bluestone CD, Colborn DK, Bernard BS, Rockette HE, Kurs-Lasky M (2002). «Tonsillectomy and adenotonsillectomy for recurrent throat infection in moderately affected children». Pediatrics. 110 (1 Pt 1): 7–15. PMID 12093941  - this later study by the same team looked at less severely affected children and concluded "modest benefit conferred by tonsillectomy or adenotonsillectomy in children moderately affected with recurrent throat infection seems not to justify the inherent risks, morbidity, and cost of the operations"
  12. Wolfensberger M, Mund MT (2004). «[Evidence based indications for tonsillectomy]». Ther Umsch (em alemão). 61 (5): 325–8. PMID 15195718  - review of literature of the past 25 years concludes "No consensus has yet been reached, however, about the number of annual episodes that justify tonsillectomy"
  13. Del Mar CB, Glasziou PP, Spinks AB (2004). «Antibiotics for sore throat». Cochrane Database Syst Rev (2): CD000023. PMID 15106140. doi:10.1002/14651858.CD000023.pub2  - Meta-analysis of published research
  14. Zoch-Zwierz W, Wasilewska A, Biernacka A; et al. (2001). «[The course of post-streptococcal glomerulonephritis depending on methods of treatment for the preceding respiratory tract infection]». Wiad. Lek. (em polaco). 54 (1-2): 56–63. PMID 11344703 
  15. «Antibiotics for sore throat to prevent rheumatic fever: Yes or No? How the Cochrane Library can help». CMAJ. 171 (7). 28 de setembro de 2004. doi:10.1503/cmaj.1041275  - Canadian Medical Association Journal commentary on Cochrane analysis
  16. «Treatment of sore throat in light of the Cochrane verdict: is the jury still out?». MJA. 177 (9): 512-515. 2002  - Medical Journal of Australia commentary on Cochrane analysis