Tony Hillerman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Tony Hillerman
Nascimento 27 de maio de 1925
Condado de Pottawatomie
Morte 26 de outubro de 2008 (83 anos)
Albuquerque
Cidadania Estados Unidos
Ocupação escritor, romancista, roteirista
Prêmios
Empregador Universidade do Novo México
Causa da morte insuficiência respiratória

Anthony Grove Hillerman assinava como Tony Hillerman (27 de Maio de 1925 – outubro 26, 2008)[1] foi um escritor norte-americano de romances policiais e não-ficção. Várias de suas obras foram adaptadas, como peças de teatro e filmes de televisão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ele nasceu em Sacred Heart, Oklahoma. Seu pai August Alfred Hillerman, era agricultor e comerciante e sua mãe era Lucy Grove. Ele era o caçula de três filhos. Seus avós paternos nasceram na Alemanha e seus avós maternos nasceram na Inglaterra. Ele cresceu em Pottawatomie County, Oklahoma.

Ele foi um condecorado veterano de combate da Segunda Guerra Mundial, servindo de agosto de 1943 a outubro de 1945. Ele serviu como na 103ª Divisão de Infantaria. Ele ganhou a Estrela de Prata, a Estrela de Bronze, e um Coração Púrpura. Ele frequentou a Universidade de Oklahoma após a guerra, casando com Marie Unzner, uma estudante de microbiologia, eles tiveram um filho biológico e cinco crianças adotadas.[1]

De 1948 até 1962, ele trabalhou como jornalista em Santa Fé, Novo México.[2]

Ele ensinou jornalismo de 1966 a 1987 na Universidade do Novo México, em Albuquerque, e também começou a escrever romances.[3]

Carreira literária[editar | editar código-fonte]

A crítica qualificou seus livros como "etnológicos", pelo fato de a maioria das suas histórias se passarem nas reservas dos índios Navajo.[3] Muitos dos seus livros eram marcados por um ambiente de conflito, com personagens em luta para que fossem mantidas tradições ancestrais. O herói de muitos desses livros era o personagem Joe Leaphorn, tenente da polícia tribal. O contexto Navajo é consequência de um encontro revelador que o escritor tivera com os índios.[3]

Morte[editar | editar código-fonte]

Tony Hillerman morreu em 26 de outubro de 2008, de insuficiência pulmonar em Albuquerque com a idade de 83.[1] Ele viveu em Albuquerque com sua esposa Marie, até sua morte. No momento de sua morte, eles tinham 60 anos de casados e dez netos.[4]

Obras (parcial)[editar | editar código-fonte]

Joe Leaphorn e Jim Chee[editar | editar código-fonte]

Continuação póstuma[editar | editar código-fonte]

A filha de Tony Hillerman, Anne Hillerman, deu continuidade ao trabalho do pai.

Outros[editar | editar código-fonte]

Referências