Tornado de Joplin de 2011

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O tornado de Joplin de 2011 foi um catastrófico tornado EF5 de múltiplos vórtices que atingiu Joplin, Missouri, no final da tarde do domingo, 22 de maio de 2011. Fez parte de uma onda de tornados que afetou os Estados Unidos no final do mês de maio daquele ano. Atingiu diâmetro de 1,6 km durante o seu trajeto através da parte sul da cidade.[1] Rapidamente intensificou-se e atravessou a cidade na direção ocidental e continuou caminho através da Interestadual 44 por entre as regiões rurais do Condado de Jasper e o Condado de Newton.[2] Este foi o terceiro tornado a atingir Joplin desde maio de 1971.[3]

No total, o tornado custou a vida de 158 pessoas (incluindo 4 mortes indiretas), feriu outras 1 150 outras e causou danos que rondam a ordem dos US$ 2,8 biliões. Foi o tornado mais mortífero a atingir os Estados Unidos desde os tornados de Grazier-Higgins-Woodward de 1947, e o sétimo mais mortífero no geral. Também é o tornado que, sozinho, causou mais prejuízos na história americana.

Numa estimativa preliminar, os pagamentos de seguros foram estimados em US$ 2,2 biliões; o maior valor na história do estado do Missouri, maior que o recorde anterior de US$ 2 bilhões da tempestade de granizo de 10 de Abril de 2001, que é considerada a mais custosa tempestade de granizo da história, quando ela causou destruição ao longo da rodovia interestadual 70, do Kansas até o Illinois.[4] As primeiras estimativas mostraram que valor dos danos podiam chegar a US$3 biliões. Até 15 de julho de 2011, registaram-se 16 656 solicitações de pagamentos de seguro.[5]

Sinopse meteorológica[editar | editar código-fonte]

O tornado inicialmente tocou o solo a leste da divisa com o estado do Kansas próximo do final da rua 32ª às 5h34 pm CDT (22h34 UTC) e tomou a direção leste, derrubando umas poucas árvores, com intensidade EF0. Testemunhas e caçadores de tempestades informaram a presença de múltiplos vórtices ao redor da circulação principal naquela área.[6][7] As sirenes da defesa civil começaram a soar em Joplin 20 minutos antes da chegada do tornado em resposta aos "avisos de tornados" emitidos pelo Serviço Nacional de Meteorologia, mas muitos residentes de Joplin não deram atenção a eles.[8] Rapidamente o tornado se fortaleceu à intensidade EF1 no momento em que ele percorria áreas rurais em direção a Joplin, arrancando árvores e postes de energia elétrica e danificando partes externas de edifícios. O tornado crescia em largura e neste momento percorreu o sudoeste de Joplin, uma área mais densamente povoada, próximo do Twin Hills Country Club. Muitas casas foram severamente danificas com intensidade entre EF1 a EF2 numa subdivisão desta área. O tornado continuou a se fortalecer enquanto atravessava outra parte da mesma área logo a leste da estrada Iron Gates. Numerosas casas foram destruídas neste local com danos classificados entre EF2 a EF3, múltiplos veículos foram lançados ao ar e alguns foram arremessados contra as residências.[6]

Danos de categoria EF5 no hospital St. John's Regional Medical Center, que mais tarde teve que ser demolido devido às deformações de sua fundação e sistema de sustentação.
Vista aérea da área do St. John's Regional Medical Center
Área destruída pela passagem do tornado.

O agora grande tornado então cruzou a avenida S. Schifferdecker, produzindo a primeira área de danos EF4 quando vários edifícios comerciais pequenos mas bem construídos, foram arrasados. Danos consistentes com as intensidades EF4 a EF5 foram notadas no leste da avenida S Schifferdecker e continuaram na maior parte do sul de Joplin. Numerosas casas, empresas e clínicas foram completamente destruídos nesta área, com paredes de concreto colapsadas e esmagadas até a fundação. Uma grande estrutura de aço reforçado que dava passagem para um edifício médico destruído foi "levantada por várias polegadas e rachou". Treliças de aço de algumas construções ficaram "enroladas como papel", e deformação/torção de vigas mestras de sustentação foram notadas. Múltiplos veículos foram lançados ao ar e destroçados ou jogados contra as árvores próximas chegando a ficar presos aos troncos. Vários bate-rodas de concreto pesando 136 kg cada (300 libras), ancorados com vergalhões, foram arrancados de um estacionamento nesta área, e foram arremessados a 55 metros de distância (60 jardas). O engenheiro eólico Parka Sarkar, da Universidade Estadual de Iowa, calculou a força necessária para remover esses objetos de concreto e chegou à conclusão que foram necessários ventos superiores a 320 km/h (200 mph) para arrancá-los do estacionamento.[9] Os danos tornaram-se notavelmente generalizados e catastróficos nos arredores do hospital St. John's Regional Medical Center. O hospital sofreu danos em várias janelas, paredes internas, tetos, e parte de seu telhado, e seu helicóptero foi arremessado e destruído. Seis fatalidades foram registradas ali, e o edifício de nove andares foi tão severamente danificado que foi considerado estruturalmente comprometido, e mais tarde demolido. Uma inspeção feita no local revelou que a fundação e o sistema de sustentação foram tão danificados a ponto de impossibilitar o reparo. De acordo com o escritório do NWS em Springfield, Missouri, esses danos estruturais em uma estrutura tão grande e bem construída são indicativos certos de ventos iguais ou superiores a 320 km/h.[6] Veículos que estavam no estacionamento do hospital foram lançados e destruídos a ponto de ser quase impossível identificá-los, incluindo um caminhão que foi arremessado a 114 metros (125 jardas) de distância e ficou preso ao redor do tronco de uma árvore. Um rastro de destroços levados pelo vento foi observado nesta área, e outros bate-rodas foram removidos do estacionamento do hospital St. John's.[10] Praticamente todas as casas da vizinhança próximas ao McClelland Boulevard e a Rua 26ª foram arrasadas, algumas foram totalmente varridas (não sobrando nem os destroços), e as árvores foram severamente afetadas, sendo os galhos e as cascas dos troncos arrancados.[6][11]

Enquanto o tornado avançava na direção leste, ele manteve a categoria EF5 quando cruzou a Main Street entre as ruas 20ª e 26ª. Virtualmente todos as empresas ao longo desse trecho foram muito danificadas ou destruídas, bem como vários edifícios institucionais. Ele passou pelo sul da parte central da cidade, e por pouco não a atingiu. Bairros inteiros foram completamente arrasados nesta área. Em alguns locais, os pisos de entrada das residências, feitas de concreto reforçado, foram deformadas ou, em alguns casos, completamente arrancados. Numerosos veículos foram arremessados à distância de vários quarteirões de seus locais originais, e algumas pessoas jamais encontraram os seus automóveis.[6] Uma grande igreja, o Greenbriar Nursing Home, o Franklin Technology Center, o St. Mary's Catholic Church and School e o Joplin High School foram todos destruídos ao longo deste corredor. Ninguém estava neste colégio naquela hora; as cerimônias de formatura foram realizadas aproximadamente 4,8 km (3 milhas) ao norte, na Universidade do Sul do Estado do Missouri  e foram concluídas pouco antes da tempestade. Pedaços de papelão foram encontrados encravados em paredes de estuque que permaneceram de pé na Joplin High School. Vigas de aço e pedaços de cercas foram profundamente enterradas no solo em campos perto da escola, bem como mourões de aço foram dobrados até o chão em direções opostas. Um ônibus escolar foi jogado em uma garagem nas proximidades. O lar de idosos Greenbriar foi completamente destruído, e 21 fatalidades ocorreram somente neste local.[11] À medida que o tornado atravessou a avenida Connecticut mais ao leste, destruiu vários grandes edifícios de apartamentos, o supermercado Dillon's, e um banco. Apenas o cofre de concreto restou nesse local, e um pedaço de madeira foi encontrado encravado em um meio-fio de concreto naquela área.[12] O tornado então se aproximou da estrada Range Line, a principal via comercial na parte oriental de Joplin, arrasando mais áreas ao longo da rua 20ª.[6]

O tornado, agora muito pouco visível por estar encoberto pela pesada precipitação, continuou com a intensidade EF5 enquanto cruzava a estrada Range Line. Nesse corredor, entre as ruas 13ª e 32ª, os danos continuaram catastróficos e o tornado atingiu o seu ápice em diâmetro, com uma largura aproximada de 1,6 km (1 milha). Quando o tornado atingiu o restaurante Pizza Hut na estrada South Range Line 1901, o gerente do local Christopher Lucas conduziu quatro empregados e 15 clientes para dentro de uma câmara frigorífica. Uma vez que a porta não podia ser fechada, Lucas enrolou uma corda elástica e tentou mantê-la cerrada em torno de seus braços. Infelizmente ele foi sugado para dentro do tornado, onde morreu.[13][14] O tornado destruiu completamente o Walmart Supercenter No. 59, uma loja da rede Home Depot, e outras numerosas empresas e restaurantes nessa área, muitas delas foram totalmente arrasadas. Vigas de aço que faziam a sustentação do telhado foram arrancadas do edifício da Home Depot e foram encontrados totalmente deformados em campos próximos. Carros que estavam no estacionamento daquele estabelecimento foram encontrados a centenas de metros de distância. O asfalto foi arrancado dos estacionamentos do Walmart e de uma pizzaria próxima, e grandes carretas foram lançadas a até 180 metros de distância. Uma loja de artigos esportivos localizada na Range Line sofreu pesados danos estruturais e uma cadeira foi encontrada encravada pelas pernas numa parede de estuque naquele local. Um complexo de apartamentos de três andares foi também devastado, e duas torres de celulares desabaram e os destroços foram encontrados junto aos escombros dos apartamentos. Numerosos carros foram lançados e empilhados uns sobre os outros, tampas de bueiro com aproximadamente 45 kgs (100 libras) foram sugados das estradas e arremessados, o solo foi "cavado" pelo vento em alguns locais e uma planta de distribuição da Pepsi foi completamente arrasada nesta área também. Cálculos adicionais feitos por Parka Sarkar revelaram que foram precisos ventos superiores a 322 km/h para ocorrer a remoção das tampas de bueiro em Joplin.[9][11] Muitas mortes ocorreram nesta área, e os danos foram avaliados como EF5.[6][15]

Imagem de radar da supercélula que produziu o tornado

Danos extremos continuaram a acontecer na área da estrada Duquesne, no sudeste de Joplin. Muitas casas, edifícios industriais e comerciais foram destruídas nesta área também. O parque industrial perto da esquina da 20ª e Duquesne foi especialmente afetada, com quase todos os edifícios arrasados. Várias estruturas grandes de armazéns feitas de metal foram varridos de suas fundações, e vários veículos industriais pesados foram lançados a até 365 metros de distância nesta área. Um dos muitos armazéns afetados foi o armazém Cummins, uma construção feita de blocos de concreto e aço que foi destruído. A última área de danos EF5 ocorreu no parque industrial; um posto de gasolina e loja de conveniência Fastrip das proximidades foi completamente obliterado. Muitas casas foram destruídas mais ao leste com danos estimados entre EF3 e EF4 em um trecho próximo, e a escola East Middle recebeu grandes danos. [6]

O tornado então continuou em uma trajetória leste/sudeste em direção à Interestadual 44 onde ele enfraqueceu; mesmo assim, veículos foram arremessados para fora da estrada e destroçados perto do cruzamento da Rota US-71 (Saída 11). Os danos neste cruzamento e arredores foram classificados como EF2 e EF3. O tornado em processo de enfraquecimento continuou seu trajeto por áreas rurais no sudeste do Condado de Jasper e nordeste do Condado de Newton, onde os danos foram geralmente leves a moderados, com árvores, casas móveis, estruturas externas e casas de madeira danificadas, principalmente, com força EF0 a EF1. O tornado dissipou-se a leste de Diamond às 6h12 pm CDT (23h12 UTC) de acordo com levantamentos aéreos. O comprimento total da trilha percorrida pelo tornado foi de pelo menos 35,6 km (22,1 milhas). No geral, 6 954 casas foram destruídas, 359 casas tiveram danos graves e 516 tiveram danos menores, 158 pessoas foram mortas e outras 1 150 ficaram feridas ao longo de sua trajetória.[1] Um tornado EF2 distinto tocou o solo perto de Wentworth e foi gerado pela mesma supercélula, cerca de 40 km (25 milhas) a leste-sudeste de Joplin.[6][7]

Controvérsia sobre a classificação[editar | editar código-fonte]

Em 10 de junho de 2013, um estudo de engenharia não encontrou evidências de danos estruturais de categoria EF5 em Joplin, devido à má qualidade de construção de muitos edifícios. No entanto, a classificação EF5 foi mantida pois o Serviço Meteorológico Nacional em Springfield, Missouri afirmou que as suas equipes de pesquisa constataram apenas uma pequena área de danos estruturais EF5 e que ela poderia ter sido facilmente não encontrada na avaliação (no hospital St. John's e arredores).[16] Além disso, a base para a classificação EF5 em Joplin foi principalmente contextual em vez de estrutural, com indicadores de danos não-convencionais, como a remoção de bate-rodas de concreto, tampas de bueiro, pisos das entradas de algumas casas feitas de concreto reforçado, calçadas e asfalto foram usadas para chegar a uma avaliação final de EF5, pois se concluiu que estes casos específicos de danos eram indicativos de ventos superiores a 322 km/h. A presença de detritos estruturais levados pelo vento, os casos de veículos muito grandes, como ônibus, vans e caminhões sendo jogados centenas de metros, por várias quadras de seus pontos de origem, o fato de alguns proprietários não localizarem os seus veículos levados pelo vento, a esmagadora extensão e totalidade da destruição em Joplin também foram levados em consideração para se concluir a intensidade do tornado como EF5.[6]

Consequências e impacto[editar | editar código-fonte]

Mapa elaborado pelo Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos mostrando a extensão dos danos

O escritório do Serviço Meteorológico Nacional de Springfield começou um levantamento preliminar dos danos causados pelo tornado em 23 de maio de 2011. A avaliação inicial confirmou um violento tornado classificado como EF4, já no limite para EF5. Levantamentos subsequentes, no entanto, encontraram evidências de danos mais intensas, e assim o fenômeno foi classificado como EF5,[1] com ventos estimados de mais de 320 km/h, atingindo um máximo entre 360 a 400 km/h.[17]

De acordo com a filial local da Cruz Vermelha Americana, cerca de 25% de Joplin foi destruída, mas o gestor de emergência da cidade afirmou que o número ficou entre 10 e 20%, com cerca de 2 000 edifícios destruídos.[18][19] De acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia, os responsáveis pelas equipes de emergência relataram danos em 75% de Joplin.[20] No total, cerca de 7 000 casas foram destruídas (a maioria delas desabaram totalmente ou foram totalmente levadas pelo vento) e mais de 850 foram danificadas.[7] As comunicações foram perdidas na comunidade e houve falta de energia elétrica em várias áreas.[21][22] Sem comunicações, torres temporárias de celular tiveram que ser construídas. Em 24 de maio, três torres de propriedade AT&T e Sprint foram restauradas.[23]

Devido aos graves danos causados pelo tornado, o Circo Piccadilly foi incapaz de se apresentar na cidade como previsto. Apesar disso, funcionários do circo trouxeram seus dois elefantes adultos para ajudar a arrastar automóveis danificados e outros detritos pesados para fora da estrada, fazendo assim um caminho livre para as primeiras equipes de ajuda.[24]

A leste de Joplin, uma instalação do Plano de Gerenciamento de Risco liberou de 1 400 a 2 300 kg de amoníaco anidro; o vazamento foi contido dentro de dois dias.[23]

A empresa de modelagem de catástrofes e riscos Eqecat, Inc. estimou os danos entre US$ 1 bilhão a US$ 3 bilhões, mas observou que a verdadeira extensão de danos não eram conhecidas, uma vez que a empresa não tinha acesso aos dados sobre perdas de bens que não eram segurados.[25] Mais de 17 000 pedidos de pagamento de seguros foram recebidos até meados de junho de 2011. O impacto sobre o setor de seguros não foi tanto pelo número de solicitações, mas sim pelo efeito cumulativo de um número tão grande de perdas totais. Mais de 2 500 moradores locais, empregadas no setor de seguros, se envolveram de alguma forma. Avaliou-se que a empresa State Farm Insurance assumiu a maior parte dessas perdas, tendo uma quota de 27% do mercado de seguros de residências e 21% do mercado de seguros de automóveis.[26]

Os valor de US$ 2,8 bilhões em danos é o maior valor para um tornado desde 1950.[27]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

Danos em Joplin, um dia depois do tornado

Até maio de 2012, o número oficial de mortos era 158, de acordo com o Serviço Nacional de Meteorologia, enquanto a cidade de Joplin contou o número de mortos em 161 (160 diretos). A lista chegou a 162, até que chegou-se a conclusão que as lesões sofridas por um homem não foram causadas pelo evento.[28][29][30] Em uma fatalidade indireta,[30] um policial foi atingido e morto por um raio, enquanto ajudava na recuperação e esforços de limpeza da cidade, um dia após a tempestade.[31][32] Logo após o tornado, autoridades tinham contado 1 300 pessoas desaparecidas, mas rapidamente esse número diminuiu.[33][34][35] Muitas pessoas ficaram presas em casas destruídas. Dezessete pessoas foram resgatadas dos escombros um dia após a passagem do tornado.[36]

A Agência de Gerenciamento de Emergências do Missouri contabilizou mais de 990 feridos.[23][37] Dos 146 conjuntos de restos mortais recuperados dos escombros, 134 vítimas foram positivamente identificadas por volta de 1 de junho de 2011.[34] Devido às terríveis lesões sofridas por algumas vítimas, alguns conjuntos diferentes de restos mortais eram de uma única pessoa.[37] No dia 2 de junho, foi anunciado que mais quatro vítimas tinham morrido.[38]

Seis pessoas foram mortas quando o hospital St. John's foi atingido pelo tornado. Cinco delas eram pacientes que necessitavam de ventilação mecânica. Elas sucumbiram após o edifício ficar sem energia elétrica e um gerador de reserva não funcionar.[39] O sexta fatalidade foi a de um visitante do hospital.[40]

O jornal Joplin Globe informou que 54% das pessoas morreram em suas residências, 32% morreram em áreas não-residenciais e 14% morreram em veículos ou ao ar livre. Autoridades de Joplin anunciaram planos de exigir "hurricane ties" ou outros elementos de fixação entre as casas e suas fundações (que adicionariam cerca de US$ 600,00 aos custos de construção). As autoridades rejeitaram uma proposta de exigir porões de concreto em novas casas. Eles notaram que apenas 28% das novas casas de Joplin tinham porões em 2009, quando esse número era de 38% duas décadas antes.[41]

Autoridades disseram que foram resgatados 944 animais de estimação e 292 foram devolvidos aos proprietários.[42]

Em 10 de junho de 2011, foi anunciado que uma infecçãofúngica rara, a zigomicose, foi a causa de pelo menos oito casos graves de infecção de feridas entre os sobreviventes, confirmados por relatórios ao Departamento de Saúde e Serviços aos Idosos do Missouri.[43]

Reações[editar | editar código-fonte]

O presidente Obama cumprimenta um sobrevivente do tornado em 29 de maio de 2011

Logo após a tragédia, equipes de emergência foram mobilizadas para os esforços de busca e salvamento. O governador Jay Nixon declarou estado de emergência para a área de Joplin logo após a passagem do tornado e mandou tropas da Guarda Nacional do Missouri para a cidade.[21] Em 23 de maio, a Missouri Task Force One (composta de 85 funcionários, quatro cães e equipamentos pesados) chegou à cidade e começou a procurar pessoas desaparecidas. Cinco grandes equipes de resgate também foram enviadas para Joplin um dia depois. Dentro de dois dias, diversas agências chegaram para ajudar os moradores no processo de recuperação. A Guarda Nacional mobilizou 191 agentes e colocou mais 2 000 de prontidão, caso fosse necessário. Além disso, a Patrulha Rodoviária do Estado do Missouri providenciou 180 soldados para ajudar o Departamento de Polícia de Joplin e outras agências locais para assegurar a aplicação da lei, os resgates e os esforços de recuperação, que incluiu também o envio de cinco equipes médicas especializadas, bem como um total de 25 ambulâncias para área afetada em 24 de maio, e mais de 75 fuzileiros navais vindos da Base do Exército de Ft. Leonard Wood.[23]

Reação das mídias sociais[editar | editar código-fonte]

O tornado também destacou uma nova forma de resposta a desastres, por meio das mídias sociais. Este tipo de mobilização é agora conhecido como Gestão de Emergências através de Mídias Sociais. Agências de notícias começaram a agregar imagens e vídeos de testemunhas oculares compartilhadas através da internet.[44] Grupos liderados por cidadãos no Facebook e sites, como o Joplin Tornado Info[45][46] coordenaram informações, necessidades e ofertas. Os resultados foram tão eficazes que o projeto tornou-se finalista do Mashable Awards 2011 na categoria Melhor Campanha Social para uma Boa Causa.[47]

Visita presidencial e outros fatos[editar | editar código-fonte]

O presidente Barack Obama visitou a cidade em 29 de maio e discursou em um evento em memória às vítimas no Taylor Performing Arts Center, Universidade do Sul do Estado do Missouri, cerca de 3 km ao norte da parte mais afetada de Joplin.[48] Obama estava em visita de estado à Europa no dia da tempestade. Membros da controversa Igreja Batista Westboro programaram um protesto no mesmo dia da visita de Obama em Joplin, mas eles não apareceram. Houve um grande resposta a esse protesto não ocorrido, em que milhares de manifestantes apareceram segurando cartazes com dizeres como "Deus Ama Joplin" e "Nós apoiamos você, Joplin".[49]

Engenheiros criticaram o tipo de construção do edifício da Home Depot, chamada "tilt up" (as paredes de concreto são moldadas na horizontal e depois posicionadas na vertical). Quase todas as suas paredes desmoronaram em um efeito dominó após o tornado ter sugado o telhado, matando sete pessoas na frente da loja (apesar de 28 pessoas terem sobrevivido na parte de trás da loja pois as paredes desmoronaram para o lado oposto do local em que elas estavam). Representantes da Home Depot discordaram do estudo publicado pelo jornal The Kansas City Star e afirmaram que iriam usar a mesma técnica do "tilt up" para reconstruir a loja de Joplin.[50] No dia 1 de junho de 2011 o Home Depot disse que construiria um novo edifício temporário de 2 800 m² e voltaria a reabrir dentro de duas semanas. Enquanto isso, eles operaram seus negócios no próprio estacionamento de seu prédio destruído.[51] No dia 20 de junho, a Home Depot abriu um loja temporária de 5 600 m2 construída pela sua equipe de recuperação de desastres.[52]

Em maio de 2012, a Guarda Nacional do Missouri divulgou documentos mostrando que quatro soldados saquearam equipamentos de vídeo game e uma câmera digital nos escombros do Walmart durante os trabalhos de limpeza. De acordo com o memorando de investigação, eles acreditaram que a mercadoria seria destruída. Todos os soldados foram rebaixados e uma carta de reprimenda foi adicionada aos seus arquivos pessoais. Ao contrário de muitos civis saqueadores, eles nunca foram processados.[53]

Importância[editar | editar código-fonte]

Junto com o Tornado dos Três Estados de 1925 e o Tornado de St. Louis - leste de St. Louis de 1896, o evento de Joplin foi classificado como um dos tornados mais mortais do Missouri e dos EUA. É também o tornado único que mais causou perdas na história americana (US$ 2,8 bilhões).[54][55] Foi o primeiro tornado F5 / EF5 no Missouri desde 20 de maio de 1957, quando um F5 destruiu vários locais nos subúrbios de Kansas City. Foi apenas o segundo tornado F5 / EF5 na história Missouri desde 1950.[56] Ele foi o mais mortífero tornado dos EUA desde o tornado de 09 de abril de 1947 em Woodward, Oklahoma, e o sétimo mais mortal da história americana.[57] Também foi o primeiro tornado único desde o tornado F5 de 08 de junho de 1953 em Flint, Michigan, a ter 100 ou mais mortes associadas.[58]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c "CRG.noaa.gov".
  2. "CRH.noaa.gov".
  3. Belk, Brad.
  4. "April 10th 2001".
  5. "Missouri Department of Insurance says Joplin disaster will be the most costly insurance payout in state history « Live Insurance News".
  6. a b c d e f g h i j "National Weather Service Springfield, MO - Event Review - May 22, 2011".
  7. a b c National Weather Service, Springfield MO (May 23, 2011).
  8. Murphy, Kevin (September 20, 2011).
  9. a b Sarkar, Parka; Marshall, Timothy (November 7, 2012).
  10. Templeton, Steve (June 7, 2011).
  11. a b c http://extremeplanet.me/2012/08/09/views-detailing-ef5-damage-from-the-joplin-tornado/
  12. "Joplin MO Tornado: A tornado hit Joplin, MO Sunday" Arquivado em 25 de maio de 2011, no Wayback Machine.. ky3.com.
  13. "Girlfriend not surprised by Pizza Hut manager's heroics during Joplin tornado — NBCActionNews.com — Kansas City" Arquivado em 28 de maio de 2011, no Wayback Machine..
  14. Bryan, Andra.
  15. "Joplin, MO Tornado Imagery Viewer" Arquivado em 4 de março de 2016, no Wayback Machine..
  16. New Engineering Study Finds No EF5 Damage in Joplin - weather.com
  17. KYTV (May 27, 2011).
  18. Kevin Murphy (May 23, 2011).
  19. "Joplin searches through wreckage".
  20. National Weather Service, Central Region Headquarters (May 23, 2011).
  21. a b "Powerful tornadoes kill at least 31 in U.S. Midwest".
  22. Unattributed (May 23, 2011).
  23. a b c d "Joplin Tornado Situation Report 6 am May 24" Arquivado em 21 de julho de 2011, no Wayback Machine..
  24. http://newsfeed.time.com/2011/05/31/the-greatest-cleanup-on-earth-circus-elephants-help-out-in-joplin/
  25. Aaron Smith (May 24, 2011).
  26. Barker, Jacob.
  27. Lieb, David A. (May 20, 2012).
  28. McCune, Greg (November 12, 2011).
  29. Murphy, Kevin (September 15, 2011).
  30. a b "NCDC Event Record"[ligação inativa].
  31. "Another death in Joplin from tornado brings toll to 155".
  32. "Joplin death toll up to 158" Arquivado em 3 de fevereiro de 2014, no Wayback Machine..
  33. Kennedy, Wally (May 29, 2011).
  34. a b "Death toll from Joplin tornado is 134, officials say" By Kevin Murphy, Jun 1, 2011 Reuters, reuters.com
  35. Martinez, Michael (June 1, 2011).
  36. "116 dead from Missouri tornado; more twisters possible".
  37. a b Death toll from Joplin tornado rises to 142, Reuters, May 28, 2011
  38. "Officials say Joplin, Mo., tornado death toll now 138 people, after 4 more deaths in hospitals"[ligação inativa].
  39. Five patients who died in Joplin hospital suffocated, Reuters, Kevin Murphy, May 24, 2011
  40. "A fist coming out of the sky': Six miles of terror Along tornado's path, victims recall trauma, wonder about future".
  41. Associated Press (June 18, 2011).
  42. "Joplin Tornado: 944 Pets Rescued, 292 Reunited with Owners, One Found 12 Days after Tornado — KSPR 33" Arquivado em 7 de junho de 2011, no Wayback Machine..
  43. "Physorg.com".
  44. Joplin Tornado demonstrates Social Media’s 5 key roles in disaster response and recovery idisaster 2.0
  45. Joplin Tornado Info (Facebook group)
  46. Joplin Tornado Info (website)
  47. Announcing the 2011 Mashable Awards Finalists
  48. Unattributed (May 23, 2011).
  49. Vu, Michelle A. (May 29, 2011).
  50. "Experts challenge Home Depot building design, codes after Joplin tornado".
  51. T. Rob Brown/Joplin Globe, AP.
  52. "Home Depot marks opening of temporary store".
  53. Hathaway, Matthew (2012-05-31).
  54. Knapp, Dave; Boone, C.F. (May 5, 1971).
  55. Belk, Brad (May 8, 2010).
  56. "F5 and EF5 tornadoes of the United States 1950 to Present".
  57. Edwards, Roger (October 25, 2011).
  58. Unattributed (May 23, 2011). "2011 Tornado Information" [Preliminary tornado statistics including records set in 2011] (Press release).

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]