Torre de Dornes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde abril de 2016). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Torre de Dornes
Vila de Dornes.JPG
Vila de Dornes: em posição dominante, a torre medieval.
Mapa de Portugal - Distritos plain.png <div style="position:absolute;top:Erro de expressão: Operador * inesperadopx; left:Erro de expressão: Operador * inesperadopx; width:3px; height:3px; background:#FF0000" title="Localização" onmouseover="width:5px;height:5px;">
Construção ()
Estilo
Conservação
Homologação
(IGESPAR)
N/D
Aberto ao público
Torre Sineira de Dornes
Torre Sineira de Dornes

A Torre de Dornes localiza-se na freguesia de Dornes, concelho de Ferreira do Zêzere, no distrito de Santarém, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Teria sido edificada sobre antiga torre romana atribuída a Sertório, general romano de c. 72 a.C..

À época da Reconquista cristã da Península Ibérica, foi doada à Ordem dos Templários.

Encontra-se classificada pelo IPPAR como Imóvel de Interesse Público desde 1943.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

Constitui-se em uma torre de planta pentagonal em cantaria de pedra.

"A torre templária de Dornes surpreende pela invulgaridade da forma, as suas cinco faces tornam-na um exemplar raríssimo da arquitectura militar dos tempos da Reconquista. Edificada por Gualdim Pais para defesa da linha do Tejo, foi construída sobre a base de antiga torre romana, garante da segurança para a exploração do ouro que aquele povo fazia no Zêzere.

Do xisto rude destacam-se os cunhais calcários, onde ainda se podem descobrir as marcas dos canteiros medievais. Também de calcário é a verga da porta, aproveitamento de uma estela funerária, provavelmente visigótica, decorada com símbolos guerreiros (lanças, espadas e escudos). No interior da torre encontram-se, intactas, várias estelas funerárias templárias, lembrando eras em que estes cavaleiros defendiam o território das investidas muçulmanas e procuravam sepulcro junto das casas de Deus.

Com tempos mais pacíficos e perdida a função guerreira, a torre ficou sineira no século XVI, função que ainda hoje conserva.À sua sombra nasceu a igreja, fundada ainda no século XII e que desde o tempo da rainha Santa Isabel se encontra associada à lenda e culto da Senhora do Pranto. Apesar da sua antiquíssima fundação é D. Gonçalo de Sousa, homem de confiança do Infante D. Henrique e comendador da Ordem nestas terras, que dá a feição à actual igreja. Disso nos dá conta a lápide gótica à entrada do templo. No interior somos surpreendidos por um órgão de tubos em excelente estado de conservação e utilizado frequen temente nos concertos que aproveitam a estupenda acústica. A igreja está revestida de bons azulejos do século XVI (altar-mor) e XVII (nave), cenário ideal para apreciar um excelente conjunto de arte sacra quinhentista, de que se destaca uma notável imagem de Santa Catarina.

Mas em Dornes, todas as atenções vão para a Senhora do Pranto que, naturalmente, faz as honras da casa presidindo ao altar-mor. Desde a Idade Média, tempo de fomes, peste e guerra, que lhe é prestado culto por toda a região e remontam a essa época as peregrinações que ainda hoje se mantêm vivas, os Círios, tendo o 15 de Agosto como ponto alto. A Pietá não é a mesma que no século XIII, segun do a lenda, foi encontrada entre matos por indicação da Rainha Santa. Esta é obra de artífice seiscentista e que denota alguma rigidez no tratamento da pedra, mas nem por isso menos venerada pela religio sidade popular.

Digno de registo é o púlpito renascentista, datado de 1544, formado por cinco fiadas de rosetas tendo por centro a Cruz de Cristo. Apetece libertar a imaginação e pensar que a pedra nos fala do milagre das rosas, prodígio da Rainha que sabia onde encontrar a imagem da Senhora do Pranto. Ou desse outro milagre, operado pelo rei seu marido, quando transformou a cruz do Templo na de Cristo e nestas terras fez crescer o último reduto templário." in http://www.rtt.ipt.pt/default.asp?s=108&template=2&n=805&lang=1

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.