VASPR

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tríplice viral)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com tríplice bacteriana.

A vacina antissarampo, parotidite e rubéola (VASPR) (português europeu) ou tríplice viral (português brasileiro) é uma vacina contra o sarampo, parotidite e rubéola.[1] A primeira dose é geralmente administrada a crianças entre os 9 e 15 meses de idade e a segunda dose entre os 15 meses e 6 anos de idade, devendo o intervalo entre doses ser de pelo menos 4 semanas.[2][3] Duas doses garantem a 97% das pessoas imunidade contra o sarampo , a 88% imunidade contra a parotidite e a pelo menos 97% imunidade contra a rubéola.[2] A vacina é também recomendada para adultos sem evidência de imunidade,[2] com VIH/SIDA sob controlo[4][5] e no prazo de 72 horas após exposição ao sarampo, mesmo em pessoas vacinadas.[3] A VASPR é administrada por injeção.[2]

A VASPR é amplamente administrada em todo o mundo. Em 2001 foram administradas 500 milhões de doses em mais de 100 países.[6][7] Antes da vacinação se ter tornado comum, o sarampo era a causa de 2,6 milhões de mortes em cada ano.[7] Em 2012, este valor diminuiu para 122 000 mortes, a maioria das quais em países em vias de desenvolvimento.[7] Nos países em que há vacinação, a frequência de sarampo é muito baixa.[7] No entanto, a prevalência de doenças tem vindo a aumentar em grupos populacionais que não são vacinados.[7] Entre 2000 e 2016, a vacinação diminuiu em 84% as mortes por sarampo.[8]

Os efeitos secundários da vacinação são geralmente ligeiros e resolvem-se sem necessidade de qualquer tratamento específico.[9] Os efeitos secundários mais comuns são febre e dor ou vermelhidão no local da injeção.[9] Numa em cada milhão de pessoas ocorrem reações alérgicas graves.[9] A VASPR não é recomendada durante a gravidez, podendo no entanto ser administrada durante a amamentação.[2] A administração a par de outras vacinas é segura.[9] A vacinação recente não aumenta o risco de transmitir sarampo, parotidite ou rubéola a outras pessoas.[2] A vacina não aumenta o risco de autismo.[10][11] A VASPR é uma combinação de vírus atenuados de cada uma das três doenças.[2]

A VASPR foi desenvolvida por Maurice Hilleman[1] e introduzida no mercado em 1971 pela farmacêutica Merck.[12] As vacinas isoladas contra o sarampo, contra a parotidite e contra a rubéola tinham já sido autorizadas em 1963, 1967 e 1969, respetivamente.[12][13] As recomendações para uma segunda dose foram introduzidas em 1989.[12] Está também disponível uma versão que também imuniza contra a varicela, denominada VASPRV.[2] Está ainda disponível uma versão que não oferece imunização contra a parotidite.[14]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Em 1999, o médico Andrew Wakefield publicou na revista The Lancet o artigo "MMR vaccination and autism", estabelecendo uma suposta relação entre a vacina contra o sarampoe e o autismo.[15] Diversos estudos médicos foram conduzidos desde então buscando comprovar ou não essa relação, sendo que não foram encontradas evidências nesses novos estudos acerca dessa hipótese. Em 2010 os editores da The Lancet anunciaram a retratação do artigo porque vários aspectos estavam incorretos e contrariavam as descobertas mais recentes. Outra razão para a retratação foi a descoberta de afirmações falsas no artigo.[16] O Conselho Médico Geral Britânico considerou que Wakefield agiu de maneira antiética e desonesta por não ter submetido a pesquisa a um comitê de ética local. Ainda de acordo com o Conselho, a sua conduta trouxe má reputação à profissão médica depois que ele coletou amostras de sangue de jovens na festa de aniversário de seu filho pagando-lhes £5.[17]

Considera-se que o artigo de Wakefield tenha sido responsável pelo ressurgimento do sarampo no Reino Unido devido ao receio dos pais em vacinarem os filhos. As taxas de vacinação nunca mais voltaram a subir e surtos da doença tornaram-se comuns.[17] Outra corrente acusa a influente indústria farmacêutica de fazer lobby para "abafar" o caso, mas sempre mencionando o artigo ou Wakefield.[18]

Referências

  1. a b «Maurice R. Hilleman, PhD, DSc». Seminars in Pediatric Infectious Diseases. 16 (3): 225–226. Julho de 2005. doi:10.1053/j.spid.2005.05.002 
  2. a b c d e f g h «MMR Vaccination What You Should Know Measles, Mumps, Rubella». CDC (em inglês). 2 de fevereiro de 2018. Consultado em 10 de setembro de 2018. 
  3. a b «Measles vaccines: WHO position paper – April 2017». Releve Epidemiologique Hebdomadaire. 92 (17): 205–27. 28 de abril de 2017. PMID 28459148 
  4. Kinney, Rebecca (2 de maio de 2017). «Core Concepts - Immunizations in Adults - Basic HIV Primary Care - National HIV CurriculumImmunizations in Adults». www.hiv.uw.edu (em inglês) 
  5. Watson, JC; Hadler, SC; Dykewicz, CA; Reef, S; Phillips, L (22 de maio de 1998). «Measles, mumps, and rubella--vaccine use and strategies for elimination of measles, rubella, and congenital rubella syndrome and control of mumps: recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP)». MMWR. Recommendations and Reports : Morbidity and Mortality Weekly Report. Recommendations and Reports. 47 (RR-8): 1–57. PMID 9639369 
  6. «Top 10 myths about MMR, Top 10 truths about MMR» (PDF). NHS. Consultado em 10 de setembro de 2018. 
  7. a b c d e «Addressing misconceptions on measles vaccination». European Centre for Disease Prevention and Control (em inglês). Consultado em 10 de setembro de 2018. 
  8. «Measles Fact Sheet #286». World Health Organization. Consultado em 1 de dezembro de 2014. 
  9. a b c d «Vaccine Information Statement Measles-Mumps-Rubella». CDC (em inglês). 11 de julho de 2018. Consultado em 10 de setembro de 2018. 
  10. Hussain, A; Ali, S; Ahmed, M; Hussain, S (3 de julho de 2018). «The Anti-vaccination Movement: A Regression in Modern Medicine». Cureus. 10 (7): e2919. PMC 6122668Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 30186724 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.7759/cureus.2919 
  11. Spencer, JP; Trondsen Pawlowski, RH; Thomas, S (15 de junho de 2017). «Vaccine Adverse Events: Separating Myth from Reality». American Family Physician. 95 (12): 786–794. PMID 28671426 
  12. a b c Goodson, JL; Seward, JF (dezembro de 2015). «Measles 50 Years After Use of Measles Vaccine». Infectious Disease Clinics of North America. 29 (4): 725–43. PMID 26610423. doi:10.1016/j.idc.2015.08.001 
  13. «Measles: information about the disease and vaccines Questions and Answers» (PDF). Immunization Action Coalition. Consultado em 10 de setembro de 2018. 
  14. «Information Sheet Observed Rae of Vaccine Reactions Measles, Mumps, and Rubella Vaccines» (PDF). WHO. Maio de 2014. Consultado em 10 de setembro de 2018. 
  15. Andrew J Wakefield (1999). «MMR vaccination and autism». The Lancet (em inglês). 354 (9182): 949 - 950. doi:10.1016/S0140-6736(05)75696-8. Consultado em 31 de maio de 2010. 
  16. The Editors of The Lancet (2010). «Retraction—Ileal-lymphoid-nodular hyperplasia, non-specific colitis, and pervasive developmental disorder in children». The Lancet (em inglês). 375 (9713). 445 páginas. doi:10.1016/S0140-6736(10)60175-4. Consultado em 11 de fevereiro de 2015. 
  17. a b «Artigo que associa vacina a autismo é condenado». Estadão. 3 de fevereiro de 2010. Consultado em 11 de fevereiro de 2015. 
  18. Oakes, April. «Vacinas Infantis - O que os Laboratórios e Médicos não falam». Autistas.org. Cópia arquivada em 24 de junho de 2003