Trade paperback

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Trade paperback ou TPB é um termo usado em livros e histórias em quadrinhos.

Uso[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Em inglês o termo paperback tem dois significados, pode designar tanto livros de bolso, quanto o tipo de encadernação (brochura) usada nesses livros.[1] O termo Trade paperback é o utilizado para livros possuem o mesmo formato de livros capa dura (hard cover em inglês) e uma capa mole, similar a dos livros de bolso (soft cover em inglês),Erro de citação: Elemento de fecho </ref> em falta para o elemento <ref>[2] com isso essa edições são mais baratas que os livros de capa dura.

Significativamente, a paginação é a mesma para que as referências ao texto não sejam alteradas: isso é particularmente importante para revisores e acadêmicos. A única diferença é a encadernação suave; o papel é geralmente de qualidade superior ao de um livro de bolso popular, por exemplo, papel sem ácido. Nos Estados Unidos, o termo trade paperback também abrange as brochuras de tamanho médio descritas como formato B, acima. Os trade paperback britânicos têm 135 mm × 216 mm.[3]

Histórias em quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Revista em quadrinhos tradicional (lombada com grampos)

O termo trade paperback (TPB, TP ou trade) é utilizado também em outros idiomas para designar edições encadernadas de histórias em quadrinhos estadunidenses em formato de livro[1]. Trade paperbacks costumam reunir arcos (ou minisséries) de história em quadrinhos ou uma série de histórias independentes publicadas na mesma revista em quadrinhos.[4][5][6]

Tradicionalmente, um trade paperback reproduzirá as histórias no mesmo tamanho que foram originalmente apresentadas. No entanto, certas trocas foram publicadas em um formato menor, como o formato digest, de tamanho semelhante a uma livro de bolso.


Compilação de histórias de terror publicadas pela Fawcett Comics.

Algumas histórias em quadrinhos são inicialmente publicadas em revistas com lombada com grampos[7] e que são republicados e encadernadas[8] como livros (lombada quadrada ou brochura)[9].[10] Outras podem ser publicadas no formato de tiras (diárias ou dominicais) em jornais.[11] O termo é comumente usado como sinônimo de graphic novels, entretanto o significado original do termo graphic novel, serve para indicar histórias fechadas, escritas para ser publicadas como um livro (o termo novel é comumente traduzido como romance ou novela)[12][13][14].Na mídia especializada, também pode ser o usado o termo álbum (muito usado no mercado franco-belga)[15][16][17]. Diferente do uso em livros, o termo trade paperback para histórias em quadrinhos podem ser usados para se referir tanto para encadernados com capa mole (brochura) quanto para os de capa dura[18][19][20]. Na publicação de livros, trade paperback é um livro com uma capa de cartão flexível que é maior do que o formato dos livros de bolso (paperbacks) tradicionais.

Inicialmente os TPBs eram apenas de edições antigas, atualmente é cada vez mais frequente o lançamento de encadernados de arcos de histórias atuais[4][21].

Em 1954, "as primeiras reimpressões em brochura para o mercado de massa de histórias em quadrinhos americanas" começaram com "The MAD Reader, publicado pela Ballantine Books".[22] As reimpressões de coleções da revista Mad no final dos anos 1950 e início dos anos 1960 aumentaram sua popularidade.[23] Nas décadas de 1960 e 1970, a Marvel Comics (primeiro por meio da Lancer Books e depois por meio do selo Fireside Books) trade paperback que eram coleções em torno de temas específicos, como batalhas, vilões e personagens individuais.[23][24] Após o sucesso da Marvel com suas coleções Fireside Books, a DC Comics começou a publicar coleções temáticas semelhantes através da Warner Books.[24][25] Em 1981, a Great Superman Comic Book Collection foi "a primeira coleção de quadrinhos da DC na tradição moderna".[25] "Essas coleções de reimpressões foram unidas por seu personagem título ou série, mas apenas acidentalmente tinham alguma semelhança de história ou tema, e sua existência como livros foi claramente uma reflexão tardia".[22]

O crescimento de trade paperbacks e graphic novels na década de 1980 permitiu que editoras menores florescessem.[26][27] Em 1981, a série Elfquest da Warp Graphics "desembarcou nas livrarias" como coleções coloridas de trade paperbacks - "foi a primeira série de graphic novels a abrir caminho para fora do mercado de quadrinhos".[26]: 26 O sucesso de séries como Teenage Mutant Ninja Turtles da Mirage Studios e Cerebus de Dave Sim mostraram que "os leitores estavam interessados ​​em coleções de quadrinhos encadernadas, fossem elas chamadas de listas telefônicas, comic books, álbuns ou graphic novels.[26]: 27

Em 1984, a Marvel mudou de trade paperbacks, que eram coleções gerais, para trade paperbacks, que eram notáveis ​​edições recentes, como A Saga da Fênix Negra e The Power of Iron Man.[23][28] Da mesma forma, trade paperbacks foram um "esforço menor" para a DC "até a coleção de 1986 de The Dark Knight Returns".[25] Brian Cronin, do CBR, destacou que a troca de The Dark Knight Returns "foi uma verdadeira virada de jogo. O ponto crucial da grande rivalidade entre Alan Moore e DC Comics é que o acordo de Moore com a DC para Watchmen dizia que Moore e Dave Gibbons ficariam com os direitos para os personagens quando o livro saiu de impressão. Na época em que Moore assinou o acordo, que foi [antes] do Retorno do Cavaleiro das Trevas, a ideia de uma história em quadrinhos continuar a ser impressa era absurda. Bem, na época que Watchmen foi concluído, Dark Knight Returns foi uma sensação como livro de bolso comercial e, naturalmente, a DC deu a Watchmen o mesmo tratamento [...] e nunca mais saiu de catálogo ".[25] The Dark Knight Returns, Watchmen e Maus de Art Spiegelman (publicado como uma coleção em 1986 pela Pantheon Books)[29] "estabeleceu uma cabeça de ponte para 'histórias em quadrinhos' no comércio de livros".[27]: 30

Na década de 1990, "trade paperbacksencontraram seu boom de popularidade".[30] Os editores de quadrinhos começaram a lançar trade paperbacks de arcos de história coletados diretamente após a publicação periódica original dessas histórias, porque um novo leitor poderia comprar as brochuras comerciais e acessar as histórias da série inteira até o momento. “No início eram as histórias mais populares que estavam sendo coletadas, mas cada vez mais histórias de quadrinhos estão sendo colocadas no mercado, às vezes menos de dois meses após a venda da edição 'mais nova'. E não só material recente, mas uma grande quantidade de material mais antigo está finalmente sendo coletado nos trades"[31].: 15 Em 2015, Polygon destacou que" embora isso fosse muito menos comum há uma década, quase todos os quadrinhos mensais agora estão eventualmente coletados em edição de bolso comercial ou capa dura que imprime várias edições em um pacote "[32]


Edições encadernadas costumar ser lançadas em livraria ou gibiterias, as editores procuram focar em colecionadores, as tiragens são pequenas e o preço mais alto[4]. Nos Estados Unidos, as editoras Marvel e DC Comics além de lançarem versões em capa dura lançam respectivamente as coleções Essential Marvel e Showcase Presents, ambas constituem de brochuras em preto e branco, papel jornal e muitas páginas (muitas vezes bem parecidas com lista telefônicas) a um custo bem barato para leitores menos exigentes, no Brasil tal publicação tornou-se inviável por conta dos custos de produção local (tradução, letras, edição)[33][34]. TPBs também podem ter formatos distintos, no últimos anos por influência dos mangás são cada vez mais comuns a utilização do formato "digest"[35][36][37][38].

No Brasil este encadernados nesse formato já foi experimentado por editoras como a Editora Abril (editora que introduziu o formatinho no país em 1952)[39] em publicações como a extinta DC Especial[40][41]. A Editora L&PM através do selo L&PM Pocket, encadernados de tiras diárias no formato de bolso[42], a editora também publica compilações em outros formatos maiores[43].

Um trade paperback às vezes apresenta obras de arte adicionais, como artefatos de capa alternativa ou galerias de pin-ups por artistas convidados, não lançados nas edições tradicionais.[44] Histórias adicionais que não estava disponíveis na própria série também pode ser incluído, principalmente "previews" ou histórias extra exclusivamente na Internet ou em publicações sobre quadrinhos, como a revista Wizard (ou simplesmente coisas que provavelmente não serão reproduzidas em qualquer lugar , como o as revista do Free Comic Book Day).[45] Muitas apresentações escritas por figuras proeminentes, algumas de fora do mundo dos quadrinhos - por exemplo, Sandman - Fim dos Mundos apresenta uma introdução de Stephen King,[46] Uma prática comum é incluir uma galeria de arte com a obra de arte das capas de quadrinhos originais a partir das quais a série foi compilada.[47]

Desde a década de 1990, muitas das séries populares e duradouras também obtêm suas próprias edições "omnibus"[48] ou "integrais", com cada livro integral que geralmente contém entre dois e quatro álbuns originais e muitas vezes vários inéditos, ou seja, materiais que não havia foi publicado em álbuns antes.[49]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b O livro no Brasil: sua história. [S.l.]: EdUSP. 2005. pp. 670 a 73. ISBN 8531408776, ISBN 9788531408779 
  2. «Trade paperbacks». Financial Times. 22 de março de 1960. p. 8 , citado em OED
  3. Wilson-Fletcher, Honor (10 de agosto de 2001). «The importance of format and feel». the Guardian (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2021 
  4. a b c Marcelo Naranjo (22 de julho de 2009). «Super-heróis a peso de ouro». Universo HQ 
  5. press release (2 de março de 2004). «Homem-Aranha: Edição Histórica, da Mythos Editora». Universo HQ 
  6. Assis, Érico (16 de outubro de 2020). «Cuidado com o Omnibus». Omelete. Consultado em 16 de outubro de 2020 
  7. Marcus Ramone (11 de abril de 2006). «Essa não vai para o cofre!». Universo HQ 
  8. Panini relança o encadernado de Terra X
  9. Érico Assis (04 de Março de 2008). «Lá Fora - Monte sua gibiteca de quadrinhos importados aproveitando o dólar baixo». Omelete  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Érico Assis (16 de Janeiro de 2002). «Parênteses: TPBs brasileiros - uma proposta». Omelete. Consultado em 17 de maio de 2010 
  11. Sérgio Codespoti (18 de setembro de 2003). «Dark Horse lança encadernado de Ferdinando, com arte de Frazetta, em janeiro de 2004». Universo HQ 
  12. Nobu Chnen (2011). Linguagem HQ – Conceitos Básicos. [S.l.]: Criativo. 68 páginas. ISBN 8564249189 
  13. Érico Assis, Érico Borgo e Marcelo Forlani (04 de Setembro de 2001). «Omelete entrevista: Mike Deodato Jr.». Omelete  Verifique data em: |data= (ajuda)
  14. Jotapê Martins (30 de Junho de 2000). «Novo projeto Vertigo de Garth Ennis». Omelete 
  15. Sérgio Codespoti (sobre o press release da Devir Portugal) (20 de março de 2002). «Devir lançará álbum da Vampirella e ainda tem outras novidades». Universo HQ 
  16. Delfin. «CEREBUS - BOOK 1». Universo HQ 
  17. Sérgio Codespoti (12 de janeiro de 2009). «Tintim completa 80 anos de aventuras». Universo HQ 
  18. Érico Assis (04 de Março de 2008). «Lá Fora». Omelete  Verifique data em: |data= (ajuda)
  19. Sérgio Codespoti (25 de fevereiro de 2008). «Encadernado de American Flagg chegará às lojas em julho». Universo HQ 
  20. Pedro Hunter (04 de Junho de 2001). «Lista de encadernados e Graphic Novels mais vendidas MAIO/2001». Omelete  Verifique data em: |data= (ajuda)
  21. Marcelo Naranjo (3 de outubro de 2007). «Panini investe nas edições encadernadas». Universo HQ 
  22. a b «Will Eisner and the Secret History of the Graphic Novel». Vulture (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2021 
  23. a b c «The Origin of Marvel Comics Trade Paperbacks». CBR (em inglês). 30 de março de 2019. Consultado em 2 de julho de 2021 
  24. a b Adair, Torsten (16 de julho de 2020). «Syndicated Comics». The Beat (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2021 
  25. a b c d «What Was the First DC Comics Trade Paperback Collection?». CBR (em inglês). 10 de dezembro de 2019. Consultado em 2 de julho de 2021 
  26. a b c Weiner, Stephen (2012). Faster than a speeding bullet : the rise of the graphic novel 2nd ed ed. Chicago: NBM Publishing. pp. 25–28. OCLC 821178690 
  27. a b Hatfield, Charles (2005). Alternative comics : an emerging literature 1st ed ed. Jackson: University Press of Mississippi. pp. 29–31, 153–163. OCLC 631202531 
  28. «What Covers Has Marvel Used for the Dark Phoenix Saga Collections?». CBR (em inglês). 29 de março de 2019. Consultado em 2 de julho de 2021 
  29. Kaplan, Arie (2008). From Krakow to Krypton : Jews and comic books 1st ed ed. Philadelphia: Jewish Publication Society. p. 171. OCLC 649915298 
  30. Phoenix, Jack (2020). Maximizing the impact of comics in your library : graphic novels, manga, and more. Santa Barbara, California: [s.n.] pp. 4–12. OCLC 1141029685 
  31. Serchay, David S. (2008). The librarian's guide to graphic novels for children and tweens. New York: Neal-Schuman Publishers. pp. 3–24. OCLC 212375709 
  32. Polo, Susana (1 de maio de 2015). «Free Comic Book Day is here: Your best excuse to start reading comics». Polygon (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2021 
  33. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome encadernações
  34. Eduardo Nasi. «Arquivo DC #1 - Liga da Justiça da América». Universo HQ 
  35. Marcus Ramone (23 de abril de 2007). «Como os mangás estão influenciando o mercado de quadrinhos dos EUA». Universo HQ 
  36. Sérgio Codespoti (7 de dezembro de 2009). «Espionagem é o tema central de Cold City». Universo HQ 
  37. Thiago Colás (21 de março de 2007). «Encadernado de Northwest Passage sairá em edição de luxo». HQManiacs 
  38. Rogério Vieira (16 de outubro de 2007). «Top 100 Graphic Novels/Trade Paperbacks». HQ Maniacs 
  39. Waldomiro Vergueiro (30 de Junho de 2000). «O formatinho está morto! Longa vida ao formatinho!». Omelete. Consultado em 16 de maio de 2010 
  40. Carlos Costa (11 de setembro de 2009). «A Morte de Robin na coleção Batman 70 Anos». HQManiacs 
  41. Ricardo Malta Barbeira. «DC Especial #2 - Amanhecer Esmeralda». Universo HQ 
  42. Sidney Gusman (10 de novembro de 2008). «Santiago e Snoopy são as novidades da L&PM nas livrarias». Universo HQ 
  43. Érico Assis (04 de novembro de 2009). «Peanuts Completo sai esta semana no Brasil - confira a capa». Omelete  Verifique data em: |data= (ajuda)
  44. Madman: Image anuncia nova edição especial
  45. DC Comics lançará edição especial do Superman para o Free Comic Book Day
  46. Sandman – Fim dos Mundos.
  47. Os Mortos-Vivos: HQ ganha quinto encadernado
  48. Dark Horse publicará nova série do Lobo Solitário
  49. Evento de lançamento de Valerian, da Sesi-SP Editora
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.