Transferência bielíptica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde abril de 2013). Ajude e colabore com a tradução.
Uma transferência bi-elíptica de uma órbita circular baixa (azul escuro), para uma órbita circular mais alta (vermelha).

Em astronáutica e engenharia aeroespacial, a transferência bi-elíptica é uma manobra orbital que move uma espaçonave de uma órbita para outra, e pode, em certas situações, requerer um delta-v menor que uma manobra de transferência de Hohmann.

Enquanto em geral, as transferências bi-elípticas, requerem mais acionamento dos motores e um tempo maior de viagem que a tranferência de Hohmann, algumas delas requerem um delta-v total menor quando a proporção do final para o inicial é 11,94 ou maior, dependendo do eixo semi-maior intermediário escolhido.[1]

A idéia da trajetória de transferência bi-elíptica foi publicada pela primeira vez por Ary Sternfeld em 1934.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Vallado, David Anthony (2001). Fundamentals of Astrodynamics and Applications (em inglês). 198. [S.l.]: Springer. p. 317. ISBN 0-7923-6903-3. Consultado em 18 de abril de 2013 
  2. Sternfeld, A. (1934). Sur les trajectoires permettant d'approcher d'un corps attractif central à partir d'une orbite keplérienne donnée. Col: Comptes rendus de l'Académie des sciences (em francês). 198. Paris: [s.n.] pp. 711–713 
Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.