Transmasculinidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bandeira transmasculina, também usada para homens trans

Transmasculinidade é um termo que abrange indivíduos transgêneros cujas identidades de gênero são masculinas, mas que não necessariamente se consideram homens, embora possam.[1] Inclui, por um lado, homens trans que se descrevem como homens e, por outro lado, não binários e terceiros gêneros que têm qualidades masculinas, mas que não se identificam como homens.[2] Um indivíduo transexual pode se identificar com muitos traços de masculinidade, mas não deseja se descrever como um "homem".[3][4][5][6]

A palavra implica que a pessoa transmasculina passa por uma transição de gênero para ter um gênero masculino, na qual o sexo feminino foi atribuído ao nascer. Indivíduos transmasculinos não têm necessariamente uma expressão de gênero masculina, muitos são femmes/femininos, andróginos ou neutros.[7][8]

Assim como nem todo transmasculino se considera como homem, nem todo homem trans se descreve como trans masculino, enquanto também há transmasculinos que são binários.[9]

Algumas pessoas transmasculinas podem se ver enquanto mulheres, como lésbicas transmasculinas butch, sendo sua masculinidade de gênero fora da lógica binária. Muitos usam esse termo por preferirem pronomes e linguagem masculines para se referirem a eles, embora haja quem prefira neolinguagem e gênero neutro, ou até mesmo pronome e linguagem feminine.[10][11]

Embora haja pessoas não-binárias e genderqueer, que foram designadas do sexo masculino ao nascer, alinhadas ao masculino de centro no espectro de gênero, que portanto seriam transgêneras e masculinas de gênero, algumas definições acabam as tratando como transmasculinas também, porém não é o que a identidade representa ou tem o intuito de expressar.[12][13]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. MacDonald, Trevor; Noel-Weiss, Joy; West, Diana; Walks, Michelle; Biener, MaryLynne; Kibbe, Alanna; Myler, Elizabeth (dezembro de 2016). «Transmasculine individuals' experiences with lactation, chestfeeding, and gender identity: a qualitative study». BMC Pregnancy and Childbirth (em inglês) (1). 106 páginas. ISSN 1471-2393. PMC 4867534Acessível livremente. PMID 27183978. doi:10.1186/s12884-016-0907-y. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  2. «Definition of transmasculine | Dictionary.com». www.dictionary.com (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2021 
  3. Steinmetz, Katy (14 de fevereiro de 2014). «A Comprehensive Guide to Facebook's New Options for Gender Identity». Time (em inglês). ISSN 0040-781X. Consultado em 18 de agosto de 2021 
  4. Nast, Condé (6 de dezembro de 2018). «"I'll Be in Transition Forever": Trans-masculine and Non-binary People Talk Identity, Affirmation, and More». Teen Vogue (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2021 
  5. Nunes, Ávila, Simone (2014). «FTM, transhomem, homem trans, trans, homem: a emergência de transmasculinidades no Brasil contemporâneo». Consultado em 7 de setembro de 2021 
  6. Borba, Rodrigo (2011). «Narrativas orais e (trans)masculinidade: (re)construções da travestilidade (algumas reflexões iniciais)». Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades (06). ISSN 2316-6185. Consultado em 7 de setembro de 2021 
  7. Vale, Johnatan Ferreira Marques do (17 de outubro de 2018). «Transmasculinidade, corpo e cuidado de si: análise da transexualidade no Ambulatório TT [travestis e transexuais] da cidade de João Pessoa - Paraíba». repositorio.ufpb.br. Consultado em 18 de dezembro de 2020 
  8. «Look Good, Feel Better: A Trans Masc Guide – Asia Pacific Transgender Network». weareaptn.org (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2021 
  9. Malta, A. R. C. (16 de setembro de 2019). «Transmasculine Spectrum». GayMalta.com (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2020 
  10. «More People Are Identifying as Transmasculine—Here's What It Means». Health.com (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2020 
  11. Gavis-Hughson, Sky. «On Transmasculinity and Feminism» (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2020 
  12. Hansbury, Griffin (15 de julho de 2005). «The Middle Men: An Introduction to the Transmasculine Identities». Studies in Gender and Sexuality (3): 241–264. ISSN 1524-0657. doi:10.1080/15240650609349276. Consultado em 18 de dezembro de 2020 
  13. Converse, Adrien (24 de outubro de 2019). «The meaning of transmasculine and transfeminine». Deconforming (em inglês). Consultado em 18 de dezembro de 2020