Transmisoginia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Transmisoginia (por vezes trans-misoginia) é a intersecção de transfobia e misoginia. O termo foi cunhado por Julia Serano em seu livro de 2007 Whipping girl e usado para descrever a discriminação única enfrentada pelas mulheres trans por causa da "suposição de que a feminilidade são inferiores e existem principalmente para o benefício da masculinidade",[1][2][3] e da maneira que a transfobia intensifica a misoginia enfrentada por mulheres trans (e vice-versa).[1] A Transmisoginia é um conceito central no transfeminismo e é comumente visto na teoria feminista interseccional. A sugestão de que a feminilidade (ao invés de sua feminilidade das mulheres trans) é uma fonte de transmisoginiaé rejeitada por algumas feministas, que acreditam que as mulheres trans não são do sexo feminino.[4]

Causas[editar | editar código-fonte]

Transmisoginia é geralmente entendida como sendo causada pela crença social que os homens são superiores às mulheres. Em Whipping girl, Julia Serano escreve que a existência de mulheres trans é vista como uma ameaça para uma "hierarquia de gênero centrada no homem, onde se supõe que os homens são melhores do que as mulheres e que a masculinidade é superior à feminilidade."[5] A teórica sexual Judith Butler ecoa esta hipótese, afirmando que o assassinato de mulheres transexuais é "um ato de poder, uma maneira de re-afirmar a dominação... o assassinato estabelece o assassino como soberano no momento em que ele mata."[6]

As mulheres trans também são vistas como ameaça a heterossexualidade dos homens cisgénero. Nos meios de comunicação, "enganadores", tais como Dil, uma mulher transexual do filme de 1992 The Crying Game, têm sido observados invocar a indignação e a transfobia masculina em uma audiência quando sua masculinidade "verdadeira" é revelada.[1]

Referências

  1. a b c Julia Serano. «Transmisogyny primer» (pdf) (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2015. 
  2. Harrison, Kelby (2013). Sexual deceit: the ethics of passing. [S.l.]: Lexington Books. p. 12 
  3. Jes Battis (2011). Homofiles: Theory, Sexuality, and Graduate Studies. Lexington Books. ISBN 978-0-7391-3193-0.
  4. Sheila Jeffreys (2014). Gender Hurts: A Feminist Analysis of the Politics of Transgenderism. Taylor & Francis. p. 8. ISBN 978-1-317-69594-3.
  5. Julia Serano (2009). Whipping Girl: A Transsexual Woman on Sexism and the Scapegoating of Femininity. Seal Press. ISBN 0-7867-4791-9.
  6. «Why Do Men Kill Trans Women? Gender Theorist Judith Butler Explains | Broadly». Broadly (em inglês)