Transportes em Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nos anos 1990, muitas autoestradas foram construídas. Na imagem a estrada A28, na região do Grande Porto.
Ponte Vasco da Gama, sobre o Rio Tejo, a 2° maior da Europa.

Os transportes em Portugal foram encarados como uma prioridade na década de 1990, sobretudo devido ao aumento da utilização de veículos automóveis e à industrialização. Portugal foi um dos primeiros países do mundo a ter uma autoestrada, inaugurada em 1944, ligando Lisboa ao Estádio Nacional, a futura Autoestrada Lisboa–Cascais (atual A5). No entanto, apesar de terem sido posteriormente construídos alguns outros troços nas décadas de 1960 e 1970, só no final da década de 1980 foi iniciada a construção de autoestradas em grande escala. Hoje em dia a rede de autoestradas portuguesas é bastante desenvolvida e percorre quase todo o território, ligando todo o litoral e as principais cidades do interior, numa extensão total de aproximadamente 3000 km.[carece de fontes?]

Há ainda os Itinerários Principais (IPs) e os Itinerários Complementares (ICs) que podem ser constituídos por autoestradas, vias rápidas (estrada destinada apenas a tráfego motorizado, com cruzamentos desnivelados e de acesso restrito a nós de ligação) e estradas nacionais. O país tem 68 732 km de rede de estradas, dos quais cerca de 2600 km fazem parte de um sistema de autoestradas. Destes, cerca de 900 km não requerem o pagamento de portagens.[1] Até 2012, a extensão da rede de autoestradas deveria aumentar até aos 3187 km[carece de fontes?].

As duas principais áreas metropolitanas têm sistemas de metropolitano: o Metro de Lisboa e o Metro Sul do Tejo na Área Metropolitana de Lisboa; e na do Porto, o Metro do Porto, cada uma com mais de 35 km de linhas[2][3]

Gare do Oriente, uma das estações ferroviárias e rodoviárias mais importantes de Lisboa.

O transporte ferroviário de passageiros e mercadorias é feito utilizando os 2791 km de linhas ferroviárias atualmente em serviço, dos quais 1430 encontram-se electrificados e aproximadamente 900 permitem velocidades de circulação superiores aos 120 km/h.[4] A rede ferroviária é gerida pela Infraestruturas de Portugal (IP) enquanto que os transportes de passageiros e mercadorias são da responsabilidade da Comboios de Portugal (CP), ambas empresas públicas. Em 2006 a CP transportou 133 milhões de passageiros e 9,75 milhões de toneladas de mercadorias.[5]

A fase de concurso para a construção e exploração de uma rede ferroviária de alta velocidade, com as ligações Lisboa–Madrid, Lisboa–Porto e Porto–Vigo, terá início em 2008 para a primeira, enquanto os concursos para as ligações Lisboa–Porto e Porto–Vigo foram adiados em consequência da atual crise financeira.[6] A exploração deverá começar em 2013 nas ligações Lisboa–Madrid e em 2015 na ligação Lisboa–Porto. O investimento previsto para estas três ligações é de 7790 milhões de euros. Em estudo estão mais duas linhas de alta velocidade: Aveiro–Salamanca e Évora–Faro.[7]

Lisboa tem uma posição geográfica que a torna num ponto de escala para muitas companhias aéreas estrangeiras nos aeroportos em todo o país. O Governo está atualmente a estudar o projeto para a construção de um novo Aeroporto Internacional em Alcochete, para substituir o atual aeroporto da Portela, em Lisboa. Atualmente, os aeroportos mais importantes são os aeroportos de Lisboa (Portela), Faro, Porto (Francisco Sá Carneiro), Funchal (Madeira) e Ponta Delgada (João Paulo II - Açores).[carece de fontes?]

Transporte aéreo[editar | editar código-fonte]

Aeroportos[editar | editar código-fonte]

Transporte marítimo[editar | editar código-fonte]

Transporte rodoviário[editar | editar código-fonte]

Autoestradas[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, a rede nacional de autoestradas apresentava, em 2019, uma extensão total de 3.065 km, tendo assim a 4° maior rede de autoestradas na Europa[8], estando somente atrás de países como Espanha, Alemanha e França, e o segundo país europeu com a maior rede de autoestradas por habitante[9], estando somente atrás da Espanha.

As principais autoestradas são a A1, ligando Lisboa ao Porto, as duas maiores áreas metropolitanas do país, a A2, ligando Lisboa ao sul do país, com as regiões do Alentejo e do Algarve, a A3, ligando o Porto com as principais cidades do norte litoral, como Vila Nova de Famalicão e Braga, até chegar à Espanha, a A4, ligando o Porto com Bragança, até chegar à Espanha, atravessando toda a região nortenha, do litoral ao interior, a A23, ligando Torres Novas, no Médio Tejo, à Guarda, nas Beiras e Serra da Estrela, atravessando todo o interior da região Centro e ligando cidades como Castelo Branco e Covilhã, e a A25, ligando as cidades de Aveiro, Viseu e a Guarda, até chegar à Espanha, ligando o litoral com o interior do Centro.

Estradas nacionais[editar | editar código-fonte]

Transporte ferroviário[editar | editar código-fonte]

O transporte ferroviário em Portugal é composto, essencialmente, pelas infra-estruturas de via e apoio ao tráfego, cuja gestão está entregue à empresa Infraestruturas de Portugal, e pela exploração de passageiros e carga, efectuada, principalmente, pela operadora Comboios de Portugal, e por outras empresas, como a Medway e Fertagus. A rede ferroviária nacional é composta por linhas e ramais (em exploração e não exploradas) com uma extensão total de 3.621,6 km. 70% da rede ferroviária encontra-se em exploração, o que corresponde a uma extensão de 2.526 km, dos quais 1.916 km em via única e 610 km em via múltipla. A extensão de rede eletrificada 1.791,2 km, corresponde a 70,8% do total da rede em exploração[10].

Comboio (trem) Alfa Pendular, o meio de transporte mais rápido (220 km/h) e confortável em Portug

Infraestrutras de Portugal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Infraestruturas de Portugal

Comboios de Portugal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Comboios de Portugal

Longo Curso[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CP Longo Curso

Intercidades[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Intercidades (CP)

Alfa Pendular[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Alfa Pendular

Alta Velocidade[editar | editar código-fonte]

Linha de Alta Velocidade Lisboa–Madrid

Urbanos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CP Urbanos

Portugal tem três cidades com redes de comboios urbanos. É um meio de transporte de alta frequência e de alta capacidade. De acordo com dados da Pordata, este meio de transporte representa no ano de 2019 mais de 270 milhões de passageiros em todo o país.

Um comboio urbano no apeadeiro de Vila Nova da Rainha, na Azambuja

Urbanos de Lisboa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CP Urbanos de Lisboa

A CP Lisboa, fazendo parte da CP Urbanos, é o serviço ferroviário explorado CP, incluíndo serviços da Fertagus, que presta serviços ferroviários a partir da cidade de Lisboa, servindo quase todas as cidades e municípios da sua área metropolitana. A rede é constituída por cinco linhas, quatro linhas da empresa pública CP e uma da empresa privada Fertagus, ligando os municípios de Almada, Barreiro, Amadora, Cascais, Loures, Moita, Oeiras, Palmela, Seixal, Sintra, Setúbal e Vila Franca de Xira com a capital, servindo uma população superior a 2,5 milhões de habitantes.

Tem uma extensão total de 164,4 km, é a segunda maior rede de urbanos de Portugal, a seguir dos Urbanos do Porto. A rede é totalmente eletrificada e duplicada, em troços com muito movimento quadruplicada, servindo 67 estações e apeadeiros, transportando no ano de 2019 mais de 100 milhões de passageiros[11].

Na cidade de Lisboa, a rede dos comboios urbanos têm várias correspondências com o Metro de Lisboa, por exemplo com a Linha Amarela na estação de Entrecampos, com a Linha Azul nas estações da Reboleira, Sete Rios, Rossio e Santa Apolónia, com a Linha Verde nas estações de Roma, Areeiro e Cais do Sodré e com a Linha Vermelha na estação do Oriente, tendo assim nove estações com correspondêcia com o Metro de Lisboa. Existem também várias correspondências com os autocarros da Carris, dentro da capital, com a Carris Metropolitana fora da capital e com a Scotturb em Cascais.

Já em Almada, sendo servida pela linha da empresa Fertagus, a rede dos comboios urbanos servem duas estações com correspondência com o Metro Sul do Tejo, nas estações do Pragal e em Corroios, ligando as três linhas da rede do metro, tendo também correspondência com os autocarros da Carris Metropolitana.

A Linha da Azambuja liga a estação de Santa Apolónia, no centro de Lisboa, com a estação da Azambuja, situada na Lezíria do Tejo, pertencendo à Região do Centro. Tem uma extensão total de 46,9 km, tendo 16 estações e apeadeiros ao longo do seu percurso, e, atravessa os municípios de Lisboa, Loures, Vila Franca de Xira e Azambuja, aproximando assim as grandes áreas urbanas e industriais no noroeste de Lisboa e ligando assim o noroeste da Área Metropolitana de Lisboa. Nesta linha existem três tipos de serviços: os serviços regulares de Santa Apolónia à Azambuja, o serviço Castanheira do Ribatejo a Alcântara-Terra e o serviço Castanheira do Ribatejo a Sintra, sendo oferecido às horas de ponta.

Já a Linha de Sintra liga a estação do Oriente ou do Rossio, depende do tipo de serviço, ambas em Lisboa, com a estação de Sintra ou de Mirasintra-Meleças, dependendo do tipo de serviço.

Um comboio urbano na estação de Campanhã, no Porto

Urbanos do Porto[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CP Urbanos do Porto

A CP Porto, fazendo parte da CP Urbanos, é o serviço ferroviário explorado CP, que presta serviços ferroviários a partir da cidade do Porto, servindo quase todas as cidades e municípios da sua área metropolitana e de sub-regiões próximas, como o Ave, Cávado, Região de Aveiro e Tâmega e Sousa. A rede é constituída por quatro linhas, geridas pela empresa pública CP, ligando os municípios de Amarante, Aveiro, Barcelos, Braga, Espinho, Estarreja, Vila Nova de Famalicão, Gondomar, Guimarães, Lousada, Maia, Marco de Canaveses, Ovar, Paredes, Penafiel, Santo Tirso, Trofa, Valongo, Vila Nova de Gaia e Vizela com a cidade do Porto, servindo uma população superior a 2,1 milhões de habitantes.

Tem uma extensão total de 204,7 km, sendo a maior rede de urbanos de Portugal. A rede é totalmente eletrificada e maioriamente duplicada, em troços com muito movimento quadruplicada, servindo 82 estações e apeadeiros, transportando no ano de 2019 mais de 23 milhões de passageiros[11].

Na cidade do Porto, a rede dos comboios urbanos têm várias correspondências com o Metro do Porto, por exemplo na estação de Campanhã com todas as linhas do metro, exceto a Linha D, que tem correspondência nas estações de São Bento e General Torres. Já a Linha F tem correspondência com os comboios urbanos nas estações de Contumil e Rio Tinto. Existem também várias correspondências com os autocarros da STCP dentro do Porto.

A Linha de Aveiro liga a estação de São Bento, no centro do Porto, com a estação de Aveiro, situada na Região de Aveiro, pertencendo à Região do Centro. Tem uma extensão total de 65,9 km, sendo a linha mais extensa de toda a rede, tendo 25 estações e apeadeiros ao longo do seu percurso, e, atravessa os municípios do Porto, Vila Nova de Gaia, Espinho, Ovar, Estarreja e Aveiro, aproximando assim as grandes áreas urbanas e industriais no sul do Porto e ligando assim o litoral sul da Área Metropolitana do Porto.

Já a Linha de Braga liga a estação de São Bento, no centro do Porto, com a estação de Braga, situada no Cávado, sendo a terceira maior cidade da Região do Norte. Tem uma extensão total de 56,5 km e tem 28 estações e apeadeiros ao longo do seu percurso, atravessando os municípios do Porto, Gondomar, Maia, Valongo, Trofa, Vila Nova de Famalicão, Barcelos e Braga, aproximando assim grandes áreas urbanas e industriais no norte do Porto e e ligando assim o interior norte da Área Metropolitana do Porto.

A Linha de Guimarães liga a estação de São Bento, no centro do Porto, com a estação de Guimarães, situada no Ave, sendo uma importante cidade da Região do Norte. Tem uma extensão total de 58,3 km e tem 25 estações e apeadeiros ao longo do seu percurso, atravessando os municípios do Porto, Gondomar, Maia, Valongo, Trofa, Vila Nova de Famalicão, Santo Tirso, Vizela e Guimarães, aproximando assim grandes áreas urbanas e industriais no noroeste do Porto e e ligando assim o interior noroeste da Área Metropolitana do Porto.

Por fim, a Linha do Marco liga a estação de São Bento, no centro do Porto, com a estação de Marco de Canaveses, situada no Tâmega e Sousa, localizada numa zona com muitos jovens e estudantes da Região do Norte. Tem uma extensão de 62,6 km e tem 27 estações e apeadeiros ao longo do seu percurso, atravessando os municípios do Porto, Gondomar, Maia, Valongo, Paredes, Penafiel, Lousada, Amarante e Marco de Canaveses, aproximando assim grandes áreas urbanas e industriais no oeste do Porto e e ligando assim o interior oeste da Área Metropolitana do Porto.

Urbanos de Coimbra[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CP Urbanos de Coimbra

A CP Coimbra é o serviço ferroviário explorado pela CP, fazendo parte da CP Urbanos, servindo serviços ferroviários a partir da cidade de Coimbra com a sua sub-região e com cidades próximas. A rede tem uma única linha e uma extensão total de 45,4 km, totalmente eletrificada e maioriamente duplicada, ligando a cidade de Coimbra com a cidade da Figueira da Foz, passando por Montemor-o-Velho e Soure.

Os comboios urbanos circulam por 4 municípios, prestando assim um serviço para mais de 240 mil habitantes entre as cidades de Coimbra e Figueira da Foz, passando pelas vilas de Montemor-o-Velho e Soure. Em 2019 registou-se mais de 890 mil de passageiros, o número mais elevado de sempre.

Regional[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: CP Regional

Fertagus[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Fertagus

Mercadorias[editar | editar código-fonte]

Transporte urbano e metropolitano[editar | editar código-fonte]

Metropolitano[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Metropolitanos de Portugal
Uma composição do Metro do Porto
A estação de Cacilhas no Metro de Almada

Portugal tem três cidades com redes de metropolitano[12]. É um meio de transporte de alta frequência e de alta capacidade. De acordo com dados da Pordata, este meio de transporte representa no ano de 2019 mais de 270 milhões de passageiros em todo o país[13]

O único sistema que tem as características mais parecidas às de um metro tradicional é o Metro de Lisboa. Já o Metro do Porto é diferentes, a modalidades tem características comparáveis às de um metro tradicional, mas utiliza material circulante semelhante ao dos eléctricos. No caso da rede de Almada, toda a infra-estrutura e a frota é do tipo de um metro ligeiro.

Metro de Lisboa[editar | editar código-fonte]

O Metro de Lisboa, inaugurado a 29 de dezembro de 1959, é o mais antigo de Portugal. Nessa altura, tinha uma única linha, cobrindo seis quilómetros e meio e onze estações. Desde então, o seu crescimento levou-a a tornar-se a rede mais movimentada em Portugal e a 17° da União Europeia, com 179 milhões de passageiros em 2019[14].

Linhas do Metro de Lisboa
Linha Extensão Número de

Estações

Inauguração
 AzulMetroLisboa-linha-azul-versão-branca.png  ReboleiraSanta Apolónia 13,7 km 18 1959
 AmarelaMetroLisboa-linha-amarela-versão-branca.png  OdivelasRato 11,1 km 13 1959
 VerdeMetroLisboa-linha-verde-versão-branca.png  TelheirasCais do Sodré 08,9 km 13 1963
 VermelhaMetroLisboa-linha-vermelha-versão-branca.png  São SebastiãoAeroporto 10,5 km 12 1998
TOTAL 44 km 56

Ao lado das quatro linhas (Amarela, Azul, Verde e Vermelha) e das 56 estações da rede, está em construção a criação da Linha Verde como uma linha circular, que implicaria a criação de duas novas estações: Estrela e Santos[15].

Também será extendida a Linha Vermelha entre São Sebastião e Campo de Ourique, com passagem pelas Amoreiras, até chegar à estação terminal de Alcântara. Este prolongamento deverá estar concluído até ao final de 2025[16].

Assim, o Metro de Lisboa terá uma rede com perto de 50 km de extensão e servirá 62 estações.

Metro do Porto[editar | editar código-fonte]

A 7 de dezembro de 2002, o Metro do Porto foi inaugurado com uma única linha, sendo a Linha A. Consistia em pouco menos de 12 quilómetros entre as estações da Trindade e Senhor de Matosinhos. A 5 de Junho de 2004, a linha foi estendida até ao Estádio do Dragão, pronta para o Campeonato Europeu de Futebol, o Euro 2004, que decorreu nesse ano em Portugal. A rede ganhou 3,8 km de linha e 5 novas estações no centro do Porto, em túnel subterrâneo aberto propositadamente para o metro.

Com mais de seis linhas (Linha A, Linha B, Linha C, Linha D, Linha E e Linha F) e 82 estações, é a rede de metro mais extensa, com mais linhas e com mais estações em todo o território nacional. Continuando a servir cada vez mais o centro da cidade do Porto com os municipios arredores, existem algumas extensões e novas linhas em construção.

Linhas do Metro do Porto
Linha Extensão Número de

Estações

Inauguração
Metro do Porto linha A.svg Estádio do Dragão ↔ Senhor de Matosinhos 15,6 km 23 07 de dezembro de 2002
Metro do Porto linha B.svg Estádio do Dragão ↔ Póvoa de Varzim 33,6 km 36 13 de março de 2005
Metro do Porto linha C.svg Campanhã ↔ ISMAI 20,8 km 24 30 de junho de 2005
Metro do Porto linha D.svg Hospital São João ↔ Vila D'Este** 11,6 km 19 18 de setembro de 2005
Metro do Porto linha E.svg Trindade ↔ Aeroporto 13,1 km 16 27 de maio de 2006
Metro do Porto linha F.svg Fânzeres ↔ Senhora da Hora 16,4 km 24 02 de janeiro de 2011
Metro do Porto linha G.svg Casa da Música ↔ São Bento 2,5 km 4 prevista para 2024
TOTAL 72,6 km 82

A Linha D ou Linha Amarela está a ser extendida entre a estação de Santo Ovídio e Vila d'Este, aumentando em mais de 3 km a rede do metro e criando mais três novas estações: Manuel Leão, Hospital Santos Silva e Vila d'Este[17].

A futura Linha G ou Linha Rosa está a ser construída entre as estações da Casa da Música e São Bento, servindo as duas estações por uma ligação direta e ligando melhor a Baixa do Porto ao metro. Com a nova linha irá-se acrescentar mais 3 km à rede e duas novas estações: Galiza e Hospital Santo António[18].

Também será construída a Linha H, ou Linha Rubi, que será a segunda linha de metro ligando a cidade do Porto com Vila Nova de Gaia, passando pelo Rio Douro. Irá aumentar a extensão da rede em 6,3 quilómetros e criando mais seis novas estações: Campo Alegre, Arrábida, Candal, Rotunda, Devesas, Soares dos Reis[19].

Assim, o Metro do Porto terá uma rede com perto de 80 km de extensão e servirá 93 estações.

Metro de Almada[editar | editar código-fonte]

Também conhecido como o Metro Sul do Tejo ou Metro Transportes do Sul, foi inaugurado dia 1 de maio de 2007.

Lista[editar | editar código-fonte]

Metro Ano de

Inauguração

Extensão Número de

Estações

Número de

Linhas

Passageiros

(2019)

Metro de Lisboa 1959 44,2 km 56 4 183 milhões[20][21]
Metro do Porto 2002 67 km 82 6 71 milhões[22][21]
Metro de Almada 2007 13,5 km 19 3 15 milhões[21]
TOTAL 124,7 km 157 13 270 milhões[21]

Autocarros[editar | editar código-fonte]

Funiculares[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Portugal é dos países com mais portagens». Consultado em 19 de Abril de 2010 
  2. «Metro do Porto». 27 de março de 2011 
  3. «Metro de Lisboa». 27 de março de 2011. Consultado em 18 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 24 de junho de 2009 
  4. «REFER EP – Rede Gerida». Consultado em 6 de Outubro de 2008 
  5. «A CP». Consultado em 6 de Outubro de 2008 
  6. «Jornal Público». Consultado em 23 de novembro de 2010 
  7. «RAVE – A Rede de Alta Velocidade em Portugal». Consultado em 6 de Outubro de 2008. Arquivado do original em 24 de junho de 2011 
  8. «Portugal é o segundo país da UE com mais autoestradas por habitante». idealista.pt/news. Consultado em 11 de abril de 2022 
  9. ECO (12 de agosto de 2021). «Portugal é o segundo país europeu com maior rede de autoestradas por habitante». ECO. Consultado em 11 de abril de 2022 
  10. «Rede Ferroviária | Infraestruturas de Portugal». www.infraestruturasdeportugal.pt. Consultado em 8 de novembro de 2022 
  11. a b «Relatório e Contas CP 2019» (PDF). CP - Comboios de Portugal, E.P.E. 2020. Consultado em 15 de Julho de 2020 
  12. AMT, Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (2020). «Sistemas de Metro em Portugal» (PDF) 
  13. «Passageiros transportados no metropolitano - Continente». www.pordata.pt. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  14. Miguel, Inês Pinto (27 de janeiro de 2020). «Metro de Lisboa tem novo ano recorde. Empresa transportou 173 milhões de passageiros em 2019». O Jornal Económico. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  15. «Ligação do Rato ao Cais do Sodré dá linha circular a Metro de Lisboa» 
  16. «Notícia TVI: linha vermelha do Metro de Lisboa vai ter quatro novas estações». TVI24. Consultado em 14 de outubro de 2020 
  17. «Novas Linhas do Metro». metrodoporto.pt. 9 de julho de 2020. Consultado em 28 de março de 2021 
  18. «Tribunal de Contas Homologa Construção das Novas Linhas do Metro». metrodoporto.pt. 3 de março de 2021. Consultado em 28 de março de 2021 
  19. «Está aí a Linha Rubi - na hora H». www.metrodoporto.pt. Consultado em 8 de novembro de 2022 
  20. Miguel, Inês Pinto (27 de janeiro de 2020). «Metro de Lisboa tem novo ano recorde. Empresa transportou 173 milhões de passageiros em 2019». O Jornal Económico. Consultado em 8 de novembro de 2022 
  21. a b c d «Passageiros transportados no metropolitano - Continente». www.pordata.pt. Consultado em 8 de novembro de 2022 
  22. «70 milhões de obrigados». www.metrodoporto.pt. Consultado em 8 de novembro de 2022