Tratado Monroe-Pinkney

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Tratado Monroe-Pinkney (em inglês: Monroe–Pinkney Treaty) foi um tratado elaborado em 1806 por diplomatas dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha para renovar o Tratado Jay de 1795. Como foi rejeitado pelo presidente Thomas Jefferson, nunca entrou em vigor. O tratado foi negociado pelo ministro da Grã-Bretanha, James Monroe, e seu associado, William Pinkney, em nome da administração Jefferson e por Henry Richard Vassall-Fox e William Eden em nome do Ministério de Todos os Talentos, um governo liderado por William Wyndham Grenville.

Para os americanos, o tratado tinha como objetivo fazer com que os britânicos abandonassem a prática de impressionar os marinheiros dos navios americanos, abordando os direitos comerciais neutros dos navios americanos durante as guerras napoleônicas em andamento e outras preocupações comerciais.

No entanto, os britânicos estavam com falta de mão de obra para a Marinha Real e acreditavam que muitos desertores britânicos estavam servindo em navios americanos. Na guerra desesperada contra Napoleão, os britânicos acreditavam que não podiam abandonar o recrutamento e que ofender os americanos era visto como um mal muito menor do que perder para Napoleão. Portanto, nenhuma concessão sobre a questão do recrutamento foi feita.[1][2][3]

As negociações foram iniciadas em 27 de agosto de 1806, e o tratado foi assinado em 31 de dezembro de 1806. Jefferson recebeu o tratado em março de 1807, mas ficou desapontado e se recusou a apresentá-lo ao Senado dos EUA para ratificação. Essa falha em resolver as diferenças sobre a questão do recrutamento e dos direitos comerciais neutros contribuiu para a chegada da Guerra de 1812.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Hickey, Donald R. (1987). «The Monroe–Pinkney Treaty of 1806: A Reappraisal». William and Mary Quarterly. 44 (1): 65–88. JSTOR 1939719. doi:10.2307/1939719 
  2. Steel, Anthony (1952). «Impressment in the Monroe–Pinkney Negotiation, 1806–1807». American Historical Review. 57 (2): 352–369. JSTOR 1849880. doi:10.2307/1849880 
  3. Horsman, Reginald (1962). The Causes of the War of 1812. New York: A.S. Barnes