Tratado de Ayllón

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicione esta.

O Tratado de Ayllón foi um tratado de paz entre o Reino de Portugal e o Reino de Castela assinado em 31 de outubro de 1411 em Ayllón (Segóvia),[1] na sequência da batalha de Aljubarrota. Foi ratificado a 30 de abril de 1423.[2]

A batalha de Aljubarrota ocorrera a 14 de agosto de 1385, entre tropas portuguesas sob o comando de João I de Portugal e o seu condestável Nuno Álvares Pereira, e o exército castelhano de João I de Castela. A batalha teve lugar no campo de São Jorge, perto da vila de Aljubarrota, entre Leiria e Alcobaça, no centro de Portugal. O resultado foi a derrota castelhana, o fim da crise portuguesa de 1383-1385, e a consolidação de D. João I como rei de Portugal, iniciando a dinastia de Avis. A paz definitiva com Castela foi selada apenas em 1411, com a assinatura do tratado de Ayllón, já no reinado de João II de Castela, após a agressão portuguesa em território castelhano e ações como a batalha de Valverde (15 de Outubro de 1385), com a vitória do Nuno Álvares Pereira em Valverde de Mérida.

Referências

  1. «Las relaciones entre España y Portugal, desde la época de los descubrimientos hasta las guerras napoleónicas». www.argentina-rree.com (em espanhol). Portal Iberoamérica y el Mundo. 2000. Consultado em 29 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 13 de julho de 2011 
  2. «Tratado Luso-Castelhano Medina del Campo». www.infopedia.pt. Porto Editora. Consultado em 29 de outubro de 2012 


Ícone de esboço Este artigo sobre História da Península Ibérica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.