Travessão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com hífen, ou meia-risca, ou sinal de menos.

Sinais gráficos

apóstrofo ( ' ) ( )
parênteses ( ( ) )
colchetes ou parênteses retos[ ] )
chaves ou chavetas ( { } )
dois pontos ( : )
vírgula ( , )
travessão ( ) ( )
meia-risca ( )
hífen ( )
reticências ( )
ponto pequeno ( . )
ponto de exclamação ( ! )
ponto de interrogação ( ? )
pontos de interrogação e de exclamação invertidos ( ¿ ) ( ¡ )
tio ( ~ )
ponto e vírgula ( ; )
barra ( / )
espaço (   )
ponto mediano ( · )

Outros sinais tipográficos

e comercial ou ampersand ( & )
asterisco ( * )
símbolo de direitos autorais ( © )
arroba ( @ )
aspas ( “ ” )
barra inversa ou contrabarra ( \ )
chevron ( < > )
moeda ( ¤ )
ponto lista ( )
obelisco ( ) ( )
grau ( ° )
indicador ordinal ( ) ( )
cerquilha ou cardinal ( # )
plica ( )
parágrafo ( § )
pé de mosca ( )
percentagem ( % )
símbolos matemáticos
      ( + ) ( ) ( × ) ( ÷ ) ( = ) ( ± )
símbolos monetários
      ( ¤ ) ( $ ) ( ¢ ) ( £ ) ( ¥ ) ( )
traço inferior ou underscore ( _ )
barra vertical ou pipe ( | )
sinal de conclusão ( .·. )
sinal de idem ( )
dois pontos triangulares ( ː )

sinais diacríticos · editar 

O travessão é um sinal de pontuação utilizado para indicar o início de sentenças ou interlocuções.[1] Dos sinais de pontuação é um dos mais utilizados, justamente pelo fato de proporcionar mais clareza do que as vírgulas nas intercalações longas e maior ênfase nos destaques.[2] Dependendo da intenção de uso, o travessão pode ser usado para substituir outros sinais de pontuação, como parênteses, vírgulas e dois-pontos.[2] [nota 1]

Usos[editar | editar código-fonte]

Traço bem maior que o hífen, o travessão costuma ser empregado nas seguintes situações:

1) No discurso direto, para indicar a fala da personagem ou a mudança de interlocutor nos diálogos.[2]

  • — O que é isso, mãe?
  • — É o seu presente de aniversário, minha filha.

2) Para separar expressões ou frases explicativas, intercaladas.

  • “E logo me apresentou à mulher — uma estimável senhora — e à filha.”[2] (Machado de Assis)
  • “A floresta do Congo é a segunda maior do mundo em extensão — a amazônica é a maior —, além de apresentar o segundo maior rio do mundo, o Congo.”[2]

3) Para destacar algum elemento explicativo no interior da frase, servindo muitas vezes para realçar o aposto.

  • “Junto ao leito dormem meus poetas — Dante, Bíblia, Shakespeare e Byron — na mesa confundidos.[2] (Álvares de Azevedo)
  • “Cruel, obscena, egoísta, imoral, indômita, eternamente selvagem, a arte é a superioridade humana — acima dos preceitos que se combatem, acima das religiões que passam, acima da ciência que se corrige; embriaga como a orgia e como o êxtase.”[2] (Raul Pompeia)

Não confundir[editar | editar código-fonte]

  • O travessão (ou risca) não é o mesmo que um hífen nem que uma meia-risca (ou traço “de ligação”, ou risca de meio-quadratim).[1] Diferentemente desses dois últimos, onde não há um espaço antes e após seu uso, no travessão este é obrigatório.[3]
  • A meia-risca, menor, serve para ligar elementos em série (ex.: 1997–2006 ou A–Z ou ainda termos como ponte-aérea Rio–Lisboa ou fronteira Áustria–Itália).
  • O hífen, ainda menor, serve para unir palavras compostas (ex.: couve-flor), fazer a translineação (divisão de uma palavra no final de linha) e, principalmente, fazer divisão em pronomes oblíquos (ex.: ouve-se, fê-lo, arrumaram-no).[1]

Note as diferenças:

glifo Unicode HTML TeX Windows Mac OS
hífen - U+2012 (8210) nenhum - Alt + 0045
meia-risca U+2013 (8211) &ndash; -- Alt + 0150 Option + -
travessão U+2014 (8212) &mdash; --- Alt + 0151 Shift + Option + -

Notas

  1. Neste caso substitui expressões como “isto é“, ”ou seja” etc..[2]

Referências

  1. a b c Véronique Dahlet. Manobras da pontuação. [S.l.]: Editora Humanitas, 2006. 301 p. ISBN 9788577320158
  2. a b c d e f g h Maria Tereza de Queiroz Piacentini. Não Tropece na Língua: Lições e curiosidades do português brasileiro. [S.l.]: Editora Bonijuris, 2012. 304 p. ISBN 9788565017039
  3. Paulo Flávio Ledur; Paulo Sampaio. Os pecados da língua: pequeno repertório de grandes erros de linguagem. [S.l.]: Editora AGE Ltda., 1999. 123 p. ISBN 9788585627133
  • Normas tipográficas da Imprensa Nacional, coligidas in Instruções por Artur de Sousa Gomes, Lisboa, INCM, 1970
  • Nova gramática do Português contemporâneo, Celso Cunha e Lindley Cintra, Lisboa, Edições João Sá da Costa, 1984

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.